Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

sábado, 5 de março de 2016

O GUIA DEFINITIVO DE LEE ‘SCRATCH’ PERRY - PARTE 2

Clique aqui para ouvir a tracklist

Após o Black Ark, finalmente, morrer em um incêndio misterioso em 1983, Perry foi à deriva. Chris Blackwell o levou para as Bahamas em fevereiro de 1984 para gravar HISTORY, MYSTERY, PROPHESY no estúdio Compass Point, mas o resultado foi muito fraco, ocupando um espaço desconfortável entre um som altamente comercial influenciado por ritmos de discoteca e uma forma experimental da poesia. O desconexa associação de palavras em "Funky Joe” foi a indicativa de tudo o que estava errado, induzindo uma severa dor atrás da cabeça. Adaptações de Marley “Nice Time”, “Roots Rock Reggae” (como “Mr Music”) e “Keep On Moving" (como "Tiger Lion") não ajudou, apesar de "Heads of Government" ser mais na pegada.

No final de 1984, Perry foi trazido para Londres por Tony Owens, um associado de longa data, que tinha lançado compilações; Heart Of The Ark e Megaton Dub em seu selo Seven Leaves. Perry permaneceria na capital britânica por um período considerável, começando uma nova fase de sua carreira, e logo após a sua chegada, ele gravou o single "Judgement Inna Babylon" no estúdio Ariwa de Mad Professor, apontando diretamente para a cabeça de Chris Blackwell. Perry iniciou um álbum com Mad Professor no momento, embora não viria à tona durante vários anos.

Logo, Perry começou a trabalhar com o guitarrista Mark Downie, cujo Dub Factory foi um grupo misto, com músicos brancos britânicos, anglo-jamaicanos e anglo-indianos que se tornaram os novos Upsetters de Perry. Trabalhando no estúdio Thameside do sudeste em Londres, eles cortaram BATTLE OF ARMAGIDEON (MILLIONAIRE LIQUIDATOR) para a Trojan, um álbum que continha vários novos clássicos, como a autobiográfica "Introducing Myself" e “I Am a Madman", ambos os quais seriam pilares de seus sets ao vivo para as próximas décadas. Mesmo que o faux-funk mal executada de "Sexy Lady" seja um pouco lamentável, o álbum é um trabalho muito bom, centrando nas dobras de vocais de Perry, o que faz parecer que ele está tendo uma conversa com ele mesmo.

Ainda melhor foi TIME BOOM X DE DEVIL DEAD, o primeiro álbum que ele gravou com o inventivo produtor inglês Adrian Sherwood. Sherwood montou uma piscina multi-étnica de músicos, misturando o núcleo da banda Roots Radics com vários músicos residentes em Londres, produzindo um som baseado no reggae, ainda completamente diferente, incorporando tons de rock, funk e jazz. Perry se sentiu completamente à vontade com este tipo de apoio, fazendo Time Boom facilmente a melhor coisa que ele tinha registrado desde o falecimento do Black Ark. "Jungle" e "De Devil Dead" também se tornaram pilares do seu set ao vivo para as próximas décadas, e canções como "SDI", que criticou a iniciativa de defesa com ataque de Ronald Reagan, mostrou que ele não tinha perdido nada de sua consciência política.

Perry, em seguida, viajou para Nova York para gravar SATAN KICKED THE BUCKET para for Lloyd “Bullwackie” Barnes. Foi mais um álbum forte (se não tão memorável quanto Time Boom), os ritmos em grande parte digitais, que inclinam mais próximo do dancehall jamaicano contemporâneo, mas dada uma maior profundidade através das construções criativas da dos músicos do estúdio Wackies. Juntamente com um novo "Keep On Moving", gravado com Max Romeo, Perry mutado de Marley "It’s Alright", e transformou "Love Is Not a Gamble" dos Techniques em "One Horse Race", mas as canções mais fortes eram puros originais como a faixa-título (outro direto em Blackwell), as misteriosas "Sweet Dreams", e a louca "Bat Bat", na qual Perry anunciou que iria cobrir Margaret Thatcher com o combustível de seu reto. O selo lançou o álbum em 1990, e foi bastante agradável, mas foi mixado sem a presença de Perry.

