domingo, 31 de outubro de 2010

STEVE MOSCO [JAH WARRIOR] ENTREVISTA JAH SHAKA

JAH SHAKA @ SP - Foto por Luiz Egidio
Dia 24/10 passado o maior ícone dos sound system ao redor do mundo esteve em São Paulo numa tarde que não poderia ter mais a cara de SP, tarde com céu cinzento e tempo úmido. Tarde feliz, todo mundo a vontz, praticamente todos os dj's, seletores, sound systems próximas a cidade de SP estavam presentes para ver a sessão ou show do maior seletor e operador do reggae de todos os tempos. 

Infelizmente não conseguimos falar com o velhinho, mas segue abaixo uma entrevista cedida a Steve Mosco em 1986. Em uma próxima a gente fala com o nego véio Shaka com certeza. Deixamos também um big big big up para Quilombo Hi Fi, Victor Rice e Buguinha Dub que fizeram o warm up antes do Might Zulu Warrior mandar seu fogo. 

Entrevista com Jah Shaka 

Aqui está uma entrevista conduzida por Steve Mosco com o legendário JAH Shaka em 1984. Leia o conteúdo original em http://www.jahwarrior.freeuk.com/ivshaka.htm

Steve Mosco: Desde quando o sound está na ativa?
JAH Shaka: Desde 1970

Steve Mosco: Quando você começou o sound, era a sua intenção que ela fosse da mesma forma que é hoje - um som dub Rasta?
JAH Shaka: Sim, ele sempre foi um som dub. O som saiu da luta nos anos 70, que os negros estavam passando neste país (Inglaterra) - que se reuniram e decidiram que o som deve desempenhar um papel importante em função dos direitos dos negros e gostaríamos de trabalhar duro para isso e promover um melhor propósito mental dentro da raça negra. 

Steve Mosco: Não havia muito dub por volta dos anos 70 lá? Ele só começou a acontecer alguns anos depois não foi?
 
JAH Shaka: Bem, eu tive dubs nesse momento. Eu costumava pegar um pouco na Jamaica, e o que não conseguimos, fazíamos nós mesmos. Nós tivemos um monte de músicos criando coisas para nós. 

Steve Mosco: A música mudou muito no início dos anos 70 - o som que pessoas como King Tubby também mudou espiritualmente – o que você acha que aconteceu?
 
JAH Shaka: O conceito espiritual era o povo se lembrar de seu passado – este foi mantido vindo para a música - como as pessoas se lembravam de sua história se repetiu nas gravações para fazer o resto da nação ter consciência do que tinha acontecido. 

Steve Mosco: A música ficou muito mais pesada também – isso era uma idéia consciente?
 
JAH Shaka: Sim, porque originalmente o baixo veio da África, de modo que o som do downbeat se fez presente na música – um tempo atrás o reggae foi copiado a partir de registros Ingleses ou hits americanos, apenas para reproduzi-los, e não havia nenhuma repercussão na época, mas agora tudo isso mudou. 

Steve Mosco: Você gravou um monte de coisas nos últimos anos. Será que isso significa que você não pode gastar tanto tempo com o sound system como você costumava fazer?
 
JAH Shaka: Bem, todo o conceito de sistemas de som agora mudou desde que eu entrei no negócio. Tornou-se um chamariz agora para certas pessoas, por isso eu prefiro ter essa disciplina ortodoxa sobre o sistema de som - então você não se envolver tanto no lado comercial das coisas - somente certas pessoas que querem reservar este som, sabendo o tipo de música que tocar. Eu não estou tocando em uma base comercial. 

Steve Mosco: O que você está fazendo estritamente uma mensagem ou é entretenimento, por assim dizer?
 
JAH Shaka: Mensagem e entretenimento. Música é a única linguagem que todos conseguem compreender, de certa forma a mensagem está sendo realizada, mas as pessoas também apreciam a música por causa da batida - mesmo se que alguns não consigam compreender as palavras querem entrar no ritmo. 

Steve Mosco: O que você vê para o futuro do sound system do Shaka?
 
JAH Shaka: Bem desde o início a minha ambição era tocar para o povo da África, assim eventualmente esperamos fazer um show de reggae na África, com uma banda também. Nós estamos esperando para mudar algumas coisas e fazer as pessoas abrirem suas mentes. 

Steve Mosco: É estranho que a música que você toca vem da África mas a maioria das pessoas na África não ouvem muito reggae.
 
JAH Shaka: Não, eles estão esperando pacientemente para ouvi-lo. De vez em quando promotores levam discos para esses lugares e levam bandas também, mas às vezes as coisas dão errado, porque há tanto acordos intercontinentais para fazer, então as coisas são um pouco meio a meio desse lado. Mas eles estão definitivamente querendo ouvir reggae plenamente. 

Steve Mosco: Eu ouvi dizer que você realmente não vai para as competições, mas você sempre foi classificado como o número um por anos.
 
JAH Shaka: Yeah. Você sabe o conceito do som é uma coisa diferente. Eu não sei a partir de que conceito mais sounds são construídos, mas não tínhamos esse conceito desde o início e temos que vê-lo passar, o que for preciso, para se levar o som para tocar, por si só para isso, então é isso que Eu prefiro fazer. 

Steve Mosco: Por que você acha que a maioria das pessoas o seguem - com exceção da coisa espiritual, deve haver algo sobre a maneira que você toca - Porque você acha que a maioria das pessoas o respeitam?
 
JAH Shaka: Bem, nós sempre tentamos cumprir o que nós dissemos que é nosso objetivo - nós sempre declaramos estas coisas e as pessoas estão cientes de que, assim o conceito está se espalhando. Vai mais além do que o sistema de som, porque a música é um trampolim para passar a mensagem. Esperamos que não só as pessoas negras, mas também pessoas de outros países possam apreciá-a e ouvir o que temos a dizer. 

Steve Mosco: No últimos anos tem havido um esforço feito por algumas pessoas para empurrar o reggae para um público internacional, mas você acha que seria impossível de você alcançar por causa dos assuntos que aborda?
 
