terça-feira, 16 de março de 2021

DJ MUGGS NARRA SUA EVOLUÇÃO NO CRIPTO MINIDOCUMENTÁRIO 'PAST IS PROLOGUE'


O produtor do grupo Cypress Hill compartilha um documentário curto que abrange a carreira junto com o lançamento de seu novo álbum instrumental, Dies Occidendum.

Ao longo de mais de 30 anos, DJ Muggs assumiu inúmeras formas. Como membro fundador da Cypress Hill e um talentoso ato solo promovendo colaborações recentes com Roc Marciano, Mach-Hommy, Tha God Fahim e CRIMEAPPLE, o produtor nascido no Queens tem sido um componente integral para eras díspares do rap underground cru e bruto.

Seu último álbum, Dies Occidendum, se baseia em sua marca de rock psicótico sujo. Mas também é uma saída cinematográfica limítrofe para o produtor. De acordo com o FADER, o projeto pretendia fazer a trilha sonora de um filme que ainda não foi lançado. No entanto, como um substituto, o produtor compartilhou um mini documentário sobre a trajetória de sua carreira. Com oito minutos de duração, Past In Prologue (O passado é prologo) posiciona o passado histórico do produtor como apenas o começo, narrando sua evolução espiritual e artística ao longo de décadas de trabalho colaborativo. O documentário abreviado é editado pelo afiliado de David Lynch, Dean Hurley, que atribuiu o ressurgimento de Muggs ao seu "espírito de sempre avançar".

Muggs não é alguém que descansa um segundo sobre os louros do passado, e é fascinante para mim como sua história está se desenrolando e se expandindo”, acrescentou Hurley.

Assista ao documentário do DJ Muggs Past is Prologue abaixo e desça para ouvir o novo álbum do produtor, Dies Occidendum. Aguarde seu próximo lançamento nas próximas semanas e meses.







THOTH E O LIVRO DE THOTH

Thoth, Thot, Toth, Tot, Tahuti, Hermes é o deus da sabedoria, escrita, música, feitiços, domínio dos sonhos, tempo, feitiços mágicos e símbolo da Lua na mitologia egípcia antiga. Thoth é creditado com a invenção da geometria, astronomia e medicina.

Visite o grupo do fyadub no facebook para ter acesso a diversos livros gratuitos; clique aqui


Em batalhas entre Deuses, Thoth desempenhou o papel de curar aqueles que estavam gravemente feridos. Thoth é o Deus da sabedoria, da leitura e da escrita. Ele foi considerado o sucessor do Deus Sol, Rá. Quase sempre ele é ilustrado como um ser humano com a cabeça de pássaro íbis.

De acordo com lendas antigas, Thoth inventou a escrita e sempre registrou todas as reuniões dos Deuses. Ele também disse ter criado o sagrado 'Livro da Respiração' (Egyptian Book Of The Breath), que, junto com o 'Livro dos Mortos' (The Egyptian Book of the Dead) QUE foi colocado nas tumbas, uma vez que possuía poderes mágicos. O poder que Thoth dotou era infinito e prometia felicidade assim como sofrimento.

O livro de Thoth foi escrito em comprimento e largura em papiro e, de acordo com a lenda, foi escrito pelo próprio Deus. O livro prometia poder e florescer eternos. De acordo com alguns contos, o livro foi escrito em 78 placas de ouro. Mais tarde, foi reescrito várias vezes em papiro. As tábuas douradas desapareceram e as cópias foram destruídas.

O livro continha o segredo dos mundos paralelos e informações sobre as estradas nesses mundos. Formas secretas de comunicação podem ser descobertas com sua ajuda. Os mortos podem ser trazidos de volta à vida, e um pode afetar outros à distância. O texto também incluiu informações detalhadas de civilizações passadas e deuses egípcios.

Outro conhecimento secreto contido no livro era a técnica de controlar as funções naturais, embora desconhecidas, de nossos próprios corpos. Este conhecimento é denominado "ótica psicológica". Isso nos permitiu transformar de meio-humanos em humanos reais. Havia espelhos especiais, chamados de "os espelhos da verdade", que refletiam apenas o que era desnecessário no rosto de quem o contemplava. Aqueles que se tornaram 'reais' não viram nada quando se olharam no espelho, uma vez que foram limpos de tudo que havia de mal dentro deles.

Os faraós geraram um poder sobrenatural sobre os animais e os humanos, uma vez que colocaram as mãos no Livro de Thoth. Acreditava-se que até mesmo as forças da natureza - água, terra, ar e céu - estariam sob seu comando. Aquele que possuía o livro também poderia ressuscitar os mortos e se comunicar com os Deuses.

O Livro de Thoth tem cerca de 20.000 anos, foi reescrito muitas vezes e guardado por aqueles que conheciam seu segredo. Diz-se que o Livro de Thoth foi preservado até hoje como várias páginas rasgadas de uma das primeiras cópias que foram mantidas na Biblioteca de Alexandria. Mas aqui está o paradoxo - o Livro de Thoth nunca foi publicado até hoje, nem mesmo na forma de fragmentos.

Em outras palavras, ninguém nos dias modernos viu ou leu este livro lendário. É possível que este papiro seja apenas uma invenção da mídia, mas e se ele realmente estiver escondido em algum lugar e aguardar seu momento de glória? Alguns especialistas acreditam que o Livro de Thoth chegou até nós na forma de cartas de Tarô.

"Moisés foi erudito em toda a sabedoria dos egípcios e era poderoso em palavras e ações." Atos 7:22

‘Ainda assim, eu sou o Senhor teu Deus desde a terra do Egito, e tu não conhecerás outro deus além de mim’ Oséias 13: 4



Siga o Fyadub nas redes sociais: 

segunda-feira, 15 de março de 2021

FYASHOP :: NOVIDADES EM ESTOQUE :: 2021-03

Exterior da Randy's

O lojinha já está tomando forma com até 20 títulos sendo inclusos no catálogo diariamente, nessa postagem são quase 200 títulos. Do Roots ao Stepper, com títulos clássicos e diversos obscuros. Nessa listagem o preço não foi incluso ao lado do título, para pedir para você visitar o link www.fyashop.com.br e conferir os preços diretamente no lojinha on line. 

Destaques para: Solo Banton, Alpha & Omega, El Indio, Johnny Osbourne e Burro Banton, Vivian Jones, Horace Andy, Danny Red, Errol Bellot, Barry Issac, The Bush Chemists, Conscious Sounds, King General, Keety Roots, Kibir La Amlak, Indica Dubs, The Disciples, Lee Perry e muito mais. 

🔥 Todos os títulos em até 6x sem juros. 

🔥 Frete grátis nas compras acima de R$ 250,00.



