domingo, 31 de janeiro de 2016

FYASHOP - LIVROS, EBOOKS, KINDLE, ACESSÓRIOS E NOVOS 7INCH`S EM ESTOQUE

Apesar do ano começar com diversas previsões e criticas, econômicas e políticas, nada favoráveis. Esperamos manter a produtividade e a loja em funcionamento em 2016, da mesma forma que no ano passado. Esse ano já abrimos o nosso fórum, onde você pode publicar seu trabalho sem interferência e com mais liberdade.

A segunda novidade é uma parceria com a Amazon, onde inserimos dentro do fyashop um novo espaço com livros e ebooks a venda, junto com equipamentos como o Kindle e acessórios. São diversos livros que em determinado momento, já utilizei para matérias, artigos e resenhas do fyadub. São livros que tratam de musicologia até história. Com o tempo a listagem com certeza vai aumentar e nas próximas semanas começamos a fazer a resenha de diversos livros, com apresentação, comentários, e se vale a pena ou não adquirir. 

Abaixo a listagem dos últimos discos anunciados na lojinha no discogs. Lembrando que compras por e mail (fyadub@yahoo.com.br), tem de 5% a 7% de desconto nos pagamentos via depósito ou transferência bancária. 


Junior Ross & The Spears - Judgement Time (7", RE)
Label:Stars
Cat#: ST010
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$90.00
+ shipping


Barry Brown / King Tubby - Mouth A Talk (7", RE, Ltd)
Label:Eek-A-Mouse Records
Cat#: EKM004
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$75.00
+ shipping


Vivinneco Clarks / Ras Kush I* - Africa / Too Much Collie (7")
Label:Pickout
Cat#: MR04
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$55.00
+ shipping


Eek-A-Mouse - Anarexol (7", RP)
Label:Greensleeves Records
Cat#: GRE 0897
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$55.00
+ shipping


Mankind (8) - Country Life (7")
Label:Jah Man
Cat#: JAM 001
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$70.00
+ shipping


The Hax* - Nah Fatten Roach Fe Fowl (7", RP)
Label:Leggo Sounds
Cat#: BE-012
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$60.00
+ shipping


Konshens / Mark Wonder - She Love Money / People Need Security (7")
Label:Irie Ites Records
Cat#: II 7" 10.3
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$75.00
+ shipping


Soom T* - Voice Of Dissent (7")
Label:Renegade Masters
Cat#: RM002
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$55.00
+ shipping


Anthony Red Rose - Me No Want No Boops (7", RE)
Label:Firehouse, Dub Store Records
Cat#: DSR-OR-001
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$60.00
+ shipping


Rzee Jackson* - Roots Man (7")
Label:Coptic Lion
Cat#: C51
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$115.00
+ shipping


Scotch Bonnet - Flex (7")
Label:Flex
Cat#: none
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$55.00
+ shipping


Cynthia Richards - One Love (7")
Label:Cancer Kid
Cat#: CM- 3514
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$90.00
+ shipping


The Melodians - You've Caught Me Baby (7")
Label:Treasure Isle
Cat#: none
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$115.00
+ shipping


Sonya Spence - Jet Plane (7")
Label:Hot Shot!
Cat#: ML-1740
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$55.00
+ shipping


John Holt - Win Your Love (7")
Label:Love (2)
Cat#: none
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$70.00
+ shipping


B. B. Seaton* - Lean On Me (7")
Label:Splash
Cat#: none
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$60.00
+ shipping


Ken Quatty / The Actions - Jah Lion / Holy Moutt Zion (7", Single)
Label:Hot Shot!, Hot Shot!
Cat#: MU-2107, MU-2108
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$155.00
+ shipping


Errol Dunkley - O.K. Fred (7")
Label:Celluloid
Cat#: CEL 1-6205
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Sleeve Condition: No Cover
Location:
View Release Page
 
R$45.00
+ shipping


Mighty Diamonds* - I Need A Roof (7")
Label:Giant (11)
Cat#: JHK005
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Location:
View Release Page
 
R$60.00
+ shipping





sábado, 30 de janeiro de 2016

RETRATANTO AS RAÍZES DA CULTURA DAS SOUND SYSTEM`S BRITÂNICAS


Sound System Culture

The Saxon Sound System Crew, 1983. Foto cortesia da coleção de Maxi Priest

"Uma das minhas primeiras lembranças é a do baixo vindo através das paredes quando eu era uma menina em Huddersfield", ri Mandeep Samra, curadora da exposição "Sound System Culture: London", que abre em 5 de janeiro no The Tabernacle, Notting Hill. "O vizinho costumava fazer essas festas azuis. Eu acho que provavelmente tinha algum tipo de efeito subliminar."

