Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

domingo, 27 de dezembro de 2015

INDICADUBS APRESENTA ALPHA & OMEGA :: WHO JAH BLESS LP [EM BREVE @ FYASHOP]

O selo IndicaDubs e o Alpha & Omega estiveram trabalhando nesse projeto no decorrer de alguns meses em 2015, buscaram algumas produções perdidas, esquecidas e não lançadas em DAT entre 1991 e 2015. Foram compiladas 10 faixas em um 12" no formato de LP; "Who Jah Bless". O álbum inclui a famosa "Who Jah Bless" de Nishka, que até hoje não foi lançada em vinil. Ainda será lançado o 7" com vocal e dub. O álbum será uma edição limitada em 500 cópias prensadas, e nunca será prensado novamente, e não será disponibilizado em download digital - o trabalho finalizado será somente em vinil. 


O vinil chega na lojinha em janeiro de 2016. 

Entre em contato conosco para reservar a sua cópia.

Contato: fyadub@yahoo.com.br
Cel/Whatsapp: 55 11 99984.4213

Confira as produções do Indicadubs @ FYASHOP

NA DIREÇÃO DO DIGITAL - BOBBY "DIGITAL" DIXON E O SELO DIGITAL B


Bobby "Digital" Dixon
Bobby "Digital" Dixon, nasceu em Kingston na Jamaica e é um dos produtores mais influentes do Reggae e Dancehall. Ele foi apelidado por King Jammy, com quem trabalhou em  meados dos anos 80, onde faziam experimentações com ritmos digitais. Fundou o selo Digital B, onde produziu diversos artistas como Shabba Ranks e Sizzla, e serviu de influencia direta para artistas como Admiral Tibet.

Bobby era o terceiro filho de 5 criados em Waterhouse, distrito de Kingston. Dixon cresceu junto as festas dos anos 70, junto a sound system's como Socialist Roots e Tippertone.

Ele começou a trabalhar com King Jammy em 1985, e começou a produzir sozinho em 1988, abrindo seu estúdio Heatwave e estabelecendo seu selo clássico, Digital B. Além de lançar suas produções também era uma empresa de distribuição. Nos anos 80, Dixon foi um dos pioneiros e um dos que estabeleceu a produção digital na Jamaica, e se tornou um dos melhores engenheiros de som nos primórdios da era digital.

No final dos anos 80 e início dos anos 90, ele produziu trabalhos de Shabba Ranks, Cocoa Tea, Tony Rebel e Garnett Silk. E junto ao digital, explorou estilos como o dancehall, lovers rock e roots reggae. E batizou seu sound system próprio com o mesmo nome do estúdio, Heatwave. 

Nos anos 90 ele começou a trabalhar com artistas de uma nova geração como Morgan Heritage, Sizzla, Richie Spice, Tarrus Riley e tantos outros. Ele foi o produtor de um dos melhores álbums do Sizzla, Black Woman And Child lançado no final dos anos 90. Foi responsável pela produção do Protect Us Jah Jah de Morgan Heritage, e produziu os três álbuns clássicos Morgan Heritage Family and Friends. Além de Norris Man, General Degree, Terry Ganzie, Loui Culture, LMS, Mikey Spice e tantos outros artistas que passaram por seu estúdio e foram lançados pelo Digital B. 



Bobby "Digital" Dixon @ Heatwave Studios nos anos 80.

NA DIREÇÃO DO DIGITAL - UMA CONVERSA COM UM DOS MAIORES PRODUTORES DE DANCEHALL

No passar de três décadas, Bobby Dixon aka Bobby Digital, passou de engenheiro e dono de estúdio novato a uma dos mais talentosos produtores da vanguarda do reggae.

Seu nome está escrito nos créditos dos mais refinados momentos do dancehall, junto a auma série de hits com o ganhador do Grammy, o rei do dancehall Shabba Ranks. 

Bobby trabalhou em ambos álbuns ganhadores do Grammy de Shabba, As Raw As Ever e Extra Naked. E também é o produtor por trás dos singles mais conhecidos como Wicked Inna Bed e Just Reality.

