Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A ECONOMIA DE MARCUS GARVEY - O DESENVOLVIMENTO PAN AFRICANO




Marcus Garvey
Há uma geração desconectada, desde que Garvey e a Nação do Islã, (essa geração atual) que tem estado brincando completamente nas mãos de sua própria opressão, ignorando a economia. O mito de que a pobreza é a piedade na revolução levou a uma revolução que perdeu para seu próprio mecanismo de libertação; impraticável e destinada ao fracasso. A revolução é um privilégio para o alimentar o bem, quem pode se concentrar as suas preocupações para além de uma existência da mão-à-boca, de quem pode resistir as bugigangas e permanecer fiel à missão além da tentação. O sucesso financeiro também significa ter o rendimento disponível para comprometer-se a grandes projetos públicos, que incorporam e consagram valores de libertação. Como então é o mito de um revolucionário, com uma metodologia legítima da pobreza na revolução? Como é revolução, quando ela aperta os grilhões da escravidão? Como é que pode nunca ser uma experiência mais autêntica de luta, quando ela não consegue alcançar os objetivos da luta - o fim da pobreza (culturalmente, espiritualmente e materialmente). - AHS

Marcus Garvey dirigiu o maior movimento massificado entre afro-americanos na história dos Estados Unidos.


Seu sucesso fenomenal veio em um momento em que a confiança afro-americana foi baixa, e o desemprego era considerado um modo de vida. Garvey se aproveitou destas condições para construir o impulso para a sua causa.


Enquanto suas realizações e controvérsias em todo o mundo têm sido analisados ​​por numerosos estudiosos (Rogoff e Trinkaus, 1998), este trabalho investiga os pensamentos econômicos de Marcus Garvey. Especificamente, ele visita a abordagem capitalista de Garvey para o desenvolvimento econômico dos afro-americanos nos Estados Unidos. Foi sugerido por W.E.B. DuBois (1940) que os empreendimentos comerciais de Garvey falharam devido a incompetência e inaptidão econômica. No entanto, o plano de Marcus Garvey para o capitalismo afro-ameriano foi uma enorme contribuição, porque suas malfadadas empresas de negócios se tornaram o modelo processual e conceitual para futuras realizações, no desenvolvimento econômico afro-americano.


Um povo sem o conhecimento de sua história passada, origem e cultura é como uma árvore sem raízes. - Marcus Garvey

Booker T. Washington
Auto-suficiência Econômica 

Em 23 de março de 1916, depois de se corresponder com Booker T. Washington, Garvey chegou aos Estados Unidos para se conectar ao seu movimento,  para o movimento de (Booker T.) Washington em Tuskegee, Alabama (Stein, 1986). No entanto, Washington morreu antes de Garvey chegar. Stein (1986) observou que Garvey veio para os EUA num momento em que uma nova ordem econômica foi ancorada para a prosperidade americana. Um aumento na varredura em inovações tecnológicas, de técnicas de produção em massa e novas máquinas, aumentaram a produção americana em 13 por cento, enquanto, consequentemente, reduziu a força de trabalho em 8 por cento. Os lucros foram subindo com um aumento de 29 por cento, e na produtividade do trabalhador foi complementada por um aumento de apenas 4,5 por cento dos salários reais. Sindicatos africano-ameriano organizados estavam sofrendo como o poder dos capitalistas americanos que aumentou.

Garvey tinha admirado abordagem posse do negócio de Washington em direção à autossuficiência. Ele concordou que outras formas de avanço seguiriam o desenvolvimento econômico. No entanto, ele viu uma falha na abordagem de Washington. Especificamente, ele acreditava que incidindo principalmente sobre o avanço empresarial, o indivíduo não seria suficiente para promover o desenvolvimento da comunidade, por causa de motivos de lucro individuais, que impediria o avanço do grupo. A fim de promover os interesses coletivos dos afro-americanos, Garvey procurou usar a tomada de decisão coletiva e participação nos lucros do grupo. Assim, Garvey criou uma versão nacionalista do programa económico de Washington, que resultou na organização massiva apoiado por milhões de afro-americanos (Allen, 1969).


