Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

sábado, 18 de fevereiro de 2017

DEAR WHITE PEOPLE | COMO UM TEASER DE 35 SEGUNDOS CONSEGUE OFENDER TANTA GENTE BRANCA?

Vídeo causou revolta não por apresentar uma mulher negra condenando blackface, mas por ameaçar privilégios históricos 


No dia 8 de fevereiro, a Netflix divulgou um pequeno teaser sobre sua nova produção original, a série Dear White People. Apenas 35 segundos foram suficientes para provocar uma expressiva movimentação de pessoas - brancas - ofendidas com o conteúdo do vídeo. Algumas delas chegaram a anunciar em redes sociais o cancelamento do serviço de streaming. Pois bem: o que tinha de tão incômodo no vídeo? Uma jovem negra, aparentemente locutora de rádio, enumerando uma série de fantasias de Halloween consideradas aceitáveis para pessoas brancas, como de pirata, enfermeira, ou “qualquer um dos primeiros 43 presidentes americanos”. Em seguida, ao classificar o topo da lista de fantasias inaceitáveis, ela diz apenas “eu“. O fim da frase é seguido por várias imagens de homens e mulheres brancos fazendo blackface, nome usado quando alguém branco pinta o rosto para se fantasiar de uma pessoa negra.

Contextualizando: a série é uma adaptação do filme Cara Gente Branca, premiado em 2014 no Festival de Sundance. A história gira em torno de um grupo de alunos negros de uma universidade onde a maioria dos estudantes são brancos. Após os brancos decidirem que não há problema em debochar de negros em fantasias de Halloween, os alunos negros se revoltam com a situação.


Na internet, pessoas começaram a subir hashtags como #NoNetflix e #BoycottNetflix. Para quem acompanha regularmente as principais polêmicas online, esta segunda é bastante familiar: a última vez que vimos uma hashtag semelhante foi quando Beyoncé lançou o extremamente político Lemonade e se apresentou no SuperBowl acompanhada de dançarinas vestidas com os icônicos uniformes dos Panteras Negras, grupo que lutava por igualdade racial nos EUA. A hashtag boycott foi então usada para tentar silenciar um protesto artístico que sinalizava o genocídio da população negra norte-americana e as ações violentas de policiais contra essas pessoas.

O público que defende bandeiras como #NoNetflix certamente não percebeu até agora que usar suas produções para horizontalizar a representatividade na indústria do entretenimento não é novidade na empresa. A própria Marvel se mostrou uma parceira valiosa nessa missão, curiosamente. Depois de arrancar elogios de público e crítica com a saga de um herói cego (Demolidor) e de apresentar uma heroína vítima de um relacionamento abusivo (Jessica Jones), a parceria Marvel-Netflix brindou o público com a história de Luke Cage, um homem negro que ganha os poderes após ser alvo da truculência policial dentro de um presídio - onde cumpria pena por um crime que não havia cometido.
Se essa premissa não lhe remete a absolutamente nada, talvez você esteja por fora de uma das maiores coisas já feitas na Netflix até o momento - e que, não por menos, garantiu ao serviço de streaming um lugar entre os indicados ao Oscar. O documentário A 13ª Emenda concorre na premiação deste ano apresentando um diagnóstico da superpopulação carcerária dos EUA, relacionando uma brecha na cláusula do fim da escravidão ao número absurdamente elevado e desproporcional de negros atrás das grades hoje por lá. O documentário enumera de forma brilhante o que cada governante norte-americano fez - ou deixou de fazer - para que a situação chegasse ao ponto atual, passando pela  divulgação dos recorrentes casos de violência policial contra a população negra noticiados recentemente.