JAH Shaka: Bem o que eu diria para que é que quando você tem uma corrida olímpica e alguém ganha os 400 metros, isso não significa que essa pessoa é o corredor mais rápido do mundo. Não poderia ser outra pessoa ainda mais rápido que ninguém conhece. Algumas pessoas têm de correr para a comida, mas essas pessoas não têm os contatos para chegar a essas etnias. Um monte de pessoas hoje estão fazendo uma música que não são promovidas fora dos sistemas de som, que são os principais meios de reggae, porque antes de qualquer estação de rádio reggae, estávamos promovendo grupos como os Abyssinians, Burning Spear, etc. Bem, agora, pessoas que buscam nas gravadoras conhecidas esses nomes, mas não todos. Estes são os artistas que abriram o caminho, mas eles são empurrados em segundo plano, e as novas pessoas que estão fazendo novas coisas não são promovidas de forma adequada. Portanto, independentemente de quão longe o reggae está chegando, você teria que ter uma estação de rádio que as pessoas saibam o que está acontecendo, e não apenas duas horas aqui, duas horas lá. 

Steve Mosco: O reggae é uma música underground mesmo na Jamaica, porque dificilmente você tem qualquer reggae sendo tocado nas rádios na Jamaica.
 
JAH Shaka: Bem, sim, isso vale a pena falar - certos tipos de música são empurrados e alguns tipos ficam para trás, e isso é totalmente errado. É por isso que o nosso som toca as pessoas que não recebem promoção. 

Steve Mosco: Como você descreveria o efeito que dub tem sobre você? 
JAH Shaka: Bem, porque sou músico há certas coisas que eu estou procurando antes mesmo de ser jogado. Algumas pessoas podem sonhar mentalmente, mas fico com meus sonhos através de minhas orelhas, assim, portanto espero que certas coisas e quando eu ouço isso eu sei. Esse é o tipo de música que tocamos - o que atinge o coração - na verdade é uma música de ritmo cardíaco. 

Steve Mosco: O senhor poderia descrever como é este sentimento? Eu vi você em festas onde você entra em um transe, e as pessoas na multidão também - que, obviamente, vai além do entretenimento e em um tipo completamente diferente de vibe. 
JAH Shaka: Bem... é a força da música. Damos graças a Sua Majestade Imperial Haile Selassie para ser capaz de fazer isso, porque no início era o verbo, e nós temos que colocar a palavra toda, então nós damos a todos os louvores a Deus ... a música é sentimento, não importa onde ela é tocada. Algumas pessoas dizem que não é música boa se não for tocada na Jamaica, mas então você teria que dizer que ninguém pode sentir nada a não ser o que está na Jamaica. Deus criou as coisas certas e as coisas parecem que em determinados momentos, quando a música é tocada no momento certo .... é um sentimento criado pelo próprio Deus. 

Steve Mosco: Em uma sessão onde você está tocando no seu próprio país, que poderia ser de 8 ou 9 horas, há uma tentativa consciente de criar as vibrações enquanto a noite avança? 
JAH Shaka: Você não pode sair e pretender tocar um determinado disco, porque Deus me inspirou a fazer o que estou fazendo, então eu tenho que ir com a sensação do momento. Eu poderia tocar um disco que, em seguida, me inspiraria naquele momento para tocar o outro para seguir, e assim por diante. 

Steve Mosco: Voltando ao assunto da competição, se você estivesse tocando com um outro sound e cada um se provocar, como você reagiria sobre ele? 
JAH Shaka: Bem, o sistema do negócio sadio realmente saiu do controle por causa dessas coisas, mesmo as empresas de reggae. Quando eu comecei o som e estava tocando para gente que sofre, as pessoas só queriam se divertir - você pegaria alguém do outro som chegando e se ofereceria para comprar uma bebida, mas depois foi para o palco onde as pessoas começaram mudar a forma como eles tocavam. Em vez de tocar para agradar o público, o que ainda faço, eles disseram que estavam vindo para assumir o próximo som em um confronto, e que poderia ter trazido uma grande multidão - eles poderiam ter trazido 200 pessoas e eu poderia ter trazido 200 pessoas, mas no final da noite, houve muita conversa sobre o microfone e os discos não foram suficientes sendo tocados e as pessoas foram para casa decepcionadas. Bem, este não é o nosso objetivo por isso prefiro evitar totalmente isso. Eu não estou querendo provar nada, tudo que eu quero fazer é passar uma mensagem para o povo. Além disso, você pode gastar muito dinheiro para tocar em uma competição e no final da noite você pode até não ter um quarto desse dinheiro de volta, o que não faz sentido. Pessoas apertando sua mão e dizendo que você é muito bom e você tem um monte de troféus, mas você não tem dinheiro, e você é o único que está fazendo o trabalho, assim estes aspectos têm que serem observados com cuidado. 

Steve Mosco: Você é também bastante incomum, se vê que você está muito bem num show de um homem só - operador e dj. Você sempre teve a intenção de fazer isso? 
JAH Shaka: Não diretamente, mas aconteceu que funcionou dessa maneira ao longo dos anos. Não tenho momentos em que nós tivemos um monte de djs, mas por causa de nosso estilo ortodoxo, agora não há muitos djs que dão um passo adiante e pedem o microfone, sabem qual é o nosso estilo. É um jogo completamente diferente da maioria dos sounds. 

Steve Mosco: Você apareceu em uma cena no filme "Babylon", que retratou um clash de sounds que estava ficando muito forte e quase levou a uma briga. 
JAH Shaka: Bem, essa é a impressão que as pessoas que fizeram o filme tinham sobre os sound systems, eles já tinham ouvido falar das competições. Eles me deram um script em primeiro lugar e quando eu li isso eu me recusei a fazer o que eles queriam. Acabei dirigindo a cena que apareceu pra mim, porque todos o acúmulos que a antecederam, com as pessoas do meu sound enfrentaram um outro sound, bem, simplesmente não iria em frente. Nós temos um conjunto de pessoas muito disciplinadas, e eu era totalmente contra a maneira como eles retrataram e construíram a festa no filme. 

