segunda-feira, 28 de agosto de 2017

KEEP ON RUNNING: 50 YEARS OF ISLAND RECORDS :: DOCUMENTÁRIO





"A mais variada e influente gravadora independente da história".

Produzido para coincidir com o 50º aniversário do selo em 2009, o documentário da BBC, Keep On Running: 50 Years Of Island Records, foi lançado no YouTube e está disponível para assistir on-line pela primeira vez.

Originalmente exibido na BBC Four, o documentario segue a história do selo desde o começo humilde na Jamaica, onde um jovem Chris Blackwell lançou jazz emergentes e faixas de ska, antes de levar para o Reino Unido um sistema de som direto da ilha com diversos hits debaixo do seu braço.

Com base no crescimento do selo de um homem só para o alcance global, os documentário abrange seus os principais marcos da ilha - o lançamento do "My Boy Lollipop" da Millie Small indo para Bob Marley, Grace Jones, U2 e além - com muitos desses nomes emprestando suas vozes para a história.

Veja o documentário de 90 minutos em baixo abaixo:



Por Anton Spice - Originalmente publicado @ https://thevinylfactory.com/news/island-records-documentary-50th-anniversary-bbc/

Siga o Fyadub nas redes sociais:
- Twitter: http://www.twitter.com.br/fyadub
- Facebook: http://www.facebook.com/pages/Fyadub
- Youtube: http://www.youtube.com/fyadub
- Instagram: https://www.instagram.com/fyadub.fyashop

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

LARRY MARSHALL - RIP




Larry Marshall - RIP
Larry Marshall (nascido Fitzroy Marshall, em 17 de dezembro de 1941, Lawrence Park, Saint Ann Parish, Jamaica) foi um dos primeiros cantores do reggae, que gravou tanto como artista solo e como parte dos duos Larry & Alvin e Larry & Enid.

Marshall nasceu em Lawrence Park, na paróquia de Saint Ann, em 1941. Ele deixou St. Ann em 1957 e viajou para Kingston.  A carreira musical de Marshall remonta ao início da década de 1960, sua inspiração inicial veio com o cantor de jazz Ben E. King. Entre 1962 e 1967, ele teve hits menores para produtores como E. Henry ("Too Young To Love"), Philip Yap ("Promise Is a Comfort to a Fool" e "Snake In The Grass"), Coxsone Dodd ("Please Stay") e Prince Buster ("I've Got Another Girl" e "Suspicion"). Seus maiores sucessos vieram no final da década de 1960, quando ele se juntou com Alvin Leslie na dupla Larry & Alvin, gravando hits para o selo Studio One de Dodd (onde ele estava trabalhando como engenheiro assistente), como o enorme hit jamaicano "Nanny Goat" que é considerada a gravação que começou a mudança do rocksteady para reggae, seguido de "Hush Up", "Your Love" e "Mean Girl". "Throw Me Corn" também se tornou um grande sucesso na Jamaica quando lançado em 1971.

Marshall também gravou como uma dupla com Enid Cumberland, como Larry & Enid. No início da década de 1970, Marshall trabalhou para Studio One como assistente de engenheiro de estúdio para Sylvan Morris, escritor, arranjador e vendedor de dub-plates, e o selo lançou uma compilação de suas gravações, Presenting Larry Marshall, em 1973. Enquanto estava no Studio One, Marshall organizou várias gravações para Burning Spear, e também gravou backing vocals. Morris deixou o Studio One em 1974, o que fez Dodd oferecer o trabalho de engenheiro chefe a Marshall, mas ele recusou a oferta, não contente com os salários.

Depois de sair do Studio One em 1974, ele lançou o single 1975 "I Admire You", seguido de um álbum do mesmo nome. A versão dub do single foi uma das primeiras a ser creditada a King Tubby. Marshall lançou vários singles em meados da década de 1980 produzido por Gussie Clarke, incluindo remakes de "Throw Me Corn" e "I Admire You", e lançou mais álbuns no final da década de 1980 e início da década de 1990. Marshall também gravou backing vocals no álbum Rasta No Pickpocket de Junior Byles, em 1986.