Ele produziu o álbum It's Growing de Garnet Silk, Black Woman And Child e Da Real Thing de Sizzla, e o clássico Don't Haffi Dread To Be Rasta de Morgan Heritage.

Qual é a fórmula do sucesso?

Bobby responde que: "E realmente uma coisa espiritual, eu envolvo o Todo Poderoso em tudo que eu faço. Além do mais, eu não me jogo em relações para produzir um trabalho de entretenimento. Se trata de construir uma conexão com o artista. E ai que nós temos a chance de compartilhar idéias e conhecer o espaço um do outro."

De acordo com Bobby, nunca se tratou somente sobre dinheiro. Ele sempre se manteve em low profile nesses últimos anos, mesmo em atividade nos negócios na música, dando conselhos e suporte a novos produtores e artistas.

"Não se trata de uma compensação financeira, mas o sentimento de realização quando eu produzo um músico e ele se eleva. Se trata de trazer o melhor das pessoas."

Entre os protegidos do Digital B estão os filhos Giark e Craig Dixon. Craig produziu albuns de artistas como Cali P, Voicemail, Chevaughn e Fidel Nadal.

Em comparação com suas produções dos anos 80 para as mais atuais, Dixon acredita que os produtores contemporâneos estão tomando cada vez mais atalhos. "Nenhum deles é paciente o suficiente para fazer um material que irá se manter atual 20 anos no futuro. Agora é como operar uma rede de fast food... a música é descartável..." diz Bobby.

Ainda assim, ele se impressiona com artistas jovens que estão gravando música de muita qualidade, como Assasin, Busy Signal e Romain Virgo.

"Eu tiro meu chapéu para esses artistas, eles estão tentando continuar algo."

Entrevista concedida para Simone Morgan (Repórter do Observer) - Artigo original publicado @ http://www.jamaicaobserver.com/entertainment/Going-Digital---A-chat-with-one-of-dancehall-s-top-producers_13006975

sábado, 12 de dezembro de 2015

COMO A CASIO ACIDENTALMENTE INICIOU A REVOLUÇÃO DIGITAL NO REGGAE

O Casio Casiotone MT40 foi lançado em 1981. Quatro anos depois ele mudou o reggae para sempre.
A VERDADEIRA HISTÓRIA POR TRÁS DO MISTERIOSO "SLENG TENG" RIDDIM

Olhando para o Casio Casiotone MT40, você seria perdoado por pensar que era um teclado normal. Você pode até ter tido um igualzinho. Lançado em 1981, a máquina creme veio com 37 teclas, 22 sons de instrumentos diferentes, seis ritmos na memória e um mini teclado de graves dedicado. Custou cerca de 150 USD (R$ 580,96) ou, reajustando o valor com a inflação, cerca de 400 USD (R$ 1.549,24)* se fosse na venda hoje.

Debaixo desse plástico bege, o MT40 escondeu um segredo. Um preset "rock" que, uma vez descoberto, iria reverberar na música popular pelos próximos 30 anos. A preset programado se tornaria um dos mais famosos dos reggae "riddims", e iria inspirar muitas imitações e forçar o gênero para a era digital. A história do riddim "sleng teng" (como é conhecido) na história do reggae está bem documentado, mas suas origens são baseados em mitos. Esta é a história real de como MT40 da Casio tornou-se o teclado mais influente de sua espécie.

Para os iniciantes, esses são os três segundos da melodia que começou tudo:


Se você já ouviu a versão da história do riddim sleng teng antes, provavelmente foi algo meio que: A predefinição "rock" no Casio MT40 era para soar como Eddie Cochran em "Somethin' Else", mas quem programou não chegou a fazê-lo direito. O ritmo instável foi mais tarde encontrada por artistas do reggae Noel Davy, King Jammy e Wayne Smith, em meados dos anos 80. O trio usou a predefinição (preset) como bassline em 1985 para o single "Under Mi Sleng Teng" (expressão em patois referindo ao uso e tráfico de drogas) e o resto, como dizem, é história.