Steve Mosco: Falando sobre o lado técnico do sound agora, você sempre foi observador para os efeitos como syndrum e sirene, etc Quando você começa primeiramente a idéia de usá-los? 
JAH Shaka: Bem, eu sempre tinha algum tipo de efeito de som, não a este nível, mas ao longo dos anos se acumula onde você quer mais e mais. Na verdade eu estava pensando em pegar um conjunto de quatro syndrums, porque as coisas novas estão sendo construídos agora. Quanto mais você pode colocar na música, melhor será. Na África, você pode ter 200 pessoas na percussão, tudo ao mesmo tempo, e dança. Certos sons que eu uso, eu não sei se as pessoas pegaram o tema, mas eles são realmente os sons da floresta, como pássaros e sons que você ouviria no deserto. 

Steve Mosco: Esses efeitos são exemplos de tecnologia ocidental. Como você os vê na montagem de Reggae? 
JAH Shaka: Bem, é isso que eu estou dizendo - a menos que você possa começar com 200 pessoas para fazer esses ruídos, você tem que encontrar aparelhos eletrônicos que podem fazê-lo. Se nós estivéssemos gravando na África, então talvez nós poderíamos ter 200 pessoas para tocar bateria, mas até lá temos de nos contentar com outras coisas. Mas não há nada que diz que os Rastas não devem usar a tecnologia. Precisamos de aviões, navios e todas essas coisas. 

Steve Mosco: O mundo está em uma má forma consideravelmente no momento. Há mesmo uma ditadura militar na Etiópia. Você acha que sua música pode ter um efeito sobre como as coisas são em tudo? 
JAH Shaka: Eu gostaria de pensar assim. Historicamente, todos os conflitos têm começado no Oriente e a maioria deles tem sido causado pelo colonialismo. Agora as pessoas estão dizendo que eles não querem ser colonizados e estão se rebelando contra seus governantes. Mas Rastas não tem medo dessas coisas. Estamos só de passagem por este lugar onde estamos vivendo temporariamente em nosso caminho para casa. E o conhecimento que temos adquirido em qualquer país que temos vivido, nós vamos tomá-lo de volta à África com a gente e usá-lo para construir o nosso país lá. Eu não acho que nós estamos pedindo muito para fazer isso, e não é um problema para qualquer um, se fizermos isso. Pessoas estão morrendo de fome lá e a única coisa que o mundo tem feito é construir armas nucleares, então temos que ajudá-los e a nós mesmos. Nós não vamos ficar aqui e sofrer a brutalidade, sem direito de nos expressar - se você é uma pessoa negra com uma empresa de pequeno porte fica desligado ou outra coisa acontece, e as pessoas têm falado sobre isso há anos, mas o que tem sido feito? Nós não queremos lutar em um país que não pertence a nós, e nós, os Rastas somos pessoas pacíficas, então preferimos deixar este lugar.


Assista a apresentação de Jah Shaka em São Paulo no Outubro Independente (2010).

terça-feira, 26 de outubro de 2010

PODCASTING FYADUB #8

Oitavo podcast do FYADUB no ar, com presenças permanentes de Funk Buia, RAS Wellington e Zulusouljah. O FYADUB agradece a todos o apoio e fortalecimento no trabalho, nas idéias e suporte de todos os lados do nosso Brasil e de outros lugares do mundo. JAH Bless Ya!!!!!!!



Siga o FYADUB no twitter: http://twitter.com/fyadub
Envie sua música, sugestão ou critica por e mail: fyadub@yahoo.com.br
Visite o FYADUB: http://www.fyadub.com
Faça o Download de todos os programas no link: http://www.4shared.com/dir/7qlGwVi1/FYADUB_PODCAST.html

PROMOÇÃO PODCAST FYADUB :: CAIU A MIXA


Se liga jah jah... a promoção "Caiu a Mixa" do podcast do FYADUB começa quente.

Quem escrever em até 20 linhas uma história loka contando a mixa que caiu, pode ser de um mano, de uma mina, de um bunda amarela que você conhece, ou inventar uma... mas ai cuidado pra não cair a sua mixa... se liga jão.

O sortudo com a melhor história ganha:

1 Camiseta do Z'africa Brasil
1 pack com cd's e mixtapes do catálogo do FYASHOP
1 LP (a definir o título) do catálogo do FYASHOP
1 7inch (a definir o título) do catálogo do FYASHOP
* Detalhe: podemos aumentar os prêmios sem tempo ruim!!!!!

E ainda vai ter o texto que enviou lido no podcast da última semana do mês de dezembro.

O e mail para enviar o texto é fyadub@yahoo.com.br

E para ouvir os podcasts do FYADUB, só clicar no link: http://www.mixcloud.com/fyadub/

GREGORY ISAACS - R.I.P.

Gregory Isaacs :: 1951 - 2010
Um dos vocalistas mais amados da Jamaica, tão pertinente no dancehall quanto nos quartos, a carreira de Gregory Isaacs se estendeu por 30 anos. Desde os dias inebriantes do reggae com os amantes do rock, um gênero que ele praticamente participou da criação, que o seu talento chegou na idade moderna. Nascido na área de Fletcher's Land de Kingston, Jamaica, em 15 de julho de 1951, Isaacs chegou no mundo da música através do circuito de shows de talentos, uma fórmula experimentada e verdadeira para muitas das estrelas que estavam iniciando na ilha. Byron Lee foi o primeiro na indústria a reparar no seu talento e lhe trouxe junto com Winston Sinclair até o estúdio para gravar o dueto "Another Heartbreak", em 1968. Infelizmente, não deu em nada, e Isaacs decidiu tentar a sua sorte com um novo trio vocal, os Concords. Eles fincaram residência no selo Rupie Edwards que era sucesso na época e ao longo dos próximos dois anos, lançaram uma série de singles, incluindo um com Prince Buster, mas nenhum deles até o momento chamou a atenção do público jamaicano.