MYSTIC WARRIOR lançado pelo selo Ariwa foi um inesperado lançamento em 1989. Foi um álbum Perry gravou com Mad Professor cinco anos antes. Embora houvesse várias adaptações gratuitas de músicas de Marley, os números mais eficazes foram originais gravados nas produções fantasmagóricas do Ariwa, em que Perry desencadeou a angústia da sua alma torturada. Em "25 Years Ago", ele afirma ter comido sua própria merda, e incendiaram a Black Ark por não obter o pagamento adequado, nem o reconhecimento artístico para com a sua obra; "Pirates (Black Plastic)" expressou uma frustração semelhante (mais uma vez , o LP lançado pelo selo, foi mixado por Mad Professor, sem o envolvimento de Perry).

Desde Perry esteve mirando tantas farpas na cabeça de Blackwell, de fato FROM THE SECRET LABORATORY, seu segundo trabalho colaborativo com Adrian Sherwood, ser lançado pela Island em 1990, foi uma verdadeira surpresa. Foi um álbum completamente moderno, as composições foram feits no Mixing Lab na Jamaica com as Roots Radics (juntamente com outros gravações na Inglaterra com vários músicos , como o guitarrista Skip McDonald do Tackhead) , emprestando um som variado, sendo um tanto desequilibrado, sentindo-se parte do conjunto; restrições orçamentais limitaram as sessões de gravação de voz de Perry também. Mas mesmo assim, não é tão convincente ou orgânico como Time Boom, mas o álbum ainda funciona bem. A faixa-título foi provavelmente e a coisa mais próxima de um registro dancehall Lee Perry, e tornou-se outro pilar ao vivo, assim como "Inspector Gadget”; "You Thought I Was Dead" teve Perry castigando os políticos jamaicanos e outros que sentiu lhe tinham mostrado desrespeito.

O álbum SPIRITUAL HEALING lançado na Suíça, co-produzido por Higi Heilinger e lançado pelo selo Black Cat, certamente não é necessário ouvir. Misturando trashy em novas faixas gravadas com músicos de rock suíços, como a sem sentido "Babush" e "Sexy Boss" (este último contando sua relação com a nova musa Mireille Campbell), outras faixas se tornaram mutantes de clássicos da Black Ark, como a de Augustus Pablo com ”Vibrate On,” aqui foram reutilizados para ”Sex Vibration", com "Lama Lava" rebaixado para a música "Come On and Dance".

Uma grande quantidade de material surpreendente e dúbio toma esta época: MESSAGE FROM YARD, um bando de gravações maltrapilhas inacabadas de Satan Kicked the Bucket, lançada em pequenas quantidades pelo selo Rohit, provavelmente não deveria ter sido lançado, já que era obviamente incompleto. O álbum tem um pouco de humor seco, como revelado na honesta "Money Me a Deal With" ( um bom resumo da motivação por trás do disco) , mas a maior parte é melhor descrito como enchimento, marcada pela pressa e desleixo. O lançamento de um novo título lançado pelo selo Tassa, The Dub Messenger, fez ainda uso das mesmas gravações péssimas, novamente sem o envolvimento de Perry.

O mini-álbum FULL EXPERIENCE é muito melhor, recuperada de sessões de 1977 da Black Ark, gravados com Aura Lewis e o Full Experience, faixas lúdicas com grande musicalidade e harmonias com trio de vocais femininos.

De volta à Jamaica em 1992, Lee Perry inesperadamente produziu novos álbuns para o selo Heartbeat que evidenciou energia renovada, após a sua ligação com Mireille. LORD GOD MUZICK (AKA The Reggae Emperor), produzido por seu antigo parceiro Niney, foi uma produção digital de estilo dancehall. Faixas que encabeçam o álbum como "Free Us", o cáustico "Hot Shit" e uma regravação de Marley de "Who Colt the Game" (que agora visa Bunny Lee) funcionou bem, embora outras faixas sejam medíocres, e usando o original 1968 “I Am the Upsetter” como uma faixa de apoio para o absurdo resmungo, foi definitivamente um erro. No entanto para fãs de Perry pós-Ark, o álbum mantém apelo considerável.

