quarta-feira, 8 de junho de 2016

SUPER-HERÓIS DO REGGAE :: SLY DUNBAR & ROBBIE SHAKESPEARE COMPUSERAM 200.000 MÚSICAS - AQUI ESTÃO 16 DAS MELHORES





Sly Dunbar e Robbie Shakespeare são os mais famosos músicos da cozinha de ritmo (baixo e bateria) jamaicana de todos os tempos, e há pelo menos 200.000 razões.

Isso de acordo com o famoso duo de drum and bass (baixo e bateria), que de qualquer modo e independentemente da veracidade desta afirmação, são certamente responsáveis por muito mais músicas do que são normalmente reconhecidos. Sem eles, a música popular jamaicana teria tomado um rumo muito diferente.


Grande parte do mundo exterior tornou-se ciente do 'Rhythm Twins' (Gêmeos do Ritmo) através de seu trabalho com a sensação transplantada jamaicana Grace Jones, ou através de colaborações posteriores com os (The Rolling) Stones, Serge Gainsbourg, Herbie Hancock e Bob Dylan. No reino do reggae, Sly e Robbie primeiro causaram um rebuliço quando eram banda de apoio do cantor Peter Tosh em meados dos anos 70, e os holofotes foram colocados diretamente sobre a sua própria criatividade mais tarde, nessa década através de produções em seu selo 'Taxi' com Gregory Isaacs, The Tamlins, Jimmy Riley e Junior Delgado. As conquistas com o Black Uhuru também ajudaram a dar a esse grupo o seu status estelar na sequência da morte de Bob Marley, resultando no primeiro prêmio Grammy de reggae em 1985.


Sly and Robbie também fizeram uma série de álbuns com conceito abstrato com a figura subterrânea Bill Laswell em Nova York, antes de voltar para a briga de hits no dancehall na Jamaica com Chakademus e Pliers, Beenie Man, Capleton e Innocent Kru entre outros. Continuaram os trabalhos com a atriz e cantora jamaicana Cherine Anderson e fizeram colaborações com 'No Doubt' e Sinead O'Connor, que mantiveram o duo com demanda internacional - até mesmo Paris Hilton solicitou a assistência da dupla em sua produção.

Por tudo isso, a música deles nunca realmente caiu em qualidade, e qualquer um que teve o prazer de observá-los no trabalho sabe que sua química individual, é uma grande parte do que faz Sly e Robbie uma força única na produção musical. Sly Dunbar pode soar como um metrônomo e é igualmente hábil em programação de bateria, enquanto que os graves rock-solid de Robbie Shakespeare constituem uma âncora melódica inabalável. Suas personalidades estão em extremos na escala de oposição também - o magrelo Sly é a essência de uma calma e um cavalheiro cortês, enquanto o baixista robusto, uma vez ficou um tempo em uma prisão jamaicana notória, por causa de uma carga de armas e não tem escrúpulos em deixar claro que ele não está para brincadeiras. Juntos, os Senhores Drumbar e Basspeare são um tour-de-force de criatividade rítmica.


Lowell Charles Dunbar foi inicialmente criado em East Kingston, mas se mudou para o distrito de West Kingston de Waterhouse com sete anos de idade, quando esse bairro estava sendo desenvolvido para aliviar a superlotação crônica da capital. Ele gravitou para a bateria enquanto participava da Trench Town Comprehensive School depois de ver Ken Boothe e os The Gaylads se apresentarem lá. O jovem Dunbar passou por um clube de teatro chamado os Yardbrooms e foi orientado brevemente por Mikey 'Boo' Richards da banda In Crowd e Carlton Barrett do The Boys Hippy (que estava prestes a juntar-se aos The Wailers), mas foi o tecladista Ansel Collins que realmente lhe deu educação musical, direcionando-o para o RHT Invincibles (com base em uma padaria Rastafari conhecida como o Rainbow Healing Temple [Templo Do Arco-íris Energético]) como substituto para o Lloyd 'Tin Leg' Adams.

