sexta-feira, 28 de maio de 2021

UMA GERAÇÃO DE MÚSICOS JAMAICANOS GALVANIZOU A MÚSICA BRITÂNICA, ENTÃO POR QUE ELES NÃO RECEBERAM O QUE DEVIAM?

 

Sentado em um banco de parque em Dollis Hill, no noroeste de Londres, Dave Barker se vê mais jovem na tela do meu smartphone. O cantor jamaicano, de 73 anos, está assistindo a um clipe de sua aparição no programa Top of the Pops da BBC em 1971. "Eu sou o magnífico", grita a figura na tela em um tenor flexível, vestido em um esplêndido terno roxo e lenço manchado. O vocal alegre e orgulhoso é a introdução de "Double Barrel" de Dave & Ansell Collins, uma das primeiras canções de reggae a alcançar o primeiro lugar no Reino Unido.

Um sucesso em toda a Europa e os EUA, "Double Barrel" foi um passo importante na emergência de David-and-Goliath na Jamaica como uma força musical global. Ele coroou a chegada do reggae como um gênero dominante no Reino Unido, um sinal da mudança de identidade do país e da poderosa influência dos imigrantes caribenhos, asiáticos e africanos do pós-guerra. Cinco décadas depois, a música ainda soa cheia de otimismo. Uma linha de baixo oscila levemente para cima e para baixo na escala em meio a um ritmo diferente e acentuado. Uma melodia de teclado ressoa, sua pontuação enfática combinada com as exclamações orgulhosas de Barker.

Barker - o "Dave" em Dave & Ansell Collins - voou da Jamaica para fazer o Top of the Pops com o tecladista Collins e sua banda de apoio. “Quando chegamos à BBC e nos mostraram nosso camarim, que era grande e adorável, tive que me beliscar”, lembra ele. ‘Isso é real?’ Disse para mim mesmo. ‘Estou sonhando?’ Num minuto estou de volta para casa e no próximo estou aqui, aparecendo na BBC.” “Double Barrel” foi seguido por um álbum de Dave & Ansell Collins e outro hit, “Monkey Spanner”. A dupla foi a sexta banda de singles mais vendida do Reino Unido em 1971. Enquanto Collins retornou à Jamaica após uma turnê pelo Reino Unido, Barker permaneceu. “Double Barrel” foi o seu bilhete para uma nova vida em Londres. Mas o cantor - hoje vestido de forma sombria, em contraste com a elegância imperial de seu traje de Top of the Pops - não consegue discutir o 50º aniversário da música sem um tom crescente de raiva.


“O que é devido a mim, o que eu deveria ter recebido, foi tirado de mim”, diz ele. “O que tem causado muitas dificuldades e sofrimentos. Eu e minha família sofremos. Já passamos por tempos difíceis. E não só eu. No momento, você tem artistas na Jamaica que fizeram músicas maravilhosas, que foi vendida em todo o mundo, e eles estão sofrendo.

Para seu cantor e coautor, “Double Barrel” assumiu um significado amargo - um triunfo cujas recompensas foram arrancadas dele em uma controvérsia pelos direitos da música e royalties que obstou a ascensão do reggae à proeminência internacional e que ainda está sendo sentido hoje.

“Não posso comemorar este 50º aniversário porque não estou satisfeito”, diz ele.
"Eu estou muito infeliz. Fomos muito maltratados.”

Como Cuba, seu maior vizinho ao norte, a Jamaica teve um impacto cultural muito desproporcional ao seu tamanho. Quando Barker gravou seus vocais para "Double Barrel" na capital jamaicana Kingston em 1970, a ilha tinha uma população de menos de dois milhões. O reggae tomou forma no final dos anos 1960, emergindo de uma cultura musical baseada em sistemas de som concorrentes nos quais equipes rivais de DJs e engenheiros tocaram discos em toca discos e sistemas de som em salões de dança e locais ao ar livre. Profundamente enraizado na vida jamaicana, este novo estilo de música inesperadamente tocou um acorde no exterior. Ele encontrou um lar particularmente acolhedor no Reino Unido, o ex-governante colonial da Jamaica.

O efeito radical do reggae no curso da música popular britânica rivaliza com o do punk. Sua sincopação singular e baixo proeminente podem ser ouvidos em gêneros posteriores, como grime e drum-and-bass. Na verdade, a extensão de sua penetração nas texturas da vida britânica ficou clara desde o início. Em 1970, o clube de futebol do Chelsea começou a usar o reggae instrumental "Liquidator" de Harry J Allstars como uma música oficial do clube. Em 1969, os "Israelites" de Desmond Dekker & The Aces alcançaram o primeiro lugar nas paradas. “Double Barrel” foi o próximo hit do reggae a fazê-lo dois anos depois. A popularidade da música foi ajudada pela crescente auto-seriedade do rock. Em seus primeiros anos, antes que as raízes-reggae socialmente conscientes emergissem, o reggae era música para dançar - um ato de escapismo.

Barker tinha 22 anos quando gravou “Double Barrel”. Um cantor estabelecido que trabalhou com figuras importantes na cena musical de Kingston, incluindo Coxsone Dodd e Lee “Scratch” Perry, ele foi recrutado pelo produtor da música, Winston Riley. A música já havia sido gravada, arranjada por Ansell Collins e contando com um baterista adolescente chamado Sly Dunbar, que logo se tornaria um dos músicos mais famosos do reggae. O que ele precisava era de vocais.

Lutando no início para sentir a música, Barker improvisou a linha de abertura e, em seguida, o resto da letra, que consiste em expressões cacofonicas no estilo de James Brown ("Work it on, baby") e referências ao número do código 007 de James Bond - uma colagem surrealista de frases. Enquanto nos sentamos juntos, ele canta um pouco para mim com uma voz ainda vibrante. “Não foi algo que eu tive que escrever em um pedaço de papel. Simplesmente veio a mim espontaneamente ”, explica ele.


Selo Original do vinil de ‘Double Barrel’ - Capa original de ‘Double Barrel’

Como criador da melodia vocal e da letra da música, Barker deveria ter recebido um crédito de co-compositor. Mas a prática padrão na indústria musical jamaicana naquela época era que os produtores contratassem cantores e músicos e mantivessem os direitos das músicas para si mesmos. Barker diz que recebeu cerca de “30 a 40* dólares jamaicanos” por “Double Barrel” - uma taxa padrão na época, equivalente a £15 a £20 em 1970 (talvez £250** hoje). Ele recebeu uma quantia semelhante por “Monkey Spanner”.


* 40 dólares jamaicanos hoje seria algo em torno de R$ 1,40 na cotação de hoje 28.05.21
** 250 libras hoje seria algo em torno de R$ 1.850,63 na cotação de hoje 28.05.201

Lee Gophtal e Chris Blackwell

Um sucesso na Jamaica, “Double Barrel” foi licenciado para distribuição no Reino Unido pelo selo londrino Trojan Records. Criado alguns anos antes por Lee Gopthal, que operava a cadeia de varejo de discos Musicland e era dono da Beat & Commercial Records. Gophtal juntou seus interesses musicais jamaicanos aos da Island Records de Chris Blackwell para atender aos caribenhos que se estabeleceram no Reino Unido na década de 1960 , a gravadora também promoveu o reggae para o tipo de público mainstream que sintonizou no Top of the Pops. Seu catálogo de até 20.000 canções é celebrado como um dos melhores tesouros de gravações do reggae. Mas o hábito da gravadora de assinar contratos com produtores, em vez de artistas, reproduzia práticas injustas que haviam sido estabelecidas na Jamaica. Coube aos produtores decidirem se distribuíam os royalties para cantores e músicos.

As negociações de Barker com Trojan foram igualmente informais; ele não recebeu uma oferta de contrato quando a música foi lançada no Reino Unido em 1971. Enquanto ele estava no Reino Unido em turnê de “Double Barrel” e “Monkey Spanner”, ele se lembra de ter sido chamado com Collins ao escritório de Trojan pelo fundador da gravadora, Lee Gopthal , que os aconselhou a procurar um advogado. “Ele também se virou e disse: ‘Vocês nunca ouviram isso de mim. Estou apenas aconselhando você a resolver as coisas antes que seja tarde demais.'”

Bom conselho - mas impraticável. Barker era um jovem músico jamaicano recém-chegado a um país estrangeiro, cujo sistema jurídico, aliás, dificilmente era conhecido por sua atitude imparcial para com as pessoas de cor. “Não tínhamos a menor ideia”, diz ele agora. A Trojan deu a Barker mais dinheiro, um cheque de £1.000*** - com o objetivo de compensar seus custos de turnê depois que ele reclamou de ter apenas uma roupa de palco. Dado que “Double Barrel” alcançou a posição 22 nos Estados Unidos, provavelmente vendendo bem mais de um milhão de cópias, é uma fração do que Barker acredita que ele devia.