7inch

  • Paget King - Close Encounter / Close Encounter Dub (7", RE)
  • Solo Banton - Had Enough (7")
  • Investigators* - I.R.S. (7", RE)
  • Donette Forte - Jah See And Know (7")
  • G.T. Moore - Utopia / Utopia Dub (7", RE)
  • Donette Forte - Homeward Bound (7")
  • Alpha And Omega* - King And Queen (7")
  • El Indio (3), Partial Crew - Do You Remember / Royal Legacy Dub (7")
  • The Roots Crusaders* - Children Of The Father (7")
  • Eva Keyes - Tired Of The City (7", Single)
  • Digitaldubs* Ft. Sugar Minott - Complicated People (7")
  • Johnny Osbourne - I'm Moving Up (7", RE)
  • J. Osbourne* & Burro Banton - The Truth / Truth An Rights (7")
  • Robert Lee (2) - Real Ting (7")
  • Babascum, Argonaut Sounds - Down Inna Di Ghetto (7", Single, Ltd)
  • Kirk Davis / Daddy Freddy - Just Wine Baby / War (7")
  • Barry Issac - Fire (7")
  • Ras Nyto - Know Dem Self (7")
  • Yami Bolo - Ethnic Cleansing (7", Ltd)
  • Shanti D Meets Direct Connection - No Border (7", Ltd)
  • Jah Stitch & Horace Andy - Greedy Girl (7", RE)
  • Horace Andy - Don't Try To Use Me (7", RE)
  • Fat Frog & Natty Campbell - Wicked Babylon (7")
  • Niney* - I Soon Know (7", Single, RE)
  • Horseman (2) - Computer (7")
  • Mike Brooks - Standing Tall (7")
  • Sis Sanae - Free Jah Children (7")
  • Well, Please & Satisfy* - Pickney A Have Pickney (7", RE)
  • Vivian Jones - We Want Some Ganja (7", Single)
  • Horace Andy - This Must Be Hell (7", RP, Red)
  • Christel & Goldmaster Allstars - Government Man (Alt. Cut) (7")
  • Dub Crusaders Feat. Bongo Zebby - Readings From The Book Of Life (7")
  • Ghetto Priest - Frontline (7")
  • Robert Emmanuel - Rasta Children (7")
  • El Indio (3) / Drumma Zinx meets Dub Marta* - African Blood / African Dub (7")
  • Danny Red, Drumma Zinx - Blazing Fire / Human Dub 1 (7")
  • Robert Dallas / Dub Marta meets Zinx - Stand At Ease / Stand At Dub (7", Single)
  • Danny Red - Don Gorgon (7")
  • G.T. Moore - Serengeti (7")
  • Gustavo Dread / Link Up Music All Stars, Dougie Conscious - Polícia / Ligeiro Dub (7", Single, Num)
  • Lariman - Never Dwell (7")
  • Liam Partial - 73 Salute (7")
  • Mikey Mystic - Burial (7")
  • Ojah Feat. Liam Partial - Forward / Forward Dub (7")
  • Vibronics - Jah Music (7")
  • Danny Red - Crack Seller Man (7")
  • Mene Man / Seventh Sense (2) - Dub Them (7", RE)
  • Restless Mashaits Feat Dean Fraser, Chico*, Nambo*, Dwight Pinkney - Africa (Alt. Bulby Mix) (7")
  • Restless Mashaits, Noel "Scully" Simms - Lion (7")
  • Mike Brooks - Jah Army (7")
  • G.T. Moore - Utopia / Utopia Dub (7", RE)
  • Vivian Jones - Reggae Sound (7", Single)
  • Solomon James Browne - Praise Jah (7")
  • Solomon James Browne - Jamming For Africa (7")
  • Frederick Thomas (2) - Down In A Babylon (7", Single, RP, Unofficial)
  • Samity Meets Don Fe - Take A Break (7", Single)
  • Sonny Washington - Words Woman Say (7")
  • Errol Bellot - Jah Jah Calling (7", Single, Ltd)
  • The Bush Chemists - Epic (7")
  • Barry Issac - African News (7")
  • O.B.F. Feat Monkey Jhayam - 16 Tons Of Desigualidad (7", Ltd, yel)
  • Dougie Wardrop - Bad Boys (Lathe, 7", Ltd, Num)
  • The Heptones - Marcus Garvey Words Come To Past (7", Single)
  • Bob Marley & The Wailers - What Goes Around Comes Around (7", Single)
  • Fikir Amlak - Starlight (7")
  • Sandra Cross - Jumping Sound (7")
  • Sandra Cross - Jah Love (7")
  • I-Lements - Rastafari Lives (7", Single, RP)

10inch

  • Bunnington Judah / Sattalite - Babylon System / Eyes Can See (10")
  • Joseph Lalibellia* - Shakles And Chains / Jah Created Dem (10")
  • Twinkle Brothers - I Will Alway's Praise Jah (10")
  • King General / Jonah Dan - Hot Stepper / Bongoman (10")
  • King Alpha - Aliens Attack / Galaxy Dub (10")
  • Dubmatix - Wicked Dub & Free Up Dub (10", Single)
  • Christine Adelsi - Babylon Shores / Life...... (10")
  • Keety Roots - His Foundations / Young Warrior (10")
  • Mighty Massa Meets Robert Lee (2) - Spot From The Distance (10")
  • Martin Campbell & Hi Tech Roots Dynamics - Stumbling Block / Eastern Bloc (10", Single, Ltd, Num, Red)
  • Keety Roots / Rootsy Rebel / Digistep - Rebel Soul / Rebel Horns (10")
  • Trinity (4) - Coral Garden Rock (10", S/Edition, Cle)
  • G.T. Moore - Ganja Flower EP 1 (10")
  • G.T. Moore - Ganja Flower EP 2 (10", EP)
  • Seventh Sense Band* Feat. Mene Man - Who Are You / Brimstone And Fire (10")
  • Nucleus Roots Feat. Don Hartley - Deep Roots (10")
  • Vin Gordon - Kojo Hoy (10")
  • Tenastelin & Centry - Can't Touch Jah (10", RE)
  • King General - Long Long Time (10", RE)
  • Kibir La Amlak - Eye I Eye (10", Single)
  • Kibir La Amlak - Ancient Pulse (10", Single)
  • Kibir La Amlak - Lion Step 2020 (10", Single)

12inch

  • Chola (4) & The Rockers Disciples - Rockers Home (12", )
  • Holyv Jah / Doctor B (3) - Jah Live / The Right Side (12")
  • Various - Sick Of This Pain / Done With The Joking (12")
  • Allan Kingpin* - Stand Up For A Right (12", Ltd, S/Edition, Cle)
  • Tenna Star / Sukh Indica / Reality Souljahs / Uprising Sounds - Glory To Jah / Jah Bless Me (12")
  • Ramon Judah / Solo Banton / Ed Rieband & David Fullwood* / Brigadier JC - Not Afraid (12")
  • Dub Movement Feat. Obajah / Afrikan Simba / Hornsman Coyote / Brigadier JC - Higha Meditation (12", Maxi)
  • Barrington Levy - Praise His Name (12", Single, RE)
  • Steven Wright - Vision Of Jah (12", RP, Pic)
  • Sharon Little (2) / Young Warrior - Mash Up Creation / Creation Dub (12", Blu)
  • Ramon Judah, El Indio - Jah Works​/​Satta (12")
  • Kalbata & Mixmonster Ft. Little John & Jah Thomas - Play Music Selecta (Mungo's Hi Fi Rmx) / Sugar Plum Plum (RSD Rmx) (12")
  • Noel Ellis / Monkey Jhayam / Dub Movement - Meiembipe Records (12", Single, Ltd)
  • Keety Roots - Young Generation (12", Single)
  • Keety Roots / Rootsy Rebel - Dungeons Of Babylon / Inna Babylon (12")
  • Disciples* - African Macka - Dubplate Cut / Exodus - Dubplate Cut (12")
  • G.T. Moore & The Lost Ark Band - Be True / One Two Three (12")
  • Amelia Harmony, Jah Marnyah, Saralène, Partial Crew - Free Again EP (12", EP)
  • The Disciples (2) - Chant Of Freedom / Armageddon (12")
  • Keety Roots - Give Thanks For Life / To The End (12")
  • Junior Roots - Militant Soldier + Psalm 23 (12")
  • King General - Jah Army/Tell Them Again (12")
  • Anthony Johnson - Rasta Takeover (12")
  • Teddy Dan - Utopia Land (12")
  • Danny Red & Paul Fox (12) - Lion In Me / Still Chanting (12")
  • Shaggy - Strength Of A Woman (12", Promo, Ora)
  • Culture Freeman / Bush Chemists* - Armagideon (12")
  • The Disciples (2) - Faithful Man (12")
  • Abel* And Allen* - Let Me Rock You Now / Gimme Back (12")

LP

  • Barry Issac - African News (LP)
  • Barry & Dougie - Problem Time (LP, Album)
  • Various - The Complete UK Upsetter Singles Collection Volume 3 (3xLP, Comp + Box)
  • Various - The Complete UK Upsetter Singles Collection Volume 2 (3xLP, Comp + Box)
  • M.L.K. (2) & The Breadwinners - The World Is In Trouble (LP)

Todos os preços e condições comerciais estão sujeitos a alteração sem aviso prévio. O preço válido será garantido após a finalização da compra. A simples inclusão de produtos no "carrinho de compras" não implica em sua reserva pelo comprador.

sexta-feira, 12 de março de 2021

UMA MASTER TAPE DE PETER TOSH FOI REDESCOBERTA NO DOCUMENTÁRIO 'STUDIO 17'


Documentário de 2019, agora disponível para transmissão nos EUA, com foco em "fitas perdidas" desenterradas do lendário estúdio jamaicano Randy’s Records

Uma gravação master perdida de Peter Tosh é desenterrada no documentário do Studio 17 - The Lost Reggae Tapes, um documentário de 2019 sobre o lendário estúdio Randy’s Records da Jamaica.