Desconcertante, o álbum de 1994 - SMOKIN foi gravado em 1981 em New York durante a estada de Perry. É uma jornada excessiva do fluxo de consciência através da psique de Perry, produzido por Munchie Jackson, que estava envolvido no selo Tafari de Little Roy, bem como primeiros lançamentos do Bullwackies. Em grande parte com diatribes e metafísicas adicionadas, e divertidos declamatórios, o material estava firmemente no modo Pipecock Jackxon, com " Hi-Jack", "Atlas Road Map", "Cockroach Motel" e " Calamooch" soa upbeat e otimista, contrastando com o escuro clima de sintonia da música obeah, "Seven".

A reconexão de Perry com Mad Professor no final de 1994, resultou em uma série de novos álbuns de estúdio do selo Ariwa que o levariam para o novo milênio. O primeiro a ser lançado SUPER APE INNA JUNGLE foi infelizmente um dos mais fracos, sendo um mal audível apanhado de remixes jungle e techno-dub de regravações, do mais coeso BLACK ARK EXPERRYMENTS, um dos mais fortes álbuns Perry desse período, expressou em algumass composições completamente orgânicas robótica. Apesar de ser juntos ao longo de um fim de semana, o último teve canções fortes, como a autobiográfica "Open Door" e a censurada "Heads of Government", ambas as quais se tornaram comuns e regulares em seus concertos ao vivo (mais uma vez, a finalização do álbum foi feita em grande parte sem o envolvimento de Perry).

WHO PUT THE VOODOO ‘PON REGGAE continuou na mesma veia, embora desta vez as composições atrás dele fossem em grande parte eletrônica. Outra corrente de palavras a partir do Upsetter, que se esforça para expressar as minúcias de sua especial visão de mundo, Perry saudou a recente popularidade japonesa em "Megaton Bomb", e alertou rivais românticos em "Don’t Touch My Shadow", e admitiu um pouco de seus maus hábitos na "Messy Apartment". Infelizmente, muito do material divagado faltava foco, embora ele ainda mantenha certo apelo (e como de costume, o álbum finalizado sem o seu envolvimento).

No meio das colaborações com Mad Professor, o álbum de 1997 - TECHNOMAJIKAL, lançado pelo selo ROIR nos EUA, foi o resultado de um projeto malfadado intermediado pelo grupo suíço X-Perry-mental, cujo tecladista Jeannot Steck, já tinha apoiado Perry em algums shows europeus. Perry colocou voz em várias faixas techno com o grupo em 1993, que mais tarde foram entregues a Deiter Meier do Yello, que conseguiu o produtor Martin Kloiber para reestruturá-lo, acrescentando uma citara , flauta e didgeridoo em alguns overdubs. No entanto, tentando encaixar Lee Perry em vários formatos de house music, só rendeu resultados muito pobres, e mixagens alternativas de faixas como "Maxi Merlin" e "LSD-LSP" meramente enfatizada, mas que não tem muito a oferecer.

Das colaborações restantes com Mad Professor, DUBFIRE de 1998 foi um pouco decepcionante, uma vez que foi inteiramente composta por regravações do catálogo de Perry, que apenas destacou como grande eram os originais. Embora ele tenha seus momentos, como na tomada melancólica de Júnior Byles "A Long Way", as tentativas de renovação de canções de Marley como "Soul Rebel”, "Duppy Conqueror" e "Satisfy My Soul" saiu bastante sem tempero. Houve momentos de auto-paródia também, como com a imitação do bebê na faixa-título, e o novo take de "Doctor Dick", que era excessivamente sujo (mais uma vez, álbum foi finalizado sem o envolvimento de Perry).

TECHNO PARTY, foi o primeiro lançamento do novo milênio de Perry, e se saiu muito melhor que diversos anteriores. Misturando o velho e o novo, seus cacos e cantos foram decorados com boa fusão das composições com trance, jungle e influências de trip-hop, alguns dos quais foram baseados em reggaes clássicos. A faixa-título é uma atualização goanesque-trance de “Punky Reggae Party", enquanto "Crooks in the Business" é um hip hop crescente que se relaciona com a aversão de Perry com os ladrões da indústria da música; ”Come in Dready" é um passeio deep house construído em torno de uma gravação de James Brown, enquanto o vingativo " Daddy Puff " jogou insultos as estrelas de outros gêneros (como de costume, Perry era praticamente inexistente para a finalização do álbum).