A maior parte desta história é verdadeira, mas é misturada com folclore. A predefinição não se baseia na música de Eddie Cochran em tudo. Nem (como outros teorizaram), era uma faixa similar a dos Sex Pistols "Anarchy in the UK". Embora o preset da Casio compartilha alguns elementos com ambas as faixas, o Desenvolvedor de Produto da Casio e engenheiro de música, Hiroko Okuda diz  categoricamente que o preset não é inspirado por um ou outro. Como é que Okuda pode ter certeza? Porque ela criou essa predefinição. O papel de Okuda é a metade não contada, mas sem dúvida a mais inesperada da história do sleng teng.



Hiroko Okuda começou na Casio em 1980, logo após se formar em Ciências Musicais da Kunitachi College of Music, em Tóquio. Ela permanece na Casio até hoje, mas a MT40 foi o primeiro projeto que ela trabalhou. Apesar de criar essa predefinição rock, ela não tem idéia de onde o boato de Eddie Cochran veio, ou porque é tão persistente. Okuda também faz questão de salientar que a maioria das pessoas assumem que o preset foi tirado do contexto musical por King Jammy e quem estava produzindo com ele. Dando a história a metade do seu charme. Um ritmo ussurpado do rock, nascendo como um riddim de reggae. Mas, novamente, a verdadeira história é mais estranha do que a lenda.

Noel Davy, que possuía o teclado usado em "Under Mi Sleng Teng", tinha na verdade desejo de comprar um (tecnicamente muito superior) o sintetizador Yamaha DX7, mas não podia pagar o alto  preço. Em vez disso, ele acabou com a MT40, nem mesmo tecnicamente era um sintetizador (ele só tem sons pré-fabricados). Se Davy tivesse sido capaz de comprar o DX7, o sleng teng riddim poderia ter permanecido trancado nos circuitos do MT40 para sempre.

Okuda, no entanto, é a verdadeira torção neste conto. Antes de seu trabalho como criadora musical e engenheira de música na Casio, e trabalhando no MT40, ela era uma fã de reggae - ouvindo avidamente durante seu tempo na faculdade. Okuda sequer escreveu sua tese sobre o assunto. "Eu acho que havia algo peculiar de reggae sobre o [sleng teng] ritmo. Lembro-me de ser tocado pelo fato de que o que eu estava ouvindo todos os dias, parecia mostrar no produto", disse Okuda ao Engadget. Isto levanta um pensamento tentador: Era o preset no MT40 o frango, ou de fato, o ovo? Será que Okuda inconscientemente eu o preset rock um pouco do sentimento do reggae, fazendo King Jammy e Noel Davy descobrirem mais sobre o que estava destinado esse delicioso acidente?


Logo após seu lançamento, o single " Under Mi Sleng Teng" foi assumindo uma vida própria. Era comum (é comum) naquele tempo no reggae diferentes vocalistas - confusamente chamado Deejays - gravarem e lançar sua própria música em cima de riddims populares. O teng sleng rapidamente se tornou tão popular e tão influente na reggae, e estima-se que mais de 250 registros que ocaracterizam seriam lançados ao longo dos anos seguintes. Muitos deles no mesmo selo de King Jammy... o Jammy's. Muitas vezes, sem muita variação musical a partir do original, e vez ou outra se torna uma compilação de uma hora e meia, como exemplo abaixo:


Não demorou muito antes do teclado da Casio, o MT40 ganhar um status cult entre os músicos, e o Sleng Teng logo transbordou para outros gêneros. Hip hop foi bastante rápido em brincar com o som da Casio. Exemplos incluem "Reggae Joint" no controverso álbum 1989 do 2 Live Crew "As Nasty as They Wanna Be". Não demorou muito antes de se enraizar nooutro lado do Atlântico, e eventualmente, tecer o seu caminho para a crescente cena rave de UK - mostrando-se em clássicos do underground tais como SL2 de "Way In My Brain" e remix de Moby para a música do The Prodigy "Everybody In The Place", entre outros. Sim, houve um tempo em que Moby fez remixes do Prodigy, e nem de sua música soava como é agora.