Formada por um casal sino-jamaicano no início dos anos 60 em Kingston, Jamaica, a Randy’s Records começou como uma loja de discos usados, depois cresceu para abrigar um estúdio de gravação de reggae na parte superior do prédio”, diz a sinopse do filme.

Com fotos e vídeos de arquivo, bem como entrevistas atraentes com músicos que viveram na era de ouro do reggae, a história da Randy's Records se desdobra como uma empresa triunfante como 'a fonte para músicos jamaicanos' nos primeiros dias da independência do país da Grã-Bretanha em 1962, seu súbito fechamento devido às tensões políticas e militares dos anos 70 e um notável renascimento final. Isso ocorre quando o filho dos proprietários, Clive Chin, retorna ao dilapidado Studio 17, onde participou como produtor na gravação de estrelas como Bob Marley, Jimmy Cliff, Lee 'Scratch' Perry, Sly Dunbar e Peter Tosh. No abandonado Studio 17, ele descobriu cerca de 2.000 fitas de música originais, muitas das quais nunca haviam sido lançadas. Foi um tesouro que Chin finalmente restaurou e foi digitalizado. As lembranças de Clive oferecem uma história oral do estúdio e de seus artistas de reggae antes dessa batida contagiante conquistasse a música mundial.

No clipe do filme - que teve sua estreia nos Estados Unidos no início deste mês como parte da programação do Tidal's Reggae Month e agora está disponível para transmissão pela Qwest TV - a gravação original de Tosh de seu single de 1969 "You Can't Fool Me Again" é redescoberta, com Clive Chin refletindo sobre a gravação e o legado de Tosh.

Você ouve isso hoje, e você ouve isso daqui a 10 anos, e soa delicado”, diz Chin. "Ele era muito inclinado para a espiritualidade, se você ouvir as músicas de Peter, e isso é o que o tornava um homem místico."

Conheci todas as estrelas do rock em minha vida, com sorte, todos os Bonos, Jaggers, McCartneys e a maior estrela do rock que já conheci foi Peter Tosh”, diz o produtor de reggae Wayne Jobson no filme. “No que diz respeito a ser um cantor, compositor, instrumentista, revolucionário, grande senso de humor brilhante. Ninguém pode se comparar a ele como um músico versátil e um gênio completo.

Entre as “fitas perdidas” também apresentadas no documentário está uma canção inacabada de Dennis Brown, “When You Get Right Down to It”, que foi completada no filme pelo guitarrista do Eurythmics, Dave Stewart.

Studio 17 - The Lost Reggae Tapes, foi produzido em parceria com a BBC, está sendo transmitido agora pela Qwest TV e Tidal. E você pode assistir aqui no fyadub clicando aqui.



Siga o Fyadub nas redes sociais: 

STUDIO 17: THE LOST REGGAE TAPES REVISITA A HISTÓRIA DA INDÚSTRIA JAMAICANA

O lendário produtor de reggae Lee "Scratch" Perry é tudo sobre o negócio

O documentário apresentado faz parte da primeira celebração do Mês do Reggae do Tidal[1], homenageando os lendários estúdios de gravação, produtores e pioneiros da Jamaica.

Lee “Scratch” Perry viu de tudo. O notoriamente excêntrico produtor de reggae, vocalista e visionário criou clássicos com artistas que vão de Bob Marley & The Wailers a The Clash e The Beastie Boys. Uma lenda viva literal, ele pode ser a única pessoa na terra que colaborou e brigou com produtores icônicos da Jamaica como Coxsone Dodd, Joe Gibbs e King Tubby - e sobreviveu a todos eles. Quando ele queimou seu próprio estúdio Black Ark em 1979, as pessoas o chamaram de louco, mas Scratch tem sua própria maneira de fazer as coisas.

Em uma noite chuvosa no interior da Inglaterra, a cineasta Reshma B sentou-se com Scratch em uma velha mansão assustadora, entrevistando o homem que também é conhecido como The Upsetter, The Super Ape e Pipecock Jackxon para seu filme Studio 17: The Lost Reggae Tapes, que tem sua estreia mundial no Qwest.TV de Quincy Jones e no Tidal de Jay-Z.

Scratch estava descrevendo a ela por que preferia a qualidade de som do Studio 17 no centro de Kingston, onde gravou músicas imortais como “Trenchtown Rock” e “Mr. Brown” com Marley, Peter Tosh e Bunny Wailer muito antes dos Wailers tomarem o mundo de assalto. “Um dos estúdios estava zumbindo”, explicou Scratch - demonstrando o problema imitando o zumbido baixo. Em seguida, ele mudou para um som agudo e irritante, como um vento frio soprando. “Mas o Randy's não estava cantaroland, e o Randy's não fazi um xiado [shhhh-ing].” Momentos como esses tornam o filme do Studio 17 um deleite raro para os amantes da música que buscam entender a alquimia criativa que faz do reggae a música mais mística e incompreendida do mundo.

Aclamado como "um dos melhores documentários de reggae já feitos" pelo aclamado autor John Masouri e "uma obra mágica" pelo veterano DJ de rádio reggae do Reino Unido David Rodigan, o documentário Studio 17 estreou no final de 2019 na televisão no canal da BBC, onde foi visto por mais de 1 milhão de pessoas. Os planos para entrar no circuito dos festivais de cinema em 2020 foram interrompidos pela pandemia, mas o filme finalmente foi transmitido em todo o mundo bem a tempo do Mês do Reggae, a celebração internacional da música jamaicana que começou em fevereiro, no aniversário de Dennis Brown, e passa pelo aniversário de Marley em 6 de fevereiro até o final do mês.



Mas para pessoas como Scratch e Reshma B - que os leitores do VIBE conhecem como  correspondente do Boomshots que dá destaque no IG Live com todas as estrelas do dancehall - onde todo mês do ano é mês do reggae. Scratch, que fará 85 anos no próximo mês, ensina que a música reggae é como "uma organização espiritual que eu montei", o que não é muito exagero. “Era como uma arma, uma arma de revolução”, disse ele. “Música de redenção. Música do sofredor. Música para te deixar ter liberdade, te libertar.

Enquanto ele falava, Reshma B notou que o terno vermelho de Scratch estava coberto com sinais de dólar, libra e euro, aparentemente escrito com marcador mágico. Enquanto posava para uma foto no final da entrevista, ele puxou os lábios para mostrar suas primeiras letras gravadas em ouro em seus dentes. Após uma visualização mais detalhada, Reshma viu que o L era um sinal de libra e o S era um cifrão. “Chame-o de louco, se quiser”, diz Reshma, “mas Scratch é só sobre seus negócios. Os revolucionários também precisam comer.

Uma qualidade que diferencia o Studio 17: The Lost Reggae Tapes da maioria dos outros filmes sobre a música jamaicana é que os cineastas não hesitam em dizer a verdade sobre a situação econômica enfrentada por muitos pioneiros do reggae. “Sem-teto e sem sorte - essa é a história do músico jamaicano médio”, diz Ali Campbell, vocalista da banda de reggae UB40 do Reino Unido. “Muitas pessoas que consideram estrelas estavam sendo roubadas pelos produtores na Jamaica e em Londres e fazendo ótimos discos com caixas de frango (estúdios sem estrutura)

Embora o UB40 tenha desfrutado do sucesso de sucessos do reggae no topo das paradas, como "Red Wine", o grupo começou como um bando de rapazes desempregados em Birmingham, Inglaterra. (UB40 é o nome do formulário de subsídio de desemprego que os cidadãos britânicos devem receber para receber o seguro-desemprego.) “Eu cresci no oeste de Londres ouvindo UB40 em minha casa”, lembra Reshma B. “Uma das minhas músicas favoritas era 'Kingston Town', mas como a maioria das pessoas, não percebi que eles não escreveram essa música.




Enquanto faziam o documentário, a produtora Reshma B e o diretor Mark James rastrearam Lord Creator, o cantor de Trinidad que originalmente gravou a música (então intitulada “King and Queen”) em uma batida de ska no Studio 17. Embora ele fosse um nome familiar na Jamaica durante seu apogeu, Lord Creator disse a Reshma que ele não recebeu royalties por todos os hits que ele fez. Ele estava desamparado quando soube que o UB40 havia feito um cover de uma de suas canções, e os lucros com o sucesso mudaram sua vida para sempre. Mas nem todas as estrelas do reggae do passado têm tanta sorte.