A bateria pronunciada de Dunbar ajudou Collins na música instrumental 'Night Doctor' se tornar um enorme sucesso, especialmente no Reino Unido, onde foi lançada pelo selo Upsetter de Lee Perry. A música de Dave e Ansel Collins 'Double Barrel'* foi um sucesso ainda maior, e a bateria soberba de Sly foi um fator significativo na sua popularidade. Sly brevemente tocou com os The Supersonics no início de 1970, fazendo batidas para Justin Hinds na música 'Say Me Say', mas tocou principalmente em shows dos Vulcanoes em clubes, um spin-off do RHT Invicibles, com base na costa norte. Isso foi quando ele ganhou o apelido de Sly, inspirado por seu amor ao grupo 'Sly and the Family Stone'.

* Existe uma coletânea (muito famosa para quem conhece a história dos Bailes Blacks de de São Paulo), chamada 'Sambarock - O Som dos Blacks' lançada em 1978 pela gravadora Copacabana. Causou certo desconforto em algumas equipes de som da época, por incluir algumas músicas raras (na época) na coletânea. Mas o mais importante é que esse foi o disco onde tive o primeiro contato com o reggae (mesmo sem saber), na coletânea estava músicas como Dave & Ansell Collins - Double Barrel, The Upsetters - Shocks Of A Mighty e Desmond Decker - If You Get If You Really Want. O disco comprado pela minha mãe em 1978, está comigo até hoje e é como se fosse uma memorabilia da casa e do acervo. Em 2009 escrevi sobre essa coletânea e sobre a música Check My Machine de Paul McCartney.

Robbie Shakespeare foi criado em Kingston oriental, e desde que seu irmão mais velho Lloyd era um membro do grupo harmônico 'The Emotions', e Robbie foi motivado a perseguir a música em uma idade precoce, pegando emprestado o violão de seu irmão em todas as oportunidades. Ficava pendurado para fora durante as sessões de ensaio do Hippie Boys, e Robbie teve Aston "Family Man" Barrett para ensinar-lhe os principais rudimentos de contra-baixo, e quando o integrante Fams deixou o grupo para se juntar aos Upsetters (que se tornou banda de apoio dos Wailers), Robbie foi foi quem ficou no seu lugar. Depois de tocar em versão reggae de Errol Dunkley dos Beatles 'I'll Be Back' (lançado como 'You'll Never Know'), ele se juntou a uma banda chamada 'Big Relation', que o levou para o grupo 'The Eternals' de Cornell Campbell, que por sua vez, o levaram a ter a atenção do produtor Bunny 'Striker "Lee, resultando em uma associação de longa data. Family Man garantiu que Robbie aparecesse no álbum 'Catch A Fire' dos Wailers também, podendo ser ouvido nas músicas 'Concrete Jungle' e 'Stir It Up'.

Após o desaparecimento dos 'Volcanoes', Sly transformou os RHT Invencibles em 'Skin, Flesh and Bone'. Banda residente no clube 'Tit For Tat', uma das muitas casas noturnas que na parte alta da cidade florescente Red Hills Road, em Kingston. A versão de Al Brown de Al Green "Here I Am Baby' tornou-se um enorme sucesso em ambos os lados do Atlântico graças em parte à bateria matadora de Sly. E mesmo que Robbie não fizesse parte ainda, Sly fundou o selo Taxi com o guitarrista Ranchie McLean naquela época, sendo o primeiro lançamento uma versão reggae de Ranchie, de 'Little Anthony And The Imperials' com a música 'I'm Falling In Love With You'. (O nome do selo foi desenhado a partir do desenho de um taxi batido que Sly usava para leva-lo de um lado ao outro da cidade).


Sly e Robbie tiveram que conhecer um aos outro nesse período de tempo, em que Robbie estava tocando com o 'Big Relation' em um clube algumas portas para baixo do clube 'Tit For Tat' chamado 'Evil People'. Sly transformou 'Skin, Flesh and Bones' na banda 'The Revolutionaries', que se tornou a banda de estúdio do famoso Channel One, e Robbie era um dos líderes nos 'The Aggrovators', banda ordinária de Bunny Lee, que ouvimos nos grandes sucessos de Cornell Campbell, Johnny Clarke, e Linval Thompson. Sly e Robbie tocaram juntos em algumas sessões do 'The Aggrovators', e Robbie trabalhou com o 'The Revolutionaries' também, tocando piano no hit instrumental "MPLA" e contribuiu tocando guitarra em outras faixas, antes de assumir funções de baixo com Ranchie.