Ele deveria ter recebido uma taxa específica de royalties das vendas dos royalties de gravação e publicação como o co-autor da música. Mas durante a maior parte da vida da música ele não recebeu nenhum dos dois. Na década de 1990, quando percebeu a dimensão de sua perda, ele procurou um advogado. “Olha”, disseram a ele, “você deixou essa coisa rodar por um bom tempo. Não posso ajudá-lo porque você não tem dinheiro para me pagar. ”

Em 1975, a Trojan Records entrou em liquidação, deixando royalties e dívidas não pagas. Seu enorme catálogo de canções foi transferido para uma sequência complexa de incorporações. Mais tarde naquele ano, elae reapareceu por meio da Trojan Recordings, que foi comprada 10 anos depois por uma empresa administrada pelo contador e empresário Colin Newman. Em 2001, Newman vendeu o catálogo da Trojan para o selo londrino Sanctuary Records por £10,25**** milhões; seis anos depois, o próprio Sanctuary foi comprado pelo Universal Music Group, que por sua vez vendeu o catálogo do Sanctuary, incluindo canções de Trojan, para a gravadora BMG, com sede em Berlim, em 2013.

Barker assinou um contrato de gravação com a Trojan Recordings em 1988, antes de sua venda para a Sanctuary. Ele finalmente obteve o crédito de seu autor em 2003, quando Riley fez um acordo para reconhecê-lo e a Collins como co-autores de "Double Barrel" e "Monkey Spanner". Um porta-voz da BMG disse que a gravadora - que lida com os royalties de gravação de Barker, não seus royalties de publicação como co-autor - está “satisfeita por ter um bom relacionamento de trabalho com Dave Barker e Ansell Collins”. Mas Barker está magoado por perder sua participação na música durante seus anos mais valiosos, quando foi um grande sucesso. Ele também perdeu receitas de licenciamento, acrescenta: “Double Barrel” foi sampleado mais de 100 vezes, incluindo Prince e Kanye West.

*** £1.000 seria algo em torno de R$ 7.407,42 na cotação de hoje 28.05.21
**** £10,25 milhões seria algo em torno de R$ 75.811.682,86 na cotação de hoje 28.05.21

Notting Hill Carnival nos anos 1970, onde os mais respeitados sistemas de som do Reino Unido tocaram

Reclamações de músicos sobre serem roubados têm uma longa e difícil história na música pop. Músicos negros foram particularmente afetados. Mas a situação no reggae tem um toque pós-colonial. Apesar de sua popularidade no Reino Unido na década de 1970 ter sido a trilha sonora para a consolidação do país como uma sociedade multicultural, a passagem da música da Jamaica serviu apenas para ampliar o problema de produtores reivindicando o crédito exclusivo pelas canções. Ao cruzar o Atlântico, ele entrou em um labirinto legal britânico.

Em 2016, a receita de Barker com "Double Barrel" foi congelada pela agência de cobrança de royalties PRS for Music (uma espécie de ECAD) porque outra editora musical apresentou um pedido de participação nos direitos. Em dezembro passado, a disputa foi encerrada e a receita de Barker foi finalmente restaurada. A PRS for Music não fará comentários sobre o assunto, mas afirma que possui “um processo em vigor para resolver e identificar reclamações de disputas”.

“Há preocupação e estresse, contas sobre contas chegando”, diz Barker. Ele e sua esposa moram em Neasden, um subúrbio no noroeste de Londres com uma reputação não muito boa. As pessoas não conseguem acreditar que uma estrela do reggae jamaicano não prosperou mais, diz ele. “Dave Barker, de Dave & Ansell Collins, morando em Neasden? Em apenas um estilo de vida simplório? Naah. ”

A situação de Barker é repetida por outro cantor jamaicano que se mudou para Londres na década de 1970. Dennis Alcapone é um pioneiro do estilo vocal conhecido como “toaster” - uma forma de cantar e falar desenvolvida por DJs de sistemas de som enquanto conversavam sobre discos no final dos anos 1960. No apogeu de Alcapone, ele estava entre as principais deejays da Jamaica. “Minha voz está segurada por meio milhão de dólares” é o título de uma das muitas canções que ele gravou. (Isso era fanfarronice: suas cordas vocais não estavam realmente seguradas.)

Quando falamos, Alcapone (nascido Dennis Smith) conta uma história semelhante. Suas canções foram distribuídas principalmente no Reino Unido também pela Trojan Records. “Tem havido muita exploração ao longo dos anos”, disse o homem de 73 anos, falando de sua casa no leste de Londres.

Dennis Alcapone

Os contratos na Jamaica costumavam ser verbais, explica ele. Os produtores frequentemente vendiam suas músicas no exterior e não contavam aos artistas, o que significava que eles podiam evitar o pagamento de royalties. “Estávamos felizes em cantar porque amávamos muito a música”, diz ele. “Nunca soubemos que poderíamos receber uma recompensa por isso. . . Quando viajei para a Inglaterra, percebi que havia muitas coisas acontecendo que eu não sabia.”

Quando o catálogo de canções de Trojan foi vendido em 2001, nenhuma parte desse dinheiro foi dividida entre autores da Trojan, Alcapone diz: “Se não tivéssemos lido no jornal que aquela empresa foi vendida, não saberíamos que ela havia sido vendida.” O responsável pela venda, Colin Newman, disse ao Financial Times que “as alegações feitas não têm mérito.”

Alcapone se lembra de ter ido a um show uma vez em Reading, onde um garotinho o viu dirigindo um Ford Cortina, um carro britânico popular, mas prosaico, na década de 1970. O menino não acreditava que pudesse realmente ser Alcapone, a estrela do sistema de som.

“Porque ele tinha ouvido meu nome ao longo dos anos, ele pensou que eu estaria dirigindo um Rolls-Royce ou um Bentley. Ele estava convencido de que eu não era Dennis Alcapone", ele ri com tristeza, depois fica sério. “Agora mesmo, quando uma conta chega, eu tenho que começar a me preocupar onde vou conseguir o dinheiro para pagar por ela. Enquanto isso, outras pessoas estão vivendo uma grande vida com meu trabalho.”

Pablo Gad nos dias atuais.


O reggae britânico passou por dificuldades semelhantes. Pablo Gad, 65, é um cantor de reggae raiz britânico-jamaicano que lançou sua canção mais conhecida, “Hard Times” em 1979 por uma gravadora do Reino Unido. Ele relatou uma visita a Kingston, onde ele ficou chocado com a pobreza que encontrou. “Você realmente quer saber o que aconteceu com a nossa prata e ouro?” ele canta - uma pergunta que repercutiu no autor.

Colin Newman

“Hard Times” foi sampleado quase 20 vezes, incluindo pelo grupo de rave do Reino Unido The Prodigy em 1992 por seu single de sucesso “Fire”. Eles conseguiram fazer isso, de forma totalmente legal, sem abordar Gad ou pagar a ele. Após a liquidação do selo que a lançou, Burning Sounds, em 1981, os direitos de publicação da música foram finalmente reivindicados por outra empresa, a New Town Sound, de propriedade do ex-proprietário da Trojan Recordings, Colin Newman, que, novamente, nega qualquer impropriedade.

Quando falo com Gad, ele está no norte de Londres. “Eu sou nômade, não moro em lugar nenhum, estou aqui, ali e em todo lugar”, diz ele. “Não consegui dinheiro para comprar uma casa.” Uma das pessoas que assistiu ao Top of the Pops naquela noite de 1971 foi Errol Michael Henry. Na época, com oito anos e morando no sul de Londres, ele se tornou produtor musical e compositor. Depois de gravar uma música com Barker em 1988, ele aprendeu sobre as dificuldades do cantor. Com base em suas experiências de recuperação de seus próprios direitos musicais de grandes gravadoras, Henry agora representa Barker em suas tentativas de recuperar receitas e ativos perdidos, junto com Alcapone e Gad, sem ganhos e sem taxas. Em dezembro passado, ele convenceu a PRS for Music a descongelar o dinheiro devido a Barker e encerrar a disputa pelas receitas de “Double Barrel”. 

Dennis Alcapone e Pablo Gad jovens.

Henry não acredita que a culpa seja dos produtores jamaicanos: na verdade, o problema são os negócios que foram feitos no Reino Unido, diz ele. “Eles são horríveis. Eles são fundamentalmente injustos. O problema não está na Jamaica, o problema está aqui. Há um problema sistêmico com as empresas que não repassam os direitos. ”No ano passado, em resposta ao movimento Black Lives Matter, a BMG, ciente do que descreveu como "o recorde da indústria da música do tratamento vergonhoso de artistas negros", se comprometeu a revisar todos os contratos de discos históricos. O Trojan não foi incluída a princípio, mas a empresa agora diz que vai lançar uma investigação autônoma. “Se algum problema for encontrado, é claro que ele será resolvido”, disse um porta-voz do BMG ao FT. O 50º aniversário de "Double Barrel" é uma homenagem ao sucesso quase sem paralelo do reggae, a música nacional de uma pequena ilha caribenha que ganhou destaque global. Transformou o som do pop britânico, um poderoso ato de criatividade exercido por um antigo território colonial sobre seu antigo governante. Mas há uma injustiça histórica em seu cerne. “O que eu adoraria ver acontecer é que as pessoas que estão em posição de consertar as coisas se levantassem, dêem um passo à frente e façam o que é certo”, diz Barker, em uma voz enfática - não muito diferente da maneira como ele uma vez proclamou sua magnificência para milhões de famílias britânicas assistindo. “Nós somos as pessoas que criaram a música, então nos dê justiça.”


segunda-feira, 24 de maio de 2021

DJ KHALED FEZ HISTÓRIA COM O PRIMEIRO DUBPLATE DE UM MILHÃO DE DÓLARES

Da esquerda para direita: Bounty Killer, Capleton, DJ Khaled, Barrington Levy e Buju Banton.