Garvey acreditava que os afro-americanos eram universalmente oprimidos, e qualquer programa de emancipação teria de ser construído em torno da questão da raça. Em sua mente, os afro-americanos que aspiram a posições de influência, se tivessem oportunidades educacionais, iria colocá-los em concorrência direta com a estrutura de poder branco. No entanto, ele acreditava que dentro de 100 anos, essa posição levaria a conflitos raciais que seriam desastroso para eles (Sertima, 1988). Por isso, sua teoria da separação racial nasceu. Era um estratagema para garantir a auto-suficiência e da igualdade para a raça africana oprimida, mas não sublinhar a superioridade racial. Garvey declarou: 

O negro é ignorada hoje simplesmente porque ele se manteve para trás; mas se ele fosse tentar se elevar a um estado superior no cosmos civilizado, todas as outras raças ficariam felizes em conhecê-lo no plano da igualdade e camaradagem. - Marcus Garvey (Martin, 1976)

A urgência que sentia pela independência racial e autoconfiança, existiu porque ele acreditava que os afro-americanos, sofreram em face da enorme superioridade econômica e poder do mundo branco. Ele pensou que eles deveriam se esforçar para primeiro construir uma base industrial sólida, e o sucesso consequente permitiria que os afro-americanos moldassem o seu próprio destino.


 
Poucos meses depois de sua chegada nos Estados Unidos, Garvey começou a pesquisar a posição econômica dos afro-americanos. Ele escreveu:

O auge da empresa do negro americano ainda não foi atingido. Você ainda tem um longo caminho para percorrer. Você quer mais lojas, mais bancos e grandes empresas. - Marcus Garvey (Martin, 1976)

Garvey pensava que precisavam inovar e criar uma nova ideologia, que se encaixam às suas necessidades. Ele não estava falando somente sobre o capitalismo, mas a criação de uma situação econômica onde eles poderiam maximizar os seus interesses econômicos. Em suma, ele estava falando sobre o desenvolvimento econômico.Garvey comparou as comunidades afro-americanas subdesenvolvidos aos países subdesenvolvidos. Ambos são frequentemente explorados, com condições desfavoráveis ​​de comércio e desemprego elevado. Depois de estudar o trabalho do Dr. Robert Love, um porta-voz que organizou os negros na Jamaica, Garvey percebeu que o dinheiro dos impostos pagos pelos afro-americanos, muitas vezes acabam por apoiar os interesses econômicos fora de suas comunidades (Lewis, 1992). Por isso, ele procurou usar os dólares dos impostos, para fazer compras e de apoiar os empreendedores afro-americanos. Dinheiro gasto pelas suas escolas, hospitais e serviços urbanos deveriam ir para empresários afro-americanos, para a criação de um mercado garantido que haveria sempre uma demanda para seus produtos e serviços. Ao dirigir a receita fiscal de volta para a economia, Garvey acreditava que isso iria fomentar o desenvolvimento econômico, sem a necessidade de grandes somas de investimento privado. Portanto, um máximo de retorno para o dinheiro dos impostos seria recebido pelas comunidades (Haddad e Pugh, 1969).



Promoção do espírito empresarial Africano americano de Garvey 

Depois de vir para a América, Garvey foi capaz de usar sua extraordinária personalidade para convencer os afro-americanos a investir. Estes investimentos econômicos capitalistas, foram possíveis por causa das palavras poéticas de Garvey de nacionalismo e os sonhos de voltar a África. Na verdade, Garvey foi capaz de levantar grandes somas de dinheiro, para investir em empreendimentos de capital de risco. Foi através desse capitalismo, que Garvey queria alcançar a autossuficiência econômica para afro-americanos. Ele acreditava que a proteção contra a discriminação viria através de independência financeira. Uma vez que uma base econômica forte fosse construída, eles poderiam buscar outros objetivos políticos e sociais. Ele acreditava que essas realizações materiais por meio de esforço empresarial, permitiria afro-americanos a serem igualmente reconhecidos. Deve-se notar que esta filosofia pode ser extraído a partir de Casely Hayford's Gold Coast Leader (Stein, 1986).