E, novamente, não é a primeira vez que o serviço de streaming usa suas produções para fazer críticas à situação da população negra. Em Orange is the New Black, a morte de Poussey, esmagada por um despreparado policial branco, não foi aleatória. Quando a personagem fala diversas vezes que não consegue respirar, é impossível não lembrar do caso real de Eric Garner, homem negro, obeso e asmático morto exatamente da mesma forma por policiais. O crime aconteceu no dia 17 de julho de 2014, em Staten Island, Nova York, quando um oficial da New York City Police Department (NYPD) estrangulou o homem e o vídeo da ação foi parar na internet. Samira Wiley, que interpretava Poussey, deu uma declaração inspiradora sobre a cena da personagem. “É uma morte absurda, mas não foi uma decisão descuidada por parte da série. Ela ecoa muitas mortes que aconteceram no ano passado como Eric Garner, Mike Brown. Eu quero que as pessoas fiquem chateadas, mas quero que elas fiquem chateadas pelo fato de isso acontecer na vida real”.

Além de denúncias, outra bandeira que a Netflix vem trabalhando é a da representatividade. No universo de Luke Cage, vemos um elenco majoritariamente negro nos mais variados papéis, desde mocinhas que arrasam no basquete até vereadoras corruptas. A série The Get Down, outra produção excepcional, é ambientada no Bronx dos anos 1970 e expõe de forma nua e crua o contexto do surgimento daquilo que hoje conhecemos como cultura hip hop. Uma das comédias mais elogiadas do serviço de streaming nos últimos tempos é Chewing Gum, que faz humor de forma impecável sem deixar de pontuar os problemas enfrentados por mulheres negras da periferia de Londres. Além dessas, é impossível não lembrar que existe um arco inteiro em Sense8 ambientado em Nairobi, a ótima Vaneza Oliveira sendo a melhor personagem da brasileira 3%, e Titus, o negro gordo e afeminado que tomou a comédia Unbreakable Kimmy Schmidt para si - estrelando sozinho inclusive o último teaser da série fantasiado de, adivinhem só, a Beyoncé do Lemonade que citamos lá no começo.


É desconfortável para um mundo que há apenas um século aplaudiu O Nascimento de Uma Nação, filme que retratava negros como animais e glorificava a Klu Klux Klan, sentar em frente ao sofá e ver que os dois primeiros - e únicos - brancos dos primeiros episódios de Luke Cage são as pessoas de moral duvidosa da série. O teaser de Dear White People ofendeu por colocar uma mulher negra dizendo que não deveria ser aceitável que brancos ridicularizem negros. Muita gente branca ainda não está preparada para ouvir alguém negro colocando o ponto de vista dele para enumerar o que alguém pode ou não fazer - eis o racismo subconsciente.


"Netflix anunciou um novo programa anti-brancos (Dear White People) que promove o genocídio branco. Eu cancelei minha conta, faça o mesmo. #NoNetflix"

O vídeo de 35 segundos de Dear White People já passa de 4 milhões de visualizações, sendo que mais de 390 mil usuários deram dislike no post do YouTube em protesto. Justin Simien, diretor do filme e roteirista da adaptação, foi certeiro ao se posicionar quanto à polêmica em suas redes sociais. “A igualdade é sentida como opressão pelos privilegiados e, portanto, três palavras benignas os colocam em uma luta por sua própria existência, mas eles não estão em perigo real. Qual é o meu papel como artista? Criar Histórias. Histórias nos ensinam empatia. Nos colocam nas peles de outras pessoas. Então conte sua história. Saia do armário. Escreva sua tese. Diga a verdade inconveniente”, disse. No fim das contas, o boicote de Dear White People ironicamente só reforça a tese de Simien por trás da necessidade de produções do tipo. Em tempo: a série estreia dia 28 de abril.

Por



  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub.fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

OS CORREIOS IRÃO DESCONTINUAR O SERVIÇO E-SEDEX



 

Porém, 'não se preocupe' porque o serviço Sedex continuará disponível em todas as suas negociações, assim como o PAC. Inclusive, por enquanto, o custo de envio permanecerá o mesmo que você já conhece.

Se você oferece frete grátis, não haverá nenhuma alteração na forma como esse benefício é disponibilizado ao seu comprador.

Mas tenha a certeza de que estamos buscando alternativas que podem mudar essa decisão.

