Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

domingo, 4 de outubro de 2015

UMA NOVA FACULDADE DE INTERPRETAÇÃO - POR MUTABARUKA

Esse artigo foi publicado originalmente no 8º Annual Reggae Festival Guide. Máximo respeito ao todos da RFG por sua excelente publicação e por permitir que esse artigo seja reproduzido aqui. 

REGGAE FESTIVAL GUIDE MAGAZINE

A Bíblia é a Palavra de Deus? A maioria dos músicos de reggae - Rastafari ou outras formas  (de religião)- aceitam que é. Como todos os outros jamaicanos, todos nós fomos ensinados a acreditar que não havia ensino sobre moralidade fora da história da Bíblia. Ao escrever este artigo, estou ciente de que poderia ir contra a sua percepção, o leitor. Que você possa manter uma mente aberta, a pesquisar enquanto você continua lendo meus raciocínios.

Quando rastafáris começaram a buscar para encontrar a SI, o único livro que estava disponível para nós era a Bíblia, e sendo assim a totalidade do que nós entendemos ser verdade foi baseada principalmente na interpretação deste livro. Mesmo a ideia de Haile Selassie como um Deus africano, foi justificada e validada pela Bíblia. Nós, como pessoas africanas trazidas aqui a partir de África em condições desumanas, fomos forçados a viver - mesmo agora - sem qualquer tipo de identidade. Isso também foi justificada através da Bíblia pelos invasores europeus e os Africanos que procuraram racionalizar esta escravidão, declarando que este foi um ato de Deus. A influência deste livro é mais profunda. Ao longo dos anos, rastafáris se declaram israelitas, tal como referido no Antigo Testamento, de modo que palavras e frases como Sião, Terra Prometida, o ímpio Faraó e Jah tornaram-se parte da linguagem do movimento Rastafári.

O que eu estou realmente tentando dizer aqui, é que o nosso próprio conhecimento religioso remonta mais longe do que a história de 6000 anos apresentada por esta bíblia, (desde o Gênesis até o início deste século, de acordo com a Bíblia, são 6.000 anos ). História e evidências arqueológicas provam que a Etiópia e Egito, existiam milhares de anos- muito além, muito mais do que meros 6.000 anos.
Rastafáris têm sido muito influentes por causa de nossa música e práticas culturais. Para os Rastafáris para avançarem neste momento, teremos de ir além da bíblia, não podemos mais continuar a justificar a divindade de Haile Selassie através do link com Davi. A Etiópia existia milhares de anos antes de Abraão sair de Ur dos Caldeus. Mesmo o Egito, que foi demonizado pelos autores do Antigo Testamento, existia milhares de anos antes de Israel.

Não podemos continuar a nos fechar para outra informação que não está de acordo com a Bíblia. A Bíblia é apenas um conjunto da compreensão do comportamento humano e da personalidade das pessoas. Os eventos registrados na Bíblia são a periferia do conhecimento africano. Histórias registradas na Bíblia têm sua gênese em contos populares, de outras pessoas indígenas. O que estamos a tomar, como a história é a mitologia de outras pessoas.

Experiência de vida é uma jornada e o homem continua evoluindo 

Na Etiópia, seja pelo desenho ou acidente, a Igreja não foi além da história de Salomão e Sabá para justificar a presença da Etiópia na história. Podemos ver claramente, que houve uma tentativa deliberada para apagar a representação feminina da personalidade da Etiópia, e isso resultou em um crescimento de um sistema de patriarcado, que era muito estranho para a cultura africana. Alguém poderia concluir que o começo religioso da Etiópia começa com a união de Makeda e Salomão, mas a única informação recebida sobre Makeda é que ela adorava o sol e que ela concebeu por Salomão. O significado da visita da Rainha de Sabá a Salomão é muito importante na validação de ligação da Etiópia com a herança judaica, porque isso é usado para fundamentar a verdadeira monarquia da Etiópia, e lso estar ligado a Divindade.

Um regresso ao princípio feminino, é muito importante para o desenrolar da nossa espiritualidade ancestral. O que nós professamos nos ajudou até agora, mas cabe a nós agora nos movermos ainda mais. Não podemos mais ser como fundamentalistas cristãos - ou fundamentalistas islâmicos se isso importar - que estão presos em uma história que não fornece um entendimento de novos pensamentos e novos estilos de vida. Estamos vivendo em uma nova era da informação - um momento em que se pode viajar de Londres para Nova York em três horas , quando se pode clicar em um interruptor e iluminar um estádio cheio com milhares de pessoas, um momento em que uma pessoa que comete um crime em uma parte do mundo, pode ser visto instantaneamente em outro lugar através da tecnologia moderna. Esta é a era da informação, mas inspiração sem informação, por vezes, leva à superstição.

Dado o que eu sei agora, eu me recuso a aceitar essa visão limitada da Etiópia e da sua contribuição para a espiritualidade no mundo, porque esta visão estagnou nosso conceito de religião na África e como nos relacionamos com outras culturas. Eu me recuso a manter valida a minha percepção da divindade de Haile Selassie através de um Deus israelita. Ideias de imperadores serem deuses existiam muito antes da presença dos israelitas no Egito. Nós, como Rastafáris, podemos encontrar a essência da nossa espiritualidade em na Etiópia e Egito sem uma interpretação com os Israelitas. 

Nós somos os criadores do nosso destino, nós somos os pastores do nosso futuro, e nossa espiritualidade deve refletir essa nova faculdade de interpretação. Não devemos ter medo do abismo. Rastafári só pode continuar se quem professa esta fé, entender que a filosofia e a espiritualidade africana não podem ser limitadas em qualquer livro.

Nossa necessidade de entender um ao outro e nosso ambiente, é muito importante na racionalização da nossa existência. Isso só pode ser realizado através de clareza de percepção. A religião não oferecer clareza. O que a religião oferta é uma percepção, e essa percepção vem através da crença. Essa crença vem através da fé, e como sabemos, a fé não é conhecimento. A fé é o que gostaríamos que, a nossa percepção “de ser” ou “não ser”. Haile Selassie declara: “Não devemos confundir espiritualidade com religião.” Rastafári não deve estar vinculado a percepções religiosas, porque isso irá causar a estagnação do movimento, e assim, criar o fundamentalismo. Devemos estar abertos para as diferentes culturas da África e não demoniza-los por causa de interpretações bíblicas.

A viagem é interminável, e a corrida não é para os velozes. Há muitos rios para atravessar e muitos problemas no mundo. Vamos ter que acordar e viver! Rastafári deve continuar a balançar o barco com uma nova faculdade de interpretação.


DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!