Após a sua série inicial de trabalhos para Peter Tosh, o primeiro lançamento do selo Taxi a creditar Sly and Robbie como produtores conjuntos, foi Gregory Isaacs com o hit de 1977; 'Oh What A Feeling' - uma forte primeira tentativa na esfera da produção. Para os próximos anos, eles não poderiam fazer nada errado, trazendo o Black Uhuru à proeminência e pontuando hit após hit com os principais ouvintes do reggae. Desde então, Sly e Robbie criaram a música em muitos gêneros diferentes ao redor do mundo, reinventando-se como um duo de produção digital na era dancehall, e continuando a tocar ao vivo e em gravações de colaboração.

Aqui está um punhado dos maiores lançamentos de Sly and Robbie de todos os tempos, cada um com a inscrição de sua musicalidade e habilidades de produção excepcionais.


Para ouvir todas as músicas relacionadas no texto, basta dar o play e acessar a playlist.  

1. Andy Capp - ‘The Law’ (Tiger/Duke, 1970)

As incríveis habilidades de Sly Dunbar já estavam em evidência em suas primeiras sessões de gravação. O instrumental de 'Night Doctor' veio de sua primeira sessão de gravação (gravada por Ansel Collins, que licenciou a Lee Perry para lançar a música), com a bateria rock-solid de Sly, enquanto o preludio para Winston Riley em 'Double Barrell', tem uma qualidade igualmente metronoma, com viradas mais impressionantes que preenchem a canção com intervalos regulares. Quando você virar o disco para ouvir a versão, você pode realmente entrar em sintonia com o que Sly está fazendo, com movimentos destros no chimbal, é um contrato de prestação rítmica para a linha de piano de Ansel.

Talvez a mais notável contribuição de Dunbar desse período aparece no início 'falado' no disco 'The Law', com a voz do engenheiro de masterização, Linford 'Andy Capp' Anderson da Dynamic Sounds. Aqui, o ritmo galopante de Sly nos leva para dentro e fora da melodia, enfatizando o tema ocidental de narração de Anderson (e o fez mais proeminente através da aplicação de efeitos de delay), a bateria intrincada fornecendo o principal combustível propulsor da canção. Tanto o corte vocal e a versão do lado B com o solo de órgão, que desacelera e acelera no final da música, mostram que a abordagem de Sly Dunbar no ritmo já era muito além do que de seus contemporâneos estavam fazendo.


2. Errol Dunkley - ‘You’ll Never Know’ (Gay Feet/Bomb, 1972)

Como os primeiros trabalhos de Sly, a gravação de estréia de Robbie Shakespeare já mostra uma afinidade natural com o seu instrumento. A música do The Beatles 'I'll Be Back' tinha sido adaptada pelos Paragons em um fino rocksteady de efeito, mas a reformulação reggae de Errol Dunkley tem mais poder emotivo, sua voz angustiada sem restrições pela harmonia vocal, e o ritmo lânguido ajudando cada palavra sair.

A parte do baixo de Robbie fornece a âncora melódica que mantém tudo no lugar, e você pode ouvir a influência da orientação de Family Man em seu estilo de tocar. Para reforçar ainda mais os elementos da sincronicidade, consideram que Robbie estava usando um Hofner 'Bass Beatle' no momento, o que lhe foi dado por Fams. A música também se beneficia de um acompanhamento de trombone discreto (provavelmente tocado por Vin Gordon) e, embora a canção tenha sido licenciada para Sonia Pottinger para o seu lançamento jamaicano, na verdade a música é auto-produzida por Errol Dunkley. Um belo primeiro esforço de Robbie, apontando para linhas de baixo de arrepiar que iriam vir.