A cultura do sistema de som no Reino Unido tem desempenhado um papel vital na história do reggae mundial. A partir do momento que o jovem imigrante Caribenho "Duke" Vincent Forbes montou seu sistema rudimentar em 1954 em Londres, e começou a tocar ska e calipso nas seleções em volumes de abalar o peito, os sistemas britânicos mantiveram-se na vanguarda do movimento, influenciando muito a cada subconjunto de dance music no Reino Unido desde então.

Explorando a história social da cultura em cidades como Huddersfield, Bristol, Birmingham e, agora, Londres - a turnê exposição "Sound System Culture" oferece uma oportunidade para explorar uma cena que permanece tão vital hoje como nunca.

"A turnê cresceu organicamente a partir da exposição original em Huddersfield," diz Samra. "Ainda que não tenha sido bem documentado em cidades como Londres ou Bristol, por muitos anos Huddersfield teve uma cena próspera, fora de proporção com o tamanho real da cidade. A exposição documenta a vida e as experiências daqueles que estavam envolvidos, em particular pessoas que lançaram as bases para a cena em locais como o Arawak Club e Venn Stree, de lá nós exploramos Bristol e Birmingham, e agora Londres".

A partir de sessões de festas privadas de "blues" todas as noites em terraços em desintegração de West London com um sistema maciço e bares ilegais na década de 1950, para poderosos sistemas como os de Contagem Shelley nos anos 60, e através de sistemas roots dos anos 70 de peso como Jah Shaka e Fatman, e dos anos 80 como os titãs do Saxon, os sistemas muitas vezes, desde um enfoque social para as comunidades de West Indian e em Londres, se fez uma marca indelével na cultura dos graves na Inglaterra.


"Esses sistemas inicialmente surgiram de uma necessidade de um enfoque comunitário", explica Samra. "A primeira e a segunda geração de imigrantes do Caribe foram muitas vezes excluídos dos pubs e clubes. Estas festas foram frequentemente oferecidas em centros comunitários e afins. Para a exposição em Londres, tivemos links com vários sistemas e também trabalhamos em estreita colaboração com o escritor / historiador de reggae John Masouri [autor de Steppin' Razor: The Life of Peter ToshWailing Blues - The Story of Bob Marley's Wailers: The Story of Bob Marley's "Wailers"], que realmente puxou a narrativa junto. Londres foi um assunto delicado porque tem havido um número tão grande de sons que saíram da cidade. Teria sido impossível documentar tudo, mas estamos muito felizes com o que podemos apresentar."

Antes da abertura da exposição, eu me encontrei com John Masouri para falar sobre a cultura dos sistemas de som Londres e a vida no reggae.

Jah Shaka no Albany Empire, Deptford, London, 1984. Foto © Stephen Mosco

VICE: Quais são as suas primeiras lembranças do reggae?
John Masouri: Em 1968, eu tinha 15 anos, eu fui para a minha primeira festa de blues. Isso foi em uma área muito baixa de Nottingham. Já havia uma boa quantidade de pessoas do Caribe lá; Eu acho que foi a primeira geração que ia para a escola com crianças jamaicanas. Eu tinha uma namorada, e seu tio fazia festas de blues, então eu costumava ir lá. Foi muito intimidante, muito emocionante - outro mundo. Fiquei fascinado. Eu me mudei para Londres em 1973 ou 74, quando os primeiros grandes sistemas estavam começando a aparecer no [Notting Hill] Carnaval - Fatman, Coxsone, etc. Foi maravilhoso estar em Londres durante esse tempo; você não tem que ir a festas de blues mais, os sons seriam tocados em salões e clubes adequados e centros comunitários, e eu tinha idade suficiente para entrar. Mas uma coisa que eu notei foi que as coisas estavam mais racialmente carregadas em Londres. Era certamente mais amável ​​do que tinha sido nos Midlands. Eu acho que, em parte, que é apenas estar em Londres, no entanto: Londres era muito mais competitivo entre os vários sistemas, e eles foram os primeiros a entrar com material de conscientização que estava acontecendo no momento.