Na sexta-feira, o DJ Khaled lançou seu álbum 'Khaled Khaled' cheio de colaborações junto com os primeiros visuais do álbum. Em um novo videoclipe lançado neste fim de semana, o rapper lançou uma homenagem verdejante ao lugar "Where You Come From" (De Onde Você Veio), o "You" (Você) sendo os artistas tops da música jamaicana como Buju Banton, Capleton e Bounty Killer, e o “onde” sendo a Jamaica. fluindo abundantemente através das vozes de Bounty Killer, Buju Banton, Capleton e um sample inteligente de Barrington Levy para a faixa "Where You Come From".

“Vamos ser CLAROS!” DJ Khaled tweetou. “Todos esses artistas NUNCA colaboraram em um álbum antes. Isso é HISTÓRIA. JAMAICA EU TE AMO. ”

Na cultura do sistema de som, isso seria chamado de “Four The Hard Way” (analogo a 'da maneira mais dificil) e embora tenha havido muitas das três formas difíceis em nossos tempos tocadas por muitos sons, a maioria deles não é preconcebida, eles são apenas encontros casuais de Artistas em Estúdios. A música reggae, como a maioria dos gêneros, geralmente fica com dois artistas diferentes em uma faixa, houve alguns duetos incríveis como Bob e Marcia ou Wayne Wonder e Buju que foram replicados por meio de dubplate para sons ao longo dos anos, três e quatro em uma música é um fenômeno moderno no reggae seguindo o modelo americano do Hip Hop.

O preço do dubplate há muito é uma questão controversa na cultura do sound clash, com os preços de alguns artistas mais do que dobrando em dez anos, à medida que os sistemas de som contemporâneos e os players de (sound) clash substituem o talento pela música ao custo do entretenimento, o preço dos dubs aumentou, impulsionado visualizações online no youtube pelo hype.

Se as afirmações de Khaled sobre essa música ser histórica por causa dos artistas nunca term feito uma colaboração juntos, é verdade, uma coisa que é histórica é que essa música é um dos plates mais caros da história do sistema de som junto com Jimmy Cliff e Super Cat.

Buju Banton cobra em média mais de US$ 1.000 (algo em torno de R$ 5.320,20 hoje) por seus dubplates, então como Capleton, Bounty Killer poderia cobrar seu preço justo normal sem sentir que estavam se enganando, vendendo-se por menos comparado a artistas cuja contribuição para a música é discutivelmente mais impactante do que a de Buju.


Por que o preço de Buju Banton é tão alto

Após a prisão de Buju Banton na América por drogas e sua subsequente sentença de dez anos de prisão, seu perfil mundial substancialmente aumentou. Desde seu lançamento em 2019, o nome verdadeiro de Banton, Mark Myre, causou pouco impacto real com sua nova música, exceto na cultura do sistema de som, com as vendas de seu primeiro álbum de estúdio em uma década, intitulado 'Upside Down', com vendas surpreendentemente baixas apenas 2.995 cópias em sua primeira semana, embora tenha estreado em segundo lugar na parada de álbuns de Reggae da Billboard (que combina streaming e vendas) em 8 de julho de 2020. Esses números são loucos considerando as cenas no estádio nacional da Jamaica quando Buju foi conduzido por uma multidão de fãs entusiasmados e impacientes no show profeticamente intitulado, A Long Walk to Freedom.


O show contou com mais de 35.000 pessoas de todo o mundo lotando o Jamaicas National Stadium Banton, de acordo com números fornecidos pela Royal Barbados Police Force (RBPF), a multidão ultrapassou 17.000 em Barbados

Se o alto preço de Buju está relacionado ao Grammy, ele recebeu uma edição que é apontada por Shabba Ranks como a razão pela qual ele deve cobrar mais do que todos os artistas que vivem na Jamaica, podemos matar essa teoria com o primeiro Grammy de reggae, que foi para Mykal Rose e ele não faz é cobrar as taxas exorbitantes que Myrie cobra, e ele foi o primeiro. Talvez Banton esteja recuperando o dinheiro que perdeu na prisão, ou o dinheiro que ganharia vendendo coca se nunca tivesse sido pego.


Barrington Levy, ele vai ganhar dinheiro também?

Com as partes de todos claras e definidas, o veterano Barrington Levy não foi designado para um verdadeiro papel de cantor, em vez disso, seu som característico foi relegado a um sample do lançamento de Levy em 1985, "Under Mi Sensi", fornecendo a base para os outros robustos jamaicanos abençoarem a pista.

Ao gravar esta música no dubplate, você terá que pagar a Levy por sua contribuição, não importa quão pequena seja, e você terá que pagar a ele seu dinheiro real em relação ao resto dos artistas, não sua contribuição com um mero participante. Pagar Buju, Capleton e Bounty Killer e usar um sample de Barrington Levy é equivalente a colocar caviar de beluga em um big mac - é um desperdício.

Eu entendo que muitos sons irão tomar o atalho para possuir esta música, assim como o que encontramos com Stephen Marley apresentando Sizzla e Capleton “Rock Stone” com muitos sons optando por apenas cortar os versos de Sizzla e Capleton omitindo Stephen Marley de sua própria faixa escolhendo usar o sample pré-gravado devido ao alto preço e a pouquíssima contribuição de Marley, e funciona até ouvir a versão com Stephen Marley chamando o nome dos sounds (systems).

Teria sido bom ver a primeira vez este dubplate tocar em uma festa se fosse nos anos 90, mas em 2021 ninguém dá a mínima para pagar um milhão de dólares jamaicanos por este dubplate, que nem mesmo conseguiu se tornar um estouro sonoro (viral) em notoriedade nas redes sociais, ainda.

O 'Eagle Force Sound' disse que Fadda Dus, o dono do 4X4 Exodus, tinha muitos dubplates de Capleton, Bounty Killer e Buju Banton e onde ele está agora



Outro usuário afirma que o primeiro som a gravar uma música dubplate é da América e como isso é verdade, não sabemos, mas sabemos que os americanos lideram agora os gastos com os europeus em segundo lugar, com Kosmik de Nova York detendo o título da maior parte do dinheiro gasto diretamente em cópias com o que parece ser um fluxo interminável de dinheiro, Kosmik gravou, virtualmente, praticamente todos os grandes artistas disponíveis, de Phil Collins a Jimmy Cliff.




sábado, 22 de maio de 2021

A REALEZA ANUNNAKI



 Realeza

Os Anunnaki / Anuna eram um grupo de indivíduos considerados superiores a todos os outros; eles eram a realeza. Os Anunnaki / Anuna eram adorados pelos sumérios, acadianos, assírios e babilônios. Eu pessoalmente queria saber quando a palavra Anunnaki apareceu pela primeira vez na língua e, pelo que descobri, foi por volta de 2144 a.C. – 2124 a.C. Antes de a palavra Anunnaki ser usada, eles eram chamados de Anuna pelos sumérios, os fundadores da primeira civilização na antiga Mesopotâmia.

Mas quem exatamente eram os Anunnaki e de onde eles vieram?


A controvérsia

Pelo que li, o nome Anunnaki é derivado do deus sumério do céu, An, também conhecido como Anu, o chefe do panteão Anunnaki. O significado da palavra Anunnaki, dependendo de com quem você fala, varia de "aqueles de sangue real" a "descendência principesca". Isso significa que todos os Anunnaki vêm de Anu. Considere a aparência de uma árvore genealógica e Anu seria a árvore. Eu tenho que deixar isso claro sobre a interpretação. Eu li muitos livros diferentes onde o significado da palavra Anunnaki tinha variações diferentes, assim como os dois que acabei de compartilhar. Compreendendo o que é interpretação, não posso aceitar em boa posição apenas um significado.

Os Anunnaki são, em alguns casos, para algumas pessoas, os criadores da humanidade.

De acordo com muitos estudiosos, os sumérios foram a primeira civilização do planeta Terra. Eles mantinham registros detalhados de suas vidas diárias e história, especialmente sobre os Anuna / Anunnaki, seus deuses. Muitas pessoas diferentes traduziram os registros relativos aos Anunnaki. Algumas das pessoas que traduziram as tabuinhas cuneiformes sobre os Anuna / Anunnaki sugerem que os Anunnaki vieram de um planeta chamado Nibiru.

Se é possível que os Anunnaki vieram de um planeta diferente, então não posso deixar de me perguntar como os Anunnaki eram chamados no planeta Nibiru antes do reinado de Anu. Considerando que a palavra Anunnaki é derivada de Anu. Um grupo chamado Igigi também era um grupo de indivíduos que também vieram de Nibiru. Os Igigi não eram da realeza como os Anunnaki e, como não eram da realeza, foram os primeiros a trabalhar na terra antes da criação da humanidade.