Em 1970, o Concords se tornaram um duo e Isaacs lutou sozinho. Suas auto-produções iniciais foram igualmente negativas, enquanto outros cortes com Edwards não foram melhores. Independentemente desta trajetória pobre, em 1973, Isaacs montou sua loja de discos próprios e seu próprio selo, African Museum, em parceria com Errol Dunkley, um jovem cantor, com uma seqüência de hits de sua própria autoria. Aparentemente, com alguns passes de magia própria Dunkley se desgastou, e um dos primeiros lançamentos da gravadora foi de Isaacs, que auto-produziu "My Only Lover", que foi um sucesso imediato e deixou as comportas abertas. Além da gravações do African Museum, Isaacs ajudou a manter o selo através das gravações de praticamente todos os produtores da ilha para um fluxo de trabalho que não mostrou nenhum sinal de diminuir.

Entre 1973 e 1976, sozinho, o cantor lançou mais material do que a maioria dos artistas fez em uma vida, quase todos clássicos atemporais. Os primeiros álbuns de Isaacs, inevitavelmente angariaram seqüências dessas visitas, enquanto que normalmente também incluia algumas canções novas. 1975's In Person, por exemplo, apresenta uma coleção de sucessos pesados para o produtor Alvin Ranglin e foi seguido em 1977 por Best of, Vol. 1 e est of, Vol. 2 em 1981. (O selo, Heartbeat lançou esse material em três CDs para nos EUA: My Number One, Love Is Overdue e The Best of, Vol 1 e 2.). Da mesma forma, de 1976 All I Have Is Love inclui um pacote cheio de sucesso de produções de Sidney Crooks. Extra Classic, co-produzido por Isaacs, Pete Weston, e Lee Perry, também é recheado com big tunes e mostra profundamente as raízes de Isaacs. O último álbum apareceu no African Museum gravado por uma variada gama de produtores, em três volumes intitulados ao longo dos anos.

Em 1977, o Reino Unido teve sua experiência dread através de Mr. Isaacs, lançado pelo seloa de Dennis Brown DEB. (Brown lançou vários álbuns clássicos de sua autoria pelo African Museum). Por esta altura, os dois pólos de Isaacs eram evidentes: o cantor de raízes, cujas canções emotivas e sofredor cultural fez diversos números serem preenchidos com o fogo, e tinha o amante cantando, cuja paixão e declarações de devoção tremia de emoção. Eventualmente, os laços do vocalista para com a cena rock viu a sua reputação como o Cool Ruler ofuscar, o intérprete igualmente apaixonado pelas raízes, mas o seu trabalho na segunda metade dos anos 70 mostra que o seu coração era verdadeiro para ambos. Isaacs foi rápido para aproveitar o aumento dos DJs; Ranglin como produtor aparelhado com uma seqüência de prensas de ponta para uma nova enxurrada de hits, no início em 1978. Foi nessa época que ele primeiro fez o link up com DJ Trinity, uma parceria mantida para a próxima década através de um fluxo de singles seminais.

Até agora, Isaacs era um talento grande demais para se ignorar, e em 1978, ele assinou com a gravadora Virgin, na época linha de frente das majors. Naquele mesmo ano, o cantor teve um papel de destaque no filme Rockers. Inexplicavelmente, porém, como Isaacs estava prestes e a beira do sucesso internacional, ele não conseguiu se definir para o resto do mundo. Seu álbum de estréia, Frontline, o excelente Cool Ruler, mal agradou fora da Jamaica. Ele, no entanto, a maior parte do material para Slum: Gregory Isaacs in Dub, que dizia que os ritmos de gordos eram para os revolucionários, o tecladista Ansel Collins, com Prince Jammy e Isaacs-se estavam por trás da mesa de mixagem. Cool Ruler saiu logo em seguida, 1979 cheio de hits prestes a se tornarem clássicos, mas também não fazem a menor diferença no mundo além da Jamaica na época. A última faixa-título foi produzida por Sly & Robbie e deu o rótulo para Taxi seu novo hit. Isaacs cortou vários singles maiores com a equipe, que foram reunidos para 1980 no álbum Showcase. Mesmo com Frontline fora do quadro, Isaacs continuou persistindo. Inking uma pareceria no Reino Unido com o selo PRE e seguro com sua fortuna na Jamaica, o artista continuou despejando hit após hit. Sua estréia no Pré, The Lonely Lover, deu seguimento para em 1981 ser lançado More Gregory, ambos com a banda Roots Radics que vinha de uma série de hits da Jamaica, que variam do lovers rock, do roots reggae e o dancehall que estava emergindo na época. Não admira que o cantor foi um sucesso nos primeiros Reggae Sunsplash. Foi neste momento que pisou na Island e teve seu contrato assinado o selo Mango. 

O cabeça da gravadora Virgin Richard Branson deve ter se amaldiçoado por sua própria estupidez, como Isaacs imediatamente reembolsou sua fé no seu novo selo com seu maior sucesso de todos, "Night Nurse". A canção intitulada marcava sua estréia na Mango, outra obra-prima, e novamente contou com a força do Roots Radics. Surpreendentemente, a canção se espalhou pelo mundo, o cantor ficou um tempo afastado devido uma temporada na cadeia jamaicana, que foi o resultado de uma apreensão de drogas. Ele foi liberado mais tarde em 1982 e imediatamente entrou em estúdio para gravar com os produtores para gravar Out Deh com Errol Brown e Flabba Holt produzindo. Uma vez mais, agora capaz de subir ao palco, Isaacs fez uma série de shows inspiradores para o próximo ano, captados ambos em 1983 Live at Reggae Sunsplash e no ano seguinte Live at the Brixton Academy que se tornaram álbuns. Nos bastidores, Isaacs entrou na conspiração obscura de vocalistas e determinou a devolução de vocais para o seu lugar no mercado por inundações de discos nas lojas de música. Um elenco estelar de cantores veteranos se juntou ao enredo, incluindo Dennis Brown, John Holt, Delroy Wilson, e muitos mais, mas nenhum deles chegaria à proliferação musical que Isaacs havia determinado.