O assédio da polícia estava vindo forte naquela época também. Muitas vezes você estaria em lugares e a polícia iria atacá-los e todo mundo buscav fechar o sistema, fechar o clube ... Mas você meio que se acostumou com que aquilo tornava-se parte da experiência. Onde quer que os jovens se reunissem para ter um hora de lazer há sempre alguém que quer estragar tudo, sabe?

Eu acho que é certamente uma forma primária de experimentar roots reggae. Mas ele vai voltar muito mais longe, até mesmo os caras do som iniciais, como [Vincent] "Duke Vin" [Forbes] no início de 1950, ele estava fazendo o edifício trepidar, fazendo gesso cair do teto nas festas de blues que ele estava tocando ; sempre foi uma grande parte da música. Esses caras de som, que começaram, eram sempre muito competitivos em todas as áreas, sempre estavam procurando as melhores e mais exclusivas gravações; obter as melhores MC’s no microfone; ter a melhor fidelidade de som; sendo o mais alto sem distorcer. Eles mostraram valentia em projetar o som e começar tudo, construindo com as especificações adequadas.

O volume foi certamente parte disso, mas eu acho que, talvez, tornou-se um excesso de destaque no final da década de 70. As festas de blues iniciais, eram usadas ​​para ser lugares onde as pessoas se encontram; não apenas dançam e se divertem por um bom tempo, mas também compartilham as notícias de qualquer parte que vieram do Caribe. Eles não estavam necessariamente inclinando maciçamente para o volume, porque as pessoas gostariam de socializar também. Mas no momento, nos meados dos anos 70, você tinha a sua volta sons como Jah Shabba e Fatman, que foram absolutamente matadores com volume. Isso foi uma verdadeira experiência do que você por sentir, isso em um sentido corporal.

Austin "Spiderman" Palmer, fundador do The Mighty Jah Observer Sound System, no Sottotetto Sound Club, Bologne, Italy, Outubro 2011. Foto © Rita Verde

O chacoalhão no peito.
É quase como se o som habita-se seu corpo inteiro. Você se torna uma extensão das próprias caixas de som, em um sentido. E eu devo admitir, porque eu posso dizer que você o ama, bem, Harry - não há nada como a sensação de ser tomado. É como o Invasion of the Body Snatchers [risos].

Você pode me dizer um pouco sobre o que aconteceu com a cultura sistema de som na Inglaterra durante os anos 80?

Os anos 1980 foram a melhor década de sempre para reggae neste país; foi essa enorme explosão de talento, não apenas em Londres, mas em todo o país. Houve essa explosão de bandas roots em todo o lugar. Quando fitas-cassetes de sons da Jamaica - se tornaram muito populares, de repente você tinha uma situação onde o cantores nascidos na Inglaterra – que frequentaram escolas inglesas, tinham incorporado elementos dos sons jamaicanos. Você tinha contadores de histórias reais emergindo. Dubplates tornaram-se menos importantes; o desempenho dos DJs e cantores assumiu. Essa foi uma geração tão talentosa com MCs e cantores em sistemas como o Saxon.

Em 1984 Papa Levi teve um hit número um na Jamaica com "Me God Me King". Isso nunca tinha sido feito antes, na verdade, nunca foi feito, mas foi incrível. Um indivíduo novo do sul de Londres, de Lewisham, que aprendeu seu ofício em clubes de jovens locais, e de repente ele tem um hit número um na Jamaica - a casa dos sistemas de som de reggae, a casa da cultura reggae. Para realmente testemunhar DJs e MCs jamaicanos serem forçados em ter o pé atrás e, em seguida, e tomar estilos que originaram no Reino Unido, foi um verdadeiro ponto de orgulho se você estivesse no meio de tudo naquele ponto.

The Saxon Sound System Crew, 1983. Foto cortesia da coleção de Maxi Priest

Por que você acha Inglaterra cultivou um movimento tão forte?
Em primeiro lugar, tivemos uma maior concentração de imigrantes de West Indian. Em segundo lugar, eles trouxeram a cultura com eles. Não era uma comunidade insular, e, embora é claro, havia o racismo cotidiano e o racismo institucionalizado, e eu nunca iria negar que, na minha experiência pessoal [crianças inglesas e crianças de West Indian tinham muito em comum]. Haviam tantos elementos que poderiam compartilhar como amigos; foi um ajuste fácil e havia também um monte de relações inter-raciais acontecendo. E as comunidades da classe trabalhadora na Inglaterra, sempre tiveram grande amor pela música soul americana e rock 'n' roll americano. Sempre houve essa apreciação da música - que sempre foi um dos nossos pontos fortes como nação.

