sábado, 6 de setembro de 2008

RASCLAAT - A CONTROVÉRSIA DO FYA BURN



Bom, eu vou tentar fazer um comentário bem particular do que acho das idéias do Sr. Gregory Stephens que para mim hoje, é um dos melhores escritores a respeito do reggae internacional. Tem idéias muito boas, e passa seu conhecimento sem implicar na fundação da cultura, e faz o que poucos fazem, PENSAR!!! Pensar a respeito do reggae, do rastafari e da postura que se aplica hoje em dia em uma música que todos amamos, o Reggae.

A controvérsia o Fya Burn, é real e atual, fácil fácil ver hoje em dia o termo “FYA” usado, mas a pergunta que não quero calar é; FOGO EM QUE?! Fora do Brasil, quando converso com amigos, o Fogo que citam é bem diferente do daqui, fogo lá é militância, e não é militância de sair na rua com faixas, colocar fogo em pneus, em padres ou igrejas, é uma militância praticada dentro de casa, de não acreditar em tudo que ouve, vê na TV ou lê.

Stranjah no post de ontem disse uma coisa certa; “O Rat Race [Corrida Vil] começou desde criação, e só com a vontade de TODA população mundial no mesmo tempo chegaremos a melhorar. A babilônia é o consumismo!! e não temos como escapar... para viver, temos que consumir, para consumir temos que usar, para usar temos que gastar, mas para gastar? precisamos de motivo??”

A resposta é “NÃO”, não precisamos de motivo, se eu disser “CONSUMA MENOS, SALVE MAIS” é bonito, mas talvez não ira funcionar, porque hoje temos que manter um Status Social, hoje não é novidade a molecada de 17, 18 anos estar endividada até o último fio de cabelo, o consumo exagerado, faz com que se tornem escravos literalmente da babilônia.

Você acorda pela manhã devendo, trabalha, ganha menos do que deve, continua devendo, mas precisa continuar consumindo, com o passar do tempo, você vê muitos vivendo apenas para quitar suas dividas, em boa parte de um materialismo fútil, coisas que nem mesmo lembram porque estão devendo. Anthony B diz em uma faixa do Judgment Yard “Don’t Burn Your Moneytion” [Não exploda sua GRANAda], pensando dessa forma desperdiçamos mais do que consumimos, na matemática se devo 15,00 e ganho 10,00 – continuo devendo 5,00, e no próximo mês serão 20,00, e nos embolamos em uma bola de neve interminável. Isso é a babilônia de verdade, que vem pra roubar, matar e destruir.

Sobre os Battyboys, quando falam sobre homofobia rasta há um engano, homofobia é medo de gays, o rasta não tem medo de gays, ele simplesmente contesta e não aprova a atitude de relacionamento de pessoas do mesmo sexo, descrito em TODOS os livros monoteístas. Em países ditos ‘democráticos’ a discordância faz parte desse tal ‘democracia’, sendo assim, é justo que possa me expressar a favor ou contra uma postura. E na Jamaica, ser gay é como se fosse uma contravenção, o mesmo que jogar no bicho aqui no Brasil, não é permitido as vistas da lei, e da até cadeia. E outra, lá fora, como no texto, músicas anti-gays da grana, aqui no Brasil, é outra coisa, prefiro dizer que tenho muito mais a dizer do que falar de gays ou mandar fogo neles. E cada um vai ser julgado pelos seus pecados, assim com eu serei julgado pelos meus. SELAH.

