FYASHOP - BLACK NOVEMBER (((ATÉ R$ 200,00 DE DESCONTO)))

FYASHOP - BLACK NOVEMBER (((ATÉ R$ 200,00 DE DESCONTO)))
Descontos progressivos na loja de até R$ 200,00.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

A HISTÓRIA DO DANCEHALL


Bashment :: Raggamuffin :: Slackers 
Dancehall :: New Roots :: Reggaeton



Ragga, dancehall, bashment, slackers, new roots, o “novo” reggaeton… faltou algum nome?... A cada 5 anos alguém, algum produtor ou músico inventa um nome novo para a mesma batida do dancehall e confunde outras com esse novo nome dado a determinado estilo ou música. Isso talvez seja uma forma de atrair cada vez mais novas pessoas para ouvir uma determinada vertente e conhecer novos artistas, vendo isso lógico por um lado positivo. A influência mercadológica nesse segmento é tanta que agora o Hip Hop se tornou “Black”.

São tantos nomes, para denominar a mesma coisa que facilmente fica-se perdido e as informações acabam se tornando conflitantes. Até mesmo para os toasters, deejays, mc’s (... não são a mesma coisa?), fica difícil saber o que é o que. Vou usar alguns nomes de artistas e de músicas, para tentar pré determinar o estilo, um porém, é que grande parte dos artistas não se apegam a uma vertente apenas do gênero, passeiam por todas, penso que esse é o principal diferencial hoje nos músicos que não se apegaram a apenas um ritmo ou batida, por todas essas denominações de grooves e batidas, eles produzem muito com muitas pessoas, será que essa foi a chave para o crescimento do dancehall bashment na Jamaica e na Inglaterra e todo restante da Europa?! Já que a produção e os lançamentos de singles e álbuns cresce absurdamente todo ano.

O Dancehall deu seu passo inicial de criação em 1960, a denominação Dancehall era usada paras as músicas de salão, as músicas que bombavam nas casas noturnas na Jamaica, traduzindo ao pé da letra Dancehall = Dança de Salão. As sound systems no seu inicio tinham pessoas como King Stitt (Winston Cooper or Winston Sparks) e alguns outros poucos deejays jamaicanos fazendo o trabalho de deejay. King Stitt que começou sua carreira como a maioria dos músicos jamaicanos da década de sessenta, no Studio One. Trabalhou com Coxsone nos idos dos anos sessenta juntamente com Count Machouki e Red Hopeton formando o trio de deejays denominado Big Three. King Stitt apesar de ter gravado muito com Coxsone, nunca teve o respaldo merecido no Studio One, somente após gravar com Clancy Eccles, ficou sendo considerado o Number One, deixando U Roy com o segundo lugar como deejay nas sound systems.

O dancehall como gênero musical é proveniente do sound system, é uma vertente criada propriamente para o deejay (mc) estar na linha de frente da sound animando o público, é o fruto da fórmula seletor, discos, caixas de som, e um “king stitt” animando a festa com rimas e improvisos, Freestyle propriamente dito. Todas as participações de deejays eram feitas em cima das músicas pré-gravadas, escolhiam uma música ou algum instrumental (ou riddim como o jamaicano gosta de chamar) e versavam suas letras e rimas em cima desses instrumentais, fórmula mais que simples.


Nesse principio do dancehall, não se utilizavam os instrumentais que ouvimos hoje, se utilizam músicas de bandas de ska e rocksteady influenciados pelo rithym & blues americano. Um dos diferenciais dos sounds jamaicanos é que algumas das músicas eram exclusivas de cada sound system, e se cada um quisesse ouvir determinada música deveria ir as festas de determinado sound system.

Dessa época de ouro do Dancehall alguns dos deejays e toaster mais famosos e até hoje considerados os melhores são o próprio King Stitt, U Roy, I Roy, Tappa Irie, Welton Irie, U Brown, Trinity entre outros, procurando e pesquisando um pouco se acha uma infinidade de nomes e estilos de versar diferentes um do outro.



Uma das principais características do dancehall dos anos 70 é o termo usado para definir as letras com sexualidade explicita e a atitude do mc, o Slackers ou Slackness. Nessa mesma época no final dos anos 60, o rastafarianismo já estava sendo propagado aos 4 cantos da Jamaica, com o Rastafari Chant e Nyabingui, grupos que faziam esse tipo de música gravavam absurdamente, produziam letras com um teor de louvor e espiritualidade constantes, citações contra a Babilônia e a salvação que JAH proporciona.