Estimou-se que o cantor lançou até 500 discos (incluindo coletâneas), na Jamaica, Reino Unido e os EUA juntos. Isaacs gravou como ninguém e foi tão rápido a rever suas músicas antigas como criar outras novas. Embora nenhum destes são totalmente descartáveis, inevitavelmente, a qualidade do trabalho Isaacs completo, começou a declinar em meados dos anos 80. Ted Dawson produziu Easy e All I Have Is Love Love Love, que por exemplo, certamente tem seus encantos, mas dificilmente são cruciais. Mas isso não significa que os hits tinham secado. Esses são os álbuns de 500 registros apenas, não escolhidos por Isaacs, e as lojas (e selos) continuaram a transbordar de 45 produzidos e lançados por Isaacs. E a ascensão do ragga adicionando novos produtores com remixes do cantor estourou.

Em 1984, o produtor Prince Jammy, igualmente intrigado com a mudança de sons para o dancehall, trouxe Isaacs para o estúdio para o soberbo Let's Go Dancing, ao mesmo tempo, o emparelhamento com o cantor Dennis Brown para Two Bad Superstars. Este último se tornou tão popular que um segundo grupo, Judge Not, apareceu no ano seguinte. Os dois cantores fizeram um dueto novamente em uma faixa no álbum de Isaacs de 1995, Private Beach Party, que também tinha um "Feeling Irie", requintados que com ele veio Carlene Davis. O álbum foi produzido por Gussie Clarke, um homem com o objetivo de criar um determinado som crossover internacional, através de sua própria operação one-stop à la Motown. Ele não teve muito sucesso ainda nessa época, mas Private Beach Party ajudou a lançar as bases.

1987, em seguida, trouxe uma colaboração com Sugar Minott no álbum Double Dose. Isaacs rapidamente se encontrou como um herói no dancehall. Foi durante este período que Isaacs também gravou um álbum com King Tubby. Aviso, o álbum apresenta os ritmos magníficos do Firehouse Crew, e um ambiente escuro, de maus presságios linkando todo o conjunto. Não foi lançado na época e só veio à tona após o assassinato do grande homem em 1989. Até então, Isaacs já invadiu o mundo, digital ou não, em 1988 Gussie Clarke-produziu "Rumours" (cujo riddim lançou dezenas de hits novas versões, incluindo JC Lodge com "Telephone Love", com um sucesso ainda maior). O magistral Red Rose for Gregory apresenta um punhado de hits ao lado de tão sublime faixas lançadas em 45, todas cortadas por Clarke. A par do acompanhamento, IOU 1989, é indiscutivelmente um álbum ainda mais forte. Nesse mesmo ano, Clarke reuniu Isaacs e Brown para o álbum de No Contest. Isaacs continuou a gravar singles seminais com Clarke, além de gravar com uma série de outros produtores. Em 1990, juntou forças com Niney Holness para o excelente álbum On the Dance Floor. No ano seguinte viu Fatis nos controles de Call Me Collect, orgulho de Sly & Robbie e Clevie, enquanto Bobby Digital adicionava o som da sua produção original de 1991 de Set Me Free. E, fechou um acordo com os EUA na RAS, encabeçando o selo, o Dr. Dread, supervisionou em 1992 o memorável Pardon Me. Philip Burrell foi para a cadeira de produtor para lançar em 1994 o álbum Midnight Confidencial.

Mas havia uma enorme quantidade de títulos, bem menores, enquanto Isaacs sempre parecia capaz de bater a marca com os singles, álbuns necessários, com mais esforço do que ele foi muitas vezes quisr, ou poderia. No Intention e Boom Shot, ambos de 1991, são registros do cotidiano, com ele em piloto automático. Passado e futuro pareciam promissores e características ilustres de convidados como Sly & Robbie, JC Lodge, Riley Winston, e Gardiner Boris com material novo e velho, mas é óbvio que o coração de ninguém é realmente naquilo a todo momento. O disco Rudie Boo (lançado pela Heartbeat nos EUA como My Poor Heart) sofreu a mesma falta de interesse por parte dele. Pelo menos foi desbloqueado 1993 apresentando um forte conjunto de canções, mas muito dos lançamentos de Isaacs, durante os anos 90 foram tipo acerto e erro. Midnight Confidential, por exemplo, é totalmente descartável, exceto para o magnífico " Not Because I Smile." A maioria dos álbuns freqüentemente revisitam seus sucessos antigos, que mesmo na pior tendem a destacar-se a novos ouvintes. Mais jovens ou menos experientes alguns produtores estavam em perigo e em particular e com o passar dos anos, era só para os produtores mais resistentes e mais inovadores que poderiam induzir o melhor do cantor. Alvin Ranglin, por exemplo, teceu um conjunto requintado de canções emocionalmente dilacerado por Isaacs em 1995. O duo de produtores Mafia & Fluxy's, experientes no dub inspirou uma das melhores performances de Isaacs. O mais sensato nos discos de Isaacs nos últimos anos era olhar para os créditos da produção. Se você gosta da produção slick que é a marca registrada da Bunny Gemini, é provável que você vai apreciar, o disco de 1996 Mr. Cool. Junior Reid gosta de diversidade e, portanto, não é uma coisa que homem tem em espadas, a partir do slacker-temático "Big Up Chest" a um reformado " Don't Dis the Dance Hall." Steely & Clevie foram convidados para produzir o disco de 1998 Hardcore Hits, se você não for um fã do dancehall digitalizado, escolha outro álbum. King Jammy é solto em 1999 a desligar as luzes e, embora não à altura dos padrões de Let's Go Dancing, ainda é um passeio agradável. Joe Gibbs, Errol Thompson, e Sidney Crooks emprestaram seus conhecimentos para So Much Love, outra das melhores ofertas de Isaacs. Ele mostrou no novo milênio uma altivez no Father and Son, que fiel ao título apresenta Isaacs e seu filho Kevin. Os duetos são lindos, enquanto para o mais jovem, Isaacs da espaço de sobra seu filho provar que seu talento é igual a seu pai. No ano seguinte, I Found Love marcou o segundo tempo que os dois trabalharam juntos. 

