Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

sábado, 15 de agosto de 2015

QUEBRANDO AS BARREIRAS :: CHANNEL ONE SOUND SYSTEM

Mikey Dread e Ras Kayleb
Channel One Sound System está instituído em Londres nos últimos 35 anos, incansavelmente divulgando e propagando o espirito do Reggae. Originalmente trazido como Admiral Bailey Sound pelo pai de Mikey Dread da Jamaica em 1950, o sound system passou para o seu irmão mais velho, com Mikey nos controles a partir de 1979. O MC Ras Kayleb se juntou a Mikey em 1995, e a partir dai viajaram o mundo como embaixadores da raiz e cultura. Desde 1980, o Channel One tem seu espaço cativo no Notting Hill Carnival desde 1980 (o Carnaval de Notting Hill que acontece anualmente em UK). Apesar de terem sofrido pressão do conselho de Westminster em 2014 para saírem do espaço que ocupam entre Westbourne Park Road com a Leamington Road Villas por mais de 20 anos, um abaixo assinado com mais de 8 mil assinaturas, assegurou que o Channel One continuasse definitivamente participando do evento. 

O Channel One abençou diversos palcos no mundo, incluindo a Wembley Arena, eles mantem residência no seu próprio local de origem em Londres, fazendo eventos em diversos pequenos pubs em Londres – nenhum lugar é grande demais ou pequeno para uma festa do Channel One. Eles foram vitoriosos no Red Bull Culture Clash em 2010 e retornaram em 2012 para defender o titulo, tocando contra alguns gigantes da indústria da musica como Annie Mac (questionamento do tradutor – Quem é Annie Mac?) e Major Lazer, que trouxeram Usher e Rita Ora. 

Com sua agenda mais ocupada que nunca, Mikey e Kayleb não mostram sinais de cansaço. Próximo da apresentação que vão fazer no Global Rhythms em agosto, sentamos com eles num dia de sol em Lewisham Park para discutir sobre como anda o reggae na Jamaica, suas viagens pelo mundo e o que os motivam a continuar por todos esses anos. 
Mikey, onde você cresceu em Londres e quão importante foram os sistemas de som para a comunidade local?
Mikey Dread: Eu cresci ao norte de Londres, então nos mudamos para Leyton. Como um jovem que ficava vendo pessoas que levam as caixas, tocando em casamentos e festas - sistemas de som foram muito importantes para o bairro. Havia tantos em um momento - todos estavam tocando no salão do centro da comunidade ou igreja. É aí que realmente cresci, em torno de East London .

Eles são tão comuns como eram antes? As pessoas acessam nova música de forma diferente agora.
Mikey Dread: Isso é o que a festas com sistema de som foram criadas para - para ouvir música nova, não tínhamos rádio ou internet. Se você queria a música nova, na sexta-feira, sábado, domingo à noite você iria para o sistema de som para ouvir os últimos lançamentos da Jamaica. É como todas e qualquer empresa que da um mergulho e, em seguida, voltar a subir. Mas é uma coisa cultural, bem - é a nossa herança. Isso nunca vai morrer.

Existe algum sistema de som mais jovem você acha que vai continuar a insistir que você está fazendo quando você vai embora?
Mikey Dread: Um novo sistema de som surge quase todos os meses e você não sabe se eles vão resistir ao teste do tempo. Um monte de pessoas tem um sistema de som como se fosse uma coisa - eles não percebem a importância real daquilo, porque que eles nunca tiveram que voltar um dia. Nós vimos alguns que chegam por dois anos ou mais, explodem em um lugar distante, em seguida, desaparecem. Eles não conseguem se sustentar. Eu não posso dizer se um sistema de som será especial em torno de 20 anos, você esperaria que sim, mas quem sabe?
Que conselho você daria para quem está começando um sistema de som? É, obviamente, um enorme compromisso.
Ras Kayleb: Você tem que olhar para um sistema de som hoje em dia como um negócio, você não pode pensar sobre o desejo de ficar famoso. No passado, quando você começava um sistema, você usou seu próprio dinheiro. Não havia nenhuma corporação por atrás de você - você, muitas vezes investia o dinheiro da sua família. Você perderia relacionamentos por causa do compromisso. Um monte de pessoas não vêem esse lado - eles vêem diversão, fama e dinheiro. Mas quando eles enfrentam os problemas, eles desistem. Com a gente, um monte de familiares disse “você nunca vai fazer qualquer coisa fora do sistema de som”- quando algumas pessoas ouvem isso todos os dias, eles desistem. Se você não tem essa mentalidade empenhada eu diria ser apenas como um DJ, pelo menos, você pode trabalhar como um DJ ao mesmo tempo que faz outras coisas !
Mikey Dread: É o trabalho em equipe - um homem não pode lidar com um sistema de som. As pessoas têm tentado! Há pessoas que trabalham em conjunto e uma grande parte do tempo os outros vão tentar convencê-lo a desistir. Mas se nós nunca tivéssemos ouvimos comentários negativos, você não estaria aqui hoje entrevistando gente!