O Slackers é um oposto disso tudo, as letras fluíam apenas para animar a festa, diversão, mulher, música, vale tudo, nada de comprometimento religioso ou qualquer aspecto moralista envolvido nas letras e principalmente nas festas. Os deejays durante esse período dos anos 60 ao final dos anos 70 versavam tanto mensagens rastas, U-Roy foi dos primeiros a acrescentar esse tipo de mensagem “councious” (consciente) nas suas músicas. O slackers era tão comum que até mesmo artistas como Max Romeo, antes de gravar com Lee Perry, já cantava músicas com temas explícitos, citando mulheres e sexo em suas letras como Wet Dream (sonho molhado) com o álbum de mesmo nome de 1969.

Wet Dream – Max Romeo – 1969


Every night mi go to sleep mi have wet dreams

Every night mi go to sleep mi have wet dreams

Lie down gal let me push it up push it up lie down

Lie down gal let me push it up push it up lie down

Lie down gal let me push it up push it up lie down

Lie down gal let me push it up push it up lie down

You in your small corner, I stand in mine

Throw all the punch you want to, I can take them all

Lie down gal let me push it up push it up lie down

Lie down gal let me push it up push it up lie down

Look how you're big and fat, like a big, big shot

Give the crumpet to big foot Joe, give the fanny to me

Lie down gal let me push it up push it up lie down
Huh, 
Lie down gal let me push it up push it up lie down

Lie down gal let me push it up push it up lie down

Huh, lie down gal let me push it up push it up lie down

Lie down gal let me push it up push it up lie down

So he said, lie down gal let me push it up push it up lie down

Huh, lie down gal let me push it up push it up lie down

O Dancehall teve seu grande “boom” no final da década de 70, artistas como Barrington Levi, Sugar Minnot, Yellowman, Ini Kamoze, Half Pint, Charlie Chaplin, Dillinger, Triston Plalma, Eak a Mouse, King Kong, Nitty Gritty, General Echo juntamente com grandes músicos e produtores fortaleceram uma vertente do reggae, mais rítmica, com grooves dançantes e apresentações que agitavam cada vez mais o público. Instrumentistas como Sly Dunbar e Robbie Shakespeare produziam cada vez mais e com mais grupos. Bandas de apoio como Roots Radics e Sagitarius Band, fizeram com que o dancehall ficasse sendo a vertente do reggae mais tocada e badalada da Jamaica.

No final dos anos 70, no guetto jamaicano se criou um termo, ou gíria propriamente dita, para uma nova definição do dancehall; Raggamuffin ou a abreviação póstuma Ragga, essa nova forma de denominar o dancehall, deu inicio a um novo passo no formato de produção musical na Jamaica.

Há vinte anos atrás, em 1985 King Jammy um dos pupilos de King Tubby, criou em seu estúdio o primeiro riddim computadorizado com um tecladinho da Cassio. O clássico Sleng Teng, o riddim foi batizado com o nome da música de Wayne Smith “Under Me Sleng Teng”, que fez juntamente com King Jammy a primeira gravação, após Wayne Smith, King Jammy gravou com vários outros artistas em seu estúdio, incluindo Tenor Saw (Ring the Alarm/ Pumpkin Belly), Johnny Osbourne (Buddy Bye Bye). O riddim foi ouvido pelo público em 23 de fevereiro de 1985, num clash entre a sound system de King Jammy e Black Scorpio em Waltham Park Road. Além destes, o riddim Sleng Teng, continua sendo gravado por outros artistas até hoje, 9 entre 10 cantaram ou iram cantar em cima do riddim de reggae mais sampleado e utilizado de todos os tempos. Nesse ano de 2005 foi lançado um cd comemorativo com uma nova versão do riddim, Sleng Teng Ressurection, que contou com a adição de metais no instrumental. Hoje se for procurar pelo número de músicas gravadas com o riddim sleng teng ou stalag como também é chamado, chega a ser absurda a quantidade de versões mais de 200 registradas, isso o que é catalogado, fora as gravações sem registro.