No ano seguinte, a Trojan conseguiu ressuscitar um álbum que Perry começou a gravar para eles em 1987-88, e que não foi totalmente concluído. Lançado como ON THE WIRE, teve uma reformulação maravilhosa prolongada de "Exodus", e uma multi- voz desconcertante em "For Whom the Bell Tolls", mas os backing vocals de "Buru Funky" entraram em confronto com a voz principal, e versões alternativas do On-U Sound em faixas como "Jungle" e " Train to Doomsville" estavam fora de lugar.

De alguma forma, JAMAICAN E.T. lançado em 2002 pela Trojan conseguiu um Grammy de "melhor reggae" para o álbum, mas o prêmio parecia ter sido emitido mais como um “conjunto da obra”, em vez de refletir a popularidade do álbum no reggae. Co-produzido por Roger Lomas, que havia trabalhado com notáveis gravações do 2 Tone, a orientação de funk-rock do álbum foi impulsionado por ex-membros do Style Council e Flesh For Lulu, mas a música é sentida como incidental quando se repara em camada sobre camada dos impenetráveis vocais de Perry​. Há uma regravação desconexa das Staples Singers com “I’ll Take You There”, números de funky "Holyness, Righteousness, Light", "Love Sunshine, Blue Sky", e o enganosamente intitulado "Hip Hop Reggae"; talvez as melhores músicas sejam "Telepathic Jah a Rize" e "Evil Brain Rejector" ambas as produções estranhamente atraentes de platitudes de Perry.

Apesar de duas e três estrelas nas avaliações fossem normais para Jamaican E.T., o excessivamente escorregadio na sequencia, ALIEN STARMAN, foi um fracasso comercial, geralmente merecendo uma estrela nas avaliações. A maior parte do disco soava como meia-boca e fuleiro, ou sobras de gravações - talvez não utilizados do álbum anterior; uma tentativa de fazer uma versão de Temptations - "My Girl" foi terrivelmente fora de contexto, apesar de uma regravação saltitante de "Duppy Conqueror" terem saído um pouco melhor. Um crítico descreveu o álbum como "um nadir de inutilidade", e outro proclamou "inteiramente esquecível".

Em 2004, Perry juntou-se com um grupo de músicos suíços, os White Belly Rats, depois de ser abordado pelo engenheiro de som/tecladista Thomas Lautenbacher, conhecido como DJ Startrek; o baterista Daniel Spahni, que faz parte do Dub Band de Dennis Bovell, também estava a bordo. O PANIC IN BABYLON era musicalmente mais forte do que a maioria do que veio depois de Who Put the Voodoo Pon Reggae, ajudado por um mix de bom gosto e uma sessão de metais ao vivo, e mesmo Perry cantando fora de tom por toda parte. Os pontos altos incluem o anti -Devil, os sintetizadores de "Voodoo" e a vibrante faixa-título, uma mutação de "I Am the Upsetter" com um solo de quente de metais. Infelizmente, "Are You Coming Home" é menos convincente, e três faixas bônus ao vivo soam um tanto gratuitas.

Três anos mais tarde, o álbum THE END OF AN AMERICAN DREAM, lançado pelo selo americano independente Megawave, foi o primeiro de uma trilogia gravado com John Saxon, conhecido como Steve Marshall, um guitarrista e cantor que havia tocado com Perry na década de 1980, e gravou o disco experimental EPAD Vendetta. Como era cada vez mais o caso, o álbum foi aparentemente conduzido por tudo o que veio na cabeça de Perry enquanto a fita estava rolando, e a falta de coesão foi agravada por uma musicalidade aleatória, tocando funk, hip hop, techno e rock, com apenas um punhado do reggae. “I Am New Yorker” colocando samplers e scratchs, "Disarm" teve uma guitarra funky e um órgão instável, enquanto o "One God Rain" e " Teddy Bear" trouxe algumas batidas electro; a faixa-título foi provavelmente a mais relevante, com Perry falando em múltiplas vozes do declínio presente dos EUA.