Num primeiro momento você olha e cuida de tudo sozinho, incluindo reparos. Isso mudou?
Mikey Dread: Nos primeiros 20 anos nós construímos nossas próprias caixas - usando brocas , serras elétricas... nós tínhamos que cortar nós mesmos os buracos para os alto-falantes. Quando você cuidar de suas próprias ferramentas e souber tudo o que faz, sobre os amplificadores, pré- amplificadores... Você sabe como tudo deve soar. Mesmo quando as pessoas estão pulando para cima e para baixo tendo um bom tempo eu posso ouvir se o sistema soa maçante, então eu vou mudar alguma coisa como uma agulha, por exemplo. Um pequeno elemento pode manter o seu sistema em condições superiores. As coisas tornaram-se mais fáceis agora. No passado eu dedicava um sábado para reparos, mas agora são shows constantes, e deixei meu outro trabalho, que foi até chegar com nossas caixas construídas. Nós temos um cara que já deixa tudo preparado. Uma vez que você tem uma equipe de pessoas que amam o que você está fazendo, tudo vem junto.

Você tem horários de viagens muito exaustivas em com conjuntos de longos sets, além de transportar o equipamento - o que é que mantém você fazendo isso depois de todos esses anos?
Ras Kayleb: Em primeiro lugar você tem que entender o que somos - nós somos Rastas, então a primeira coisa é o Todo-Poderoso Deus Supremo. Em segundo lugar está o amor. O amor pela música e amor para com as pessoas, tocamos para elas. Uma coisa que as pessoas dizem que gostam sobre Channel One, é quando eles estão se divertindo eles podem nos ver fazendo o mesmo. Que ha energia na noite com as pessoas, sob a bandeira de Rastafari. Isso é o que nos mantém seguindo em frente. Pessoas dizem que estamos seguindo em frente. Eu diria que eu sou provavelmente mais apto do que muitos destes jovens de 18 ou 20 anos! A música me mantém em forma. Enquanto eu ainda estou pulando um monte deles estão deixando caindo no chão!
Muitas vezes você é colocado ao lado dos mais novos, artistas novos de Jungle e Dubstep por exemplo. Você os vê como parte da linhagem de Reggae?
Ras Kayleb: Isso diverge da verdadeira essência. Um monte de (produções) Jungle não viearm das raízes, mas as pessoas gostam de dizer que ele veio. Ele vem de um acidente com uma música Reggae sendo acelerado em um estúdio e parecia ser bom. Você sabe por que eu disse isso? Eu estava lá naquele dia. Quando o Dubstep surgiu pela primeira vez até tinha uma essência das raízes, mas, logo que se mudou para um campo comercial e tudo começou a soar o mesmo. Quando você começar a jogar todos os sons digitais, você perde o que você estava realmente tentando levar adiante. Há apenas uma ou duas músicas da Jungle que você pode realmente dizer 'sim, isso é Raíz'. Mesmo com Dancehall na Jamaica - que soa como Hip-Hop, tudo tem a mesma batida - como se alguém fosse morrer de um ataque cardíaco. Mas nós, é que lidamos com os batimentos cardíacos. Pessoas nas raízes da música não tem que tomar drogas, talvez um spliff ou dois. Por que você precisa tomar drogas? Você deveria ficar alto (louco) fora da música. Muitas pessoas gostam de dizer sua música é uma forma de Reggae, mas não é a verdade.

Mikey, você estava foi muito e voltou da Jamaica nos anos 80, quando foi realmente um tempo forte para a música de raiz, aprimorando seu trabalho em lugares como o famoso estúdio Channel One em Kingston. É o mesmo que agora?
Mikey Dread: Isso nunca mais vai ser o que era nos anos 70 e 80, mas ele está lá. Um monte de pessoas mais jovens agora estão dizendo “não queremos mais este Bashment, queremos de volta o que nossos avós costumavam tocar”. Você sempre terá o Dancehall, mas como nós viajamos ao redor do mundo, vemos uma muitos desses novos artistas reggae jamaicanos em festivais . Eles vêem sistemas de som na internet como Channel One tocando para multidões diferentes e eles querem ir lá e colocar música de raiz.