3. Al Brown & Skin Flesh And Bone - ‘Here I Am Baby’ (Tit For Tat/Trojan, 1974)

Desde a posse de Sly no comando do 'Skin Flesh And Bones', a música 'Here I Am Baby' é uma versão reggae do clássico soul de Al Green, que achou sua graça em ambos os lados do Atlântico, e de novo, o padrão de ritmo complicado de Sly impulsiona toda a composição. A canção é notável em várias frentes, não menos importante porque emprega um ritmo do 'flying cymbal', com base em um padrão de abrir e fechar o chimbal, mas a batida de Sly no chimbal é totalmente diferente do que todo mundo estava fazendo com o estilo, e você pode ouvir isso mais claramente na excêntrica versão no lado b, que tem uma espécie de duelo na linha melódica. A produção é creditado ao dono do de um clube chamado Dickie Wong, mas Sly e Ranchie McLean estão totalmente no controle. Mais evidências de que Sly estava fazendo mais do que muitos de seus contemporâneos nesta época, era assumir o comando da banda de trás da bateria.


4. Cornell Campbell - ‘Wherever I Lay My Head’ (Bar Bell/Micron/Horse/Monica’s, 1975)

Como foi o caso com Sly, Robbie Shakespeare começou a emitir suas próprias produções em 1974, começando com faixas de Johnny Clarke e seu principal rival Cornell Campbell. Shakespeare tinha sido tocado no grupo 'Eternals' de Campbell, o que fez com que o seu vínculo com o cantor fosse particularmente forte, e assim como Sly apreciado gravar versões reggae de músicas soul, Robbie faz uma reformulação da música de Marvin Gaye 'Wherever I Lay My Hat' (gravada para a Motown por de volta em 1963, mas que não teve um impacto até vários anos depois, quando foi reeditada como lado b de "Too Busy Thinking About My Baby').

O ritmo aqui é despojado na bateria, baixo e vocal, com apenas um punhado de guitarra atrás de uma linha de teclado instável, o que significa que Robbie fornece a única melodia instrumental, em paralelo com o vocal tenor de Campbell. A versão no lado b de King Tubby faz pleno uso do "flying cymbal', e mostra a profundidade total de expressão que Robbie é capaz de transmitir através de suas linhas estrondosas, com seus dedos em queda livre até as profundezas do espectro dos graves, antes de pular o pescoço (do contra-baixo) para os refrões.


5. Gregory Isaacs - ‘What A Feeling’ (Taxi, 1977)
Uma dos clássicos de todos os tempos de Gregory Isaacs, 'What a Feeling' descreve a atmosfera incrível de uma festa com um sound sustem em Kingston, com todos recebendo alegremente e balançando ao ritmo, sem se preocupar com as divisões que muitas vezes resultam em violência na ilha. Leva o cantor de volta à sua infância, mas ele observa que, mesmo assim a paisagem foi marcada por malfeitores; No entanto, o poder da música prevalece.

Com a primeiro co-produção oficial de Sly & Robbie, este é um bom local de interesse, embora Robbie disse que eles realmente não conseguiram um sucesso significativo com o selo, até Gregory gravar 'Soon Forward' no ano seguinte. Em qualquer caso, o contraste fornecido pelo rufar intrincado de Sly nos espaços de Robbie, com uma linha de baixo 'hands-off', é em parte o que torna esta uma grande sintonia. As paradas de descanso de Robbie caíram em todos os lugares certos, e há um arranjo de piano memorável que surge no meio de versos de Gregory, com apenas um pouco de guitarra para apimentar o processo. Outras músicas de Gregory para ver a produção de Sly & Robbie incluem uma grande 12inch duplo; "Motherless Children/Going Downtown", e o mega-hit 'Soon Forward'.


6. Black Uhuru - ‘Let Him Go’ (Taxi 7”, 1977)

Sly e Robbie tiveram um relacionamento especial e de longa data com o Black Uhuru. A ligação entre Sly e Michael Rose vem desde o início dos anos 70, porque ambos eram residentes no Waterhouse, e estavam chegando na cena musical, e é digno de nota que Sly produziu 'Artibella' para o Táxi com Rose em 1975, antes que ele e Robbie fossem uma sólida equipe de produção. Depois Rose, tornou-se vocalista do Black Uhuru, e a intenção era que o seu álbum de estréia fosse uma produção de Sly e Robbie, mas a dupla estava em turnê com Peter Tosh, e o Black Uhuru acabou gravando esse disco com Prince Jammy.