Eu li muitos livros diferentes sobre o primeiro indivíduo a chegar ou estar no planeta Terra e, de acordo com os sumérios, Alalu foi o primeiro na "Terra". O motivo da chegada de Alalu foi porque Anu derrotou Alalu e tomou o trono de Alalu. Alalu foi então banido de Nibiru e viajou para a “terra”.

Após a chegada de Alalu à Terra, o que poderia ter sido 450.000 anos atrás. Ele percebeu a abundância de ouro que a terra tinha. Ele então enviou uma mensagem de volta para Nibiru, e ela alcançou Anu, e quando Anu ficou sabendo do ouro no planeta Terra, ele então enviou Enki para verificar. O ouro era necessário no planeta Nibiru, o planeta natal dos Anunnaki.

Como eu disse antes, tudo isso é apenas o que eu li. Eu li muitas teorias diferentes de muitas pessoas diferentes sobre os Anunnaki e suas origens. Sempre que a linguagem é incluída com confusão, sempre me lembro da Torre de Babel.

Hoje, muitas pessoas estão satisfeitas com o que acreditam e nunca mudarão suas ideias, mesmo quando apresentadas a novas informações. Eu aprendi que para entender qualquer coisa que você realmente está tentando aprender, você deve obter informações de todos os lugares que têm a ver com o que você deseja entender.

Por exemplo, já ouviu falar do Dr. Michael S. Heiser? Ele é o dono da página inicial do site (sitchiniswrong.com). Ele criou este site porque “ele não gosta de textos antigos manipulados para promover afirmações falsas”. Se esse é o motivo dele, para ter certeza de que as informações verdadeiras sejam fornecidas, quem eram os Anunnaki?



“Bem-vindo ao site dedicado a abordar as afirmações da hipótese do antigo astronauta popularizada nos escritos de Zecharia Sitchin.”

“Por que eu me preocupo com essas coisas? Porque eu não gosto de textos antigos manipulados para promover afirmações falsas. ”

SOB O QUE É ISSO TUDO? NA PÁGINA INICIAL (SITCHINISWRONG.COM)


Lendo o material do Dr. Michael S. Heiser e observando-o em suas entrevistas, tenho a sensação de que ele não gosta muito do trabalho de Zecharia Sitchin. O Dr. Micahel S. Heiser também é um homem religioso. Por ser um homem religioso, tenho certeza de que conhece o personagem bíblico Nimrod.

O nome de seu site diz exatamente o que ele pensa das afirmações de Zecharia Sitchin sobre os Anunnaki.

Se Michael S. Heiser não acredita na mesma teoria de Zecharia Sitchin, então quem são os Anunnaki.


Contra-História

Não muito tempo atrás, li alguns livros do Dr. Supreme Understanding. Os três livros abaixo me ajudaram a entender melhor como ocorre a migração com pessoas que saem da África para explorar o resto do mundo e como elas contribuíram para muitas das primeiras invenções do mundo.

  1. When The World Was Black: The Untold History Of The World’s First Civilizations Part One: Prehistoric Culture By Supreme Understanding
  2. When The World Was Black: The Untold History Of The World’s First Civilizations-Volume Two of the Science of Self Part Two: Ancient Civilizations By Supreme Understanding
  3. Black GOD An Introduction to the World’s Religions and their Black GODS Dr. Supreme Understanding

Pesquisando por mim mesmo sobre o que o Dr. Supreme Understanding escreveu em seus livros sobre quem era o povo Anu / Aunu / Annu, usei o google books para verificar algumas de suas fontes, como Sir William Flinders, para aprender mais sobre o povo Anu.

Recentemente, aprendi sobre haplogrupos, e isso também foi com o Dr. Supreme Understanding. Enquanto pesquisava e aprendia mais sobre haplogrupos, descobri que alguns dos sumérios poderiam muito bem ter vindo da África. Se você rastrear o haplogrupo de um grupo de pessoas, poderá ver de onde sua genética se originou.


O que é interessante para mim sobre os sumérios e seus "deuses" é que você pode encontrar semelhanças com os anunnaki no Egito e na Mesoamérica. Por exemplo, se você pesquisar quem é Enki, você descobrirá que ele era um deus Anunnaki responsável por criar humanos para ajudar a aliviar o trabalho árduo dos Igigi. Muitas pessoas acreditam que Enki também poderia ter sido Ptah ou Khnum, dois deuses egípcios antigos. No entanto, se você rastrear quem é Ptah e suas raízes pigméias, verá que Ptah pode ter sido deificado.

Entender como a migração funcionou nos estágios iniciais da humanidade ajudará você a entender como o mundo foi povoado e por que existem semelhanças em todo o mundo sobre os deuses adorados. Eu compartilhei três livros antes que irão ajudá-lo com isso.

Outro bom exemplo dos sumérios vindos da África é Nimrod, também conhecido como Ninurta na Suméria, outro deus anunnaki. Na Bíblia, Nimrod é um personagem bíblico conhecido como um caçador habilidoso. Ele veio de Cush, na África, e se estabeleceu na antiga Mesopotâmia de Shinar. Ele foi descrito como um rei na terra de Sinar, e essa informação está de acordo com o Livro do Gênesis e os Livros das Crônicas. Uma informação fascinante que descobri é que algumas pessoas mostraram as semelhanças entre os Anunnaki e os Anamim. É possível que Anamim e a palavra Anunnaki sejam a mesma coisa. Anamim significa filho de Hams, filho de Mizraim ou o nome do povo que pode ter descendido dele.


A busca continua

Quase todas as religiões e culturas falarão de divindades que não são da terra. Eu li isso em textos sagrados do cristianismo, islamismo e até mesmo do hinduísmo. Um grande número de pessoas por aí compartilhou suas evidências do que poderia ser considerado deuses ou deusas. Algumas pessoas realmente acreditam que a humanidade começou com os sumérios apenas cerca de 6.000 anos atrás. E quando digo isso, estou falando muito sério; Eu não posso dizer se eles estão nos "trollando" ou não - de qualquer forma, o fato de que a espécie humana remonta milhões de anos de acordo com a ciência, me diz que muitas pessoas só escolhem o que os faz se sentir bem individualmente sobre a história e a verdade . Se é verdade que o lugar de origem de tudo isso é a África, então a barreira para quebrar o que alguém acredita contra a verdade será difícil de desmontar. Como afirmei anteriormente, as pessoas estão satisfeitas com suas crenças.

Tornar-se ciente dos livros do Dr. Supreme Understandings, os livros que mencionei anteriormente. Verificando as informações que ele apresenta em seus livros, me deparei com o haplogrupo E1B1B, também conhecido como E-M215. O que aprendi sobre o E1B1B é que ele se originou na África. Este é o mesmo haplogrupo que pode ser rastreado em toda a antiga Mesopotâmia.

E-M215 foi datado de cerca de 47.500 a 22.400 anos atrás, originado do que muitos estudiosos chamam de Chifre da África. Juntar as semelhanças, como Enki sendo Ptah ou Khnum ou Ninurta sendo Nimrod, torna a jornada para aprender mais muito mais interessante. Para isso, a busca continua.

Conhecimento é poder


Livros indicados

  1. Anacalypsis V2 An Attempt to Draw Aside the Veil of the Saitic Isis or Inquiry into the Origin of Languages, Nations and Religions By Godfrey Higgins
  2. The Complete Gods and Goddesses of Ancient Egypt by Richard H. Wilkinson
  3. Sumerian Mythology: Captivating Myths of Gods, Goddesses, and Legendary Creatures of Ancient Sumer and Their Importance to the Sumerians
  4. History Begins At Sumer Thirty -Nine Firsts In Recorded History By Samuel Noah Kramer
  5. The Sumerians Their History, Culture, and Character by Samuel Noah Kramer
  6. The Complete Dead Sea Scrolls in English: Seventh Edition (Penguin Classics)
  7. The Complete Earth Chronicles By Zecharia Sitchin (7 Books Total)
  8. Mesoamerican Mythology: A Captivating Guide to Maya Mythology, Aztec Mythology, Inca Mythology, and Central American Myths
  9. Ancient African Kingdoms: A Captivating Guide to Civilizations of Ancient Africa Such as the Land of Punt, Carthage, the Kingdom Aksum, the Mali Empire, and the Kingdom of Kush
  10. The Lost Book of Enki By Zecharia Sitchin
  11. The Anunnaki Chronicles A Zecharia Sitchin Reader Edited By Janet Sitchin
  12. Genesis Revisited Is Modern Science Catching Up with Ancient Knowledge? By Zecharia Sitchin
  13. The Epic of Gilgamesh A New Translation By Andrew George
  14. Compendium Of The Emerald Tablets A Beginner’s Guide By Billy Carson
  15. Ancient Gods Lost Histories, Hidden Truths, and the Conspiracy of Silence By Jim Willis
  16. The Emerald Tablets of Thoth-The-Atlantean Translation and Interpretation by Doreal
  17. The Egyptian Book Of The Dead The Book Of Going Forth by Day By Dr. Ogden Goelet, JR., Dr. Raymond O. Faulkner, Carol A. R. Andrews, J. Daniel Gunther, and James Wasserman
  18. Demonology, By King James I
  19. From The Producers of Ancient Aliens The Official Companion Book Foreward By Series Creator Kevin Burns
  20. Erich Von Daniken Chariots of the Gods By Erich Von Daniken
  21. Fallen Angels And The Origins Of Evil By Elizabeth Clare Prophet
  22. They Came Before Columbus The African Presence in Ancient America By Ivan Van Sertima
  23. When The World Was Black: The Untold History Of The World’s First Civilizations Volume Two of the Science of Self Part One: Prehistoric Culture By Supreme Understanding
  24. When The World Was Black: The Untold History Of The World’s First Civilizations-Volume Two of the Science of Self Part Two: Ancient Civilizations By Supreme Understanding
  25. Black GOD An Introduction to the World’s Religions and their Black GODS Dr. Supreme Understanding
  26. The Books OF Enoch The Angels, The Watchers and the Nephilim A Volume Containing The First Book Of Enoch (The Ethiopic Book Of Enoch), The Second Book Of Enoch (The Slavonic Secrets Of Enoch), The Third Book Enoch (The Hebrew Book Of Enoch) By Joseph B. Lumpkin
  27. Holy Bible (ESV) and (NIV)
  28. Chakra Healing A Beginner’s Guide to Self-Healing Techniques that Balance the Chakras by Margarita Alcantara
  29. Cannabis and Spirituality An Explorer’s Guide to an Ancient Plant Spirit Ally Edited by Stephen Gray – Foreword by Julie A. Holland, M.D.
  30. The Hebrew Bible: A Translation with Commentary Robert Alter
  31. The Complete Anunnaki Bible: A Source Book of Esoteric Archaeology By Joshua Free