Até mesmo uma lenda como Scratch sofreu com maus negócios. “Temos muitas músicas, mas naquela época tentávamos levá-las para o mundo exterior e não tínhamos dinheiro suficiente para fazermos nós mesmos”, explicou ele a Reshma B. “Portanto, temos de dar a outra empresa ou negócio, mas a maioria delas não gosta de fazer promoção.” Apesar de seu extenso catálogo, Scratch ganhava muito de sua vida aparecendo em festivais de música em todo o mundo - antes que o Coronavírus interrompesse as apresentações ao vivo.

Respeito o fato de que o UB40 fez questão de registrar todas as suas versões cover com PRS[2], para garantir que os compositores originais dessas canções clássicas sejam devidamente compensados”, diz Reshma B. “O pai de Ali Campbell era cantor e compositor, ele mesmo, então ele instilou isso em seus filhos ”.

Pais e filhos são outro tema importante do Studio 17: The Lost Reggae Tapes, que conta a história de Clive Chin, filho primogênito de Vincent Chin, o empresário chinês-jamaicano que fundou a Randy’s Records e abriu o estúdio de gravação no andar de cima. Clive se apaixonou pela vida de estúdio, aprendendo a arte da produção com seu pai e com os muitos artistas, músicos e engenheiros icônicos que passavam pelo estúdio diariamente. Clive e seu colega de escola Augustus Pablo trabalharam no Studio 17 para gravar Java Java Java, um dos primeiros álbuns dub do mundo, e Clive e seu pai reuniram um extenso catálogo, grande parte dele lançado no famoso  selo e gravadora Impact!.



No livro Rockers do ano passado, o falecido cineasta Ted Bafaloukos descreveu a experiência de visitar o Estúdio 17 de Randy em meados da década de 1970: “Kingston propriamente dito. O Centro. Ônibus, carros, bicicletas, barulho, poeira, buzinas e muita gente ... Há uma rua pequena, mais parecida com um beco, com alguns carros e motos estacionados e uma dúzia de caras, dreads, encostados na parede do lado da sombra. Este é o lendário ‘Idler’s Rest’, próximo à loja de discos de Randy. É onde músicos, cantores e frequentadores se encontram todos os dias. Funciona como um escritório particular, agência de empregos, agência de relações públicas e show de talentos para muitos cantores e músicos de estúdio e jovens iniciantes em busca de um lugar no mundo da música. Na loja ao lado da Randy’s Record, eles estão lançando os novos compactos. O som, misturado com o barulho da rua, flui ao virar da esquina.

Nas filmagens do clássico filme de reggae de Bafaloukos, Rockers, aparecem no documento do Studio 17, junto com histórias de pessoas como Scratch e Clive e sua madrasta Patricia Chin, que dirigia a loja de discos enquanto seu marido trabalhava no estúdio. Suas vozes, e as dos gênios musicais que se reuniam todos os dias no Idlers ’Rest, animam o filme, lançando luz sobre como os artistas cuja música passou a causar ondas de choque em todo o mundo acabariam literalmente cantando para o jantar.

Quando a violência política na Jamaica forçou a família Chin a se mudar para Nova York em busca de uma vida melhor, eles partiram com tanta pressa que abandonaram mais de 1.000 rolos de fita de áudio. O documentário conta a história da busca de Clive para resgatar aquele tesouro de gravações preciosas, que milagrosamente sobreviveu em um depósito por anos, apesar da devastação do furacão Gilbert, saques e intenso calor tropical.

Patricia Chin, que publicou recentemente suas próprias memórias intitulada Miss Pat, passou a construir a V.P. Records, o maior selo independente de reggae do mundo, em Jamaica Queens. O filho de Clive, Joel, tornou-se um executivo da A&R da V.P., trabalhando em estreita colaboração com artistas no topo das paradas, como Sean Paul e Beenie Man. Joel costumava encorajar seu pai a fazer algo com as fitas que ele resgatou, mas de alguma forma Clive nunca o fez. Então, em 2011, Joel foi tragicamente assassinado em Kingston enquanto voltava para casa para sua esposa e filha pequena. Como forma de homenagear a memória de seu filho, Clive resolveu restaurar as fitas. No processo, ele descobriu uma canção nunca antes lançada por Dennis Brown, o falecido grande Príncipe Herdeiro do Reggae, que pode ser ouvida pela primeira vez no Studio 17: The Lost Reggae Tapes. Qual a melhor maneira de comemorar o aniversário de D.Brown do que assistir ao documentário agora? (clique aqui para assistir)

Este filme levou muito tempo para ser feito porque houve muitas voltas e reviravoltas”, diz Reshma B. “Mas é assim que a vida é.” Embora os cineastas anseiem pelo dia em que o Studio 17 possa ter uma exibição adequada em grandes cidades como Kingston, Jamaica, eles puderam disponibilizar o filme para os assinantes da Qwest.TV - e no Tidal, onde Reshma B é curadora de todo o conteúdo de reggae e dancehall e escreve a coluna mensal Murda She Wrote.

Studio 17: The Lost Reggae Tapes será apresentado como parte da primeira celebração do Mês do Reggae do Tidal, repleto de playlists cuidadosamente selecionadas em homenagem aos lendários estúdios de gravação, produtores e pioneiros da Jamaica. “Vá para o Tidal por mostrar amor ao reggae em sua página inicial pela primeira vez”, diz Reshma B, “Levamos tudo de volta às lendas da era ska e avançamos direto no dancehall clássico , homenageando a cultura o tempo todo. Esteja atento a novos conteúdos lançando todas as semanas ao longo de fevereiro.

Nascido da luta, o reggae tem preparado ouvintes de longa data para tempos desafiadores como os que vivemos agora. “Esta é uma música que foi feita porque as pessoas precisavam de uma maneira de sobreviver”, diz Reshma B. “Qual a melhor maneira de superar os tempos difíceis do que tocar essa mensagem?” Pode ter havido alguns atrasos em levar seu documentário para o mundo, mas como diz o velho ditado jamaicano, nada acontece antes do tempo.



Siga o Fyadub nas redes sociais: 

terça-feira, 9 de março de 2021

STUDIO 17: THE LOST REGGAE TAPES DOCUMENTA A HISTÓRIA SELVAGEM DO NASCIMENTO DO REGGAE

Randy Chin em seu estúdio de gravação.

Histórias não contadas, assassinatos não resolvidos e músicas inéditas impulsionam este documentário da jornalista e curadora de reggae Reshma B.

Clive Chin provavelmente deveria ter esperado um pouco de turbulência quando pegou um vôo de Kingston, Jamaica para Nova York com Peter Tosh como seu companheiro de viagem. O tempo não era um problema, mas quando o capitão desligou a placa de Proibido Fumar e a lenda do reggae acendeu o cachimbo de ganja ornamentado que ele havia fotografado soprando na capa de seu álbum clássico 'Legalize It', os comissários de bordo ficaram profundamente preocupados . A história do que aconteceu quando seu jato pousou no aeroporto JFK é uma das muitas anedotas inestimáveis ​​tecidas ao longo do novo filme Studio 17: The Lost Reggae Tapes, que recentemente teve sua estreia mundial no Tidal e agora está disponível na Qwest.TV (você assiste aqui no fyadub clicando no link do título), uma nova plataforma de vídeo on demand dedicada ao jazz, soul, funk e world music fundada por Quincy Jones.

Produzido pela jornalista musical residente em Londres Reshma B, o documentário de longa-metragem conta a história de Clive Chin, o produtor chinês-jamaicano que desempenhou um papel fundamental no nascimento do dub no início dos anos 1970, produzindo os primeiros trabalhos de Bob Marley e The Wailers e Augustus Pablo no estúdio de gravação fundado por seu pai, o falecido Vincent “Randy” Chin, no coração do centro de Kingston durante os anos 1960. Ao longo do caminho, ele também narra o nascimento da indústria musical da Jamaica, traçando sua evolução desde as eras do ska e do rock até o reggae de raíz e o surgimento do dub, como uma cena local humilde que se tornou uma força a ser reconhecida em todo o mundo. Fortunas foram feitas e muitos pioneiros foram roubados, um tópico pegajoso que poucos filmes de reggae ousaram abordar anteriormente.

