Pesquisa no FYADUB | FYASHOP

domingo, 6 de novembro de 2011

HIM HAILE SELASSIE :: NAÇÕES UNIDAS :: 6 DE OUTUBRO DE 1963


H.I.M. Haile Selassie :: Nações Unidas em 6 de outubro de 1963

Sr. Presidente, Distintos Delegados:
Vinte e sete anos atrás, como o Imperador da Etiópia, montei a tribuna, em Genebra na Suíça, para tratar da Liga das Nações e de apelar para o alívio da destruição que tinha sido desencadeada contra minha nação indefesa, pelo invasor fascista. Eu falei em seguida para ambos, na forma e para a consciência do mundo. Minhas palavras não foram ouvidas, mas a história comprova a precisão do aviso de que eu dei em 1936.

Hoje, estou aqui diante de mundo que a organização conseguiu ao manto descartado pelo seu antecessor desacreditado. Neste corpo está consagrado o princípio de segurança coletiva que eu, sem sucesso invoquei em Genebra. Aqui, nesta Assembléia, repousa o melhor - talvez a última - a esperança para a sobrevivência pacífica da humanidade.

Em 1936, declarei que não era o Pacto da Liga que estava em jogo, mas a moralidade internacional. Empresas, eu disse então, são de pouco valor se a vontade para mantê-las está faltando. Da Carta das Nações Unidas expressa as aspirações mais nobres do homem: abjuração de força na resolução de litígios entre estados, a garantia dos direitos humanos e liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião; a salvaguarda do direito internacional, paz e segurança.

Mas estes, também, como foram as frases do Pacto, são apenas palavras, o seu valor depende inteiramente da nossa vontade para observar e honrá-las e dar-lhes conteúdo e significado. A preservação da paz e a garantia das liberdades fundamentais do homem e dos direitos requer coragem e eterna vigilância: coragem de falar e agir - e, se necessário, para sofrer e morrer - a verdade e a justiça; a eterna vigilância, que a transgressão, pelo menos o da moralidade internacional, não devem passar despercebidos e impunes. Estas lições devem ser aprendidas de novo por cada nova geração, e que as gerações sejam realmente afortunadas, que aprendam com outras do que com a sua própria experiência amarga. Esta Organização e cada um de seus membros têm uma responsabilidade esmagadora e terrível: para absorver a sabedoria da história e para aplicá-la aos problemas do presente, a fim de que as futuras gerações possam nascer e viver, e morrer em paz.

O registro das Nações Unidas durante os poucos anos de sua vida proporciona a humanidade uma base sólida para o encorajamento e esperança para o futuro. As Nações Unidas se atreveu a agir, quando a Liga não se atreveu na Palestina, na Coréia, em Suez, no Congo. Não há um entre nós hoje que não conjectura sobre a reação do corpo quando este motivos e ações são postas em causa. O parecer desta Organização hoje atua como uma poderosa influência sobre as decisões dos seus membros. O centro das atenções da opinião pública mundial, focado pela Organização das Nações Unidas sobre as transgressões dos renegados da sociedade humana, até agora provou uma proteção eficaz contra a agressão desmarcada e irrestrita violação dos direitos humanos.

As Nações Unidas continuam a sentir como o fórum onde as nações cujos interesses confrontam podem fixar seus casos perante a opinião mundial. Ele ainda oferece a válvula de escape essencial sem a qual o lento acúmulo de pressões resultariam em uma explosão catastrófica. Suas ações e decisões têm acelerado a conquista da liberdade por muitos povos nos continentes da África e Ásia. Os seus esforços têm contribuído para o avanço do nível de vida dos povos em todos os cantos do mundo.

Para isso, todos os homens devem dar graças. Como eu por estar aqui hoje, como um desmaio, como são as memórias remotas e diferentes de 1936. Como em 1963 são as atitudes dos homens. Nós então existia em uma atmosfera de pessimismo sufocante. Hoje, um otimismo cauteloso ainda flutuante é o espírito predominante. Mas cada um de nós aqui sabe que o que foi realizado não é suficiente.

Os julgamentos das Nações Unidas têm sido e continuam a ser objeto de frustração, como indivíduos estados-membros têm ignorado seus pronunciamentos e ignorou as suas recomendações. Tendões da Organização foram enfraquecidas, como estados-membros se esquivaram de suas obrigações para com ele. A autoridade da Organização foi escarnecida, como indivíduos Estados-Membros têm procedido, em violação de seus comandos, para perseguir seus próprios objetivos e fins. Os problemas que continuam a atormentar-nos praticamente todos surgem entre os Estados membros da Organização, mas a Organização permanece impotente para impor soluções aceitáveis. Como o criador e executor da lei internacional, que as Nações Unidas tem conseguido fica lamentavelmente, ainda curta a nossa meta de uma comunidade internacional de nações.