Onde quer que as pessoas do Caribe se estabelecessem, a partir dos anos 50 em diante, uma cena musical iria se desenvolver. Foi, talvez, mais fácil nos anos 70 porque havia muitos mais facilidades. Ao contrário de hoje, você tinha um excedente de habitação social; um monte de festas aconteciam em centros comunitários; havia muitos salões de igreja, clubes juvenis... Existiam muitos lugares onde a música poderia florescer e criar raízes. Havia um monte de bandas começando, por isso foi capaz de se espalhar. Eu não estou dizendo que sempre foi fácil, mas as instalações foram naquela época de uma forma, talvez, que eles não são hoje.

Lloyd Coxsone, fundador do The Sir Coxsone Outernational Sound System, 1978. Foto © Dave Hendley

Sim, Londres mudou uma quantidade enorme desde então; parece cada vez mais difícil para os locais no clima atual. Como isso afetou a cena sistema de som?
Vou te dar um exemplo: agora é extremamente caro para um sistema tocar no carnaval. As reclamações de moradores nos últimos anos significa que cada sistema tem de fornecer um nível de segurança fora de seu espaço, que é caro. Veja Sir Coxsone, por exemplo. Ninguém paga eles para tocar em Notting Hill, mas eles têm que contratar uma van para levar o sistema até lá; eles têm de pagar os técnicos de som que podem ser seis ou sete pessoas, que têm de pagar os seguranças; eles têm que ser responsáveis pela coleta do lixo, todas estas coisas. Isso custa uma quantidade enorme de dinheiro.

Houve um período na década de 80, quando tivemos o GLC sob Ken Livingstone, e ele estava muito pró a comunidade do Caribe, a favor da arte do Caribe. O GLC iria sediar uma série de shows nos parques e nas prefeituras. Foi um tempo muito progressivo, um tempo muito interessante a esse respeito. Mas quando Thatcher chegou, teve o mesmo tipo de pensamento repressivo de direita que temos agora. E isso nunca é bom para a música.

Conte-me sobre a colocação da exposição de Londres juntas, era difícil controlar as pessoas que chegavam que haviam se envolvido com os sistemas mais antigos?Inicialmente, tivemos de lançar nossa rede em torno de Londres, ver quem realmente tinha fotografias, que era a coisa principal. Nós não queremos usar apenas imagens de fotógrafos reconhecidos; queríamos as fontes das fotografias que tinham sido tiradas em torno dos próprios sistemas, mas não foram compartilhadas publicamente. Essas fotografias dão um tipo diferente de visão, e estamos com a sorte de ter uma grande exposição. Mas o que logo descobrimos é que um monte de caras mais velhos, dos sounds, não tiravam fotografias no passado, ou eles não são familiaridade com o computador, ou eles podem não estar por aqui mais – são cenários como esses.

Havia alguns sistemas antigos que eu realmente queria ter representado, mas não havia absolutamente nenhuma fotografia. Às vezes as pessoas me diziam: "Por que você não tirava fotografias nas festas, então?" Como um homem branco? Em uma festa de blues? As pessoas pensavam que eu era um policial já, ainda mais se eu tivesse uma câmera sangrando no meu pescoço [risos]. Nos anos 70 não havia nenhuma maneira de você sair correndo por aí enfiando uma câmera na cara das pessoas. E a outra coisa era que, naqueles dias em Londres, muitas pessoas não tinham uma câmera decente própria. A fotografia era algo que você realmente não fazia, no sentido moderno.

Mas eu acho que é incrível que as pessoas como Mandeep - que são de uma geração- que tem um enorme interesse nesta cultura jovem e estão preparados para assumir os riscos e colocar em exposições como esta. Eu vejo isso como uma coisa muito positiva. Eu gostaria de ver mais livros, mais filmes, mais exposições para realmente impressionar as pessoas, em especial, como esta cultura era e como continua a ser impressionante. A influência da cultura dos sistemas de som em todo o mundo é enorme agora. Estamos vendo sistemas na América Latina, África, Extremo Oriente. Nós nunca poderíamos ter imaginado que estas coisas estariam acontecendo, mesmo 20 anos atrás.