O Studio 17 também enfrenta o assassinato ainda não resolvido do filho de Clive, Joel Chin, que seguiu seu pai no mundo da música - tornando-se diretor de A&R do selo familiar V.P. Records, onde ele assinou com as estrelas do dancehall Sean Paul e Beenie Man - e foi morto a tiros em 16 de agosto de 2011 do lado de fora de sua casa em Kingston quando estava voltando para casa para sua esposa e filha.

Aclamado como "uma obra mágica" pelo estimado DJ de reggae David Rodigan e "um dos melhores documentários de reggae já feitos" pelo aclamado autor John Masouri, o Studio 17 foi uma espécie de partida para Reshma B, que "representa o dancehall de vanguarda o ano todo” em seu papel como curadora de reggae e dancehall para a Tidal. “Eu cresci no oeste de Londres com o Notting Hill Carnival à minha porta”, disse Reshma B à GQ. “Minha mãe sempre tocava Maxi Priest e UB40 em casa.” Uma de suas canções favoritas do UB40 era “Kingston Town”, que ela soube que foi escrita e gravada originalmente por um cantor de Trinidad chamado Lord Creator. Reshma B o rastreou enquanto fazia o Studio 17, e também ouviu a música de Lord Creator nunca antes lançada nas “fitas perdidas do reggae” que impulsionam a ação de seu filme.

Durante o final da década de 1970, a família Chin fugiu da violência política na Jamaica e começou uma nova vida em Nova York, deixando mais de 1.000 fitas para trás em sua pressa. Clive as resgatou mais de uma década depois, e Joel sempre encorajou seu pai a fazer algo com o tesouro de áudio inédito. Clive não começou a restaurar e digitalizar as fitas perdidas até depois da morte de Joel, como uma forma de homenagear a memória de seu filho. Algumas das riquezas musicais que ele descobriu - incluindo uma faixa nunca antes ouvida de Dennis Brown - são reveladas no Studio 17. Rodado na Jamaica e em Nova York, o filme levou vários anos para ser concluído, em parte porque os cineastas não quiseram aceitar dinheiro de uma gravadora ou de outros patrocinadores que procuraram controlar a narrativa. A GQ conversou com Reshma B sobre todas as voltas e reviravoltas de trazer essa história para a tela, a importância de dizer a verdade e por que o reggae comanda o mundo.

Existem muitos filmes sobre artistas de reggae. O seu pode ser o primeiro sobre um estúdio de reggae. Por que você escolheu essa abordagem?

Lembre-se de como o reggae nasceu. Mesmo na Jamaica, nada disso podia tocar no rádio. Tudo depende da conexão entre estúdios e produtores e sistemas de som. É assim que as pessoas pobres podem ouvir essa música. Era uma festa gratuita, mas precisava ser produzida em estúdios específicos por produtores específicos, que então a levavam para aparelhagens específicas. É um processo muito sofisticado.

O conceito de estúdio é um pouco diferente na Jamaica e na América. Não é apenas um lugar que você vai para fazer um álbum, é todo um estilo de vida. O que há de tão especial no Studio 17?

O som. Quando você assiste ao Studio 17: The Lost Reggae Tapes, você ouve por que Scratch Perry decidiu fazer a maior parte dos discos de Bob Marley and the Wailers lá depois que ele deixou o Studio One. Ele precisava daquele som do Studio 17.

Os estúdios na Jamaica eram uma vibração completa, era como ser membro de um clube. Você sabia exatamente que som sairia do estúdio - não apenas por causa da qualidade do equipamento, mas também por causa das pessoas associadas a esse estúdio. No Studio 17, Peter Tosh foi um dos músicos internos. Erroll Thompson era um engenheiro brilhante, e era ele quem mixaria seus discos.

Havia um lugar fora do Studio 17 onde todos os artistas costumavam se divertir, certo?

Sim, o Studio 17 tinha a vantagem de estar localizado próximo ao “Idler’s Rest' (descanso do Idler)”. Todos os músicos iamlá na esperança de serem contratados para tocar em uma sessão e talvez serem pagos pelo dia - ou não. É como aqueles lugares onde os trabalhadores se reúnem nas primeiras horas da manhã para ver se conseguem um emprego em um canteiro de obras para o dia.

Então, quem estaria no Idlers ’Rest?

Você está falando sobre alguns dos maiores músicos da Jamaica. No meu filme, você ouve falar de um grupo que teve uma sessão no Studio 17 e se esqueceu de contratar um baterista. Eles saem e lá está Carlton Barrett, que tocou bateria em todos os discos de Bob Marley. "Ei Carlie - você pode tocar em nosso disco?" Ele quer dez dólares e eles só têm cinco. E Carlie disse, "Ok, então." É inacreditável. Ele é um gênio do caralho. Esse disco em particular não foi um grande sucesso, mas muitos dos pioneiros trabalharam dessa maneira e, olhando para trás, não foram devidamente compensados ​​por seu brilhantismo.

Dentro da loja de discos Randy's - Studio 17

O que pode ser feito sobre isso?

Bem, a nova geração está aprendendo que eles têm que possuir seus mestres e fazer sua papelada. Mas naquela época os músicos estavam criando o que consideravam música local e não tinham um empresário ou advogado para revisar seus contratos. No filme, você vê o artista Lord Creator dizer que só conseguiu o suficiente para comprar um hambúrguer por sessão. O reggae cresceu e cresceu e nunca foi uma coisa organizada - assim como o hip-hop, eu acho. As pessoas estavam tentando sobreviver e ninguém falava sobre royalties e publicações.

Artistas jamaicanos nunca imaginaram que suas canções estariam no rádio na Inglaterra.

Ou no “Top of the Pops” (programa britânico dos anos 1970). Pense bem, você é um jovem de origem humilde na Jamaica e alguém lhe envia uma passagem para voar para Londres e tocar na TV britânica. No filme você pode ver isso acontecendo com Carl Malcolm, que cantou “Hey Fattie Bum Bum”. Apenas tente imaginar como foi.

Quem diria que essa música se tornaria uma indústria mundial?

Ninguém sabia. Mas, infelizmente, algumas das pessoas que descobriram isso usaram seu conhecimento para obter uma vantagem injusta. Essas são as coisas pegajosas sobre as quais as pessoas não querem falar.

Mas às vezes as pessoas fazem a coisa certa, como o UB40, que gravou um cover de “Kingston Town” do Lord Creator que se tornou um grande sucesso.

Bem, UB40 eram alguns garotos de Birmingham, Inglaterra, que estavam desempregados e decidiram começar uma banda. O nome da banda vem do formulário que você preenche para obter o Seguro de Desemprego. O pai do vocalista Ali Campbell era músico, então ele entendeu a importância de dar os créditos corretos aos compositores. Ele instilou isso em seus filhos, o que por sua vez ajudou um artista como o Lord Creator a sobreviver e mudar sua vida. Isso é o que significa fazer a coisa certa.

Exterior do Randy's Studio 17 na North Parade (Jamaica)

Quando você ouve “Kingston Town” do Lord Creator, ele canta “Se eu sou rei, certamente devo ter uma rainha e um palácio e tudo mais”. Mas ele não tinha isso quando cantou a música.

Não, ele acabou nas ruas. E então ele estava no hospital com sérios problemas de saúde. Quando o UB40 fez o cover de “Kingston Town”, sua vida mudou. Mas por que uma pessoa que era basicamente uma estrela deveria acabar nas ruas em primeiro lugar?

Onde as pessoas podem ver o filme agora?

Estava no Tidal na semana passada e teve um grande envolvimento. Agora você pode continuar a assistir na TV Qwest por enquanto. Como cineastas, estamos abertos a ofertas, é claro. A resposta tem sido ótima até agora. O Studio 17 superou as expectativas de documentários musicais - não apenas documentários de reggae. A música reggae vem da Jamaica, mas essa música é ouvida em todo o mundo. Como tal, ele merece ser representado em um nível mainstream com a mesma qualidade e o mesmo cuidado que qualquer outro gênero. Se não fosse pelos sistemas de som jamaicanos, não haveria hip hop. Lembre-se de que Kool Herc era um garoto jamaicano que pendurou algumas caixas de som no Bronx e deu uma festa que mudou a música para sempre.

E fevereiro é o mês do reggae, então que melhor época para celebrar essa cultura?