Garvey acreditava que o comércio e a indústria foram os adereços da vida econômica do Estado, comunidade e sociedade como um todo. Nações progressistas se aplicaram no comércio e indústria, e estas atividades previstas ocuparam os que residiam no estado. Você era ou um empregador, um empregado, ou estaria sob a guarda do Estado, e um homem sem o seu próprio negócio ou formação especializada, ficava sempre em desvantagem em ganhar a vida. Grande riqueza é feita de comércio e indústria. Na opinião de Garvey, os afro-americanos que tentaram entrar no negócio, comercial ou industrial, estavam em desvantagem, porque não podiam apreciar a partir de um ponto e subir as escadas. Enquanto outras raças começaram na parte inferior, e escalaram seu caminho para cima, afro-americanos sempre desejavam começar no topo, resultando em fracasso. Garvey disse: "Nenhum sucesso nunca chegou a partir do topo, é sempre de baixo para cima. Ele nunca será um fator industrial ou comercial, até que ele aprendeu os princípios de sucesso comercial e industrial."

Sem comércio e indústria, um povo perece economicamente. O negro está perecendo, porque ele não tem um sistema econômico. - Marcus Garvey (Martin, 1986)

Duse Mohammad Ali
Em 1912, Garvey foi a Londres e estudou com Duse Mohammad Ali. Ali era um historiador e autor, e trouxe à luz a situação dos afro-descendentes em todo o mundo. Sua influência moldou os discursos de Garvey, e o levou a organizar a Universal Negro Improvement Association (UNIA) na Jamaica em 1914 (Vincent, 1971). Tem sido sugerido que o lema UNIA, "Um deus, uma meta, um destino", foi originado por influências islâmicas de Duse Ali em Garvey (Rashid, 2002). Sua abordagem empresarial de negócios para a autossuficiência econômica, espelhado nos esforços de Booker T. Washington, nos Estados Unidos.

Garvey procurou se encontrar com Washington para descobrir como melhorar o sistema educacional da Jamaica. Depois de chegar nos Estados Unidos, o seu propósito mudou quando ele organizou um braço da UNIA em Nova York. Ele queria criar empresas comerciais de propriedade afro-americana que lhes proporcionam um rendimento adequado. Entre 1918 e início dos anos 1920, os esforços de Garvey estabeleceram uma série de empresas na UNIA.



Garvey aspirava desenvolver uma linha de transporte internacional que o transportasse passageiros e mercadorias entre a América, a África e as Antilhas. Ao desenhar sobre a mentalidade fique-rico-rápido na forma especulativa dos afro-americanos, ele foi capaz de persuadir os investidores a comprar ações de uma nova empresa de transporte. Consequentemente, a Black Star Line (BSL), a corporação de navio a vapor foi incorporada em 1919. O projeto foi capitalizado exclusivamente por afro-americanos. Compras individuais foram limitados a 200 ações ao preço de cinco dólares cada. No primeiro ano da empresa, investimentos em ações de capital chegou a cerca de US $ 750.000 (USD 7.825 milhões de Dólares em 2002).

A posse (da empresa) afro-americana, deu aos adeptos de Garvey um sentimento de orgulho e esperança para retornos prósperos. Eventualmente, a BSL comprou três navios. Infelizmente, a empresa não foi capaz de negociar um preço justo no mercado para os navios, com traficantes se aproveitando, e cobrou preços inflacionados para o capital severamente depreciado. Estas compras superfaturadas esgotaram os fundos da BSL, e contribuiu para a sua eventual falência. Em 1922, os navios foram perdidos e a empresa entrou em colapso. A BSL tinha perdido mais de USD 600 mil, e contas a pagar ultrapassaram os USD 200 mil. Nunca houve quaisquer dividendos pago, e o valor dos ativos de investimento da BSL tinha desvalorizado completamente. No entanto, a BSL foi o primeiro empreendimento comercial em larga escala financiado e gerido por afro-americanos. Ele ainda continua a ser uma das maiores empresas de propriedade afro-americana na história dos EUA. Deve-se ressaltar que as bases para as perdas financeiras da BSL, refletiram problemas de mercado que assolaram toda a indústria. A indústria de transporte era em uma recessão ampliada pelo excesso de capacidade de navios de transporte após a Primeira Guerra Mundial. Muitas empresas de transporte não foram capazes de recuperar os seus custos variáveis ​​e, consequentemente, encerraram as operações de negócios.