A Jamaica sempre foi uma ilha que não se limitava a ouvir apenas o reggae, tudo se tornava influência para se criar novos riddims e batidas. Com o crescimento do Hip Hop nos Estados Unidos, uma das vertentes que mais atingiram a mídia nos anos 80, foi o Gangsta rap de grupos como N.W.A. (Niggers With Attitude) o grupo número um da era gangsta rap americana que incluía Dr. Dre, Easy-E e Ice Cube, que mesclava junto a algumas de suas músicas um toaster rimando juntamente com os mc’s americanos. O guetto jamaicano praticamente se tornou uma esponja que ouvia tudo que saia dos EUA e se baseava nesse estilo. Surgiu na ilhota nesse meio tempo um estilo chamado Guntalk, nas letras desse gênero, cada um dizia que era mais bandido que o outro, reis das armas, aquele que matava mais ou que era o mais “comedor” tentava levar no grito literalmente o titulo de rei do dancehall/ragga.

Artistas como Buju Banton, Shabba Ranks, Beenie Man, Ninjaman, Supercat, Mad Cobra disputavam entre si para saber quem era o “mais foda” de todos. Letras homofôbicas pregando a morte de todos os homossexuais vulgos “battymans”, tráfico, sexualismo e machismo explícito que deixou até o Max Romeo com fama e passe livre a ser considerado um cantor que levava o Rastafari como uma disciplina diária. O envolvimento de artistas com atentados contra homossexuais e letras explicitas sobre o tema, deixaram Shabba Ranks e Buju Banton estrelas do ragga no inicio dos anos 80, fora do circuito americano das Super Estrelas da música. Na história recente de Buju, o mesmo está proibido de entrar no Estados Unidos e sofre um processo de acusação de agressão contra um grupo de gays na Jamaica dizendo que 6 homens incluindo Buju tentaram agredi-los.

Mas isso não abalou o Dancehall/Ragga pop de artistas como Shaggy, que chegou às paradas com a música “Boombastic”, ganhando prêmios e notoriedade o mercado americano, letras descompromissadas e alegres, abriram espaço para outros artistas que vinham nessa mesma onda dos anos 90 como Apache Indian com seu Bhangra, agradou com sua música Boom Shaka Lacka praticamente todas as casas noturnas de São Paulo. Sean Paul, que com a mesma fórmula de Shaggy, de lançar riddim antigos com uma nova roupagem e vocais envolventes, fez sucesso aqui no Brasil recentemente com a música “I’m Still In Love”, com um instrumental da música de mesmo nome, originalmente gravada em 1967 por Alton Ellis, música que é constantemente confundida pelo sucesso “Uptown Top Ranking” de Althea & Donna, gravada mais de 10 anos depois do sucesso de Alton Ellis.

Nos anos 90, artistas de peso do Dancehall/Ragga incluindo Buju Banton que se converteu ao Rastafarianismo, Beenie Man, Capleton, Sizzla, dentre os mais famosos, passaram a mudar o conteúdo de suas letras, deixaram seus dreads crescerem, e começaram a trazer o termo “counciousness” de volta a tona, as letras mudaram, até certo ponto, seu conteúdo que era praticamente voltado 100% para o guntalk e slackness, mudou para o rastafarianismo e mensagens de louvor a JAH. O slackers ainda continua forte na Jamaica com artistas como Vybz Kartel, Elephant Man, Ward 21, dentre outros. 


Nesse meio tempo em meados dos anos 90 surgiu uma nova denominação com a “conversão” desses artistas, o New Roots ou Nu-Reggae. New Roots é como se fosse a “Nova Escola” do reggae, artistas que conseguiram recriar um movimento de reggae consciente falando basicamente o que aqueles que vieram primeiro diziam, assim como Burning Spear falava com sabedoria e produzia divinamente músicas com instrumentais e conceitos inovadores no reggae roots nos anos 70, artistas que ganharam notoriedade pelas suas produções mais atuais como Capleton e Sizzla que lançam singles mensalmente e chegam a gravar 2, 3 discos em um semestre, conseguiram alavancar mais ainda a venda e a comercialização do reggae, chegando a um público cada vez maior.