Isto não significa que as Nações Unidas falharam. Eu vivi muito tempo para apreciar muitas ilusões sobre a alta intelectualidade essencial dos homens, quando trazidos para o confronto gritante como a questão do controle sobre a sua segurança, e os seus interesses de propriedade. Nem mesmo agora, quando tanto está em perigo seria de bom grado muitas nações confiarem os seus destinos a outras mãos.

No entanto, este é o ultimato apresentado a nós: garantir as condições em que os homens vão confiar sua segurança a uma entidade maior, ou aniquilação de risco; persuadir os homens que a salvação repousa na subordinação dos interesses nacionais e locais para os interesses da humanidade, ou colocar em perigo o futuro do homem. Estes são os objetivos, ontem inalcançável, hoje essenciais, que devemos trabalhar para conseguir.

Até que isso seja realizado, o futuro da humanidade e a paz continua em perigoso e permanente uma questão de especulação. Não há fórmula mágica, não um simples passo, nenhuma palavra, que seja escrita em uma Carta da Organização ou em um tratado entre Estados, que podem garantir automaticamente a nós o que buscamos. A paz é um problema do dia-a-dia, o produto de uma infinidade de eventos e julgamentos. A paz não é um "é", é um "dever". Não podemos escapar da terrível possibilidade de uma catástrofe por erro de cálculo. Mas nós podemos alcançar as decisões corretas sobre os problemas miríade subordinados que cada novo dia possuímos, e podemos, assim, dar a nossa contribuição e talvez o que mais pode ser razoavelmente esperado de nós em 1963 para a preservação da paz. É aqui que as Nações Unidas nos serviu - não perfeitamente, mas bem. E no aumento das possibilidades que a Organização possa servir-nos melhor, servimos e aproximamos nossos objetivos mais queridos.

Gostaria de mencionar brevemente hoje duas questões específicas que são de profunda preocupação para todos os homens: o desarmamento e o estabelecimento de uma verdadeira igualdade entre os homens. Desarmamento tornou-se o imperativo urgente do nosso tempo. Eu não digo isso porque eu equacionei a falta de braços para a paz, ou porque acredito que trazendo um fim à corrida armamentista nuclear automaticamente garantimos a paz, ou porque a eliminação de ogivas nucleares dos arsenais do mundo trará o seu acordar que a mudança de atitude necessária para a solução pacífica de controvérsias entre as nações. Desarmamento é vital hoje em dia, muito simplesmente, por causa da imensa capacidade destrutiva do que os homens dispõem.

A Etiópia apóia o tratado de proibição de testes nucleares atmosféricos como um passo para esse objetivo, mesmo que apenas um passo parcial. Nações ainda podem perfeitamente construir armas de destruição em massa por meio de testes subterrâneos.Não há garantia contra a retomada súbita, sem aviso de testes na atmosfera.

O real significado do tratado é que ele admite um impasse tácito entre as nações que o negociou, um impasse que reconhece o fato, sem corte inevitável que ninguém sairia da destruição total que seria a sorte de todos em uma guerra nuclear, um impasse que nos oferece e as Nações Unidas um espaço de respiração em que atuar.

Aqui é a nossa oportunidade e nosso desafio. Se as potências nucleares estão preparadas para declarar uma trégua, vamos aproveitar o momento para fortalecer as instituições e os procedimentos que serviram como meio para a solução pacífica das controvérsias entre os homens. Conflitos entre as nações continuarão a surgir. A verdadeira questão é se eles devem ser resolvidos pela força, ou por recurso a métodos pacíficos e procedimentos, administrados por instituições imparciais. Esta organização muito própria é a maior instituição de tal, e é a Organização das Nações Unidas o mais poderoso que nós procuramos, e é aqui que vamos encontrar, a garantia de um futuro pacífico.

Fora um desarmamento efectivo e alcançados e os fundos agora gastos na corrida armamentista dedicada à melhoria do estado do homem; estávamos para se concentrar apenas sobre os usos pacíficos do conhecimento nuclear, com muito e o pouco tempo poderíamos mudar as condições da humanidade. Este deve ser nosso objetivo.

Quando falamos da igualdade do homem, encontramos, também um desafio e uma oportunidade, um desafio para insuflar nova vida a ideais consagrados na Carta, uma oportunidade para levar o homem mais perto de liberdade e igualdade verdadeira. e assim, mais perto de um amor de paz.

