sexta-feira, 8 de julho de 2016

QUANTO CUSTA (PRETENDER) SER DJ?







KL JAY - RACIONAIS MC'S
Quem nunca pensou em ser DJ?... antigamente, lá pelo final dos anos 80, bem no início dos anos 90 (período que eu comecei a sonhar em ser algo), ser DJ era simplesmente tocar discos na festa de aniversario de algum conhecido, fazer bailinhos na escola, sonhar em fazer um evento fechado. Sair de casa para ir até a 24 de Maio no Centro para comprar discos nas lojas clássicas com o Trucks Discos e Florida.

Além disso, era se inspirar pelo trabalho de outros DJ's, como os das fotos ao lado. Esses ao lado, ainda considero ainda terem a essência original do oficio de ser DJ - e ainda me inspiro neles. Verdade que faltaram alguns (independente de gênero musical) como DJ Roger (Potencial 3), DJ Slick (DMN), DJ Patife, DJ Marco, DJ Ajamu, DJ King, DJ B8 (Projeto Nave), Grandmaster Duda, DJ Luciano, DJ Easy Nylon, Iraí Campos, DJ Cuca, DJ Marlboro, e tantos outros que ficaria difícil dizer tantos nomes. Deixo um BIG UP! imenso a todos esses que ainda inspiram tantos a estudarem e trabalharem como DJ. 


DISCOTECAR É TRABALHO SIM!!!

Esse artigo é de uma série de muitos outros, que estão guardados e esperando uma grande revisão. Desde que o rascunho foi escrito, o custo dos equipamentos e alguns serviços encareceram, então a mudança em uma parte do texto é de deixar ele mais genérico, e um tanto atemporal. Atemporal também é o trabalho do DJ no decorrer de tantos anos, que continua sendo demasiadamente desvalorizado, e de qualidade inferior.


DJ HUM
Outra intenção, é que você consiga identificar que o trabalho de DJ não é diferente de outras profissões, nele se aplica custo e valor. E o mais importante de tudo, é saber a grande diferença entre 'quanto custa' e 'quanto vale' um trabalho, seja ele qual for. Você pode substituir o profissional DJ por Técnico de Som, Técnico de Iluminação, Roadie, Produtor de Eventos, Garçon, Barman. E sem contar o número de músicos e mc's que a cada dia estão mais escassos, e essas profissões aos poucos estão desaparecendo do mundo dos eventos.

A grande sacada, é fazer com que essa profissão - sim, ser DJ é profissão, volte a ser respeitada e valorizada como qualquer outra, e seja profissionalizada de fato. Nossa contribuição é falar, escrever e discutir sobre o tema, e dar acesso aos mais novos que tem o intuito de tocar. O problema mais grave (talvez), seja a relatividade entre trabalho e lazer quando se trata de ser DJ. E o esquecimento dessa geração quanto a futura, que infelizmente vai ganhar menos do que os de hoje, ou absolutamente nada do jeito que estamos caminhando.


COMO DJ É UM ÓTIMO ATOR!

Reflita na seguinte frase; 'Fulano não fortalece a cena, porque não toca de graça!'... Avise ao fulano que e o beltrano que quem faz cena é ator por favor!

DJ TANO - Z'AFRICA BRASIL
Pense num exemplo; um dentista não faz um canal dentário gratuitamente, mas se dispõe a tocar (como suposto DJ) por um valor ínfimo ou por valor nenhum. Nada contra os dentistas, só foi uma forma de desenhar um quadro comum em toda a gratuidade - e pode ser que o dentista seja um DJ melhor do que muitos que acham DJ's. A grande maioria dos supostos DJ's não vivem do trabalho dos toca discos e dos discos. E o dinheiro do sustento que paga os discos, o boné e o tênis vem da formação da profissão de fato dessa pessoa, ou do pai, ou da mãe ou da madrinha. Comum ouvir que fulano está queimando o filme trabalhando por menos no setor onde o profissional trabalha, mas o mesmo acaba sendo o maior agente gratuito em eventos quando vai tocar. 