O cantor faleceu em sua casa em Londres na segunda feira, 25 de outubro 2010 aos 59 anos.

JAH BLESS GREGORY.


segunda-feira, 18 de outubro de 2010

PODCASTING FYADUB #7 FEAT. SOMBRA

Neste sétimo programa, o convidado é um dos nomes mais importantes do Hip Hop nacional. Conversamos com Sombra (SNJ) num programa mais que especial com duas horas de puro entretenimento inteligente.

Qualquer treta.. Qualquer ziqui zira... pode pá que é ele.. SOMBRA MAN MAN MAN MAN.....



Siga o FYADUB no twitter: http://twitter.com/fyadub
Envie sua música, sugestão ou critica por e mail: fyadub@yahoo.com.br
Visite o FYADUB: http://www.fyadub.com
Faça o Download de todos os programas no link:http://www.4shared.com/dir/7qlGwVi1/FYADUB_PODCAST.html

30/10/2010 - Z'AFRICANA C/ Z'AFRICA BRASIL, RAS, ZULUSOULJAH E DJ FORMIGA


Sábado, Dia 30 de outubro de 2010, O grupo de rap brasileiro Z’África Brasil inaugurará um Projeto mensal em SP que chamará “Z’ÁFRICANA”.

Será uma festa mensal com o show o Z’África Brasil com a banda a Zafricanos sempre com convidados especiais e repertorio diferenciado. Será uma verdadeira celebração com muito axé!

Na Toca discos terá muito Ragga, Afro Beat,Reggea,Samba,Samba Rock, Dub, Dubstep alem de muito Rap.

DJS da Noite de Inauguração:
*Ras Wellington - Fyadub
*Zulusouljah
*DJ Formiga (Vinil é Arte)

Acontecerá todo ultimo sábado de cada mês no Espaço Zé Presidente



NOME NA LISTA MANDADO PELO EMAIL PAGA 10 Reais - zafricabrasil@gmail.com


Local Espaço Zé Presidente
Rua Cardeal Arcoverde, 1545 – Pinheiros - São Paulo – SP
Horário inicio festa:  22h
Horário show: 1h00min

Entrada:
10 Reais antes da 1:00 Horas
15 Reais depois da uma até 2:00 Horas
20 Reais depois das 2:00 Horas

Apoio

Z’África Brasil formado por MC Gaspar, Funk Buia, Pitcho e DJ Tano.

Z’África Brasil apresentam canções do primeiro álbum, o já clássico “Antigamente Quilombos, Hoje Periferia”, de 2002, e do trabalho mais recente, “Tem Cor Age” (YB Music/Instituto/Elemental), de 2006. O disco foi produzido por Tejo Damasceno e Rica Amabis, do Instituto, e por Érico Theobaldo, o DJ Periférico, e conta com convidados como Céu, Zeca Baleiro, Toca Ogan (Nação Zumbi) e Fernando Catatau e Rian Batista, do Cidadão Instigado.

Também no repertório do show entrará musicas do disco "Verdade e Traumatismo", que foi lançado na França pelo selo Livin´Astro que tem participações dos MCs franceses Pyroman e Squat e do DJ Duke, do grupo Assassin.

Criado em 1995 em São Paulo, o Z’África Brasil é conhecido pela sua originalidade e criatividade musical. Com isso, posicionaram-se ao como um dos maiores grupos de rap no Brasil, trabalhando os elementos da cultura hip-hop e a militância política e sócio-cultural.

Seu talento os levou a romper fronteiras, preconceitos musicais e regionais

sábado, 16 de outubro de 2010

VICTOR RICE

“Lançado pelo selo independente Radiola Records, “in America” nos coloca no mundo do ska e reggae do produtor americano Victor Rice, que mudou de Nova Iorque para São Paulo! A essencia do disco esta na Jamaica dos anos 60.” Carlos Albuquerque – Segundo Carderno, O Globo

“No disco, Rice toca baixo, organ, pandeiro, guitarra, escaleta (piano de sopro). As 19 faixas são excelentes, longas viagens sonoras chegam com a simpática “Toque” ou a alucinante “JD”. Destaque para Baby Dub, que conta com a participação de Caz Ggardiner, o restante do cd é instrumental. Enfin, um disco excelente, contendo ska, rocksteady, reggae e dub.” Ricardo Tibiu, Folhateen, Folha de S. Paulo

Victor Rice – In America

Baixista e produtor renomado na Europa e Estados Unidos, Victor Rice traz a sonoridade jamaicana dos anos 60 e 70. Atualmente habitando o condominio Copan, em São Paulo, o nova iorquino tem um longo curriculo. Participou dos grupos mais importantes da América, como o New York Ska-Jazz Ensemble, Stubbom All-Stars, com The Scoffaws. Produziu o premiado disco dos Slackers, assim como o do Pietasters, dos Articles e de Skavoovie & Epitones, por exemplo.

A velha guarda da Jamaica empresta seus serviços. Laurel Aitken, o ilustre Nuit jamicano, empresta de Victor Rice sua elegancia a outra celebridade, Desmond Dekker, idolo dos rude boys e rastasfaris de todo o planeta. Mesmo os Skatalites, os criadores do ska e de toda a música moderna jamaicana, requisitaram o apoio do produtor para o album Ska Titans.

Rice esteve divinamente celebre tocando baixo no disco Dub Side of The Moon, uma versão dub do album classico do Pink Floyd, lançada na ocasião do aniversario de trinta anos do original por Easy Star All-Stars, de Nova Iorque. No Brasil, produziu uma versão de “Máquina do Tempo”, do grupo gaúcho Ultramen, mixou uma música de Nando Reis, registrada pelos cariocas do Reggae B (projeto de Bi Ribeiro, baixista do Paralamas). Membro também do trio Firebug, que lançou seu premiado disco pela Radiola Records, em São Paulo.