No entanto, versão animada de Black Uhuru para "Let Him Go" foi um tremendo sucesso para o selo Taxi, e prescindia o que iriam alcançar juntos no futuro, e a percussão inventiva de Sly é uma grande parte do que a torna única e tão grande. É uma leitura individual do clássico dos Wailers, re-trabalhado para a era dos rockers, com atropelos de pratos e um teclado borbulhante dando a canção seus ganchos irresistíveis. Uma vez que o grupo voltou a trabalhar com Sly e Robbie, em 1979, não havia como voltar atrás: o álbum 'Showcase' seria trabalhado no exterior pela Virgin, e o contrato de Sly quebrado com a Island fez o grupo o maior ato reggae no mundo, seguinte a morte prematura de Bob Marley.


7. Junior Delgado - ‘Fort Augustus’ (Taxi 7”/Niagara 12”, 1979)

Júnior Delgado tem o seu início no 'Time Unlimited', gravando trabalhos impressionantes para Rupie Edwards, Lee 'Scratch' Perry e Tommy Cowan. Quando os membros do grupo seguiram caminhos separados, os tons graves de Delgado caíram nas graças e excelência para gravações com Perry, Niney The Observer e Augustus Pablo, antes de sua parceria duradoura com Dennis Brown que também deu frutos. 'Fort Augustus' é a mais difícil das duas faixas que Sly and Robbie produziram com Jux para o táxi, com gritos angustiados de Delgado, em referência a várias instituições penais na Jamaica e as práticas terríveis infligidas aos prisioneiros. Syndrums de Sly dão à música uma ponta de futurismo e o padrão de baixo subsônico de Robbie enfatiza a gravidade na melodia.

A outra gravação do selo Taxi por Jux, 'Merry Go Round", é também uma vencedora, embora vindo muito mais do ponto de vista de uma loversrock; para melhor apreciar a dureza do ritmo do 'Fort Augustus', verifique as várias versões dub, incluindo a estendida 12" pelo selo Niagara, e a versão por Paul 'Groucho' Smykle no álbum 'Raiders Of The Lost Dub LP'.


8. The Tamlins - ‘Baltimore’ (Taxi 7”/Taxi & D Roy 12”, 1980)

Fortemente influenciado pelo soul norte-americano, o trio de harmonia 'The Tamlins' começou a gravar em meados dos anos 70 e fez seu nome no Channel One, dando-lhes uma relação de trabalho duradoura com Sly e Robbie. Uma vez que parte do foco de produção do selo Taxi sempre envolvia interpretações reggae de músicas estrangeiras, o grupo foi uma escolha natural para colaborar a dupla. Nesta intensa versão de 'Baltimore', eles padronizarão a música não depois do original discreto de Randy Newman, mas fizeram após a leitura individual da melodia em jazz de Nina Simone.

Entre o baixo pulsante de Robbie e os padrões syndrum intergalácticos de Sly, temos uma fanfarra de metais temível, que ressalta o desespero dramático da canção, com Tamlin Júnior Moore cantando com seu coração para fora. A versão dub estendida nos 12" e o lado B dos 7", ambos colocam as arestas do ritmo totalmente no centro das atenções. Ouça também a versão pseudo-rap no toast de Welton Irie, 'Hotter Reggae Music', que aparece em alguns 12" lançados, com alguns enxertos com pedaços de 'Rappers Delight' na letra.


9. Jimmy Riley - ‘Love And Devotion’ (Taxi 7”, Niagara & Yes 12”, 1980)

O tenor influenciado pelo soul Jimmy Riley era um colega de escola de Slim Smith, que formou o grupo rival 'The Uniques', porque o grupo 'The Techniques' de Smith já estava completo. A carreira solo começou na década de 1960, ele gravou trabalhos inovadores com Bunny Lee e Lee 'Scratch' Perry, bem como o trabalho de auto-produção, e apesar de material gravado na Black Ark e com Ossie Hibbert no Channel One, ele teve uma sensação underground, o sucesso internacional que ele desejava não aconteceu até ele que ele se juntou com Sly e Robbie para gravar esta música pós-rockers, o hino de Smith, que finalmente o levou ao topo das paradas.