Qual hora melhor? E eu quero citar o Tidal porque este ano eles decidiram pela primeira vez homenagear o Mês do Reggae na página inicial. É por isso que mostramos Studio 17: The Lost Reggae Tapes como parte da primeira semana dessa campanha, que inclui playlists de lendários estúdios e produtores da Jamaica. Começamos do início, do Ska ao Rock Steady ao Roots Reggae - indo até o Dancehall dos anos 90.

Isso é um longo caminho desde o Studio 17.

Eu represento música de ponta o ano todo. Eu me sinto privilegiada por ter trabalhado no Studio 17 porque não estava por perto para sair com lendas como Bob Marley, Dennis Brown e Peter Tosh. O Mês do Reggae é uma homenagem à história, então espero que todos tenham a chance de ver as playlists que estamos lançando.

Para mim, como curadora de reggae do Tidal, a inspiração para tudo veio de fazer o Studio 17. É óbvio que a música começa nos estúdios. Todo mundo adora o Studio One, mas existem tantos outros. Estamos falando sobre o estúdio Channel One, Black Ark, Penthouse, Madhouse. Cada um tem seu próprio som e seus próprios músicos e produtores lendários como King Jammy e Bobby Digital e assim por diante.

Reshma B, durante as filmagens de Studio 17: The Lost Reggae Tapes, 2019

A música do UB40 “Kingston Town” está em um álbum chamado Labor of Love. Não é uma boa maneira de descrever a música reggae - e seu filme?

Sim, eu acho que sim. Às vezes, você apenas tem que fazer a coisa. Quando me deparei com essa história, não tinha ideia de que ela iria evoluir para tudo isso. Como você pode ver no filme, há um ponto em que tenho que assinar um NDA[1] e não estou exatamente em êxtase com isso. Já estávamos filmando há alguns anos naquela época e não tínhamos ideia do que estava para acontecer. Mas quando você olha para o sucesso do filme, eu tenho que agradecer por tudo ter acontecido do jeito que foi. Quero gritar a todas as pessoas que apoiaram este projeto, a produtora, às lendas que concordaram em ser entrevistadas e aos jornalistas respeitados que continuam a iluminá-lo. Um grande grito para o Pup Daddy (o cãozinho da Reshma B) por me dar suporte durante a pandemia. E especialmente para todas as mulheres que me procuraram e todas as palavras gentis que todos disseram. Significa muito para mim como uma garota nesta indústria.



Siga o Fyadub nas redes sociais: 

segunda-feira, 8 de março de 2021

STUDIO 17: THE LOST REGGAE TAPES :: A HISTÓRIA POR TRÁS DO DOCUMENTÁRIO

STUDIO 17: THE LOST REGGAE TAPES (Studio 17: As Fitas Perdidas, em tradução livre) conta a história convincente dos Chin's - a família chinesa-jamaicana por trás do “Studio 17”. Localizado no centro de Kingston, o Studio 17 se tornou um estúdio de gravação lendário bem no centro da revolução musical que começou após a independência da Jamaica da Grã-Bretanha em 1962.

No final dos anos 1950, Vincent Chin estava trabalhando para uma empresa de jukebox, trocando discos usados ​​por toda a Jamaica. Os discos usados ​​geralmente eram jogados fora, mas Vincent teve a brilhante ideia de vendê-los por um preço reduzido. Ao seu lado desde o início estava Pat Chin (Miss Pat), que desistiu da enfermagem para se juntar a Vincent enquanto ele viajava pela ilha. Juntos, eles criaram a “Randy’s Records”. Um espírito de empolgação começou a tomar conta da Jamaica com o início da independência e, em 1962, Vincent produziu seu primeiro disco, “Independent Jamaica” com Lord Creator, um cantor popular e carismático da época. “Independent Jamaica” se tornou um grande sucesso e lançou Vincent Chin na produção de discos.

A revolução musical da Jamaica havia começado e o “Ska” nasceu. "My Boy Lollipop" de Millie Small se tornou um sucesso global. Com as vendas de discos em alta e o sucesso de “Independent Jamaica” por trás deles, os Chins construíram um estúdio em cima da loja “Randys” conhecido como “Studio 17”. Eles haviam criado uma produção totalmente integrada e um ponto de venda.

No início, os artistas que gravaram no Studio 17 incluíram Bob Marley & the Wailers, Lee “Scratch” Perry, Peter Tosh, Gregory Isaacs, Dennis Brown, Alton Ellis, Carl Malcolm, Ken Boothe, Jimmy London, The Skatalites, Lord Creator e muito mais. Mas dramaticamente, a turbulência política no final dos anos 1970 forçou a família Chin a fugir da Jamaica para Nova York e as gravações foram abandonadas. Vincent e Pat estabeleceram a VP Records (nomeada após as iniciais de seus primeiros nomes). E a VP é agora o maior distribuidora independente de música reggae do mundo.

Quarenta anos depois, um tesouro de fitas originais do Studio 17 foi resgatado para revelar gravações únicas e impressionantes da "era de ouro" do reggae, muitas das quais não lançadas e algumas nunca ouvidas antes. À medida que as fitas são tocadas, elas dão origem a uma miríade de histórias maravilhosas contadas por Clive Chin, filho e protegido de Vincent. Em uma conclusão altamente comovente, a voz adolescente do falecido Dennis Brown é lindamente remixada com os vocais de uma estrela adolescente em ascensão, Hollie Stephenson, tudo magicamente orquestrado pelo produtor e uma vez estrela do Eurythmics, Dave Stewart.

Filmado na Jamaica, Nova York, Hamburgo e Londres, o filme inclui entrevistas com Jimmy Cliff, Lee “Scratch” Perry, Dave Stewart, Sly Dunbar, Ali Campbell, Ernest Ranglin, Carl Malcolm, Lord Creator, Bunny Lee, King Jammy, Jimmy London , Lester Sterling, Rico Rodriguez, Clive Chin, Pat Chin, Maxi Priest, Lester Sterling e muitos outros.


sexta-feira, 5 de março de 2021

A VOVÓ DE 1,20M QUE GOVERNA O REGGAE


Patricia Chin e a VP Records estão por trás de mil sucessos jamaicanos - dos Wailers a Sean Paul e muito mais.

A elegantemente vestida, a bisavó de 1,2 m de altura pode não ter sido facilmente identificada como um magnata da música para os insiders da indústria que participaram do American Association of Independent Music Awards no Highline Ballroom de Manhattan naquele dia do verão de 2015. Então Patricia Chin, co-fundadora da gravadora de reggae VP Records, subiu ao palco para receber o prêmio pelo conjunto de sua obra, a primeira mulher a fazê-lo. “Olhando para o público esta noite, imagino que muitos de vocês podem estar se perguntando, 'quem é essa senhora chinesa com esse grande sotaque jamaicano, e o que é VP Records?'” Disse a Srta. Pat, (como ela é afetuosamente conhecida) em seu discurso de aceitação, sob aplausos estrondosos. “Em grande parte, a história da VP Records é sobre uma mulher que trabalha nos bastidores e sua jornada nos últimos 50 anos na indústria da música reggae.

A gravadora VP Records, está estabelecida no Queens, em Nova York, desde1979, com escritórios adicionais em Kingston, Londres, Miami, Rio de Janeiro e Tóquio, e é a maior gravadora independente, distribuidora e editora mundial de música reggae e dancehall, controlando mais de 25.000 títulos de músicas. Em seu próximo livro de memórias lustroso de mesa de café, 'Miss Pat: My Reggae Music Journey', Miss Pat conta a história de VP, que está inextricavelmente está ligada ao desenvolvimento da indústria fonográfica da Jamaica e ao nascimento do ska, rocksteady e reggae. Miss Pat oferece anedotas históricas sobre sessões de gravação com Bob Marley e Lee “Scratch” Perry, quando ambos buscavam fortunas maiores. Os elogios à Srta. Pat são encontrados por toda parte, incluindo um do padrinho do hip-hop DJ Kool Herc, que diz: “O que Berry Gordy foi para a Motown, Patricia Chin é para a VP Records e a indústria do reggae.