"Sound System Culture: London" abriu em 5 de janeiro no The Tabernacle, Notting Hill.


sábado, 23 de janeiro de 2016

DHAIMA MATHEWS E DENNIS BROWN - A TRUE [TRADUÇÃO]

Dennis Brown você conhece, é o príncipe do reggae e um dos mais prolíferos artistas da Jamaica, certo?!... Se a resposta é não conheço, indico você reavaliar seus conceitos sobre conhecimento musical. Mas assim como todo grande artista, com vasto material, Dennis Brown deixou diversas produções, um tanto quanto mais obscuras. Entre os anos 60 e 70 principalmente, o lançamento de singles em 7” eram muitos mais produzidos que LP’s. A razão de se produzir mais singles que LP’s é óbvia. LP’s são caros de se produzir, e se o artista não tiver lançado alguns singles de sucesso, não vende. 

O single “A True” foi lançado em 1978, nas vozes de Dhaima e Dennis Brown, com produção de Joe Gibbs, acompanhado pela banda de estúdio The Professionals. Na minha opinião, entre 1975 e 1984 foram os 10 anos mais interessantes do trabalho de Dennis Brown. Experimentando entre o roots, o digital e dancehall, compondo canções extremamente marcantes. Mas por ser tão prolifico, e produzir tanto, algumas ótimas canções acabam sendo suprimidas por outras. E esse é o caso de “A True”, que até hoje não tem uma substituta ou dueto tão marcante na voz de Brown, junto com outra cantora. Dhaima Mathews, que tem pouquíssima informação disponível ligada ao reggae, mas ótimas produções e singles. 

Dhaima, nascida Sandra Mathews em 1949 em Nashville, Tennessee, era cantora prematura assim como Brown, aos 12 cantava R&B no grupo The Buttons junto de Connie Burns. Ela gravou diversas músicas em sua fase R&B como ‘Shimmy Shimmy Watusi’, Pretty Li’l Lovelights e Foot Stompin (ela ainda não era Dhaima), eles compuseram as duas primeiras canções citadas e Ronnie Wilkins a última. Ronnie Wilkins compos “Son Of A Preacherman” e “Love Of The Common People”. Essa ultima conhecida, já gravada por diversos artistas, mas uma das mais famosas e conhecidas é a versão reggae produzida por Joe Gibbs junto com Nicky Thomas lançada na pela Trojan na Europa em 1970. 

Dhaima e Philip Michael Thomas
A canção estabeleceu Joe Gibbs como produtor, e Sandra depois de um hiato de 7 anos, agora pintora e mãe de duas crianças com o ator Philip Michael Thomas (da série Miami Vice). Ela acabou se encontrando musicalmente gravando para Gibbs. Sandra mudou seu nome para Dhaima, e acabou tendo contato com o reggae no trabalho que fazia para United Artists, que relançava alguns títulos na época como; The Heptones Studio One e o clássico álbum do Skatalites, African Roots. Dhaima acabou se mudando para a Jamaica, se cercando de pessoas importantes e talentosas, como Rita e Bob Marley com quem manteve forte amizade, e também com a cantora Betty Wright. e lançou algumas canções. As mais conhecidas (se assim posso dizer), são “Ina Jah Children” e “A True” com Dennis Brown.

“A True” é um Jamaica Stepper, com um arranjo de flauta extremamente refinado, com os vocais afinados de Dennis e Dhaima em extrema sintonia. A letra é creditada em sua maior parte a Dhaima, e talvez seja inteira dela. O single “A True”, fez sucesso em UK e na Jamaica, mas acabou como disse, ficando na sombra de diversos outros hits lançados por Dennis, no decorrer de 1978 e 1979. Anos que Brown gravou muito, lançou muitos discos e fez diversos shows pelo mundo. 

Em 1979, foi lançado o álbum Words Of Wisdom de Brown, no qual a música foi incluída, mas sem os vocais de Dhaima, que foi substituída por outras backing vocals. No álbum, “A True” ainda tem os mesmos arranjos, e a flauta marcante, mas faltam os vocais de Dhaima realmente, o que faz a canção ser o que ela é. Dhaima recebeu os créditos pela música, que ainda é considera um Shaka Tune.
Dennis Brown, Dhaima - A True (7")
Label:Joe Gibbs Record Globe
Cat#: none
Media Condition: Very Good (VG)
Original Press, with some marks on label and some noise.