Sobre o afro centrismo citado por Gregory, principalmente pela bandeira levantada por artistas como Sizzla, Capleton e Anthony B, aqui já ocorreu esse tipo de movimentação, mas não conhecida como afro centrismo, e sim como Panafricalismo, isso no inicio da década de 90. Era uma movimentação vinda principalmente do Hip Hop, e deveras ocorria muito no gueto, éramos muito influenciados por grupos como Public Enemy, Poor Righteous Teachers, N.W.A., etc... Mas eu acho complicado as vezes uma pessoa nas condições do Gregory reclamar desse afro centrismo que emergiu pelos Bobos Shantis. Desde os primórdios do inicio do reggae ouvimos as palavras “Sufferer” [Sofredor], “Guetto Youth” [Jovem do Gueto], “Black People” [Povo Preto], e tantas outras palavras que retratam o gueto que o preto vive, palavras que dizem; O mundo é um desastre e não agüentamos mais! E não vemos doutores, antropólogos e sociólogos vivendo no gueto, podemos fazer tese, artigos, mas na real, nunca vão entender o problema do gueto, o motivo, simples; O meu problema, não é seu problema. Voltamos a “RAT RACE”, por status de estar no gueto, por status de ser idolatrado pelo gueto. A solução do gueto, é o próprio gueto que vai criar. Por isso sempre digo, cada um que cuide do seu quintal, e depois que limpar o seu quintal, ai sim, pergunte ao seu vizinho se ele quer sua ajuda.

Peter Tosh diz: ‘Love Black, Think Black, Live Black” [Ame Preto, Pense Preto, Viva Preto]. Por mais que um preto tenha uma ascensão social e econômica, ele sempre vai ser olhado por grande maioria pelos cantos dos olhos. Nesse caso volto a falar do panafricalismo, o preto não pertence aqui, foi tirado da África, e como pensamento natural, ele deve voltar de onde ele veio, assim como rasta disse para Gregory, volte para o seu lugar garoto branco, eu já ouvi, volta para o seu lugar garoto do gueto, é uma programação natural que o ser humano sofre para tomar certas ações. Mas cada um deve lutar pelo direito de melhora, independente de ser no gueto ou nos centros emergentes. O que não se deve dizer é como cada um deve viver, e nem que fulano ou beltrano é pré destinado a sofrer, por uma condição imposta.

Mas, o que se ouve muito de alguns jovens que se intitulam rastas é “eu não vou me vender para a babilônia”. Mas, um momento, os pais desses podem se vender para a babilônia? Então temos filhos que se dizem rastas, que fazem o papel da babilônia escravizando seus próprios pais, pois a comida que eles comem, vem de algum lugar, e é comprada por seus pais. Esse quando ouvir numa música que “estamos na correria do arroz com feijão”, nunca vai entender o sentido dessa frase.

E volto a perguntar o jovem que é chamado de playboy, que reclama por essa intitulação, reclama do que? E põe Fogo em que? O que vejo hoje são apenas comentários, em fotologs, em posts no orkut – “Festa de ontem foi FYAA!!!” Voltamos a pergunta que não quer calar, fogo em que?! Saiu de casa, beijou, se embebedou, e ae?! Só isso é FYA?!

FYA no Brasil (e algumas partes do mundo também) se tornou uma palavra para denominar animação, apenas isso, um disco de dub que não diz nada, uma festa cheia de playboys, corpos suados, maconha com amoníaco e bebida. Isso no Brasil é o tal FYA que tanto dizem. Eu com o tempo, aprendi que o fogo é versátil; fogo para purificação como Capleton diz, esse sim é o tipo de fogo que eu gosto, e o melhor é jogar nesse fogo tudo aquilo que não faz bem. Mas também existem outros tipos de fogo; o fogo do desejo carnal, o fogo da vergonha na cara quando sente a face formigar, o ‘fogo de palha’ que acende e apaga no mesmo momento. Vários tipos de fogo, para todos os tipos de pessoas.

O que mais concordo no texto sobre A Controvérsia do Fya Burn, é a necessidade de mudanças, de comportamento, de atitude na compreensão de um todo; a respeito do rastafari, a respeito do uso do fogo como forma de expressão, do afro centrismo que sem conhecimento de fato, é tão prejudicial quanto a atitude da supremacia branca de Hitler. O maior incentivo que o Rastafari deve dar é o da busca de conhecimento, essa sim é a única forma de vencer o RAT RACE, é o conhecimento com fundamento, vivencia e disciplina.


O CONHECIMENTO REINA SUPREMO, SEMPRE!

ƏGZIABHIYÄR YMÄSGN

[Graças ao Supremo Criador]

Por RAS Wellington - underground_roots@yahoo.com.br
DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!