Facilmente o álbum mais importante a surgir nesta época foi o THE MIGHTY UPSETTER, o terceiro trabalho de colaboração com Adrian Sherwood. O álbum merece status de obra-prima, sendo o trabalho mais impressionante Lee Perry desde Time Boom. Os jamaicanos Paul “Jazwad” Yebuah and Steven “Lenky” Marsden ajudaram a injetar um elemento de dancehall, com Dennis Bovell e Skip McDonald adicionando toques cosmopolitas sutis. O álbum conseguiu revisitar o passado de Perry e também impulsiona-lo para o futuro.

International Broadcaster" atualiza "Bucky Skank" com uma versão hip hop com Roots Manuva; o anti-crack "Rockhead" é uma assustadoramente aumentada de "Africa’s Blood", enquanto "Kilimanjaro" traz referências de "Station Underground News" em uma gravação de metais dos Silvertones - "Rejoice"; "Political Confusion" tem Perry proclamando que Tony Blair é um mentiroso e que vai pagar por seus pecados, e George W. Bush vai perder a sua alma pelos seus crimes terríveis. Tudo em tudo, um resultado verdadeiramente excepcional que provou que ele ainda podia gravar álbuns que valem a pena. O álbum conjunto com as versões dub; Dubsetter , é igualmente essencial (embora as regravações dubstep na Nu Sound & Version, sejam menos convincentes).

A partir de um ponto mais alto para um ponto mais baixo: REPENTANCE de Narnack foi o resultado de um encontro casual malfadado com Andrew WK. Este álbum super-sensacionalista realmente perdeu a mão, talvez porque a música parecia em oposição a si mesmo, com o baterista de rock Brian Chippendale e o baixista Josh Werner da banda de Matishyahu não necessariamente estar de acordo um com o outro. Números lamentáveis ​​como “Baby Sucker” e "Crazy Pimp” são questionáveis, tanto no conteúdo e forma; piadas de estupro e da utilização gratuita de amostras pornográficas em última instância derrubaram o conjunto ficando o mais perto da zona de rejeição, embora "Heart Doctor" e o devocional "God Save His King" são bastante agradáveis.

SCRATCH CAME, SCRATCH SAW, SCRATCH CONQUERED também surgiu em torno da mesma época, o segundo lançamento com John Saxon. O aparecimento de colaboradores convidados como Keith Richards e George Clinton foi um grande golpe sónico, com guitarra blues de Richards dando a "Heavy Voodoo" um grande salto, embora a contribuição de Clinton ao hip hop vingativo de “Headz Gonna Roll” teve menos impacto. E, embora este álbum seja significativamente mais focado do que The End of an American Dream, ele provavelmente ainda apontou em muitas direções diferentes ao mesmo tempo.

2009 viu o lançamento do RETURN FROM PLANET DUB, uma colaboração com o duo de dub austríaco, Dubblestandart, que teve também a ex-Slits - Ari Up em determinadas faixas. É uma excursão cavernosa em dub profundo, chilling house e dubstep, com Perry mandando sua sabedoria de costume, tais como a baixeza do Inferno e alturas extremas do Céu na "“Deadly Funny". Ele revisita ”Chase the Devil" e” Blackboard Jungle” bem como, e "I Foo China" é uma reminiscência do seu trabalho com o On-U. Cuidado, no entanto para "Fungus Rock", uma faixa repulsiva sobre VD (Venereal Deseases, em português Doenças Sexualmente Transmissíveis).

REVELATION, a última parte da trilogia com John Saxon, foi lançada em 2010. Como de costume, foi todo o mapa, com "Holy Angels” desenhando um dub da velha escola, "Weatherman" e "Books of Moses" numa pegada de blues, o último com acordes de guitarra de Keith Richards; George Clinton está em "Scary Politicians", mas, novamente, a sua presença não funciona muito bem. Ainda menos bem sucedidos são "An Eye for an Eye" com doentes trilhas sonoras de filme porno e "Freaky Michael", que da uma topada em Michael Jackson.