My people listen carefully,
Meu povo ouça com atenção,
To reality.. yeah.
À realidade .. Yeah.
Ooh.. yes!
Ooh .. Yes!



A true, a true hmmm.. a true.
A verdade, a verdade hmmm .. a verdade.
Hmmm, a true, hmmm, nuh true.
Hmmm, um verdadeiro, hmmm, nuh true.



We got to know what we're living for,
Temos de saber para o que nós estamos vivendo,
And we got to know what we're loving for.
E temos de saber para o que nós estamos amando.
We got to know who we're praying to,
Temos de saber para quem estamos orando
And we got to know what we're singing for.
E temos de saber para o que estamos cantando.
We got to know who we're playing with,
Temos de saber com quem estamos jogando,
And we got to know what we're working for.
E temos de saber para o que nós estamos trabalhando.
We got to know who we're talking to,
Temos de saber para quem estamos falando,
And we got to know what we're listening for.
E temos de saber para o que estamos ouvindo.
Yes we got to know what we're writing for,
Sim temos de saber para o que estamos escrevendo,
And we got to know what we're dancing for.
E temos de saber para o que nós estamos dançando.
Yes we got to know what we're striving for.
Sim temos de saber para o que estamos buscando.



Well, a true, hmmm.. nuh true.
Bem, a verdade, hmmm .. nuh true.
Hmmm.. a true, hmmm.. nuh true.
Hmmm .. a verdade, hmmm .. nuh true.



To enter the Kingdom of His Majesty,
Para entrar no Reino de Sua Majestade,
On earth we got to live in perfect harmony.
Na terra nós temos de viver em perfeita harmonia.



Hmmm.. nuh true, hmmm.. a true.
Hmmm .. Nuh true, hmmm .. a verdade.
Hmmm.. nuh true, yeah-yeah-yeah.
Hmmm.. nuh true, yeah-yeah-yeah.



Are you picking up.
Você está pegando.
Oh yeah now, say we;
Oh yeah, agora, nós dizemos;
We got to know what we're living for,
Temos de saber para o que nós estamos vivendo,
And we got to know what we're loving for.
E temos de saber para o que nós estamos amando.
We got to know who we're praying to,
Temos de saber para quem estamos orando.
And we got to know what we're singing for.
E temos de saber para o que estamos cantando.
And we got to know who we're playing with,
Temos de saber com quem estamos jogando,
We got to know what we're working for.
E temos de saber para o que nós estamos trabalhando.
Yes we got to know who we're talking to,
Temos de saber para quem estamos falando,
And we got to know what we're listening for.
E temos de saber para o que estamos ouvindo.
Yes we got to know what we're writing for,
Sim temos de saber para o que estamos escrevendo,
And we got to know what we're dancing for.
E temos de saber para o que nós estamos dançando.
Yes we got to know what we're striving for.
Sim temos de saber para o que estamos buscando.



Well, a true, hmmm.. nuh true.
Bem, a verdade, hmmm .. nuh true.
Hmmm.. a true, hmmm.. nuh true.
Hmmm .. a verdade, hmmm .. nuh true.



To enter the Kingdom of His Majesty,
Para entrar no Reino de Sua Majestade,
On earth we got to live in perfect harmony, yeah.
Na terra nós temos de viver em perfeita harmonia, sim.
Oh yeah now, hmm.. a true..
Oh yeah agora, hmm.. a verdade..

DAVID BOWIE – O PAI DE SLENG TENG


David Bowie morreu, e a Internet está repleta de elogios para o homem e sua música. Bowie lançou uma sombra tão grande sobre a música no final do século 20 e da cultura pop, que é difícil de colocá-lo corretamente em perspectiva. Claro, há um ou dois que caíram de para quedas e pressupostos que desejam chamar transgressvivamente, o status do homem em questão, ou dizem que sua música não era tão boa de qualquer maneira.

Discutir com trolls é um desperdício de tempo, eu não me preocupo em fazer algum rol de realizações do homem. Em vez disso eu vou usar apenas um pequeno exemplo como uma forma de mostrar a extensão de sua influência na música do século 20.

Para os fãs de música jamaicana, a canção "Under Mi Sleng Teng" de Wayne Smith, lançada em 1985, foi uma linha na areia: o fim da era do roots reggae e do início da música baseada em produções digitais principalmente conhecido como dancehall.