segunda-feira, 17 de maio de 2021

DE VOLTA A 432 HZ - O PODER OCULTO DA FREQUÊNCIA UNIVERSAL E VIBRAÇÃO

432 Hz é uma sintonia alternativa matematicamente consistente com o universo. A música baseada em 432 Hz transmite energia de cura benéfica, porque é um tom puro da matemática fundamental para a natureza.

Os instrumentos egípcios arcaicos que foram descobertos, até agora, são amplamente ajustados para 432 Hz. Na Grécia antiga, seus instrumentos eram predominantemente sintonizados em 432 Hz. Dentro dos arcaicos mistérios de Elêusenos gregos, Orfeu é o deus da música, da morte e do renascimento, e foi o guardião da Ambrosia e da música da transformação (seus instrumentos foram afinados a 432 Hz).

A afinação atual da música baseada em 440 Hz não se harmoniza em nenhum nível que corresponda ao movimento cósmico, ritmo ou vibração natural. Por volta de 1940, os Estados Unidos introduziram 440 Hz em todo o mundo e, finalmente, em 1953, tornou-se o padrão ISO 16. A razão para mudar de 432 Hz para 440 Hz é explicada no livro 'Musical Cult Control: The Rockefeller Foundation’s War on Consciousness Through the Imposition of A=440 Hz Standard Tuning' (em tradução livre Controle de Culto Musical: A Guerra da Fundação Rockefeller contra a Consciência através da Imposição de A = Sintonia Padrão de 440 Hz) (você pode ler clicando aqui).

440 Hz é uma frequência de sintonia padrão não natural e a música de frequência de 440 Hz entra em conflito com os centros de energia humanos. A indústria da música apresenta esta frequência imposta que está "conduzindo" as populações a uma maior agressão, agitação psicossocial e angústia emocional, predispondo as pessoas a doenças físicas e pode gerar um efeito prejudicial à saúde ou comportamento anti-social na consciência dos seres humanos.

A ciência da cimática (o estudo do som visível e da vibração) prova que a frequência e a vibração são as chaves mestras e a base organizacional para a criação de toda a matéria e vida neste planeta. Quando as ondas sonoras se movem através de um meio físico (areia, ar, água, etc.), a frequência das ondas tem um efeito direto sobre as estruturas que são criadas pelas ondas sonoras à medida que passam por um meio específico, como o corpo humano que é composto por mais de 70% de água!


The Cosmic 432

O diâmetro da Lua tem 2.160 milhas (432 x 5)

O diâmetro do Sol é de 864.000 milhas (432.000 x 2)

Metade do dia é de 720 minutos (432.000 segundos)

O coração humano bate "se saudável" 864.000 vezes por dia (432.000 x 2)




domingo, 16 de maio de 2021

'UMA NÉVOA DE BRAÇOS, PERNAS E ADRENALINA': A HISTÓRIA SURPREENDENTE DO TWO-TONE

Divirta-se... The Specials no palco. Fotografia: Ray Stevenson / Rex Features 

Enquanto uma nova exposição documenta o som ska-pop do Reino Unido, estrelas como o The Specials, Elvis Costello e Pauline Black relembram como a música se abriu, a moda e a compreensão racial.

A 2 Tone Records começou em um apartamento em Coventry em 1979 e atingiu o pico dois anos depois, quando a cidade fantasma que definiu a era dos Specials foi para o primeiro lugar, enquanto os motins explodiam em um Reino Unido em recessão. A gravadora lançou o Specials e o Selecter da atual City of Culture, além dos londrinos Madness, Birmingham's the Beat e outros, tudo para fazer sucesso nas paradas, mas também acabou nomeando todo um movimento: com uma dança maluca, terno elegante, político, multi ska-pop racial que reverbera até hoje.

Quando uma grande exposição em dois tons chega à Herbert Art Gallery & Museum em Coventry (no Reino Unido), o Guardian fala com às pessoas que estão no centro de uma revolução multicultural.

Os 'two-tones' surgem de origens multiculturais no final dos anos 1970, quando jovens negros e brancos bebem e dançam juntos ao som de uma trilha sonora febril de punk, reggae e ska.

Pete Waterman (DJ, Locarno club): Coventry teve alguns dos primeiros imigrantes das Índias Ocidentais. Não tínhamos tantos problemas raciais como eles tinham em Birmingham.

Trevor Evans (Roadie / DJ de turnê, The Specials): Quando adolescentes, nós, os jamaicanos, bebíamos nos mesmos pubs que os brancos. Assistimos futebol juntos. Foi uma ótima cidade para crescer.

Waterman: Todo mundo ia ao baile. Eu tocaria punk ao lado de reggae e ska: os Sex Pistols, os Upsetters e depois Gladstone Anderson.

Jerry Dammers (fundador, The Specials, 2 Tone): Neol Davies - o membro branco do Selecter - e eu tínhamos tocado com músicos de reggae que mais tarde estariam naquela banda. Eu escrevi músicas durante a minha adolescência e formei o The Specials para combinar punk e reggae.


Neville Staple (toaster, The Specials): Eu ouvi [The Specials] no clube juvenil de Holyhead quando eles eram os Coventry Automatics. Eu me juntei à equipe da estrada, então Jerry me colocou no palco e eu comecei a fazer o toasting (canto falado) como se estivesse fazendo nos discos em Locarno. Isso deu a eles outro elemento de rude boy jamaicano ao lado de Lynval [Golding, guitarrista]. Jerry teve a visão de reunir personagens muito diferentes. Roddie [Radiation, guitarrista] era um rockabilly. Horace [“Gentleman” Panter, baixo] era um professor de arte em jazz. Terry [Hall, cantor] veio de uma banda punk.

Waterman: Eu disse: “Ele não sabe cantar!”, Mas Jerry insistiu corretamente que Terry tinha uma voz muito distinta. Eu os coloquei no estúdio. Gravamos Too Much Too Young e outras faixas que se tornariam grandes sucessos. Eu disse às gravadoras: “O público está enlouquecendo por eles!” mas a indústria não queria saber.

Evans: Nós dirigimos pelo país amontoados em uma van por dois anos antes que alguém notasse.

Dammers: Depois que abrimos nosso caminho para uma turnê do Clash, eu forcei os Specials a adotar ritmos ska mais uptempo, ternos combinando e chapéus 'pork pie'.

‘O público está ficando louco’ ... fans do 2-Tone, em um show em Friars, Aylesbury, em 1980. Fotografia: Toni Tye

Horace Panter (baixo, The Specials): Nosso baterista original, Silverton [Hutchinson], saiu porque se recusou a tocar ska. Ele disse: “Essa é a música que meus pais ouvem”. Quando Brad [John Bradbury] o substituiu, Jerry veio junto com (o álbum) do Prince Buster; }Greatest Hits e disse a todos nós: "Ouçam isto."

Suggs (cantor, Madness): Estávamos em Camden (Town), entrando em coisas vintage como Prince Buster. Ska estava fora de moda desde os anos 60. Então o The Specials apareceram no Hope & Anchor vestindo as mesmas roupas que nós. Neville estava abrindo buracos no teto com uma pistola de partida (de corrida). Depois, Jerry ficou no sofá da minha mãe e disse: “Quero começar uma gravadora, como a Motown”. Eu disse: “Isso é otimista, considerando que você acabou de tocar para 35 pessoas em um bar”. Alguns meses depois, Jerry telefonou e disse: “Consegui!”

Dammers: Neol Davies tinha um ótimo disco dub instrumental, The Selecter. Eu disse que se ele fizesse um dub de um ritmo ska, poderíamos colocá-lo no lado B de Gangsters, o primeiro single do Specials.