Marshall mudou-se para Miami e, sem receber uma recompensa financeira significativa por sua carreira musical, se apoiou trabalhando na construção de sites. Ele continuou gravando ocasionalmente.

Marshall é um primo de Aston Barrett e Carlton Barrett, mais conhecidos como membros dos Wailers. 



Siga o Fyadub nas redes sociais:

- Twitter: http://www.twitter.com.br/fyadub
- Facebook: http://www.facebook.com/pages/Fyadub
- Youtube: http://www.youtube.com/fyadub
- Instagram: https://www.instagram.com/fyadub.fyashop

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

ACORDO COM SONY ABRE CAMINHO PARA MAIS REMIXES NO SPOTIFY E APPLE MUSIC





Grandes serviços de streaming, como Spotify, Deezer e Apple Music, não podem oferecer todos os remixes que você encontra em outros lugares devido aos direitos autorais. Mas, graças a um acordo com a Sony, isso pode mudar.

A Sony Music Entertainment se tornou a primeira grande gravadora a permitir que suas músicas sejam rentabilizadas por meio de mixagens não-oficiais, graças a um acordo com a startup Dubset.

FYASHOP - NOVIDADES EM ESTOQUE

Basicamente, a Sony vai receber dinheiro caso uma música de seu catálogo seja usada em um remix. A Dubset identifica a faixa e distribui os royalties entre o DJ que criou o remix, o artista que gravou a versão original, e a gravadora.

Segundo o TechCrunch, a Dubset está prestes a ter acordos com as três grandes gravadoras do mercado — Warner e Universal serão as próximas. Ela já indexa e remunera faixas de 35 mil gravadoras pequenas.

No ano passado, a Dubset levou suas primeiras faixas ao Spotify e Apple Music. Uma delas é “My Number”, de Major Lazer e Bad Royale, com mais de 1,7 milhão de reproduções. Ela também está presente no SoundCloud, com 572 mil plays.

Ao mesmo tempo em que o Spotify poderá colocar remixes em seu catálogo mais facilmente, o SoundCloud — já em apuros — pode perder um de seus diferenciais. Mas o Dubset e as gravadoras devem levar algum tempo até resolverem os direitos autorais no mundo todo; um sinal disso é que “My Number” ainda não está disponível no Spotify brasileiro.

Por Felipe Ventura - Artigo original publicado @ https://tecnoblog.net/221832/sony-remix-musica-dubset/


Siga o Fyadub nas redes sociais:

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

FYASHOP :: NOVIDADES EM ESTOQUE


 
Nesse mês de agosto já estão disponíveis as capas para vinil, e já com promoção: leve 12 e pague 10. E em breve as capas plásticas ficam disponíveis em estoque também. Separamos um lote de 7inch's com early reggae, roots e dancehall com blanks e aqueles obscuros que surgem constantemente no lojinha. Compre o seu enquanto ainda está em estoque, nesses títulos não há reposição prévia.





















No FYASHOP são mais de 1000 títulos a pronta entrega, em até 6x sem juros (ou em até 24x), boleto bancário, paypal, depósito ou transferência bancária. Maiores informações na página Pagamento e Envio.

Sem reservas. Primeiro que chega e o primeiro a ser servido.

FYADUB | FYASHOP
Contato: fyadub@yahoo.com.br
Cel/Whatsapp: 55 11 99984.4213


Siga o Fyadub nas redes sociais:
- Twitter: http://www.twitter.com.br/fyadub
- Facebook: http://www.facebook.com/pages/Fyadub
- Youtube: http://www.youtube.com/fyadub
- Instagram: https://www.instagram.com/fyadub.fyashop

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

sábado, 19 de agosto de 2017

DICK GREGORY - RIP




DICK GREGORY (RIP) - O COMEDIANTE QUE ENCONTROU O HUMOR ENQUANTO CONFRONTAVA O RACISMO

Ícone lendário, de comediante a ativista dos direitos civis, Dick Gregory superou um sistema tendencioso durante todo o tempo marchando pelos direitos civis, e faleceu 19/08/2017, anunciou sua família. Ele tinha 84 anos.