A canção foi baseada em uma predefinição ritmica no teclado Casiotone MT-40 chamada "rock". Essencialmente, o tecladista Noel Davey apenas tocou o ritmo pré-definido, em seguida, colocou alguns acordes em cima dele.

A canção foi um sucesso imediato e provocou uma enxurrada de canções, ou com um novo vocalista no mesmo instrumental (foneticamente conhecido como um “riddim") ou em uma versão refeita do riddim por outros músicos. Há centenas e centenas de versões de músicas do riddim Sleng Teng, e como um todo eles compõem algumas das canções mais amadas nos últimos 30 anos da história da música jamaicana.




Além disso, a música mudou todo o curso da indústria da música jamaicana, com um ou dois teclados, um músico esclarecido sobre a construção de riddims a partir do zero, substituía bandas inteiras. Músicos ao vivo nunca seriam eliminados de reggae completamente, eles simplesmente deixaram de ser a principal componente (vale a pena assistir imagens ao vivo a partir do início dos anos 90 , como Bounty Killer e Beenie Man no Sting em 1993, após a era digital tem sido firmemente estabelecida , e ver como a função de bandas ao vivo é agora para tocar esses riddims produzidos nos teclados digitais).

Ok ok, você diz, mas o que isso tem a ver com David Bowie ?

Bem, nos últimos anos, tem acontecido um reexame dessa era do reggae, especificamente, o riddim Sleng Teng, começando com a morte de Wayne Smith em 2014. No mês passado, houve um artigo muito bom sobre Sleng Teng (clique aqui para ler) que contou com citações da criadora do Casiotone MT- 40 e do preset "rock", Hiroko Okuda (Casio’s Product Development and Music Engineer).

No artigo, Okuda desmente o mito de que a faixa foi baseado em "Something Else", musica dos anos 50 do roqueiro Eddie Cochran (um boato que tem sido repetido tantas vezes que se tornou canônico), ou em "Anarchyin the UK" dos Sex Pistols:



Apesar de revelar a Engadget que os rumores sobre Eddie Cochran e Sex Pistol são falsos, ela admitiu que a predefinição foi baseada em uma faixa de rock. De um disco de rock britânico dos anos 70, e é tudo que ela iria confirmar; "Você vai notar imediatamente uma vez que você ouvir a música".

Eu não tenho informações de contato com Hiroko Okuda, mas eu sou positivo em dizer que a música que ela está se referindo é “Hang Onto Yourself”, de David Bowie.


Se há uma outra "gravação britânica de rock dos anos 70" que soa mais como Sleng Teng , eu gostaria de ouvi-la.

Assim, a história da música que começou uma nova era na música jamaicana, pode ser rastreada até David Bowie. Eu não estou dizendo que isso é nada mais do que um acidente das circunstâncias, mas tenho a sensação de que quanto mais se examina a carreira de Bowie, mais esses acidentes serão encontrados.

Eu não tenho nenhuma dúvida de que Bowie pretendia que o riff fosse uma homenagem aos anos 50, provavelmente a partir Eddie Cochran. Na época, Bowie estava desenvolvendo seu personagem Ziggy Stardust, que era essencialmente um rock and roller dos anos 50, e seria transportado para um ambiente sci-fi, e um de seus principais pontos de referência foi o roqueiro Vince Taylor dos anos 50. Talvez não por coincidência, a primeira demo de Bowie gravada dessa música, foi feita na noite em que ele conheceu o roqueiro Gene Vincent, em Los Angeles.

Artigo original @ https://axischemicals.wordpress.com/2016/01/11/david-bowie-digital-reggae-kingpin/

FYASHOP - LIVROS E EBOOKS - KINDLE


Abaixo algumas informações básicas sobre as compras de livros e ebooks:

  • Clicando no link do produto que você escolher, você será redirecionado para página de venda no livro no site da Amazon para concluir a compra.
  • O livro físico chega direto na sua casa.
  • O eBook vai ser direcionado a sua conta da Amazon, e você vai poder ler no seu Kindle ou qualquer aparelho que tenha o App de leitura da Amazon Instalado.
  • Se não tiver o app instalado ainda, clique aqui para instalar.
  • Se tiver qualquer dúvida, sobre os títulos, ou como comprar entre em contato conosco pelo e mail: fyadub@yahoo.com.br

KINDLE

Novo Kindle Paperwhite Wi-Fi, iluminação embutida, tela de 6" sensível ao toque de alta definição