No ano seguinte, RISE AGAIN encontra Perry colaborando com Bill Laswell, para um álbum acima da média, colocando Perry em grande parte no estilo de Ethiopiques, graças à presença de Gigi Shibabaw em faixas como "Orthodox", "Wake the Dead”, e ”African Revolution", outras canções, como "ET" e a faixa-título, tem uma vibração de raízes, com um tom mais tridimensional pela presença de outros convidados, incluindo Sly Dunbar, Josh Werner e Jahdan Blakkamore.
Em 2012 teve uma colaboração com o Orb, THE ORBSERVER IN THE STAR HOUSE, lançado pelo selo Cooking Vinyl na Grã-Bretanha, que também funcionou bem. O discurso murmurante de Perry, com letras conscientes se encaixa bem ao longo das trilhas eletrônicas fluidamente, resultando em muitos momentos para saborear: o ritmo minimalista de "Nuvens de ouro", uma reformulação do da esfera "Golden Clouds", tem uma qualidade otimista, como um estudo onde Perry comunha com Deus; "Hold Me Upsetter" tem um tom de bossa-nova, e "Man in the Moon" é outro encantamento, com trechos de sabedoria como trilha se desdobrando lentamente; ele começa como um trance errado, mas logo aporta em território reggae, e Perry proclama-se um magnata suíço, com uma casa na lua. A regravação de "Police and Thieves" de Junior Murvin poderia ter sido um fracasso, mas quase funciona, uma vez que o Orb desenha a trilha em um antigo órgão dos Upsetters de 1960, e uma escaleta fantasmagórico de 1970. Assim, muita diversão para os fãs no final de um período Perry, e algo que vai apelar para Orbologists também. O gratuito MORE TALES FROM THE ORBSERVATORY, que se seguiu, foi provavelmente montado a partir de restos de comida, e não é ajudado pela presença de cinco faixas instrumentais, mas ainda tem momentos agradáveis, como “No Ice Age” e “Making Love in Dub”.

O duo francês Easy Riddim Maker fez a produção de HUMANICITY, a última oferta do President Perry. É mais um álbum que reconfigura o passado com reggae de Perry, em um cenário de rock moderno, com "4th Dimension" revisitando "Blackboard Jungle" e "Jesus Perry" explorando o homem etéreo em sua "reencarnação reggae", fazendo referência a gemas do passado, como ”Vibrate On". Só não toque a desnecessária “In the Bathroom”, quando as crianças estão próximas.

Navegando algumas compilações retrospectivas de Perry, é outro campo minado, especialmente porque há muitas coleções que levam seu nome e fotografia, mas não tem nada a ver com ele (incluindo Guitar Boogie Dub, Hold of Death, Presenting Dub, A Serious Dub, Augustus Pablo Meets Lee Perry at the Black Ark, Lee Perry & The Upsetter Meet Scientist at Black Ark Studio, The Great Lee Perry King of Dub, Scientist Upset the Upsetter, and Lee Perry Meets the Mad Professor in Dub, para citar apenas algumas). Para um artigo genuíno, o primeiro lugar para a cabeça pensar é a box-set Arkology, um excelente conjunto de discos (tripolo) de seu auge Black Ark na Jamaica. The Heart of the Ark e Megaton Dub series do selo Seven Leaves são sensacionais também, assim como qualquer uma das retrospectivas do selo Pressure Sounds, e os muitos box sets lançadas pela Trojan também.



Para saber mais sobre a carreira monumental do inovador do dub, veja a biografia autorizada de David Katz; People Funny Boy - The Genius Of Lee 'Scratch' Perry.

People Funny Boy - The Genius Of Lee 'Scratch' Perry
Formato: eBook Kindle
Tamanho do arquivo: 2481 KB
Número de páginas: 568 páginas
Editora: Omnibus Press (17 de novembro de 2009)
Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
Idioma: Inglês
ASIN: B002XGIC90
Leitura de texto: Habilitado 
X-Ray: Não habilitado
Dicas de vocabulário: Habilitado
Configuração de fonte: Habilitado 

Lee 'Scratch' Perry - People Funny Boy
Formato: eBook Kindle
Tamanho do arquivo: 4884 KB
Número de páginas: 990 páginas
Editora: Camion Blanc (23 de novembro de 2012)
Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
Idioma: Francês
ASIN: B00CNP4GWI
Dicas de vocabulário: Não habilitado
Configuração de fonte: Não habilitado


DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!