O Selo Radiola é distribuido pela Tratore no Brasil, Victor está presente em In América, seu décimo album solo, produzido parte em Nova Iorque e outra parte em São Paulo. Especialmente instrumental, o disco aponta faixas sugestivas. Victor batiza em portugues suas músicas no disco, como “Fernandinho”, “Fica” e “Toque”. Separando a matemática da criatividade, ele interpreta uma versão de “Parabéns” (Happy Birthday). O americano Caz Gardiner empresta sua voz a “Baby Dub”.

Na construção de suas músicas, Rice se inspira em harmonias sofistidas de heróis jamaicanos, como Don Drummond com Jackie Mitto, do jazz de Sonny Rollins e Wayne Shorter. São 19 faixas em que o baixista leva do ska ao rocksteady, do reggae ao dub. Mesmo que for um especialista ou não, o disco soa como um dicionario de sons da Jamaica.

QUILOMBO HI FI


Quilombo Hi-Fi Sound System é parte de uma recém formada geração que dá vida em São Paulo à maneira de fazer música pelos clássicos sistemas de som. Sistema de som é uma forma de expansão cultural e difusão de música promovida por meio da construção caseira de diversos equipamentos e potentes caixas de som que amplificam o som dos vinis das antigas, novas e inovadoras produções, das mais variadas vertentes do reggae music. Esse formato tem origem na Jamaica nos idos de 60 e 70. Quilombo Hi-Fi não se prende a uma única vertente da música reggae ao beber muito da fonte britânica, de onde o reggae recebeu um "Q" mais digital ou, como popularmente mencionam, música eletrônica, tais como: steppers, jungles e dancehall.

Possibilita aos espectadores realizarem uma viajem sonora por todos os períodos, localidades e "altos e baixos" do reggae mundial. Atualmente, Quilombo Hi-Fi, dissemina essa cultura em casas noturnas, mas, principalmente, em festas na rua, nos mais variados bairros periféricos com o intuito de, na reprodução dos sons dos clássicos das bass culture e de suas produções próprias, levar boa música, reflexão e participatividade a quem tem menos acesso. Assim, voluntariamente deslocamos a nós e nossos aparatos e com a colaboração da comunidade, que nos sede apenas tomadas de energia e cobertura para os equipamentos, as festas acontecem, objetivando a música positiva e revelando que política, protesto e ação direta, citadas em muitas das canções, podem sim, ser colocadas no foco da paz, alegria e na dança como formas de derrubada dos problemas sociais.

www.myspace.com/quilombohifi
www.reverbnation.com/jahknomoh
http://rootsculturereggae.blogspot.com/search/label/Jah%20kNomoh
www.myspace.com/lionesslaylah

Quilombo Hi Fi se apresenta junto com JAH Shaka no dia 24 de Outubro
http://fyadub.blogspot.com/2010/09/24102010-jah-shaka-em-sao-paulo.html

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

DAVID RODIGAN ENTREVISTA JAH SHAKA

As vesperas da apresentação de JAH Shaka em São Paulo, que vai acontecer agora no dia 24 de Outubro, segue uma entrevista monstro concedida pelo Zulu Warrior a David Rodigan, mestre do soundclash do Reino Unido. Aproveitem a entrevista e se quiserem o mp3, dessa vez mandem e mail: fyadub@yahoo.com.br

15/10/2010 - FESTA FELA - VOL. 4

FESTA FELA - VOL. 4

Fela Kuti foi para a Nigéria mais ou menos o que Bob Marley representou pra Jamaica. Criou e popularizou o afrobeat – uma espécie de funk africano, muito percussivo, com guitarras em transe e ataques constantes do naipe de metais – e enfrentou o governo corrupto do país até as últimas consequências. Acumulou tantos discos e shows memoráveis quanto posturas contundentes de oposição. Casou-se com 27 mulheres, candidatou-se à presidência da Nigéria e decretou sua mansão um território independente – a República Kalakuta. Morto em 1997, o músico deixou um legado que inspira e influencia a música contemporânea de várias partes do mundo. 

A Festa Fela chega à quarta edição para celebrar a obra do gênio nigeriano no dia do seu aniversário – 15 de outubro. Um coletivo de DJs e artistas plásticos promove o evento desde 2007, quando completaram-se dez anos da morte de Fela. De lá para cá, uma vez por ano, o ritual se repete. Além da discotecagem 100% afro (a cargo dos DJs MZK, Tahira, Vini, Haru e Ramiro Z), a Festa Fela tem por hábito presentear os freqüentadores com obras desenvolvidas sob a inspiração do afrobeat: cartazes, pôsteres e fanzines desenvolvidos pelos artistas Valentina Fraiz, Prila Paiva, Vini Marson e MZK.

Neste ano, a celebração ganha o reforço da banda Malaika. Com nove integrantes rodados na noite paulistana, a mini-orquestra apresenta um repertório com temas de afrobeat e algumas composições originais. 

FESTA FELA – VOL. 4
15/10/2010, a partir das 22h

ENTRADA: 15 REAIS
#URBAN LOUNGE:R. Carlos Vicari, 263, Pompéia (pertinho do Sesc), Tel. 2339-0595
#SHOW:Banda Malaika (às 22h30)
#DISCOTECAGEM:DJs MZK, Tahira, Vini, Haru e Ramiro Z
#DISTRIBUIÇÃO DE CARTAZES E ARTES NA CABINE DOS DJS

Banda Malaika Show 22:30
DJs Ramiro Z, Vini, Haru, Tahira e MZK

A Festa Fela é uma festa itinerante, produzida por um coletivo de DJs e artistas visuais, que homenageia todos os anos, em outubro, o músico nigeriano Fela Anikulapo Kuti.