Eu que lhes escrevo, cozinho muito bem - sem modéstia alguma. Mas não me disponho ou proponho ser chef de restaurante, sem competência ou antes de adquirir tal competência. E se a pergunta é se quem toca de graça é incompetente, a resposta é sim e não. Alguns (muitos) são sim incompetentes, displicentes e desrespeitosos com o trabalho de outras pessoas.  

O trabalho como DJ é tão banalizado, que hoje muitos lugares acabaram por deixar um player randômico qualquer ligado a um som ambiente, ou uma rádio on line. Fator preponderante para isso, os supostos DJ's não estudam, não tem técnica e falta dedicação para fazer um trabalho bem feito. Absolutamente ninguém no mundo, vai pagar para ver um verme tocando discos fora do tempo, um set mal feito ou que nem mesmo foi feito, ou que nem mesmo saiba ou consiga manusear o equipamento. O tal público não é bobo, e não paga para ver algo que consiga fazer igual. Devido a isso, nem todo mundo que toca discos é DJ. Se o 'Zé da Coxinha' vê um cara tocando mal, ele vai achar que pode ao invés de fazer coxinha, tocar discos. E nesse caso, trocamos as vezes uma pessoa que faz boa coxinha por um péssimo DJ, ou pode ser também que a coxinha também seja mal feita, e o mesmo serviço mal feito vai ser espalhado no trabalho como DJ, e vai ser mal feito da mesma forma.

DJ PRIMO (RIP)
A falta de estrutura, equipamentos inadequados ou a falta de equipamento, faz com que uma grande parte do público acabe não indo a festas menores de ocupação entre 200 e 400 pessoas. Acabam buscando os clubes maiores e de valor agregado maior ou festivais, as vezes com uma entrada que varia de R$ 70,00 a R$ 250,00 reais - as vezes mais. Onde vai ter um DJ razoavelmente preparado ou uma celebridade instantânea do momento tocando (bem ou mal), com um suporte técnico de alto padrão, e vai sentir que valeu a pena ter pago pelo evento. Isso se relaciona a experiência que a pessoa tem, ao pagar por algumas horas de lazer. O investimento que ela esta fazendo é para fazer aquele momento valer a pena. Agora independente do gênero musical, existem pessoas de todos os tipos que acabam por prejudicar mais que ajudar, qualquer tipo de profissional.

Outro fator é o que culturalmente, o Brasil nivela por baixo qualquer coisa. Independe hoje de você ser um ótimo DJ, é bem provável que a proposta para você seja a mesma que feita um DJ pífio. Os R$ 50,00, R$ 100,00 e o teto de R$ 200,00 percorrem os quatro cantos do maior país da América do Sul. Ou um pedido de brodagem básica, onde é descrito que o investimento de quem quer o serviço já é alto, é não há verba para pagar o convidado. Agora me responda, alguém paga a entrada de clube para ver barman ou segurança?... Absurdo ou não, são comuns as propostas para 'tirar uma onda', e cabe a cada um saber 'quanto custa' e 'quanto vale' o seu trabalho. Fato é que até para os aventureiros, existe custo.


DJ RM
QUANTO CUSTA SER DJ?... OU FINGIR SER!

Agora os números, que se comparados ao valor oferecido por evento chegam a dar vergonha ou ânsia;

R$ 3.500,00 - 50 Títulos/Discos de vinil
R$ 7.000,00 - Par de MK2 Technics (Semi-novo)
R$ 2.700,00 - Pioneer DJM 350/400
R$ 2.800,00 - Cases: toca discos, mixer, vinil.
R$ 1.800,00 - Par de Monitores
R$ 250,00 - Fone de ouvido
R$ 1.100,00 - Agulhas (Shure M44-7H ou Ortofon Pro/Slipmats Glowtronics)

* Valores médios de equipamentos e produtos semi-novos cotados no MercadoLivre. Somente agulhas, cases, fone de ouvido e discos são valores médios de produtos novos.

Para montar um set básico que vai ser a sua ferramenta de trabalho por alguns anos, sem absolutamente nada de efeitos ou algo semelhante, já foram (supostamente) investidos R$ 19.150,00 reais - pagos a vista, sem contar anuidades de cartão de crédito ou financiamento, impostos, e sem inserir o custo/valor do seu trabalho. Deixando claro que você obrigatoriamente vai ter de investir em músicas novas, e o valor acima são em média de discos novos, sem raridades ou coisas do tipo, e eu entendo que para você decidir ser DJ, você já deve ter um acervo razoavelmente de extremo bom gosto, antes de decidir apresentar suas músicas para alguém.

