sábado, 6 de fevereiro de 2016

ALÉM DE FELA: UM GUIA PARA OS PRIMÓRDIOS DA MÚSICA ELETRONICA AFRICANA

Francis Bebey - Foto de Pierre René-WormsAfricaine 808 destaca uma seleção de músicas pioneiras de dance music africana,
a partir da Nigéria do funk iconoclasta de William Onyeabor para a disco de Shangaan da África do Sul.
Dirk Leyers e Nomad

Chame do que quiser, mas não há como negar que o funk ou o boogie do oeste da África irá acender uma pista na Europa e ninguém sabe disso melhor do que Nomad e Dirk Leyers. Operando como Africaine 808, os berlinenses são particularmente adeptos a cavar e implantar cortes eletrificados de todo o continente Africano. Como o duo disse a Juno recentemente, sua festa Vulkandance veio de um desejo de injetar um pouco de vida e cor na cena  club de Berlim, que estava nas garras geladas do minimal techno no momento da sua concepção. Quase sete anos depois, a festa ainda está forte, e muitas das faixas existentes no guia abaixo foram experimentadas e testadas na pista do Vulkandance. 

A mistura exuberante de estilos e texturas representadas em seleções do Africaine 808, que variam do proto-rap de Gana a Sul-Africana "bubblegum" pop, são também representadas no álbum de estreia da dupla, Basar. Lançado no Golf Channel em fevereiro, o LP incorpora polirritmia de toda a África, América Latina e do Caribe, e os dois também expandiram seu show ao vivo com o percussionista Eric Owusu do Ebo Taylor Band e o baterista Dodo N'Kishi. Para aqueles que procuram ir direto à fonte, existem títulos relançados como Sofrito, Analog Africa, Soundway e Kindred Spirits, que são um bom lugar para começar.


African Vibration, "Hinde"
 
"Há uma vibração incrível e muito atípica neste 7inch queniano". A banda de African Vibration era anteriormente um grupo de disco/dance que gravou mais ou menos de forma extravagante, inúmeros sons comerciais, bem como outras 'safari sound bands'." Esta pista tem mais de uma vibe somali ou Saharan a ele, e é um dos mais novos armas secretas que implantamos durante nossas festas Vulkandance.


William Onyeabor, "Good Name"

 
"'Good Name' foi considerada o Santo Graal para cada colecionador de música eletro-afro, antes dos meus amigos da Luaka Bop relança-lo, juntamente com todos o catálogo do Onyeabor. Big Will é um dos mais estranhos personagens da música nigeriana, e definitivamente, um dos pioneiros da música sintetizada Africana. Vale a pena estuda-lo."



Francis Bebey, "La Condition Masculine"

 
"Francis Bebey é outro pioneiro. Não me lembro quantos incríveis músicas foram produzidas por esse cara, através de gêneros completamente diferentes - de ambient para hip-hop, e do funk para deep (house), hipnóticos e borbulhantes números polirrítmicos como este. Nunca  vai dar errado com velhos drum machines e órgãos, especialmente quando combinados com senzas amplificadas".



Tata, "Afro Breakdance"
 
"Tata foi um dos músicos de Kabasa, uma banda de disco/funk do Sul da Africa. Nesta disco solo, tocou com o breakdance da moda, que tinha acabado de chegar ao continente Africano. É incrível como o Ocidente ficou amplamente ignorante,  com o que era produzido com sintetizados  e dance music produzidos na África do Sul, ou nos centros de Lagos ou Abidjan. Agora as gravadoras estão começando finalmente a olhar à África do Sul, depois de os preços de discos de dance nigeriano já atravessaram o teto Na nossa última festa Vulkandance, ESA abriu seu set com esta música e a pista entrou em erupção".



Abidjan City Breakers, "A.C.B. Rap"

 
"Este é um dos meus discos favoritos de breakdance africano, com uma bela capa da velha escola do A.C.D. tripulação dividindo-o em frente ao skyline da cidade de Abidjan. Nós tocamos esse disco por quase uma década, e é sempre um vencedor. Ele também traz pessoas que nunca dançaram a música Africana antes".




Tabu Ley Rochereau, "Hafi Deo"

 
"DJ Armin Schmelz tocou este título pela primeira vez em uma after-hour das lendárias festas do Tingel Tangel Soundsystem em Viena cinco ou seis anos atrás. Ele tocou tudo o que eu amo do grande congolês cantor e compositor Tabu Ley e house e electro music ao mesmo tempo. Basta ter o melhor dos dois mundos juntos, e você tem essa música. Este tem sido tocado regularmente nas nossas noites e festas, desde sempre."


Paul Ndlovu, "Tsakane"

 
"Este é outro clássico do Vulkandance desde o primeiro dia. Para mim, 'Tsakane' é uma das maiores faixas do South African Shangaan disco e bubblegum/afro-synth music. Paul Ndlovu foi parte de dois outros projetos, Mordillo e Street Kids, e teve inúmeros hits nos centros, mas de alguma forma nunca fez isso para quaisquer outros lugares fora da África do Sul. Esta música sempre traz todas as meninas para a pista de dança, formando corações com as mãos. Não tem como ficar melhor que isso."




Gyedu Blay Ambolley, "Simi Rapp"
"Gyedu Blay Ambolley tem sido uma das estrelas brilhantes da música Ganiana há mais de 40 anos. Ele era o líder da banda Steneboofs e começou a produzir e tocar afro-funk no início dos anos 70. Seu estilo único de conversar sobre os instrumentais, sem dúvida, fez dele um dos primeiros rappers no continente Africano. Essa faixa é outra das nossas favoritas de todos os tempos. Note que o bassline entra após quatro minutos de rap - uma agradável surpresa".

Artigo original @ http://www.electronicbeats.net/beyond-fela-a-guide-to-early-african-electronic-music/


DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!