quarta-feira, 26 de julho de 2017

A INCRÍVEL EVOLUÇÃO DE MILES DAVIS





Poucos artistas incorporaram o som e o ethos de todo o gênero da maneira que Miles Davis fez com o jazz. Quando a carreira de Davis começou, mesmo a mudança dos sons iniciais do início do século XX, do bebop para os tons descontraídos do cool jazz foi considerado um movimento altamente controverso, no final da vida ele liderou sua banda em improvisos de mais de 30 minutos em cumplicidade psicodélica, empurrando o gênero sempre no futuro, enquanto se inspiraram de qualquer estilo adequado à sua fantasia. Até mesmo o seu trabalho mais relaxante soa com toda a energia criativa de um verdadeiro inconformista, e suas visões poderosas sobre o que o jazz poderia suportar em sua vivacidade até hoje.

Como uma voz emergente na cena do bebop de Manhattan nos meados da década de 40, Davis originalmente se distinguiu com seu estilo irônico de trompete suave e minimalista, considerando a audácia que se tornou seus empreendimentos no jazz. Sua primeira grande mudança estilística veio com seu desenvolvimento de cool jazz, encarnado no mais famoso álbum de 1957; Birth Of The Cool, uma compilação de sessões de 1949-50. Mas mesmo este som não conteria Davis por muito tempo - até o final dos anos 50, ele se tornou um firme colaborador com o arranjador de Big Band, Gil Evans, gravando várias obras-primas de jazz de orquestra como Porgy and Bess and Sketches of Spain, Bem como o documento definidor do modelo de jazz (e, possivelmente, o jazz em geral), Kind of Blue.

A partir daqui, Davis apenas forçaria os limites de seu ofício ainda mais, e os sons de pós-bop soltos e difíceis de definir, como Miles Smiles e Nefertiti, acabariam por florescer os incansos elétricos e de rocha de In The Silent Way e Bitches Brew, dois álbuns que inauguraram Davis nos anos 70 completamente desprovidos de qualquer noção de tradicionalismo ou limites. À medida que os arranjos e performances de Davis ficaram cada vez mais frenéticos (veja o funk amorfo de On The Corner ou a fusão fluente de Agharta), sua saúde também começou a declinar, o que resultou em um hiato que durou até os anos 80, sobre o qual Davis retornou para uma última série de registros alimentados por sintetizadores e tambores (incluindo o "rap-crossover Doo-Bop") antes de falecer em 1991.

A marca que Davis deixou na música é surpreendente. Suas reflexões de jazz são tão ternas e enigmáticas em igual medida, e abordar toda a sua carreira não é um feito pequeno. Mas explorar a música de Miles Davis é entender o estado de mudança da cultura na América, para ver as formas em que nossas fronteiras se materializaram e se dissolveram à medida que o tempo marchou, e para entender como a insanidade desencadeada de um álbum póstumo, como o de 1977; Dark Magus pode secretamente se preparar sob a calma majestosa dos primeiros trabalhos como Milestones o tempo todo. A carreira de Davis pode ser assustadora, mas a beleza é que não existe um lugar errado para começar - não importa onde se decida pegar o fio, há inúmeras revelações.


Por Sam Goldner - Publicado originalmente @ http://www.the-dowsers.com/playlist/amazing-evolution-miles-davis/




Siga o Fyadub nas redes sociais:
- Twitter: http://www.twitter.com.br/fyadub
- Facebook: http://www.facebook.com/pages/Fyadub
- Youtube: http://www.youtube.com/fyadub
- Instagram: https://www.instagram.com/fyadub.fyashop

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br
DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!