CARLOS 'SOUL' SLINGER - LIQUID SKY
Contando que esse é um setup básico de equipamentos que qualquer casa (supostamente é claro) deveria ter. Hoje a história é inversa, muitas casas noturnas médias e pequenas, já não tem mais equipamentos - as vezes nem mesmo caixas de som razoáveis. Então você precisa realmente levar todo o seu equipamento para poder realizar um evento. E nesse caso, você não é um DJ, você é um locatário de sistema de som, que vai tocar discos num evento.

Outro aspecto dos equipamentos é a depreciação/desvalorização natural de todo e qualquer equipamento. Verifique qual a periodicidade e o cálculo de depreciação dos seus equipamentos - Essa busca é por sua conta. Pode ocorrer uma variação de: 3 anos, 5 anos, 10 anos, etc... para que um equipamento atinja o final de sua vida útil ou perca o total valor.

Toca discos, mixer e fone é um setup básico de um DJ, mas independente se agregar o valor de um Serato ou uma controladora, evitando o trabalho com vinil, ainda assim vai ter gastos e vai ter de dedicar tempo para aprender a trabalhar com esse equipamento. Em todas as experiências que tive ao lado de DJ's novatos que trabalham com Serato, absolutamente nenhum conseguiu montar o equipamento sem tomar uma surra antes de fazer ele funcionar. Portanto, ao invés de somente ficar fazendo download de música, leia o manual do equipamento. Saber manusear o equipamento é tão importante quanto ter música para tocar.

DJ MARKY
Outro aspecto é, quanto custa o seu dia? Isso quer dizer que dentro de seus custos, você vai incluir suas roupas, tênis, bonés, jaquetas, bling blings, seus cursos, seu transporte, água, luz, telefone, gás, alimentação, etc. Já que você usa isso todos os dias, você vai inserir o valor desses gastos dentro do seu custo de trabalho. Alguns gastam mais com esses artigos, as vezes mais do que com musica, do que outros. Mas os custos existem, e o indicado é saber na ponta do lápis quais são seus gastos mensais. Só não inclua bebida e drogas, é um uso diário de alguns... mas não vem ao caso incluir isso na planilha, mas há exceções.

Se você quiser cobrar míseros 3% desses R$ 19.150,00 que investiu em seu equipamento básico e em grande parte semi-novo, você precisaria cobrar R$ 574,50 por evento. E para pagar o seu equipamento você teria de tocar ao menos em trinta e cinco eventos, cobrando os R$ 574,50 mais as despesas de transporte, alimentação e hospedagem se necessário, sem gastar nenhum centavo.



DJ CIA - RZO
VARIÁVEIS DA RELAÇÃO 80/20 :: ENTRE A TÉCNICA E O TALENTO

Em qualquer profissão ou ação, é possível fazer essa continha básica. No caso do DJ, 80% pode ser técnica e 20% pode ser talento, ou 50% técnica e 50% talento, entendeu? Você pode se tornar um DJ, mesmo sem talento para ser, basta adquirir alguma técnica. E isso só é possível, assim como tudo no mundo; estudando e praticando. 

Você pode não saber absolutamente nada, nem de como se manuseia um mixer, porque uma agulha X é diferente da Y, ou porque usar determinado fone de ouvido e não outro. Mas de nada vai valer se você não praticar. O primeiro e último crítico do trabalho, é quem realiza. E é difícil ficar satisfeito, jamais conheci alguém que realize um trabalho que não pratique, seja em casa, no estúdio, no palco ou qualquer lugar. 


DE GRAÇA É MUITO CARO

Nos últimos anos, a gratuidade tomou conta de inúmeros gêneros, do Rap ao Rock, do Reggae a MPB, do Techno ao Drum N Bass... tem para todos os gostos. Mas no final das contas, o profissional dos toca discos, perdeu lugar para dois tipos; os atores que cobram seus cachês de personalidade, ou aqueles que fingem ser algo que não são. A saída para esses que fingem ser algo que não são foi a gratuidade. Como disse acima, a ausência da competência, da técnica e de escola - já que aprenderam em sua grande maioria pelo youtube, a solução para se destacar foi tocar de graça. 