Neol Davies: Rough Trade prensou o single para nós e carimbamos 5.000 cópias no apartamento de Jerry. Depois que John Peel tocou, a Rough Trade não conseguiu acompanhar a demanda.

Dammers: Eu queria que o 2 Tone fosse semi-independente e lançasse outras coisas, então assinar o selo com a Chrysalis nos deixou fazer isso. Quando o Selecter adotou o ritmo e as roupas do ska, me senti desconcertado, mas percebi que podíamos nos apoiar.

A era da dominação das paradas de sucesso começa. The Specials, Madness e The Selecter aparecem no mesmo episódio de Top of the Pops (programa da TV Britânica) e uma turnê nacional é triunfante com a mania do two-tone varrendo o Reino Unido.

Suggs: Quando tocamos com o Specials em Nashville [em Londres], havia uma fila de garotos que pareciam como nós. Eu pensei: “Foda-se. Há uma cena acontecendo.” Tínhamos gravado The Prince como uma demo, mas era perfeito para os primeiros 2 Tone. Então, de repente, era o número 16 nas paradas.

Pauline Black (cantora, The Selecter): Eu queria retratar algo diferente do absurdo sexista da época. Então eu usei o visual “rude boy” - chapéu pork pie, calças Sta-Prest - mas com maquiagem. Parecia fortalecedor. De repente, havia “rude girls”. Os pais provavelmente ficaram aliviados por sua filha não ser punk com um moicano.

Pauline Black (frente) e o The Selecter, incluindo Noel Davies (atrás de Black). Fotografia: Vooren / Sunshine / REX / Shutterstock

Suggs: Não havia muitas bandas multirraciais na Grã-Bretanha, mas de repente havia todas essas bandas em Midlands e nós, e crianças brancas dançando música negra. Foi um momento marcante para nossa cultura. Na turnê 2 Tone havia pessoas como Rico [trombonista do The Specials], que tinha estado nos Skatalites e tinha 60 anos. Todas essas idades, cores, raças diferentes ... e éramos crianças, correndo como idiotas, uma nevóa de pernas, braços e adrenalina.

Elvis Costello (produtor, The Specials): Eu tinha viajado para cima e para baixo do país - com apenas meia garrafa de gim e algumas pílulas azuis para me sustentar, se você quer saber - então pude ver os Specials tocar ao vivo tanto possível antes de entrarmos no estúdio. Achei que era meu trabalho aprender tudo o que pudesse sobre a banda antes que algum produtor mais tecnicamente capaz estragasse tudo e acabasse com a diversão e o perigo.

Panter: Aquela primeira turnê 2 Tone teve 40 pessoas em um ônibus por 40 noites. Foi como uma viagem escolar sem professores.

Davies: Mais de duas mil pessoas, todas as noites. Limites dos bombeiros obviamente sendo excedidos. Que emoção.

Costello: Depois de um show no litoral sul, acabamos em uma praia com uma fogueira e os fãs, como uma versão mais amável de Lord of the Flies. Gravamos a estreia [dos Specials] em um pequeno lugar sob uma lavanderia. Apertado. Fétido. Ideal. Havia espaço suficiente fora da sala de controle para tocar a banda e todos os seus amigos juntos com uma cerveja e as luzes apagadas para fazer o barulho da multidão para Nite Klub. Quando Chrissie Hynde fez a respiração pesada para Stupid Marriage, a banda estava aplaudindo como crianças. Estávamos nos gimlets de vodka. Tivemos que interromper uma sessão em que Neville atirou em mim e no engenheiro - nossos ouvidos zumbiram o dia todo.

Black: pessoas enviaram fitas demo de todo o país, então nós as reproduzíamos no ônibus.

Rhoda Dakar com os Bodysnatchers
na segunda excursão 2 Tone.
Fotografia: Virginia Turbett / Redferns

Com os cheques em preto e branco da gravadora simbolizando a unidade racial, a cena confronta o nacionalismo e o racismo em canções, shows e pessoalmente.


Dammers: A Frente Nacional racista (National Front) estava em ascensão e o Rock Against Racism and the Anti-Nazi League (Rock Contra o Racismo e a Liga Anti-Nazista) os estavam combatendo. Eu escrevi letras especificamente anti-racistas para Doesn Don't Make It Alright. Os quadrados em preto e branco no selo 2 Tone eram retrô, mas fiquei satisfeito quando as pessoas viram isso como um símbolo de unidade racial.

Suggs: Foi uma época difícil. Margaret Thatcher estava falando sobre o fim da “sociedade” e a classe trabalhadora branca estava dividida entre esquerda e direita. Em alguns dos primeiros shows, nosso público estava cercado.

Dakar: Em Middlesbrough a banda perguntou: “Por que veio nos ver se você odeia os negros? Você não viu Rhoda? ”Eles disseram: “Sim, mas ela é uma [mulher] vadia”. Eles destruíram nossa van. Tínhamos que conseguir uma escolta policial para fora de lá.

Dammers: Os Specials tocaram centenas de shows e a grande maioria foram comemorações alegres. Eu posso me lembrar dos poucos que não eram, porque eu odiava muito qualquer problema. Em Hatfield, um tijolo entrou pela janela do nosso ônibus e tivemos que dirigir de volta para Coventry com neve caindo. O número de incidentes de saudações nazistas em shows dos Specials é exagerado. Lembro-me de três, dois envolvendo uma pessoa e um envolvendo três ou quatro pessoas, que expulsamos. Nós paravamos de tocar, e os perpetradores foram humilhados para parar ou expulsos.

Elvis Costello.
Fotografia: Ian Dickson/Rex Features
Black: Se você perguntasse ao público: “Você quer essas pessoas aqui?” era sempre um retumbante: “Não!”

Suggs: Eu e Carl [Chas Smash, trompete] nos soltamos pulando na platéia algumas vezes. Você via essas crianças de 14 anos cheirando cola com suásticas tatuadas na testa e pensava: "O que você fez?" E então eles descobriam que haviam desenhado a suástica ao contrário, então era o símbolo indiano do amor, que realmente mexia com eles. Mas você os veria um ano depois e eles renunciariam todas essas coisas.

Dammers: Gostaríamos de levar nossa mensagem anti-racista a crianças que podem ser vulneráveis ​​à NF. Muitas pessoas ao longo dos anos me disseram que poderiam ter se tornado racistas se não fosse pelo 2 Tone.

Black: Nós fomos para a América apenas 10 anos depois que um negro foi expulso por se sentar no mesmo balcão de lanchonete que um branco. Em uma sessão de fotos em Dallas, um caminhão-plataforma veio com caras brancos na parte de trás com um taco de beisebol, dizendo: “Tire essas [Negros] para fora daqui”.

Davies: Se eu entrasse em uma parada de caminhões com Pauline, o lugar ficava em silêncio. Nós atingimos fortemente a América - seis semanas em um ônibus, dois shows e algumas noites. Isso nos atingiu de volta. Charley [Anderson, baixo] virou as costas. Voltamos uma bagunça. Argumentos. Partidas. Mike Read se recusou a tocar Celebrate the Bullet depois que John Lennon foi baleado, então ninguém mais tocou, o que estragou tudo.

The Beat incluindo Everett Morton (à esquerda), Saxa (com o brinquedo fofo) e Ranking Roger (usando um boné). Fotografia: Fin Costello / Redferns

A cena começa a desmoronar em meio a brigas de bandas e mudanças no cenário musical, mas um legado foi construído que se estende de gerações de bandas globais de ska-punk até o fim do apartheid.

Black: Fizemos nosso segundo álbum para Chrysalis. Entrei na gravadora e o pessoal que usava xadrez preto e branco usava kilts. Alguém tocou Musclebound do Spandau Ballet para nós e disse: “Este é o futuro”. Eu pensei que era um monte de besteira, mas então, eu sabia que a escrita estava na parede para nós.

Suggs: Assinamos com a Stiff, mas não sei se teria funcionado da mesma forma para nós se Jerry não nos tivesse dado essa chance.

Madness incluindo Chas Smash (segundo da esquerda) e Suggs (terceiro da esquerda). Fotografia: Virginia Turbett / Redferns

Panter: Os Specials estavam desmoronando fazendo o segundo álbum [More Specials, 1980, produzido por Dammers]. Nos dividimos entre aqueles que queriam ficar no ska e aqueles, obviamente Jerry, que queriam experimentar. Além disso, a programação era tão intensa. Estimulantes por aí. Estávamos nos esgotando. Jerry ficou furioso quando Neville e Lynval saíram e compraram BMWs. Roddy veio com uma carga de canções pop poderosas e Jerry disse: “Essas são horríveis. Vá embora e escreva algo melhor. ” Então Roddy escreveu Rat Race.

Staple: Estávamos dando nos nervos um do outro. Chegando contas de impostos. “Por que ele está ganhando mais dinheiro?”

Um menino em Coventry, 1980.
Da exposição 2 Tone: Lives & Legacies.
Fotografia: Toni Tye
Panter: Quando fizemos nosso último show [2 Tone line-up] no Carnival Against Racism (Carnaval Contra o Racismo) em Leeds, mal estávamos nos falando. Eu penso em Ghost Town como um triunfo de vontade, que Jerry conseguiu colocar todos no mesmo lugar para gravá-lo.