Miss Pat e Bunny Wailer

Nas passagens mais convincentes do livro, Miss Pat corajosamente detalha os maiores desafios de sua vida: a morte de seu filho pequeno; fugir da política explosiva da Jamaica na década de 1970, lutando para se adaptar a outra sociedade; desafiando as atitudes sexistas e racistas que ela encontrou como uma mulher não-branca que trabalhava no negócio da música na cidade de Nova York; aprendendo sobre o alcoolismo para ajudar seu marido em apuros, o co-fundador da VP Records, Vincent “Randy” Chin, que faleceu em 2003; lidando com o assassinato não resolvido de seu neto, VP A&R Joel Chin, em 2011. “O processo de escrever meu livro foi libertador”, disse a Srta. Pat ao The Daily Beast em uma entrevista no início de dezembro via Zoom. “Eu queria que meu livro fosse verdadeiro, divertido e interessante, então não poderia deixar de lado detalhes pessoais, quero que as pessoas me conheçam melhor, em vez de me ver como apenas uma pessoa da música.

A matriarca do reggae, agora com 83 anos, nasceu Dorothy Patricia Williams em 20 de setembro de 1937; seus avós maternos e paternos migraram para a Jamaica, respectivamente, da China e da Índia, em busca de uma vida melhor. “Era difícil sobreviver de onde eles vieram, então eles se arriscaram na Jamaica”, lembra a Srta. Pat, que foi criada em uma casa de um cômodo na comunidade de Greenwich Farm de Kingston. “Apesar da falta de conforto material, nunca houve tempo para reclamações. Minha mãe compartilhou histórias sobre seus pais lojistas trabalhadores e os truques inovadores que eles usaram para fazer negócios com seus clientes, apesar da barreira do idioma”, escreve ela. O pai da senhorita Pat queria que ela trabalhasse em um banco, mas, inspirada por sua ídolo, Madre Teresa, ela estudou enfermagem na Universidade de Kingston das Índias Ocidentais. Herdando o espírito rebelde de sua mãe, a Srta. Pat saboreava a liberdade de viver no campus, onde era frequentemente visitada por um jovem bonito, Vincent Chin, para desaprovação de seu pai. “Conhecido por faltar à escola e fumar maconha, Vincent era o típico menino mau, o tipo de pretendente que nenhum pai queria para sua filha”, escreve a Srta. Pat. “Para piorar, ele já tinha um filho (Clive) que era um bebê. Meu pai viu meu pretendente pelo que ele era: problemas.

Em 15 de março de 1957, a Srta. Pat, então com 19 anos, deixou a escola e se casou com Vincent, duas semanas antes de dar à luz seu filho, Gregory. Ele morreu de meningite em seu primeiro aniversário. “Para o bem do meu bem-estar”, escreveu a Srta. Pat, “nunca me disseram onde meu filho foi enterrado”. 

Vincent conseguiu um emprego, instalando jukeboxes em toda a ilha com novos discos de 7 polegadas; Miss Pat acreditava que os discos mais antigos poderiam ser vendidos diretamente ao público. Em 1959, eles abriram uma loja em uma pequena mercearia vendendo os discos usados. Eles chamaram sua empresa de Randy’s Record Mart, em homenagem a Randy Wood, proprietário da WHIN AM, uma estação de jazz, R&B e música country no Tennessee que Vincent ouvia fielmente em seu rádio de ondas curtas. Em 1961, Vincent e Miss Pat mudaram-se para um espaço de 2,5 x 3 metros dentro de um restaurante chinês localizado na 17 North Parade, uma área movimentada do centro de Kingston, próximo a uma rota central de ônibus; eles montaram uma pequena caixa de som do lado de fora, tocando música, o que atraiu clientes. As vendas aumentaram e com um empréstimo do pai da Srta. Pat, o casal acabou comprando o restaurante chinês e o prédio. Pouco depois, Vincent e Pat adquiriram o prédio ao lado e começaram a construir um estúdio de gravação.

Miss Pat e Lee 'Scratch' Perry

A abertura do Studio 17 no andar de cima do Randy’s Record Mart coincidiu com o desenvolvimento da primeira forma de música popular da Jamaica, o ska, o que levou a uma proliferação de gravações que o Studio 17 ajudou a acelerar. “Naquela época, não havia um estúdio onde se pudesse terminar o trabalho do início ao fim. Você tinha que ir a um lugar para fazer a gravação, outro para fazer a masterização. Com cada vez mais artistas e produtores surgindo, e com os estúdios existentes cobrando altas taxas, projetamos o estúdio para ser uma produção full house para que pudéssemos ser completamente independentes”, escreve a Srta. Pat, que executaria as prensagens de teste das gravações na sua loja para avaliar o interesse dos clientes e, em seguida, escolher quais músicas eles iriam prensar em massa para venda.

Vincent Chin começou a produzir seus próprios discos, e um de seus maiores sucessos chegou em 1962, o ano da independência da Jamaica da Inglaterra. “Independent Jamaica”, que não incorporava o ska beat indígena da ilha, era um calipso cantado por Lord Creator, nascido em Trinidad e residente em Kingston; no entanto, tornou-se um hino para o otimismo da nova nação, lançado pelo selo Creative Calypso de Randy.


Miss Pat abasteceu a loja com pelo menos um disco de cada artista que conhecia e pediu a aspirantes a artistas e produtores que deixassem seus discos em consignação, o que acabou por se tonarem como bases para a divisão de atacado de Randy. Os amantes da música corriam ao Randy para ouvir os últimos discos, enquanto os produtores procuravam os cantores e músicos que frequentariam um beco adjacente chamado Idler's Rest ("o epicentro não oficial da música jamaicana", diz a Srta. Pat) para gravar faixas no Studio 17. Muitos ícones de música jamaicana gravava lá, incluindo os cantores Gregory Isaacs, Dennis Brown e Alton Ellis, os trios de harmonia The Wailers e The Maytals e o seminal ska outfit, The Skatalites.

Vários álbuns de reggae de raiz clássicos foram gravados no Studio 17, incluindo o The Wailers 'Soul Rebel', 'Marcus Garvey' do Burning Spear, 'Equal Rights' de Peter Tosh e a estreia do mestre melódico Augustus Pablo com o álbum 'This Is Augustus Pablo', este último produzido pelo colega de escola de Pablo, filho de Vincent; o produtor Clive Chin.



Clive também produziu o (ainda) influente single de Pablo, "Java" e o primeiro sucesso internacional do Studio 17, "Fattie Bum-Bum" de Carl Malcolm, que alcançou a oitava posição na parada de singles do Reino Unido. O falecido cantor americano Johnny Nash, supostamente o primeiro não jamaicano a gravar rocksteady / reggae na ilha, ficou tão impressionado com o Studio 17 que reservou as instalações por três meses consecutivos. Miss Pat atribui o sucesso do Studio 17 à personalidade amável de Vincent. “Ele amava a todos, independentemente de quão pobres fossem; muitos músicos nem mesmo tinham sapatos nos pés, mas Vincent os levava para o estúdio, os encorajava. Tudo era experimentação, ainda não tínhamos uma cultura reggae, tudo começou desde então”, comenta Miss Pat.



Devido à escalada da violência política na Jamaica ao longo da década de 1970, Vincent e Pat migraram para os EUA “Naquela época (sob o governo socialista do primeiro-ministro Michael Manley), se você fosse dono de uma empresa, tinha um pouco mais de dinheiro do que os outros e com a agitação e tumultos acontecendo, nos sentimos muito desconfortáveis ​​e preocupados com a segurança de nossos filhos”, reconheceu a Srta. Pat. Eles escolheram a cidade de Nova York porque o irmão de Vincent estava morando no Brooklyn, onde estabeleceu a Chin Randy’s Records. Vincent e seus filhos Clive e Christopher pousaram no aeroporto JFK da cidade de Nova York no verão de 1977. A senhorita Pat permaneceu em Kingston com seus dois filhos mais novos, Vincent (conhecido como Randy) Jr. e Angela; eles se juntaram à família na cidade de Nova York no ano seguinte.

Vincent e Pat começaram seu novo empreendimento alugando uma pequena loja perto dos trilhos elevados do trem ao longo da Queens, na Jamaica Avenue, de onde forneceriam discos de reggae para alguns estabelecimentos. Quando o governo jamaicano começou a restringir as exportações, Vincent e Pat começaram a prensar seus próprios discos em Nova York; com o aumento das vendas, eles compraram um prédio na 170-21 Jamaica Ave em 1979 de outro proprietário de uma empresa de discos por atacado, Sam Kleinholt. Os Chins batizaram sua loja de atacado / varejo de reggae de VP Records, as iniciais dos primeiros nomes de Vincent e Pat. Eles contrataram a secretária de Kleinholt, Rhoda Bernstein, que trabalhou com a VP por 15 anos, até sua morte. “Ela foi uma dádiva de Deus”, escreve a srta. Pat, “ela nos ensinou tudo que achava que nos ajudaria a nos adaptar; dizer que ela facilitou nossa transição para a vida em Nova York é um eufemismo”.