DJ ERICK JAY
Existe um terceiro personagem que é o que chamo de 'Agente Cultural do Estado', o profissional do Edital ou Lei Rouanet, que se especializou em passar editais oferecidos pelas Prefeituras ou no MinC. E acabou por realizar o seu hobby, as custas do dinheiro público. 

Agora a saída para evitar trabalhar de graça em qualquer situação, é não aceitar propostas para trabalhar de graça. Não confunda 'gratuito' com 'gratuidade' - absolutamente nada é de graça. E a primeira parte é que sem trabalho remunerado você vai pagar para trabalhar e não vai conseguir sustentar o que você gosta de fazer. E nesse caso, existe um telemarketing a espera logo ali no centro. A segunda parte é que não vai ter trabalho para quem vier depois.

  
PORQUE UM VALE MAIS QUE O OUTRO

Você já sabe quanto custa o trabalho, agora e quanto vale? Vou tentar explicar da seguinte forma; visualize um pintor, ele compra tela, tintas, e todo seu material por 1X. Ao finalizar o trabalho de pintura daquele quadro, ele vende por 20X. A relação é de que o produto dele custa 1X, mas o trabalho final desse artista vale 20X. 

TIO FRESH
Assim como qualquer trabalho, não é necessário cobrar o que o DJ XPTO cobra, mas é preciso estabelecer um valor mínimo para não pagar para trabalhar. Com o decorrer do tempo, se aperfeiçoando, estudando, gradativamente você vai aumentar o valor do seu trabalho. 


DJ NÃO É PROMOTOR DE EVENTOS

Se você é daqueles que fecham eventos, faz o flyer, a divulgação, a promoção, fecha o caixa, recebe e paga, e etc. A tendência é que o DJ seja tão ruim quanto ele é promotor de eventos e todas as outras funções juntas. Promotores de eventos são responsáveis por colocar público num evento, e promover eventos é um trabalho tão sério quanto o do DJ. 

Se você se meter a fazer absolutamente tudo, algum dos trabalhos vão cair na gratuidade. E é essa gratuidade que enfraquece a cultura, o movimento, a cena, ou qualquer nome que se queira dar a aquilo que se quer fazer parte. 

Se cercar de bons produtores, bons profissionais, pessoas sérias, e etc é uma boa ideia. E é óbvio que você vai se enganar e tomar uns balões, e não importa quanto tempo tenha de trabalho. Aproveite as oportunidades, e aprenda a dar oportunidades sempre.

Último detalhe, não vá pensando que todo bom DJ é o mestre dos scratchs, dos malabarismos ou algo do tipo. Ou que esse texto é para depreciar você em se tornar algo diferente do que quer ser, pelo contrário. Eu considero um bom DJ aquele que sabe trabalhar uma música, sabe não atrapalhar a música, e apresenta um boa sequencia, sejam de músicas populares ou undergrounds.

No mais, estude, treine em casa e assim siga a vida. Mesmo que seu intuito não seja ganhar dinheiro com o trabalho de DJ, por ter outro ofício, por ter outro trabalho, pense um dia em quem tem o ofício de DJ como sustento. Como muitos não gostariam que tirassem algo que lhe da sustento, não é legal fazer isso com outras pessoas. O texto serve apenas para dar um contrapeso, e talvez elucidar pessoas que poderiam ser mais do que são, mas ainda preferem a gratuidade e mediocridade, ao invés de se dedicar a algo - mas é real que alguns jamais serão de fato o que pretendem ser, ou o que vendem. Na fotografia todo mundo foda.

Sucesso para aqueles que querem ser DJ um dia... seja um desejo sério ou de puro fogo de palha. O futuro e a verdade a Allah pertence.

E como digo sempre, você pode concordar ou discordar, e de verdade, está tudo certo. É preciso discordar para algo mudar. E caso queira, deixe seu comentário sobre o texto logo abaixo. Criticas, elogios e sugestões são sempre bem vindas.


  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br
DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!