Dammers: Eu o escrevi depois de visitar Glasgow em turnê. A economia lojista de Thatcher havia fechado vastas áreas da indústria. A recessão e o desemprego em massa foram tão ruins que as pessoas estavam nas ruas vendendo utensílios domésticos, mas a música poderia ser sobre qualquer lugar da Grã-Bretanha. Foi em primeiro lugar quando o Fun Boy Three [Hall, Staple e Golding] me disse que eles estavam saindo no camarim do Top of the Pops. Eu estava em choque. A pressão e a confusão me levaram a voltar correndo para o estúdio.

Costello: A sequência de singles [como uma nova encarnação especial AKA] que levou ao álbum In The Studio - War Crimes, The Boiler e Racist Friend - foi extraordinária e intransigente.

Dakar: Eu escrevi The Boiler para o The Bodysnatchers. Uma amiga foi estuprada em circunstâncias diferentes da música, mas a letra refletia seu medo e terror. Um idiota da Rádio Capitol tocou às 9h de um sábado. As reclamações começaram a chegar. Ele foi retirado das lojas, mas chegou ao número 35. Jerry mexeu no The Boiler por um ano e fez a mesma coisa com Ghost Town. Era mais do que perfeccionismo - acho que era ansiedade de desempenho. Ele estava preocupado em fracassar, não ser o melhor, mas para seu crédito, ele tinha muito mais senso de posteridade do que qualquer outra pessoa. Um dia Jerry entrou na sala de ensaio com um coro: “Free Nelson Mandela...” Liguei para Artists Against Apartheid (Artistas Contra o Apartheid) para obter informações sobre Mandela e disse: “Os sapatos são pequenos demais para caber em seus pés, ele defendeu a causa do ANC. ”

Costello [produtor, Free Nelson Mandela]: A arma secreta do Special AKA foi o vocalista Stan Campbell. Ele tinha uma voz que o microfone adorava e parecia que tinha saído da capa de uma revista. Mas, aparentemente, tudo havia se tornado tão turbulento que não deveria ter sido uma surpresa quando ele decolou assim que o disco foi lançado.


Dammers: Tudo estava demorando muito e custando muito caro. Quando finalmente tivemos um hit com Free Nelson Mandela, todos haviam deixado a banda. Fui convidado a organizar uma filial britânica da Artists Against Apartheid e o festival em Clapham Common atraiu um quarto de milhão de pessoas. Foi o momento de maior orgulho da minha vida. Tocamos a música no concerto de Mandela em Wembley [1988]. No segundo concerto em Wembley [1990], Mandela foi libertado. Esperançosamente, todos os esforços do 2 Tone e anti-apartheid deram algum tipo de contribuição, mas ainda há muito a ser feito.

2 Tone: Lives & Legacies está na Herbert Art Gallery & Museum, Coventry, de 28 de maio a 12 de setembro (de 2021). A master de de 'meia velocidade' (leia mais sobre masterização de meia velocidade clicando aqui) 40º aniversário de Ghost Town é lançada em 4 de junho. A série de documentários Before We Was We é lançada em 1 de maio na AMC e na BT TV. O box set de 3CDs Too Much Pressure do The Selecter já foi lançado pela gravadora Chrysalis. As formações atuais de Specials e Selecter estão em turnê neste verão.




quarta-feira, 12 de maio de 2021

BOB MARLEY 40 ANOS DE MÚSICA VIVA COM JUNIOR OTAMON, TONINHO CRESPO, RAS WELLINTON E ZÉ LUIZ 'DUB ADDICT'


Em 11.05.2021 o Coletivo Reggae Dub Poetry SP realizou o - Trocando Ideia 01 - Bob Marley 40 Anos de Musica Viva -  com os regueiros dos anos 90 - Toninho Crespo (Banda Juale-SP), Ras Wellington (Fyadub-SP), DJ Junior Otamon (Londes-Inglaterra), Ze Luiz dubaddict (Planeta Dub-SP)

DJ Junior Otamon - www.instagram.com/juniorotamon

Toninho Crespo (Banda Jualê) - www.instagram.com/toninhocrespo

Ras Wellington (fyadub / fyashop) - www.instagram.com/fyadub.fyashop

Zé Luiz 'Dub Addict' (Planeta Dub) - www.instagram.com/zeluizdubaddict

Apoio: FYADUB / FYASHOP :: AFROURBANO COLETIVO CULTURAL

💥 Visite: www.fyadub.org / www.fyashop.com.br

💥 Frete grátis nas compras acima de R$ 250,00

💥 Todos os títulos em até 6x sem juros.

💥 Novos produtos cadastrados no lojinha todos os dias.

💥 Quer entrar em contato; use a página https://fyashop.com.br/contato, ou https://www.facebook.com/fyadub.fyashop para mensagem inbox, ou WhatsApp 11 99984.4213, ou e mail contato@fyashop.com.br


Siga o Fyadub nas redes sociais: 

terça-feira, 11 de maio de 2021

ENTREVISTA :: BOB MARLEY POR MUMIA ABU JAMAL

Mumia Abu Jamal

Em novembro de 1979, Bob Marley and the Wailers viajaram pela América do Norte em divulgação para o álbum Survival, um álbum com um tema aparentemente militante que explorou questões como nacionalismo preto, repatriação e solidariedade pan-africana. De acordo com muitas fontes, Survival deveria originalmente ser chamado de Black Survival para enfatizar a urgência da unidade africana, mas o nome foi encurtado para evitar interpretações errôneas do tema do álbum. Marley imaginou o álbum como o primeiro de uma trilogia, seguido por Uprising em 1980 e Confrontation em 1983.

A turnê começou em Boston no final de outubro de 1979 e terminou em Libreville, Gabão, em 6 de janeiro de 1980. Durante 1979, que foi o Ano Internacional da Criança, a banda fez apresentações em alguns concertos beneficentes para crianças, como foi o caso em 10 de agosto de 1979, na Jamaica, antes do Survival Tour, e em 15 de dezembro de 1979 em Nassau, Bahamas. A turnê aconteceu principalmente nos Estados Unidos, mas também incluiu apresentações no Caribe e na África.

No início da etapa norte-americana da turnê, Bob Marley e os Wailers visitaram a Filadélfia, Pensilvânia, onde tocaram no The Spectrum em 7 de novembro de 1979. Enquanto estava na Filadélfia, Bob foi entrevistado por um jornalista local premiado chamado Mumia Abu -Jamal no Warwick Hotel. A entrevista é apresentada aqui.

Entrevista de Bob Marley com Mumia Abu-Jamal, novembro de 1979

Abu-Jamal foi posteriormente condenado pelo assassinato do policial da Filadélfia, Daniel Faulkner em 1981 e sentenciado à morte (leia mais sobre clicando aqui). Ele foi descrito como "talvez o preso no corredor da morte mais conhecido do mundo", e sua sentença é uma das mais debatidas até hoje. Em 7 de dezembro de 2011, o promotor distrital da Filadélfia, R. Seth Williams, anunciou que os promotores não buscariam mais a pena de morte para Abu-Jamal. Williams disse que Abu-Jamal passará o resto de sua vida na prisão sem possibilidade de liberdade condicional.

Uma transcrição escrita da entrevista pode ser lida logo abaixo.

Roger Steffens verificou todas as referências históricas e factuais.


Just like a seed

Planted on Salomon grave

It was I

Brought down here in slave eh eh eh

eh eh eh eh eh smell so sweet, yeah

Callie weed song,

Jah knows.

("Callie Weed Song," More Culture)


Bob Marley


Mumia: O significado da erva, também conhecida como flor?

Marley: Erva? Erva é a cura da nação, entendeu? Depois de fumar erva, todos devem pensar da mesma forma. Agora, se você pensa da mesma forma, isso significa que estamos no mesmo caminho. Se estivermos no mesmo caminho, isso significa que nos uniremos. Alguns dizem 'não fume erva'. Eles não querem que nos unamos, certo, então eles dizem, 'não fume erva.' (risos) ... É verdade! Então, você sabe, a erva é a cura da nação e as pessoas devem obter erva para uso dela. Eles querem fumar, deixem eles fumar. Ele quer ferver no chá, deixe ferver no chá. Se quiserem que cozinhem no vapor, cozinhe no vapor, se eles quiserem que comam um pouco, coma um pouco, mas eles devem ter! Verdade verdade. Sim, cara, é por isso que eu digo, hum, você tem uma grande loja de bebidas alcoólicas, e porque eles sabem que o homem deve fumar, você tem bastante cigarro, mas não quer fumar erva, sabe? Porque, como você sabe, o álcool te mata, e a erva te constrói! Sim, a erva faz você viver. As pessoas que conheço e que fumam a erva vivem mais! Jah sabe! Verdade verdade! Fumante de erva vive a maior parte da terra, mano - verdade, verdade! Eu conheci um homem quando eu era um jovem que fumava erva e eu cresci e vi, ele não conseguia mudar, ele é o mesmo homem desde então! (risos) ... Ele tem um acordo com o Rasta, sabe? Um chamado Robert. Nunca mude. Vejo ele há anos, nunca muda ... É Rasta, sabe?


Mumia: Irmão, qual é o significado da música, Exodus?