Para cumprir o objetivo de aumentar o empreendedorismo, em 1919 a UNIA estabeleceu os Negroes Factories Corporation (NFC) incorporada em Delaware como 200.000 ações, que foram oferecidas por USD 5 por ação (Lewis, 1992). O seu objetivo era promover o empreendedorismo afro-americano nos grandes centros industriais, fornecendo capital de investimento e conhecimento técnico. A empresa ajudou no desenvolvimento de mercearias, restaurantes, uma lavanderia a vapor, uma loja de chapéus, um alfaiate, uma loja de costura, e um negócio de publicação. Garvey encorajou e estabeleceu através da NFC uma fábrica, que produziu os primeiros bonecos afro-americanos. No plano de Garvey, cada empresa individual seria cooperativamente propriedade de membros da UNIA, e eventualmente, ligada a um sistema mundial de cooperação econômica, que simulava uma economia planificada socialista (Lewis 1992). Esta comunidade comercial seria suficientemente grande para que as economias de escala geradas lhe permitissem prosperar, mesmo em face da hostilidade do resto do mundo. Garvey resumiu essa ideia: "Os produtores Negros, distribuidores Negros, consumidores Negros! O mundo dos negros pode ser auto-contido Nós desejamos sinceramente, lidar com o resto do mundo, mas se o resto do mundo não desejar, nós não procuramos." (Martin, 1976). Embora estes investimentos empresariais, fossem em sua maior parte não bem sucedida, eles se tornaram uma base econômica sólida para futuros empreendimentos de negócios afro-americanos.

A autossuficiência econômica foi mais importante na lista de Garvey, porque ele previu uma depressão que ele pensou que iria prejudicar gravemente os afro-americanos (Lewis e Bryan, 1991). Consequentemente, as tentativas de Garvey para estabelecer a autossuficiência econômica foi além da cooperação entre empresas. A UNIA também atuou como uma agência de serviço comunitário, através do pagamento de (seguro contra) morte e outros benefícios menores para os membros. divisões locais foram obrigados a manter um fundo de caridade com o objetivo de ajudar os membros em dificuldades, ou pessoas carentes da raça. Um fundo de "empréstimos de honra" para membros ativos, e um bureau de emprego para ajudar os membros que procuravam emprego, também foi estabelecido (Martin, 1976).

Garvey no Capitalismo 

Os pensamentos de Garvey sobre o desenvolvimento econômico, o levou a considerar os seus pontos de vista do capitalismo e do comunismo. Ele considerou o capitalismo ser necessário no processo de desenvolvimento humano, mas expressou dificuldade com os resultados de seus usos desenfreados. Ele comentou: "Parece estranho e paradoxal, mas o único amigo conveniente do trabalhador negro, ou (qualquer) trabalhador tem na América no momento presente, é o capitalista branco. O capitalista sendo egoísta, está buscando apenas o maior lucro fora do trabalho -. É disposto e contente em usar o trabalho do Negro, sempre que possível em uma escala, razoavelmente, abaixo do salário médio da união branca" (Jacques-Garvey, 1969). Foi a crença de Garvey de que os capitalistas brancos toleravam os trabalhadores afro-americanos, só porque eles estavam dispostos a aceitar um padrão mais baixo do salário que os trabalhadores brancos sindicalizados. Se, no entanto, os trabalhadores americanos africanos se organizassem, e fossem sindicalizados exigindo salários comparáveis ​​como os homens brancos sindicalizados, a preferência do emprego iria para o trabalhador branco.

Garvey teve como objetivo reformar a natureza social-democrata ao invés de tentar erradicar o sistema capitalista. Ele sentiu que o sistema capitalista deu aos afro-americanos a chance para ter o emprego competitivo, e também lhes deu a oportunidade de fazer lucro com  seu trabalho. Henderson e Ledebur (1970) observou que Garvey favoreceu limitações estritas sobre o montante dos rendimentos, ou de fundos para investimento controladas por pessoas físicas e jurídicas. Somas acumuladas acima destes valores devem ser apropriados pelo Estado. O estado também deve expropriar, sem compensação, os ativos dos capitalistas e corporações que começaram guerras e conflitos, a fim de promover seus próprios interesses financeiros. Ele tentou implementar essas ideias, organizando seus empreendimentos comerciais ao longo das linhas de cooperação e colocando um limite máximo para o número de ações que qualquer pessoa poderia possuir. Em sua mente, essas ações foram tentativas de pessoas pobres para estabelecer "um sistema capitalista de sua própria gente, para combater o sistema capitalista sem coração da classe dominante magistral" (Martin, 1976).