O New Roots não difere muito do Sleng Teng de Jammy, basicamente nos discos o que se ouve é uma mescla de riddims já famosos, de artistas da vanguarda dos aos 70, refeitos e remixados por produtores, facilmente nota-se que a matemática da música é a mesma, muda-se os timbres de cada instrumento dando uma aparência de “novo” a música. Novos nomes surgem a cada dia e a produção de discos é absurdamente grande tanto na Jamaica quanto na Europa.

Artista que há 5 anos atrás jamais teriam uma notoriedade maior, hoje tem sua própria home page, alguns lançam seu próprio selo, gravam constantemente e não se filiam a uma gravadora major, fácil notar a semelhança nos instrumentais de artistas do gabarito de Anthony B, Lutan Faya, Turbulence, Jah Mason, esses fazem parte de uma nova geração do reggae roots. Esses artistas surgiram com a proposta de dar uma nova aparência ao reggae, que até então, ainda é tido por alguns que tem uma visão arcaica aqui no Brasil, sem grande notoriedade, e trata o reggae como uma música sem grandes mudanças nos últimos tempos.

Juntamente com o New Roots foi criado o termo Bashment, aquela batida constante no dancehall de bumbo e caixa, que era usado para o Guntalk e Slackeness, agora é usado para o Bobo Shanti louvar a JAH Rastafari e falar do Fogo, o mesmo bumbo compassado e a caixa seca, agora é semente e instrumento para o trabalho daqueles que levam uma mensagem muito mais profunda que o bairrismo e a violência genérica do guetto.


O Bashment diferentemente não traz uma musicalidade nova, e sim novos artistas, que utilizam o dancehall como semente de trabalho. O ritmo que está estabelecido a mais de 20 anos, ainda continua atraindo milhares de pessoas. Esses artistas com a batida da música podiam se influenciar com as novas letras que pregam o rastafari e o seu cotidiano. Hoje o Bashment influência o mundo todo na atitude e musicalidade, é uma nova roupagem do dancehall dos anos 90, no Caribe, propriamente em Porto Rico acontece hoje uma movimentação forte com o termo criado para o denominar o dancehall porto riquenho que surgiu no inicio dos anos 90 no Panamá junto com El General e alguns outros toasters caribenhos, o Reggaeton.

O Reggaetón como é nomeado em espanhol pelos chicanos, é um mescla de dancehall e hip hop latino, as levadas são feitas em spanglish, termo usado para nomear o uso dos dois idiomas que os imigrantes da América Central usam nos guetos americanos, juntando o inglês e o espanhol. Grupos como Cypress Hill servem como principal influência para os porto riquenhos. A batida da música do Reggaetón ganhou um nome, Dem Bow (ou Dembow como os chicanos denominam), lembra da música do Shabba Ranks?!, É essa mesmo. O Reggaeton se firmou fortemente nos países da américa latina e nas comunidades de imigrantes latinos nos Estados Unidos, a vertente se utiliza do dancehall como 50% na essência, mas tem seu ritmo, batida própria e sua métrica definida e um jeito de dançar que remete as bailarinas do É o Tchan, até mesmo Wanessa Camargo se aventura na vertente latina do ragga em seu último trabalho. Os vocais do Reggaeton atual remetem ao hip hop de grupos como Delinquent Habits e Cypress Hill, as letras são praticamente voltadas ao slackers, mulher, carro e ostentação são o que há de “novo” no Reggaeton.

Em contrapartida ao movimento do Bashment e ao Reggaeton, o termo New Roots é muito mais abrangente, não é apenas formador de novos artistas, que na maioria não são tão novos assim, são também produtores envolvidos, que há muito tempo se utilizam de ferramentas novas e experimentalismo para o seu trabalho, músicos do gabarito de JAH Shaka o rei do sound system, Twinkle Brothers, JAH Warrior, King Earthquake, Blakamix, Zion Train, Manasseh, Iration Steppas, Alpha & Omega, Rootsman, Pablo Gad com letras cada vez melhores e atuais, dentre vários outros, esses apresentam um reggae que conta desde a influencia na produção digital do King Jammy, as mensagens rastafaris do Burning Spear. Novos nomes surgem num movimento que se funde com novos ritmos e novas experimentações no estúdio, hoje não se vê problemas com Capleton gravar com o Method Man, ou o Sizzla cantar em um instrumental de hip hop. Para o reggae não há limite na experimentação, tudo é válido, e o que mais vale é a atitude e o comprometimento do músico com o seu trabalho.

Por

DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!