Os complicados padrões de bateria e syndrum acentuados de Sly reestruturaram totalmente a melodia, enquanto Robbie, toca juntamente com uma linha de baixo ainda melodiosamente escassa; Riley torce a emoção máxima de sua entrega de espírito, trazendo a música para o seu pleno potencial. Não perca a versão de General Eco com a hilariante kung-fung "Drunken Master', que também faz o uso máximo do ritmo. Quanto Riley, fez o prelúdio para Sly e Robbie de 'My Woman's Love', era quase tão popular quanto 'Love And Devotion', e um gravação reggae com a voz rouca de "Sexual Healing", de Marvin Gaye também ajudou a manter sua carreira nos trilhos.


10. The Viceroys - ‘Heart Made Of Stone’ (Taxi 7” & 12”, 1980)

'The Viceroys' é um desses trios de harmonia que têm uma história muito complicada. Na era rocksteady fizeram gravações notáveis ​​para o Studio One, Derrick Morgan e Sir JJ , passando a trabalhar com Joe Gibbs, Lee Perry, Lloyd The Matador, Sidney Crooks e Winston Riley nos primórdios do reggae. Algumas mudanças de line-up aconteceram ao longo do caminho (embora o líder Wesley Tinglin permaneceu no comando), e após o gravação do trabalho mais fino para o Studio One, eles gravaram este impressionante single para Sly and Robbie em 1980.

O ritmo é enganosamente simples, mas o padrão de baixo com as nuanças de Robbie engancha o ouvinte desde o início, e como de costume, Sly dirige tudo com um padrão de bateria complicada, fez ficar mais atraente pelos gritos de seu acentuado syndrum. Adicione alguns sons de teclado e guitarra estranhos, e você tem um pano de fundo adequadamente estranho para um conto de um romance de um coração partido, Tinglin e o grupo das desbravam as desgraças de uma mulher de dois tempos.


11. Grace Jones - ‘My Jamaican Guy’ (Island 7” & 12”, 1983)

Chris Blackwell viu o potencial de estrela em Grace Jones desde o início, lançando-a na sequência abortada de Perry Henzell para The Harder They Come (intitulado como No Place Like Home), num momento em que ela era totalmente desconhecida e apostando em seus três primeiros álbuns, que foram em grande parte do gênero Disco, mas não conseguiu alcançar o sucesso no mainstream. Blackwell sabia que ela precisava de uma direção diferente para alcançar o objetivo, e acabou formando as 'Compass Point All Stars' como sua banda de casa para o estúdio 'state-of-the-art' que ela construiu nas Bahamas. Sly e Robbie foram naturalmente recrutados para ser o seu núcleo rítmica e artístico.

Eles trouxeram o guitarrista Mikey 'Mao' Chung dos 'The Revolutionaries' e percussionista Sticky Thompson com eles de Kingston (e em algumas sessões, Tyrone Downie da banda The Wailers), mas Blackwell não queria que o All Stars fosse ser 100% jamaicano, então ele puxou para o guitarrista de Marianne Faithful, Barry Reynolds, e do natural de Benin, residente em Paris, o gênio do teclado desde criança, Wally Badarou, para ampliar o som. Os álbuns 'Warm Leatherette' e 'Nightclubbing' foram álbuns quentes e maciçamente bem sucedidos, mas a final da colaboração do Compass Point, 'Living My Life', talvez apresentou a maior complexidade. 'My Guy Jamaican' é excelente, em parte por causa de seu maravilhoso ritmo, que Sly diz ser influenciada pela música popular jamaicana conhecida como mento. Robbie mantém sua mínima linha de baixo na extremidade inferior da escala e os teclados de Badarou injetam um pouco de melodia alegre. A canção foi aparentemente inspirada por Tyrone Downey, como foi revelado por Jones algumas décadas mais tarde.