"Music is the weapon" (Fela)


Ouça o PODCASTING FYADUB #6 FEAT. MZK

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

KEEP IN TIME: A LIVE RECORDING

Keep In Time: A Live Recording é um dos documentários mais lokos dos anos  2000, a performance ao vivo se tornou um dos maiores encontros entre o Hip Hop e o Jazz percurssivo. A apresentação fica por conta dos dj's e produtores Cut Chemist, Babu, J.Rocc, Madlib, Nu-Mark e Shortcut e nas baquetas Paul Humphrey, James Gadson e Derf Reklaw. Enjoy!!!!!



quinta-feira, 7 de outubro de 2010

ECOSYSTEM 6.O










DIA 14 DE OUTUBRO

ECOSYSTEM 6.O APRESENTA

HIPSTEPZULU TOUR NO ESTUDIO EMME
"OS MAIORES NOMES da historia do 'DANCE' MUSIC"!!
ORIGINAL DJ Jazzy Jay criador do selo DEF JAM

Um dos mais importantes da HISTORIA Do dance music! Produtor de BESTIE BOYS,PUBLIC ENEMY, De La Soul, The Roots, A Tribe Called Quest, Ice T, Queen Latifa entre outros.

GAROTO PROPAGANDA DA serato scratch live


DJ SOUL SLINGER (LIQUID SKY MUSIC ) SE APRESENTA ao lado de
TC IZLAM (HIPSTEP MASSIVE) E AFRIKA BABY BAM (JUNGLE BROTHERS)

TRACKS DO FUTURO ALBUM a ser lançado nos EUA, ENTITULADO "I TOLD U", com temas variando do DUBSTEP ao o que ele chama de "SPACE B BOY BREAKS" ate RMXS DISCO E HOUSE!


Tc Izlam é um caso à parte. Filho do Afrika Bambaataa, já nasceu no epicentro da Cultura Hip Hop. Hoje é considerado como o melhor Mc de freestyle dos EUA. Tc é o criador do HipStep, estilo de Hip Hop mais modernos e atual para os nossos 2010.

Afrika BabyBam é outro filho do "GodFather" que estará presente na Tour. Mc dos "Jungle Brothers", onde começaram sua carreira fazendo a fusão entre o Jazz e o Hip Hop, e também com produção de House Music. O primeiro concerto dos "Jungle Brothers" foi no Estádio de Wembley, no Show de comemoração de libertação de Mandela, em 1986

Dj Soul Slinger é criador da marca e selo Liquid Sky, sendo responsável pelo primeiro disco de Drum n Bass produzido nos EUA. DJ que apresenta TODOS Os ESTILOS MUSICAIS dos anos 70 80 90s e 2000

O "Black Avatarz"-uma dupla cheia de swing, grooves e poesia.

DJ PIO -Musica brasileira variada no começo da noite!!!!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

PROJETO VINIL É CULTURA COM DJ HUM



O histórico prédio da Rua Primeiro de Março, 66, no Rio, abriga a partir de 1º de outubro o evento multifacetado "Vinil é Cultura"

Idealizado por um ícone brasileiro do movimento hip-hop, DJ Hum, o Projeto Vinil é cultura irá aglutinar diferentes gerações de DJs e músicos brasileiros, que se inspiraram nos grooves americanos dos anos 1970 aos 90 para criar novas experimentações. Uma exposição com raridades pertencentes ao acervodo DJ Hum vai ocupar o foyer do CCBB, onde também acontecem shows, debates com profissionais do meio musical e workshops de dança. A mesa de debates acontece na sala de cinema.

O paulistano Humberto Martins de Arruda, o DJ Hum, curador da série, pretende mostrar como o vinil popularizou a música das pistas e gerou tendências de moda, comportamento e entretenimento nos últimos 30 anos: “Irei expor parte do meu acervo de capas de LPs e compactos de artistas consagrados e do underground que me influenciaram na arte de discotecar.

O requisitado produtor fonográfico começou sua trajetória tocando em casas noturnas e bailes nas periferias de São Paulo no início da década de 1980. Durante 17 anos fez dupla com o rapper "Thaide" (Thaide & DJ Hum) com quem lançou nove álbuns, é o produtor e idealizador do Coletivo Motirô, com quem criou sucessos como “Senhorita” e “Ela é Sexy” entre outros hinos das casas noturnas do País, e desde 1999 apresenta o programa "Festa do DJ Hum, na Rádio 105 FM/SP.

Essa bagagem o credencia para receber seus convidados especiais, entre DJs, cantores e bandas do Rio e de São Paulo. Nas pickups estarão se alternando o pioneiro do charme carioca, DJ Corello, os DJs Negralha, Sadam, Lula Superflash, Sir Dema e a cantora Nega Gizza. Na pista de dança, no dia 9, o Dj Hum e o Coletivo Motirô recriam para o público a atmosfera dos grandes bailes, recebendo no palco os convidados Gerson King Combo, a cantora Thalma de Freitas e o rapper B. Negão.

Agenda Vinil é Cultura: http://migre.me/1tL8n

Rua Primeiro de Março 66
Centro - RJ - CEP 20010-000

domingo, 3 de outubro de 2010

PODCASTING FYADUB #6 FEAT. MZK

Nesse sexto podcast o convidado é o dj MZK, um dos melhores e mais ativos dj's da noite paulista. Com certeza, hoje uma das principais referencias de afrobeat, jazz latino e africano. MZK nos deu uma entrevista e cuidou com carinho de toda a produção musical do programa. Um set memorável que com certeza vai ser um dos melhores de todos os nossos podcasts, dos já feitos e os que virão. Enjoy!!!!!


Siga o FYADUB no twitter: http://twitter.com/fyadub
Envie sua música, sugestão ou critica por e mail: fyadub@yahoo.com.br
Visite o FYADUB: http://www.fyadub.com
Faça o Download de todos os programas no link: http://www.4shared.com/dir/7qlGwVi1/FYADUB_PODCAST.html
DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!