Os anos 80 foram os anos em que a música realmente começou a se tornar digital. O teng sleng iria se contorcer no léxico musical em torno do mesmo tempo como seu primo distante do intervalo Amen** - um sampler de bateria de seis segundos usado em inúmeras gravações, e influenciou fortemente o Drum & Bass. Não é novidade que, estes dois memes musicais reuniram-se em mais de uma ocasião ao longo dos anos. Como a batida do Amen, o impacto do teng sleng era duplo. Não só se tornou um dos temas dos mais reconhecíveis de um gênero; sua acessibilidade (a amostra Amen foi usada livremente, o MT40 era "acessível"), e iria democratizar a tomada de música. Diversos artistas de reggae surgiram, e não era mais necessário músicos ou equipamentos caros. Agora, qualquer pessoa com um microfone, gravador de fita e um teclado modesto ou um sampler poderia fazer riddims "pro".


Se você acha que você é muito jovem para ter sido tocado pelos tons velutinos do Casio MT40, pense novamente. O pulso rítmico do teng sleng continuou a penetrar na cultura pop desde então. Talvez você ouviu-o em um programa de TV, ou durante o interlúdio de um álbum. Talvez a sua primeira experiência com o sleng teng esteve na Four20 FM em Saints Row IV, ou durante uma batalha de mixagem de DJ Hero. Talvez você já ouviu isso através de um dos muitos remixes lançados, ou você foi e comprou o plushie. Há praticamente um teng sleng para todos.

Mas o que faz um sampler pattern de três segundos a partir de um teclado, em 1981 continua a ser relevante hoje? Essa é uma pergunta melhor respondida por uma nova geração de músicos, um usando o Casio MT40 em suas performances hoje. O tecladista francês Manudigital fez sua carreira prolongar a vida do teng sleng, e a Casio que a pertence. Ele acha que o segredo está na sua simplicidade. "O lado magico da criação musical é que as vezes você não precisa de muito para tornar as coisas realmente boas ... o MT40 era tão simples de usar, mas tão eficaz e poderosa que realmente me surpreendeu", disse Manudigital ao Engadget.



Como todos as boas lendas, o teng sleng riddim deu uma volta completa. Artistas de hoje podem ser muito jovens para conhecer o original, ou o teclado que ressurgiu, mas ainda assim a sua própria jornada musical vai levá-los ao original. E quando eles encontrarem, o que irá inspirar suas próprias versões, e - como canal de YouTube do Manudigital demonstra - pode até reconectá-los com os artistas da época original, em novos formatos. O Casio MT40 não é mais uma novidade retro; é uma ponte musical entre as gerações (embora bege, e de plástico).


Apesar de todo o barulho feito sobre o riddim teng sleng, a predefinição rock original que gerou e permaneceu exclusivo para o MT40 (a Casio aposentou o teclado após de um ano quase do seu lançamento). A empresa nunca lucrou com ele, colocando-o em mais instrumentos. Até agora, claro. A Casio continua a fazer novos teclados, e, finalmente, depois de todos esses anos, o teng sleng voltou ao seu lar espiritual (modelos SA-46 e SA-76  podem ser os que você deseja). Desta vez, porém, ele tem um novo nome. Já não é a predefinição de "rock"; ele foi rebatizado de "MT40 Riddim".

Okuda , a mãe do teng sleng , tem um twist final para certificar-se que a história de seu famoso riddim matenha-se com um ar de mistério . Apesar de revelar a Engadget que os rumores sobre Eddie Cochran e Sex Pistol são falsas, ela admitiu a predefinição foi baseada em uma faixa de rock. Um disco de rock britânico dos anos 70, e é tudo que ela iria confirmar. "Você vai notar imediatamente uma vez que você ouvir a música".

Escrito por James Trew - Publicado originalmente @ http://www.engadget.com/2015/12/04/casio-and-the-sleng-teng-riddim

* Sem impostos.
** Bateria eletrônica, famosa na época como o MPC é hoje. 

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!