O objetivo da igualdade do homem que buscamos é a antítese da exploração de um povo por outro com o qual as páginas da história e, em especial aqueles escritos dos continentes Africano e Asiático, falando em tal extensão. Exploração, assim visto, tem muitas faces. Mas qualquer disfarce que assume, este mal deve ser evitado, onde ela não existe e esmagada, onde ela se faz. É o sagrado o dever desta Organização para garantir que o sonho da igualdade seja finalmente realizada por todos os homens a quem ainda é negada, para garantir que a exploração não seja reencarnada em outras formas, em lugares onde ele já foi banida.

Como uma África livre emergiu durante a última década, um novo ataque foi lançado contra a exploração, onde quer que ela ainda existe. E em que a interação tão comum à história, este por sua vez, estimulou e encorajou os povos restantes dependentes a esforços renovados para se libertar do jugo que os oprimia e sua reivindicação como seu patrimônio os ideais gêmeos de liberdade e igualdade. Esta luta é uma luta muito para estabelecer a paz, e até a vitória está assegurada, que a fraternidade e compreensão que alimentam e dão vida à paz, mas pode ser parcial e incompleta.

Nos Estados Unidos da América, o governo do presidente Kennedy está liderando um ataque vigoroso para erradicar o vestígio remanescente de discriminação racial deste país. Sabemos que este conflito será vencida e que o triunfo será certo. Neste tempo de julgamento, esses esforços devem ser encorajados e apoiados, e devemos dar a nossa solidariedade e apoio ao Governo americano hoje.

Em maio passado, em Addis Abeba, eu convoquei uma reunião com Chefes de Estado e de Governo Africano. Em três dias, as 32 nações representadas na Conferência que demonstrou ao mundo que quando a vontade e a determinação existe, nações e povos de diversas origens pode e irá trabalhar em conjunto, na unidade, para a consecução de objetivos comuns e a garantia de que a igualdade e a fraternidade que nós desejamos aconteça.

Sobre a questão da discriminação racial, em Addis Ababa a Conferência ensinou, para aqueles que vão aprender, ainda mais esta lição: Até que a filosofia que sustenta uma raça superior e outra inferior, seja finalmente e permanentemente desacreditada e abandonada: Isso até que não haja mais primeira classe e cidadãos de segunda classe de qualquer nação; Até que a cor da pele de um homem seja de maior importância do que a cor de seus olhos; Até que os direitos humanos básicos sejam igualmente garantidos para todos, sem distinção de raça, ate esse dia , o sonho de paz duradoura e de cidadania mundial e do Estado de moralidade internacional, continuará a ser uma ilusão fugaz, a ser perseguida mas nunca alcançada; E até que os regimes ignóbeis e infelizes, que aprisionam nossos irmãos em Angola, em Moçambique e na África do Sul em escravidão sub-humanas forem derrubadas e destruídas; Até a intolerância e os preconceitos mal-intencionados e desumano, os auto-interesses foram substituídos pela compreensão e tolerância e boa vontade; Até que todos os africanos estejam de pé e falem como seres livres, iguais aos olhos de todos os homens, como eles são aos olhos do Céu; Até esse dia, o continente Africano não conhecerá a paz. Nós, africanos vamos lutar, se necessário, e sabemos que venceremos, pois estamos confiantes na vitória do bem sobre o mal.

As Nações Unidas tem feito muito, tanto direta como indiretamente para acelerar o desaparecimento de discriminação e opressão da terra. Sem a oportunidade de focar a opinião pública mundial sobre a África e Ásia, que fornece esta Organização o objetivo, para muitos talvez, ainda pela frente e a luta teria levado muito mais tempo. Para isso, estamos verdadeiramente gratos.

Mas mais pode ser feito. A base da discriminação racial e do colonialismo tem sido econômico, e é com armas econômicas que esses males têm sido e podem ser superados. Nos termos das resoluções aprovadas na Conferência de Addis Ababa Summit, Africano Estados comprometeram-se algumas medidas no campo econômico que, se adotada por todos os Estados membros das Nações Unidas, em breve reduzir a intransigência à razão. Eu pergunto, hoje, para a adesão a estas medidas por todas as nações aqui representadas que é verdadeiramente dedicado aos princípios enunciados na Carta.

Eu não acredito que Portugal e África do Sul estão preparados para cometer um suicídio econômico ou físico se alternativas honrosa e razoável existe. Acredito que tais alternativas podem ser encontradas. Mas também sei que a menos que as soluções pacíficas são concebidos, conselhos de moderação e temperança vai valer para nada, e outro golpe terá sido dadas a esta Organização que irá prejudicar e enfraquecer ainda mais a sua utilidade na luta para garantir a vitória da paz e da liberdade sobre as forças de luta e opressão. Aqui, então, é a oportunidade que nos é apresentado. Temos que agir enquanto podemos, enquanto existe a ocasião para exercer essas pressões legítimas disponíveis para nós, para que o tempo esgotar-se e recorrer-se a meios menos felizes.