Marley: Êxodo significa estar junto ... o movimento da Afrika, dos pretos. Êxodo da Babilônia, estamos na Babilônia, e então um êxodo físico para o Lar. Mas o que realmente dizemos é que esperamos que os pretos se unam uns com os outros, viu? Agora, a única maneira de nos unirmos é lidando com a verdade ... a verdade é que o Rei Salomão e o Rei Davi são a raiz e se vamos lidar com as raízes, temos que lidar com o tempo do Rei Salomão e do Rei Davi, Leão da Tribo de Judá, sabe? Então, isso é o que Eu e Eu falamos: tempo de união! Porque nós somos um povo, nós temos alguma coisa ... e temos que lidar com isso, entendeu?


Mumia: Que tipo de sentimento você tem quando passa por uma cidade como a Filadélfia, com quase um milhão de pretos?

Marley: Quando venho para esta cidade aqui, na Filadélfia ... algum dia, me pergunto se chego na hora certa, entendeu? Porque a ideia é chegar na hora certa. Quando eu venho aqui eu quero, eu realmente desejo, eu realmente chego às pessoas Eu não quero vir aqui para brincar! Quando eu for embora quero ver as pessoas fazerem dreads, ou dizer que sou Rasta, e ficar com essa coisa de rebelde, isso e aquilo, não podemos viver, você sabe, não podemos continuar passando por essa mesma coisa, de novo e de novo, quando o problema é, nosso povo deve estar unido. E então todos os problemas se resolvem, e então todos os problemas resolvem. Porque se o preto observar ele tem conhecimento, sabedoria e compreensão suficientes para fazê-lo. Entendeu? Enquanto o próximo recebe o dom da tecnologia, e o próximo recebe o dom da tecnologia, o homem preto recebe o dom fundamental de manter o negócio de Deus, esse propósito pelo qual a terra foi criada. Eu e Eu temos que manter isso ...


Mumia: Uma das canções que você canta, irmão ... que me comove, e tenho certeza que comove a maioria dos africanos globalmente, é a canção que vem das palavras de Sua Majestade Imperial, falando sobre a Guerra das Nações Unidas, certo? Me toca, cara, nos toca.

Marley: Essa é a verdade, sabe? Veja, o que Sua Majestade diz é a verdade ... agora quando ouvimos, quando Sua Majestade diz isso, olhamos para a terra, e sabemos disso, quando todas essas pessoas que dizem que são líderes, para as pessoas sobre a terra, concorde com o que Sua Majestade diz, então até hoje, você não tem mais guerra, e não tem mais problemas. Porque, o que ELE diz é verdade. Até que a filosofia que mantém uma pessoa mais elevada do que a outra não exista mais, então se ela continuar, vai haver guerra! Quando terminar, o problema acabou, entendeu?


Mumia: Até que a Rodésia seja livre, a África do Sul seja livre, Filadélfia seja livre, você sabe o que quero dizer ... Kingston seja livre ... Onde quer que estejamos, essa é a mensagem ...

Marley: É isso! Porque o governo de Cristo deve governar a terra, entende? E Cristo é Rastafari! Depois de um período de tempo, as pessoas pensam e vão parar de pensar que Cristo era Branco. Mas Cristo, era um homem preto! Exatamente como a Bíblia diz a você, diga Cristo Preto, Salomão, diga ele era Preto, Moisés, diga a si mesmo, diga ele era Preto, Jeremias, diga ele era Preto, Haile Selassie é Preto. Então, Cristo não é branco. Cristo Preto, entende? Então é assim que nosso povo é enganado, eles nos mostram um Cristo Branco, as pessoas dizem, para o que queremos lidar com a Bíblia, eu sei que Cristo não é Branco. Mas a Bíblia diz, Cristo Preto. Se o Afrikano pensa que Cristo é Branco, isso é perigoso. É uma perda de tempo. Toda vez que você sabe que dizemos "Rastafari, é nosso Deus", você move uma pedra angular para fora de Roma, e Roma deve paralisar. Mesmo! Porque Roma é o inimigo, entende? Roma é inimiga do povo. Eles são o Anticristo, e eles andam por aí e dizem às pessoas que tem um acordo com Cristo. Mas, naturalmente, eles são o Anticristo, pois Cristo é Haile Selassie - e como eu sei, o Papa poderia saber também! Porque muitas pessoas sabem. O que vou esconder? O Papa sabe, todo mundo sabe, todo mundo sabe, dizem Haile Selassie I Deus, entende? Mas eles escondem a causa, eles morrem, e o próximo cara vem tomar o espaço (do Papa), e as pessoas sofrem o mesmo, sabe, então são as pessoas que realmente têm que tomar a decisão e não se importarem com quem diz que é o líder, e diz faça disso Deus. Líder ninguém é. Nenhum líder não está nem aí, entende?


Mumia: Esta cidade, Filadélfia, tem a maior taxa de desemprego de pretos do que qualquer outro lugar na América ... Esta é a mesma cidade para a qual o Papa veio alguns dias atrás. Você estava falando sobre o anticristo, certo? Fazendo o trabalho dele, certo?

Marley: Sim. Você vê, eu não gosto do Papa, eu não gosto de nenhum deles? Entendeu? Essa é a verdade. Porque, ele chega e vem aqui, realmente, e diz: "Sim, viva em paz. Viva nisso, viva naquilo." Viva naquela sociedade abaixo dele! Você sabe? Você deve concordar em viver em paz enquanto o Papa estiver lá. Não. Não Papa. Não Papa, e vivemos em paz! Veja, se não houvesse Papa, viveríamos em paz. Porque ele vem com o anticristo, e fala para as pessoas todo tipo de tolice, entendeu? Mas eu realmente lido com eles. O Papa Paulo abençoa Mussolini pelo ataque à Etiópia. A Etiópia carrega a história mais antiga do Cristianismo. Então, o que quer que Roma venha no dia mais estranho, Roma não é nada. Você sabe? Roma não é nada! É por isso que dizemos, você sabe, quando o Papa morre ... a melhor coisa que já aconteceu conosco são duas pessoas mortas outro dia. (risos) Verdade, verdade. Esse é um dos toques mais doces que já aconteceu, você sabe. Rastaman na Jamaica reza cada vez por mais Papas mortos, você sabe. Isso! Eles são um povo que ora pelo Papa dos mortos. Então você vê uma vez que um papa teve um ataque cardíaco, você pode imaginar a alegria na Jamaica. Portanto, temos uma alegria parecida aqui. Estamos felizes! Mas esta, você sabe, é perigosa. Você sabe? Porque ele é um tolo para muita gente. Mas (o Papa) é Perigoso.


Mumia:Qual é a sua esperança, irmão, para o futuro do povo preto na América, e do povo preto no mundo.

Marley: Pelo que vejo, parece simples, mas é verdade. RASTA PARA AS PESSOAS! Rastafari! Para o povo, entendeu? O capitalismo e o comunismo acabaram. É Rasta agora! O modo de vida do Homem Preto. Isso é o que dizemos agora, tememos. Podemos dizer: dê ao homem preto um estilo de vida agora. Faça ele mostrar como o governo funciona e como as pessoas se preocupam com as pessoas. Quem você acha que tem o Amor. Quem canta a melodia na igreja. Os negros podem cantar elas, entendeu. Cujas pessoas espirituais se colocaram na terra. O povo preto. Faça fez um acordo com Deus. E Deus, não os deixa cair. Deus sempre está aqui. E Deus diz que devemos permanecer unidos! Porque quando você se une, esse é o poder de Deus, você sabe. Deus ama o Amor, que é unidade. Então, quando você se une, você obtém todo o poder de Deus. É isso que ele quer. Até que os pretos se unam ... se os pretos não se unirem, o mundo, ninguém, ninguém pode viver bem.

Porque o homem branco não vive bem, sabe. O homem da China também não vive bem. Por quê? Porque o Homem Preto não está unido. Porque o Homem Preto, ele é a pedra angular da terra! Quando ele fica trêmulo, toda a terra treme. Você entende? Quando ele está sólido, tudo está sólido. E faz muito tempo que não somos sólidos. Você sabe. Já faz muito tempo. Então, você descobre quanta guerra, luta e batalha, passam anos. Você sabe onde eles lutam? Na África! Nossa pátria. Então, qualquer um pode ver que a guerra vai começar aqui na América, cara. Guerra REAL. Os europeus passam por aqui e boom dis raas claat (fazem essa porra toda). Verdade verdade. Você deve se lembrar, eles têm todos os negócios atômicos. Então você sabe. Não temos medo, mas a África é o melhor. África para os africanos, em casa e no exterior. O africano pode ser um homem desenvolvido. A África tem mar, rio, tudo. E limpo. Você tem mais terras, mais tudo. Você tem tudo de bom bom. O melhor clima. O melhor terreno. Você tem o melhor de tudo! É por isso que hoje, Sua Majestade Deus é mais do que ontem, você sabe. Porque vemos que Sua Majestade nunca se vendeu para a Rússia, nem se vendeu para a América. ELE defendeu a dignidade preta, entendeu? Então diga a eles que você pode dizer RASTAFARI com orgulho e não negociar com o traidor. Essa é a parte mais doce.



DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!