Garvey sobre o comunismo 

Garvey sentiu que o comunismo era a criação de um homem branco para resolver seus próprios problemas políticos e econômicos. Ele acreditava que o partido comunista queria usar o voto afro-americano "para esmagar e derrubar" a maioria branca capitalista, e para "colocar o seu grupo majoritário ou raça ainda no poder, não só como comunistas, mas como homens brancos" (Jacques-Garvey de 1969). Para ele, sugerir a entronização da classe trabalhadora branca sobre a classe capitalista da raça. Ela nunca foi destinada para a emancipação econômica ou política dos afro-americanos, mas sim para aumentar a capacidade de ganho dos trabalhadores das classes mais baixas. Garvey disse: "É uma teoria perigosa da reforma econômica e política, porque pretender colocar o governo nas mãos de uma massa branca de ignorantes, que não têm sido capazes de destruir seus preconceitos naturais, no sentido contra  negros e outras pessoas não-brancas. Embora possa ser uma coisa boa para eles, vai ser uma coisa ruim para os negros, que vai cair sob o governo da classe mais ignorante preconceituosa de raça branca" (Nolan, 1951).

Os comunistas esperavam capturar o movimento UNIA gerado pelo apelo magnético de Garvey, sobre as massas afro-americanas. O ato do partido comunista convidando-o a se juntar a eles era para apoiar a teoria de que eles eram comunistas também. Daí um empregador branco seriam confrontado com a escolha de contratar qualquer comunista branco ou um comunista afro-americano, e o apelo da raça daria ao comunista branco uma vantagem. O plano de Garvey foi deixar os comunistas lutarem suas próprias batalhas. Os Afro-americanos precisavam aproveitar as oportunidades que foram apresentadas durante a luta, sem entrar na luta. O perigo do comunismo para Garvey, é que eles procuravam o voto minoritário para subjugar e tornar-se uma potência dominante. Ele acreditava que os comunistas ainda eram homens brancos, que ainda buscavam tirar proveito dos afro-americanos. Consequentemente, Garvey desaconselhou apoiar o partido comunista, ou ele seria o culpado da transferência do governo da inteligência para o ignorância (Martin, 1986).


Conclusão 

Na perspectiva da história, Marcus Garvey foi um sucesso fenomenal. Através da acumulação de capital de risco, Garvey procurou combater a desigualdade capitalista através de métodos capitalistas de organização econômica. Isso deu aos afro-americanos um senso de unidade, e deu a esperança de uma melhor maneira de viver. No entanto, a filosofia econômica de Garvey para o sucesso empresarial estava fadado ao fracasso nos Estados Unidos. Suas ideias foram prejudicados por numerosas falhas teóricas e conceituais. Especificamente, ideias econômicas de Garvey, que não cumpriam as exigências do desenvolvimento do século XX. Na verdade, era a própria inépcia econômica pessoal de Garvey e sua falta de vontade de evoluir suas atividades pró-capitalistas que levaram à sua falências de empresas. Ele não conseguiu descobrir que havia teorias econômicas aplicáveis ​​à circulação africana americano que não seja a acumulação de capital de risco.

Ao nacionalismo de Garvey faltava a igualdade racial e de pensamento econômico, para resolver os problemas da pobreza e os direitos políticos necessários para o sucesso econômico afro-americano. Enquanto ele não apoiou abertamente qualquer sistema econômico importante, a sua filosofia para o indivíduo limitado e a propriedade corporativa ajudaram a rotulá-lo um "welfare state liberal" (Vincent, 1971). Resta, no entanto, que a Black Star Line foi um marco na história afro-americana, fornecendo um modelo para a construção de empreendimentos empresariais. Na verdade, o plano de Marcus Garvey para o capitalismo afro-americano foi um enorme desenvolvimento. As malfadadas empresas comerciais de Garvey, se tornaram o modelo processual e conceitual para futuras realizações no desenvolvimento econômico afro-americano.


Referencias


  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!