Organização faz isso hoje em dia e possuí a autoridade e a vontade de agir? E se isso não acontecer, estamos preparados para vesti-la com o poder de criar e impor o Estado de Direito? Ou é a Carta um mero conjunto de palavras, sem conteúdo e substância, porque o espírito essencial está faltando? O tempo em que ponderar essas questões é muito curto. As páginas da história estão cheios de exemplos em que o indesejado poderia ser evitado, no entanto ocorreu porque os homens esperaram para agir até que fosse tarde demais. Para nós não é possível adiar tais ações.

Se quisermos sobreviver, esta Organização deve sobreviver. Para sobreviver, tem que ser reforçada. Seu executivo deve ser investido de grande autoridade. Os meios para a execução de suas decisões têm que ser fortalecidas e, se eles não existem, eles devem ser criados. Procedimentos devem ser estabelecidos para proteger os pequenos e os fracos quando ameaçados pelos fortes e os poderosos. Todas as nações que cumprem as condições de adesão devem ser admitidas e permitidas de sentar-se nesta assembléia.

Igualdade de representação deve ser assegurada em cada um dos seus órgãos. As possibilidades que existem na Organização das Nações Unidas para fornecer o meio pelo qual os famintos podem ser saciados, os nus vestidos, os ignorantes instruídos, deve ser aproveitada e explorada para a flor da paz não ser sustentada pela pobreza e querer. Para alcançar este objectivo requer coragem e confiança. A coragem, creio eu, que possuímos. A confiança deve ser criada, e para criar confiança devemos agir corajosamente.

As grandes nações do mundo fariam bem em lembrar que na idade moderna até mesmo os seus próprios destinos não estão inteiramente em suas mãos. A paz exige os esforços unidos de todos nós. Quem pode prever quando uma faísca pode incendiar o rastilho? Não é só os pequenos e os fracos que devem observar escrupulosamente as suas obrigações com as Nações Unidas e uns aos outros. A menos que as nações menores são concedidas a sua voz adequadamente na resolução de problemas do mundo, a menos que a igualdade que a África e a Ásia têm se esforçado para alcançar reflita na associação ampliada nas instituições que compõem as Nações Unidas, a confiança virá só que de forma muito mais difícil. Ao menos que os direitos dos menores homens são tão assiduamente protegidos como os dos maiores, as sementes de confiança caíram em solo estéril.

A participação de cada um de nós é idêntica - vida ou morte. Todos nós desejamos viver. Todos buscamos um mundo em que os homens estão livres do fardo da ignorância, fome, pobreza e doença. E todos seremos duramente pressionados para escapar da chuva mortal de armas nucleares que caírem, devemos ultrapassar catástrofes.

Quando falei em Genebra, em 1936, não havia precedentes para um chefe de estado abordar a Liga das Nações. Não sou nem o primeiro nem serei o último chefe de Estado para tratar das Nações Unidas, mas só tenho abordado tanto a Liga e esta Organização nesta capacidade. Os problemas que nos confrontam hoje são, igualmente sem precedentes. Eles não têm contrapartida na experiência humana. Os homens buscam as páginas da história de soluções, de precedentes, mas não há nenhum. Este, então é o derradeiro desafio. Onde estamos a olhar para a nossa sobrevivência, para as respostas às perguntas que nunca foram colocadas? Devemos olhar, primeiro Deus Todo-Poderoso, que levantou o homem acima dos animais e o dotou de inteligência e da razão. Devemos colocar nossa fé nEle, que Ele não nos abandonará ou nos permitirá destruir a humanidade que Ele criou à Sua imagem. E devemos olhar para nós mesmos, nas profundezas de nossas almas. Devemos tornar-nos algo que nunca foram e para os quais a nossa educação e da experiência e do ambiente têm-nos mal preparado. Devemos nos tornar maiores do que temos sido: mais corajoso, mais em espírito, olha mais afora. Devemos tornar-nos membros de uma nova raça, na superação de preconceitos mesquinhos, devido a nossa lealdade final não às nações, mas para nossos semelhantes no seio da comunidade humana. "

Haile Selassie, Organização das Nações Unidas - 6 de outubro de 1963.



Tradução e Adaptação da versão em inglês do discurso na integra do acervo do FYADUB. Nenhuma tradução é fidedigna da língua original, ou seja, qualquer tipo de transliteração deixa lacunas, o esforço é deixar o mínimo de lacunas possível, devido a isso busque sempre ler os artigos originais; RAS Wellington.

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!