"É com enorme tristeza que a família Gregory confirma que seu pai, lenda cômica e ativista dos direitos civis, o Sr. Dick Gregory, partiu desta terra, esta noite em Washington, DC..." seu filho, Christian Gregory, anunciou nas mídias sociais. "A família aprecia o  apoio e amor e respeitosamente pede privacidade, à medida que se afligem durante este momento muito difícil. Mais detalhes serão divulgados nos próximos dias".

A causa da morte ainda não é clara.


Gregory primeiro fez seu nome, juntamente com os contemporâneos Bill Cosby e Richard Pryor, concentrando sua inteligência em algo que não era motivo de riso: o Racismo na América.

Gregory começou a fazer comédia enquanto estava no Exército, mas teve sua primeira grande chance em 1961, com uma tentativa de 15 minutos no Playboy Club de Hugh Hefner em Chicago.

Em uma entrevista com "CBS Sunday Morning" em junho, Gregory disse que "empurrou aquele menino branco para fora do caminho, correu até lá e subiu ao palco. Duas horas depois, eles chamaram Hefner. E Hefner veio e ficou enlouquecidoo. Enlouquecido!"

Mas os comediantes brancos tiveram uma vantagem que realmente importava: na série "The Tonight Show with Jack Paar", ele disse que "os comediantes brancos podiam sentar no sofá, um comediante preto não poderia".

Gregory disse que quando o produtor de Paar o chamou alguns meses depois, com um convite para aparecer no "Jack Paar", ele desligou.

"Eu atendi!", Ele disse "Bom dia de Domingo". E então o telefone tocou novamente. É Jack Paar. "Dick Gregory, aqui é o Sr. Paar. Por que você não quer trabalhar no meu show? Eu disse: "Porque os negros nunca se sentam". "Bem, entre, eu vou deixar você se sentar". E foi assim que aconteceu. Entrei, fiz o meu ato, fui sentar no sofá. Estava sentado no sofá que aumentou meu salário em três semanas, de 250 dólares trabalhando sete dias por semana, para 5.000 dólares por noite ".

Ele não apenas lutou contra o racismo na indústria da comédia, ele também queria lutar pela mudança na América. Ele se juntou ao movimento dos direitos civis, dizendo a Ed Bradley do "60 Minutes" em 1989 que ele "escolheu ser um agitador". Sua esposa, Lillian, e seus dez filhos se juntaram a ele.

Sua filha mais velha, Michelle, agora professora da faculdade, lembrou para "CBS Sunday Morning" que ela foi detida aos cinco anos de idade pela primeira vez.

"Às vezes, vimos as filmagens de notícias do nosso pai sendo espancado", disse Michelle. "E às vezes era a polícia batendo, e às vezes eram pessoas que estavam chateadas com o protesto que ele estava fazendo. Mas nós sempre vimos nosso pai chegar em casa. E eu acho que era importante para ele, para os filhos verem" Estou bem. E o que estou fazendo é importante isso é importante".

O filho Christian Gregory, um quiroprático, diz que foi preso seis ou sete vezes antes dos 12 anos de idade.

As férias de verão, diz Christian, foram preenchidas com marchas, unidades de registro de eleitores e muito humor. "Às vezes, era estranho estar rindo quando você estava envolvido com algo que era tão alterador de vida e difícil", disse ele a Moriarty. "Mas gargalhadas, estava sendo a cura para nós".

No livro de Gregory, "Defining Moments in Black History: Reading Between the Lies", ele disse que Rosa Parks lhe contou a razão pela qual ela desistiu do assento no ônibus, e não era porque estava cansada.

"Ela parecia quase como se estivesse em transe:" Eu simplesmente não conseguiria deixar Emmett Till fora da minha mente", disse ela", escreveu Gregory.

Em 1968, quando o segregacionista George Wallace concorreu para presidente, Gregory decidiu pular na corrida a presidência dos EUA também. Ele ganhou quase 50 mil votos como candidato de inscrição para o Partido da Paz e Liberdade.