Você acha que se você estivesse começando de novo agora que você seria capaz de prosperar da maneira que você fez?
Ras Kayleb: Eu não penso assim, porque eu estaria pensando como meus filhos. Mesmo como eles são educados dentro dele (sistema de som), ainda não faz parte deles porque a sociedade em torno deles é muito diferente. Quando éramos jovens nossos amigos foram todos para a mesma coisa que nós, nossos pais também. Com quem vem até agora, eles estão tentando, mas eles têm essa mentalidade moderna – “eu quero agora”. Eles não fizeram as coias que artistas precisam fazer – de tocar num pub, um pouco de centros comunitários, onde as pessoas possam jogar merda em você. Porque eles têm um sistema, eles sentem que devem estar no nosso nível. Eles dizem: “o nosso som é tão poderoso quanto o seu, nós temos a mesma música que você”. Um monte de artistas não tem longevidade porque não passam por problemas. Sua mentalidade é muito apressada - é como a lebre e a tartaruga.
Como foi a sua viagem à Nova York no ano passado? Por que as raizes da cultura do sistema de som não foram feitas da mesma forma que tem aqui?
Mikey Dread: Eu acho que é uma coisa herança. Os EUA simplesmente não têm, eu não sei se eles nunca vão ter. Alguns sistemas de som nos disseram que tocam em clubes para apenas 40 pessoas. Mas quando fomos nós tocando, foram para cerca de 450 pessoas no Brooklyn. O promotor não queria trazer a gente até que ele tenha construído uma parede de caixas como as nossas. Assim, quando os norte-americanos entraram e , vendo aquilo, seus olhos brilharam - eles estavam esperando um sistema PA - eles adoraram a noite. Se nós podemos fazer, porque mais alguém não pode? Desde aquela noite o Reggae deveria ter decolado, mas ficou estagnado. Quando formos lá novamente nós vamos lhes dar outro impulso, mas esse é o EUA para você, você tem que tomar com uma pitada de sal.

E sobre a América do Sul e na América Central? Parecia que eles eram mais receptivos.
Ras Kayleb: Na América do Sul há pessoas que viajam, têm vindo para o Reino Unido e ido para o University Of Dub e outras noites e adorei. Em seguida, eles voltaram e tentaram recriar aquela noite em sua própria comunidade, mesmo começando com apenas 50 pessoas ou mais. Ele também tem a mentalidade dos americanos, tem um estilo de vida parecido, rápido, eles querem tudo hoje. Na América do Sul e Central sinto que as pessoas estão mais espiritualizadas, não dizendo que eles vão à igreja, mas sua mente está em um nível espiritual. Nós sabemos que os diferentes problemas que eles têm em seus países, eles estão procurando algo para eleva-las. A músicade raiz faz algo para o seu corpo, uma vez que tiveram, eles querem de novo. A palavra fica em torno - nós estávamos tocando no México e as pessoas vieram da Guatemala, um irmão veio da Costa Rica apenas para ouvir o Channel One. Os governos desses países não se importam de onde você é, eles tratam todos como merda, e que as pessoas têm mais de uma afinidade entre si e entendem a cultura do outro. Não é como na Inglaterra, onde ainda estamos lutando para entender um ao outro, mesmo estando aqui há anos. Quando você traz raízes na música para eles, como os ensinamentos de Bob Marley, por exemplo, eles podem se enxergar dentro das palavras e na música. A espiritualidade da vida no Reino Unido e EUA parecem que se foi, e não é sobre ir à igreja e ouvir um pastor.

Vocês certamente são bem viajados. 
Mikey Dread: As pessoas pensam que quando nós tocamos no exterior temos cinco estrelas no tratamento. É um homem pobre nos trazendo, não pessoas de uma empresa. Se eles nos pegam a partir do aeroporto, muitas vezes vai ser apenaso espaço no carro para mim , Kayleb e o cachorro! Nós não ficamos em hotéis de luxo, às vezes temos que ficar nas casas deles, porque eles não podem pagar um hotel. Nós apenas vamos cavando, essa é a maneira que flui. Muitas pessoas na indústria da música não vão aceitar isso, mas você tem de ir com o fluxo. Algumas dessas crianças que nos trazem, eles trabalham duro e usam o seu último centavo para colocar em um show. Isso é o que as pessoas precisam entender - não é sobre dinheiro, é para espalhar a mensagem.

Qual é a verdadeira essência do Channel One? A que tudo isso se resume?
Mikey Dread: Não importa onde vamos acabar, é sobre ir para tantos países quanto podemos quebrar barreiras. Podemos ficar em Londres e explodir o lugar, mas os melhores shows estão sendo indo para um novo país e ter as pessoas vindo até você dizendo “hoje foi uma boa noite” - que é um desafio. Quando você vai em algum lugar como Israel, onde as pessoas dizem que não é possível tocar Reggae e a multidão está enlouquecendo às 5h - você está mudando a mentalidade. Quando você vai e faz bem nesses lugares, você não está fazendo bem por causa de uma sessão, é porque você está mudando mentes e como abordar a vida das pessoas. Você pode entrar para uma festa com um porcaria em sua mente e sair com uma mente limpa, pensando “qualquer problema que tive ontem, eu estou indo para lidar com o amanhã”. E disso que tudo se trata. 



Artigo original @ http://hyponik.com/features/breaking-barriers-channel-one-sound-system/ Imagens: Nick Caro / Texto: Hugo Laing


  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!