Kindle com tela sensível ao toque e Wi-Fi


Kindle Voyage Wi-Fi, iluminação embutida, tela de 6" sensível ao toque de alta resolução



ACESSÓRIOS KINDLE

Adaptador de tomada

Capa de couro para Kindle Paperwhite, cor preta (compatível somente com modelos Kindle Paperwhite)

Capa de couro para Kindle Paperwhite, cor azul (compatível somente com modelos Kindle Paperwhite)

Capa de couro para Kindle Paperwhite, cor rosa (compatível somente com modelos Kindle Paperwhite)

Capa de couro para Kindle Paperwhite, cor roxa (compatível somente com modelos Kindle Paperwhite)

Capa de couro para Kindle Paperwhite, cor laranja (compatível somente com modelos Kindle Paperwhite)

Capa de couro para Kindle, cor preta (compatível somente com Kindle com tela sensível ao toque, não é compatível com Kindle Paperwhite)

Capa protetora para Kindle, cor preta (compatível somente com Kindle com tela sensível ao toque, não é compatível com Kindle Paperwhite)

Capa protetora para Kindle, cor roxa (compatível somente com Kindle com tela sensível ao toque, não é compatível com Kindle Paperwhite)

Capa protetora para Kindle, cor vermelha (compatível somente com Kindle com tela sensível ao toque, não é compatível com Kindle Paperwhite)

Capa protetora para Kindle, cor verde (compatível somente com Kindle com tela sensível ao toque, não é compatível com Kindle Paperwhite)

Capa protetora para Kindle, cor rosa (compatível somente com Kindle com tela sensível ao toque, não é compatível com Kindle Paperwhite)

FYASHOP - LIVROS E EBOOKS


Abaixo algumas informações básicas sobre as compras de livros e ebooks:

  • Clicando no link do produto que você escolher, você será redirecionado para página de venda no livro no site da Amazon para concluir a compra.
  • O livro físico chega direto na sua casa.
  • O eBook vai ser direcionado a sua conta da Amazon, e você vai poder ler no seu Kindle ou qualquer aparelho que tenha o App de leitura da Amazon Instalado.
  • Se não tiver o app instalado ainda, clique aqui para instalar.
  • Se tiver qualquer dúvida, sobre os títulos, ou como comprar entre em contato conosco pelo e mail: fyadub@yahoo.com.br

Steppin' Razor: The Life of Peter Tosh


Son Of The Ghetto (English Edition)


 Time and memory in reggae music (Music & Society)


Roots, Rock, Rap and Reggae


Smoken Careers: Roots, Rock, Rap & Reggae Book 2


LES ORIGINES DU REGGAE Retour aux sources


Sonic Bodies: Reggae Sound Systems, Performance Techniques, and Ways of Knowing


King Jammy's


The Hardest Working Man: How James Brown Saved the Soul of America


Hip-Hop Turntablism, Creativity and Collaboration (Ashgate Popular and Folk Music Series)


The Wu-Tang Clan and RZA: A Trip through Hip Hop's 36 Chambers (Hip Hop in America)




100 Essential Dub Albums


Roots: The Saga of an American Family



Dancehall: The Rise of Jamaican Dancehall Culture


Reggae Soundsystem: Original Reggae Album Cover Art: A Visual History of Jamaican Music from Mento to Dancehall


Sonic Experience: A Guide to Everyday Sounds


Trends in African Popular Music: Socio-Cultural Interactions and the Reggae Genre in Nigeria (English Edition)


Dub: Soundscapes and Shattered Songs in Jamaican Reggae (Music Culture)


Solid Foundation: An Oral History of Reggae


Dub: Red Hot vs Ice Cold (English Edition)


History of African American Popular Music; From Slavery Through the Post Hip-Hop Era (English Edition)


The Souls of Black Folk (Dover Thrift Editions)


Selected Writings and Speeches of Marcus Garvey (Dover Thrift Editions)


In the Name of Allah Vol. 1: A History of Clarence 13X and the Five Percenters (English Edition)


In the Name of Allah Vol. 2: A History of Clarence 13X and the Five Percenters (English Edition)


Gangs of Jamaica - The Babylonian Wars. (Jamaica Insula Book 6) (English Edition)


The Book of Exodus: The Making and Meaning of Bob Marley and the Wailers' Album of the Century


DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!