Em 2017, quando a presidência do primeiro presidente negro terminou, Christian Gregory disse que seu pai é "honrado" por ter sido parte da trajetória na história do país junto com Obama.


Artigo original publicado @ https://www.cbsnews.com/news/dick-gregory-dead-comedian-found-humor-while-confronting-racism/


Siga o Fyadub nas redes sociais:
- Twitter: http://www.twitter.com.br/fyadub
- Facebook: http://www.facebook.com/pages/Fyadub
- Youtube: http://www.youtube.com/fyadub
- Instagram: https://www.instagram.com/fyadub.fyashop

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

THE WORLD OF MARCUS GARVEY: RACE AND CLASS IN MODERN SOCIETY (INGLÊS)




Nos anos durante e depois da Primeira Guerra Mundial, o pan-africanista Marcus Garvey liderou o que foi chamado o maior movimento de massa internacional dos negros no século XX. Ele e sua organização, a Associação Universal de Melhoria do Negro (UNIA), construíram uma linha de navio a vapor, expedições patrocinadas para a Libéria, organizaram convenções internacionais anuais, inspiraram muitas empresas comerciais negras, aprovaram candidatos políticos negros e promoveram o estudo da história e cultura negra.

CLIQUE AQUI PARA COMPRAR

Judith Stein não escreveu uma biografia convencional, embora Garvey seja o personagem central. O livro é mais um estudo sobre a ideologia e o apelo de Garvey e da UNIA e a base social do seu apoio. Stein examina o movimento de Garvey à luz da dialética da raça e da classe que a moldou. Enquanto outros historiadores descreveram o Garveyism de forma diversificada como um dos direitos dos direitos civis ou Black Power, Stein coloca Garvey e a UNIA cuidadosamente no contexto da política e da economia negra internacionais da época. Ela analisa as maneiras pelas quais a UNIA foi uma resposta à revolta social e política da Primeira Guerra Mundial e suas consequências. Garvey e outros líderes da UNIA fizeram parte de uma elite internacional de negros que aplaudiram o triunfo do capitalismo, embora tenham desrespeitado a discriminação racial da nova ordem, que negou a pessoas como eles lugares de prestígio. Sua resposta à exclusão do mundo econômico ocidental dominante foi a construção de instituições negras modeladas sobre as de elites brancas. A Black Star Line, a empresa de navios a vapor da UNIA, era apenas um empreendimento, e embora o objetivo de Garvey de incorporar a classe trabalhadora negra em seu movimento parecia promissor, brevemente após a Primeira Guerra Mundial, ele finalmente falhou. A promessa do Garveyism, apoiada por ideologias geradas pelos novos movimentos sociais da década de 1920, foi prejudicada pelo esforço condenado dos líderes da UNIA para adaptar um modo de operação burguês a um movimento de massa. O Garveyism foi fatalmente falho pela disjunção final de seus métodos de elite e base de massa.

Além de sua reavaliação de visões padrão de Garvey e Garveyism, Stein lança nova luz sobre o assunto com o uso de novas fontes. Entre as mais interessantes são as entrevistas com sobreviventes de Garveyitas e relatórios sobre Garvey por agentes das organizações de inteligência do governo federal.

Judith Stein é a primeira historiadora a levar a sério o Garveyism e tratá-lo por direito próprio como produto de seu próprio tempo. O estudo resultante deve ser de grande interesse para qualquer pessoa interessada em Garvey, seu período histórico ou as formas em que seu trabalho e ideologia que ainda nos influenciam hoje.

The World of Marcus Garvey: Race and Class in Modern Society
Capa comum: 320 páginas
Editora: LSU Press; Edição: Reprint (1 de janeiro de 1991)
Idioma: Inglês
ISBN-10: 080711670X
ISBN-13: 978-0807116708
Dimensões do produto: 15,3 x 1,8 x 22,9 cm
Peso do produto: 431 g



Siga o Fyadub nas redes sociais:
- Twitter: http://www.twitter.com.br/fyadub
- Facebook: http://www.facebook.com/pages/Fyadub
- Youtube: http://www.youtube.com/fyadub
- Instagram: https://www.instagram.com/fyadub.fyashop

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br
DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!