Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

MADE IN JAMAICA [DOCUMENTÁRIO]

Made in Jamaica é um documentário produzido em 2006 pelo diretor francês Jerome Laperrousaz. O filme analisa a história do reggae e sua forma mais popular no momento, o dancehall. Ela é contada inteiramente através dos depoimentos de alguns dos artistas mais proeminentes e relevantes do gênero.

Há também algumas performances ao vivo e imagens evocativas da vida nos guetos e festas de dancehall de West Kingston, que vou dizer, mesmo que você não entenda uma palavra do inglês ou não consiga ler e compreender as legendas em francês do filme, os shows ao vivo são maravilhosos.

Há poucas tentativas feitas para traçar as raízes musicais do reggae no mento, ska e rocksteady, o que deu relevância ao documentário - pelo para que este que vos escreve. Em vez disso, Laperrousaz oferece um retrato impressionista da música reggae como é realizada, e tenta delinear algumas das contradições sociais e políticas-chave que têm informado a criação e o desenvolvimento da cultura tanto na Jamaica, como o que é exportado para o resto do mundo.

O filme abre com o velório do assassinato do "Dancehall Master" Gerald "Bogle" Levy em 2005. Ele usa o incidente para explorar o aparente contraste de atitudes entre old school "consciente" do reggae raiz e e a energia frenética, franqueza e o apelo sexual explicito da cena dancehall atual. As vertentes se mostram menos acentuadas do que é comumente suposto.

A implicação é que as preocupações musicais e líricas do reggae são influenciadas mais pelo pano de fundo da política jamaicana e mundial do que a moral e as intenções de seus principais expoentes na música.

A extrema pobreza da Jamaica tornou mais difícil para dancehall ser exportado e se divorciou de suas raízes sociais. Mesmo os artistas firmemente associados com a conversa sobre armas e lascívia sentem a necessidade de prestar homenagem ao espírito militante dos fundadores do reggae.

Além de ser a música dos bons tempos, o dancehall contém uma abundância de raiva contra a situação em que os jamaicanos se encontram. Este é normalmente expressado em termos menos religiosos do que o Rastafarianismo da geração mais velha ou "concorrente" mais abertamente "consciente" de artistas como Capleton, embora a influência do cristianismo se agigante a cada música.

Bounty Killer diz: "Eu quero dizer ao mundo que eu sou do gueto. Transeuntes e crianças levam um tiro a cada dia com a violência na Jamaica (...) Eu acho que é porque todo mundo não têm esperanças e sonhos para viver. Se eles repartissem a riqueza todo mundo ficaria feliz com uma vida agradável e familiar, então eles não iriam se sentir como dando a sua vida por nada."

Vybz Kartel, vai mais longe na assombrando "We Kill We" [A Gente Matando a Gente], dizendo: "Eles constroem as favelas/ E importam as armas/ Propriedade e drogas são os pais de bandidos/ Me pergunto como não podemos ver a armadilha que fizeram/ Pessoas pretas não são burras".

Ele explica: "A violência na Jamaica originalmente iniciou a partir de sua cultura política. Você tem guarnições nas comunidades. A culpa real para a violência é do governo."

Em "Emergency", ele taca fogo; "Emergência - estamos sofrendo aqui/ Sr. Prefeito, o que você está fazendo para a sarjeta que rodeia aqui/ Dois partidos tocam a mesma música triste/ Eles levantam tudo, desde petróleo a Craven A / Como é que ele não levantam para pagar um salário decente?"

Laperrousaz toca no assunto sobre o sexismo que permeia a sociedade e cultura, em entrevistas com Lady Saw e Tanya Stephens. Lady Saw descreve como ela sentiu que tinha de enfatizar as letras sexuais para chegar algum lugar. Stephens diz simplesmente: "Nós vivemos em uma sociedade realmente chauvinista".

Suas canções têm a resposta com a experiência do sexismo - alternadamente zombando do infeliz, os homens ignorantes em sua vida e, em seguida, desejando o pior para um ex-amante.

A incrível energia e exuberância do dancehall continua fértil com hip-hop, R&B, crunk e electro são capturados exatamente nas performances do Elephantman, Bounty Killer, e Lady Saw.

Há performances memoráveis ​​de alguns grandes nomes do reggae raiz. O incomparável Gregory Isaacs contribui com um maravilhoso "Kingston 14" e "Temptation", enquanto que Bunny Wailer tem versões de "I Shot The Sheriff" e "400 Years".

Bom, Made In Jamaica é um dos documentários mais legais, e posso arriscar a dizer mais divertidos já produzidos nos últimos 10 anos. É atual, sem deixar de lado a fundação da cultura - que pasme se você não sabe, aconteceu nos anos 90. Eu repito pra você que não entende patavina do que eles estão dizendo, aproveite os shows são todos ótimos e memoráveis enjoy!!!!



DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!