A informação acima é do MercadoLivre. Você pode ler a info clicando nesse aqui.

Anteriormente já publicamos uma matéria informando sobre a cobrança abusiva do MercadoLivre, nos valores cobrados nos envios via MercadoEnvios. Clique aqui para ler na integra.

No link estão os valores cobrados de envio; via SEDEX para todo o estado de SP, e via PAC para demais regiões do território nacional, com até 1kg de peso total, e seguro a parte a partir do 4o item. 
Na dúvida sobre Pagamento e Envio, entre em contato pelo e mail fyadub@yahoo.com.br


Em crise, Correios decidem acabar com e-Sedex

Produto usado só para comércio eletrônico representa 30% do faturamento de lojas franqueadas

BRASÍLIA: Mergulhados na maior crise financeira de sua história, os Correios decidiram acabar com um dos seus principais produtos: o e-Sedex. Segundo fontes ouvidas pelo GLOBO, o anúncio deve ser feito nos próximos dias. No entanto, a possibilidade de encerrar o serviço gerou reação entre os franqueados, que já preveem queda de receitas e prometem recorrer à Justiça para que o produto continue a ser comercializado.

O e-Sedex é um serviço dos Correios exclusivo para comércio eletrônico. Seu preço é quase igual ao de uma encomenda convencional, mas tem exatamente os mesmos os prazos de entrega do Sedex normal. O que difere é que a área de cobertura é restrita a algumas cidades e há o limite de peso de objetos postados — de até 15 quilos.

Procurado pelo GLOBO, o presidente dos Correios, Guilherme Campos Júnior, confirmou a medida. Disse que é uma das ações para sanear a empresa.

— O e-Sedex tem preço de PAC (serviço convencional) e qualidade de Sedex. Isso é ter a liberdade de ser solteiro com o conforto de casado — disse o executivo.

FRANQUIAS DEFENDEM REAJUSTE DE PREÇO

No entanto, a ideia de cortar esse produto das prateleiras dos Correios fez com que os franqueados reclamassem. Segundo a Associação Brasileira de Franquias Postais (Abrapost), o e-Sedex responde por 30% do faturamento das lojas.

— O que está deixando a gente assustado é que recebemos centenas de ligações de associados querendo saber o porquê de os Correios terem decidido acabar com o e-Sedex. Não sei responder. A gente está muito preocupado hoje com a possibilidade de o cliente ir para a concorrência — disse Chamoun Hanna Joukeh, presidente da Abrapost.

Para ele, o ideal seria reajustar o valor do e-Sedex, e não acabar com o produto:

— Reajuste a marca e não jogue ela fora.

No entanto, o presidente dos Correios disse que a decisão está tomada. Os contratos com as lojas virtuais serão descontinuados, e postagens de encomendas pelo serviço não serão mais aceitas depois da virada do ano.

Procurado pelo GLOBO, os Correios informaram que as necessidades do e-commerce são atendidas por todos os serviços de encomendas e não apenas por esse serviço específico.

“Com a evolução do e-commerce brasileiro, todos os serviços de encomendas — PAC, Sedex, Sedex 12, Sedex 10, Sedex Hoje e Logística Reversa — passaram a ser utilizados pelos clientes para a entrega dos produtos adquiridos via web”, diz nota.

Por Gabriela Valenta - Artigo publicado originalmente @ http://oglobo.globo.com/economia/em-crise-correios-decidem-acabar-com-sedex-20564098


  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

POSSIBLE DELAY OF INTERNATIONAL SHIPMENTS



 
Due to the partial stoppage of the Brazilian Federal Revenue - RFB that affects the process of customs supervision, we inform that delays are expected in the dispatch of international export objects posted in all service modalities, including Sedex Mundi, as well as in the inspection of EMS objects of import.

We emphasize that in cases in which delay occurs in the delivery will not be made available indemnification to the clients.

Original article published @ http://correios.com.br/para-voce/avisos/possivel-atraso-n-expedição-dos-objetos-internacionais



  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!