"Anos depois, percebi que não poderia comprar lá porque éramos de uma cultura diferente, havia uma barreira de cor, ele queria me colocar em outra área onde eu ficaria mais 'confortável'." - Miss Pat

Nem todos os nova-iorquinos foram tão acolhedores. A senhorita Pat se lembra de querer comprar uma casa na (então) comunidade predominantemente branca de Jamaica Estates, a cerca de três quilômetros da VP Records; seu corretor de imóveis a desencorajou, sem explicação. “Anos depois, percebi que não poderia comprar lá porque éramos de uma cultura diferente, havia uma barreira de cor”, ela observa, “ele queria me colocar em outra área onde eu ficaria mais 'confortável'”. Pat também se lembrou de casos em que os clientes VP ligaram para a loja, a colocaram na linha e pediram para falar com um homem. “Eles pensavam que eu não conhecia a música”, ela relembrou. “Trabalhei duro em minhas habilidades; tínhamos tanta música saindo todos os dias, eu tinha que saber o nome do disco, o cantor, o produtor, a riddim de cada faixa; Eu era como uma enciclopédia, sabia tudo sobre música”.

Miss Pat e Sean Paul

À medida que a VP Records cresceu e se tornou um próspero balcão único, cobrindo todas as facetas da música jamaicana, em 1990 os Chins compraram dois grandes armazéns, um na Jamaica Queens, o outro em Miami. À medida que a década avançava, o dancehall e o reggae jamaicano explodia em popularidade com várias das superestrelas do gênero (incluindo Shabba Ranks, Super Cat) assinando com grandes gravadoras e impactando um mercado americano mais amplo. A VP distribuiu os discos desses artistas por anos, então sua familiaridade com a música tornou-se um recurso indispensável para as gravadoras majors na promoção do apelo ao dancehall. O próximo passo dos Chins foi estabelecer o selo VP Records em 1993, no mesmo ano em que lançaram sua série de compilação anual de reggae / dancehall de maior sucesso, Reggae Gold.

O lançamento de 1999 da VP Records, "Who Am I", de Beenie Man, foi um single de ouro certificado. Triunfos ainda maiores chegaram com Sean Paul, que assinou com o vice-presidente Joel Chin, filho de Clive, em 2000. O vice-presidente fez uma parceria com a Atlantic Records, impulsionada pelo grande sucesso de Sean, "Gimme The Light". O álbum de dupla platina de Sean, Dutty Rock, ganhou um Grammy de Melhor Álbum de Reggae. “Esse foi o momento em que respiramos fundo e percebemos, como nós, jamaicanos, diríamos, 'não é uma piada'”, escreve a Srta. Pat.



Vincent, no entanto, não se inspirou no dancehall; ele ficou deprimido e estava, de acordo com a Srta. Pat, "encerrando mentalmente o negócio". Ele lutou contra o alcoolismo, que incluiu várias estadias na reabilitação. A Srta. Pat escreve que o excesso de bebida de Vincent estava ligado a "um espírito perturbado", que ela relacionava desde a infância dele e "ao casamento mestiço de seus pais. O pai de Vincent era proeminente na comunidade sino-jamaicana, mas ele não interagia com sua esposa negra dentro dessa comunidade. Acredito que esse preconceito tácito fez com que meu marido desenvolvesse um profundo sentimento de insegurança, ressentimento e tristeza.

Miss Pat se lembra de sua mãe passando por um dilema semelhante, porque seus pais desaprovavam o casamento de sua filha com um homem indiano. “Meus avós fizeram as pazes com meu pai e minha mãe, mas demorou 12 anos porque, há 100 anos, casar fora da sua cultura (chinesa) era proibido. Mas meus pais estavam apaixonados e sobreviveram a todas as barreiras.” O pai da Srta. Pat também era alcoólatra e sua mãe tentava esconder isso de Pat e de seus irmãos, assim como a Srta. Pat protegeu seus filhos da verdade. “Não ser honesta com meus filhos é um dos meus maiores arrependimentos, é a única coisa que eu faria de forma diferente, se tivesse a chance”, revela a Srta. Pat.

Randy, filho de Vincent e Pat, presidente do VP, desistiu de sua carreira de sucesso na aeronáutica para ingressar na empresa da família em 1995; Christopher é o CEO da empresa e Angela administra o armazém / centro de distribuição da Flórida. Clive trabalhou intermitentemente com o vice-presidente, mas também realizou vários projetos independentes. Em dezembro de 2014, ele entrou com uma ação contra a VP pedindo US $ 3 milhões, alegando que a empresa licenciou músicas que ele escreveu e gravou no Studio 17 sem sua permissão; esse processo foi resolvido discretamente.

"Por uma noite, o reggae assumiu um marco icônico americano. Se eu não sabia antes disso, que tudo era possível, naquele momento eu sabia." - Miss Pat

Além do prêmio no Highline Ballroom, um dos momentos de maior orgulho de Miss Pat foi o show do 25º aniversário da VP Records no Radio City Music Hall de Manhattan em 2004, encabeçado por várias participações dos associados à empresa ao longo dos anos, incluindo Beenie Man, Shaggy e Beres Hammond. “Essa foi a primeira vez que vi meu nome em luzes e com todas as pessoas fazendo fila para entrar, fiquei muito feliz. Por uma noite, o reggae assumiu um marco icônico americano. Se eu não sabia antes que tudo era possível, eu sabia então”, escreve ela. Em 2007, a VP Records adquiriu seu principal concorrente, a Greensleeves Records do Reino Unido, e seu catálogo de 12.000 canções, para se tornar a maior empresa independente de reggae do mundo. Esse status imponente é o resultado final da jornada notável e ainda contínua da Srta. Pat. “Demorou um pouco para que isso acontecesse”, ela escreve. “Quando você constrói algo do zero, as lembranças de vender discos em sua loja de 8' x 10' nunca saem de você.


quinta-feira, 4 de março de 2021

MISS PAT: MY REGGAE MUSIC JOURNEY

Miss Pat: My Reggae Music Journey Capa dura – 17 março 2021 - https://fyashop.com.br/Miss-Pat-Reggae-My-Music-Journey-Capa-Dura

A co-fundadora da VP Records e uma das matriarcas reinantes da música Reggae; Patricia "Miss Pat" Chin, continua a liderar a maior gravadora independente e distribuidora de música caribenha. Sua autobiografia enérgica e envolvente cobre sua história familiar, seu relacionamento com seu falecido marido Vincent Chin - e para a Jamaica em geral - sua chegada em Nova York no final dos anos 70 e, claro, seu papel crucial na fundação da VP Records. O livro está repleto de imagens de arquivos fantásticos que abrangem o surgimento da música jamaicana como uma força cultural na década de 1950 até hoje, trazendo memórias reveladoras de Miss Pat à vida. Perspectivas de empresários, políticos e músicos, incluindo Chris Blackwell (fundador da Island Records), Edward Seaga (ex-primeiro-ministro da Jamaica), cantora Marcia Griffiths e Lee "Scratch" Perry iluminam ainda mais a incrível história da vida de Miss Pat e experiências.


Sobre o Autor

Patricia "Miss Pat" Chin é a força dinâmica por trás da VP Records, a maior gravadora de reggae do mundo, uma pessoa de energia e entusiasmo incomparáveis. Ela é mãe de quatro, avó de 12 e bisavó de três. Nos últimos anos, ela concentrou suas paixões em "retribuir", colaborando com o ilustrador Michael Thompson na criação da exposição pop-up intitulada "A Reggae Music Journey", sobre a história do reggae, em cooperação com a VP Records. 


Miss Pat: My Reggae Music Journey Capa dura – 17 março 2021

Editora : Gingko Press (17 março 2021)
Idioma : Inglês
Capa dura : 212 páginas
ISBN-10 : 0578657252
ISBN-13 : 978-0578657257
Dimensões : 24.64 x 2.54 x 30.73 cm


Siga o Fyadub nas redes sociais: 

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!