12. Dennis Brown - ‘Revolution’ (Taxi 1983)

Uma das figuras verdadeiramente icónicas da música popular jamaicana, o catálogo de Dennis Brown é simplesmente magnífico, e muitos fãs sentem que ele tinha a vantagem sobre Bob Marley em grande parte das suas respectivas carreiras. A parceria com Sly e Robbie produziu resultados excelentes e em nenhum lugar isso é mais evidente do que na música 'Revolution', um verdadeiro hino de Brown que permaneceu com uma característica de suas performances ao vivo. Sua ligação inicial com a dupla em 1981 produziu a censurada 'Sitting And Watching' (o que teve uma grande versão de rub a dub de Ranking Dread em 'Lots Of Loving'), e a romântica 'Have You Ever', mas 'Revolution' de 1983 é muito mais forte.

Desta vez, o ritmo é ainda mais tentador através do uso criterioso de Sly do Roland TR-808 como um enfeite; em vez de dominar a música com a máquina, ele só a usa para fornecer sons assassinos de aplauso (claps), incitando o ritmo para a frente com cada barra. Enquanto isso, Brown canta com fervorosa convicção da necessidade de uma ação rebelde em um momento em que o mundo estava no meio de uma reação conservadora.


13. Ini Kamoze - ‘World A Music’ (Taxi 7” & Island LP, 1984)

No rescaldo da morte de Bob Marley, o Black Uhuru estava pronto para levar a coroa do reggae, graças em grande parte à entrada do Sly e Robbie no grupo. No entanto, quando se preparavam para gravar o álbum Anthem, que acabou vencendo o primeiro Grammy do reggae, tensões internas culminaram na expulsão de Michael Rose, sinalizando o declínio gradual da sua posição dominante.

Ao mesmo tempo, uma vez que Island tinha contrato assinado com o ex-trabalhador da comunidade e ator Ini Kamoze, houve rumores de que ele herdaria o legado de Marley. Kamoze fez suas primeiras gravações por cerca de 1982, para o selo Mogho Naba, que ele tinha formado com o sobrinho de Jimmy Cliff, Sipho Merritt. Sly e Robbie o pegaram depois de obter num porão uma fita demo, e quebraram seu contrato com a Island.

‘Trouble You Trouble Me’ (com Sly e sua TR-808) e ‘General’ foram lançados como um único single em 1983, o que provocou todos os tipos de interesse em Kamoze, e quando seu álbum de estréia auto-intitulado veio à tona no ano seguinte, ele também teve a contundente 'World A Music', o inesperado sucesso que a maioria dos fãs mais jovens conhecem devido à seu uso no álbum de Damian Marley 'Welcome To Jamrock'. Robbie fornece uma linha de baixo desarticulada com abundância de paradas de descanso, enquanto Sly faz alguns interlúdios extravagantes; acordes de piano de Robbie Lyn saltam dentro e fora da miragem, onde foi dada maior profundidade por Paul 'Groucho' Smykle. Como tenor distintivo Kamoze canta o apelo duradouro da música reggae.


14. Sugar Minott - ‘Herbman Hustling’ (Jaguar 7”, Taxi 7” & 12”, Black Roots 12”, 1984)

Há um debate considerável sobre quem fez o primeiro registro de reggae 'digital' ou 'computadorizado', ou mesmo se tais termos descrevem com precisão o reggae feito com sintetizadores e baterias eletrônicas. Todos apontam para Wayne Smith com 'Under Mi Sleng Teng', produzido por Prince Jammy a partir de um preset Casio, mas Sugar Minott afirmou que ‘Herbman Hustling’ merece a designação primária. Minott começou sua carreira com o 'The African Brothers' durante meados dos anos 70, mas se separou para seguir carreira solo no Studio One, onde ele revolucionou a música popular jamaicana, dando voz a novas canções em velhas faixas produzidas por Dodd.

Quando lançou seu próprio selo batizado de Black Roots em 1980, Minott lançou um monte de trabalhos auto-produzidos e alimentados com os talentos de futuros músicos. Ele continuou a gravar para uma série de produtores ao mesmo tempo e um emparelhamento com Sly and Robbie fez todo o sentido. Minott já tinha gravado uma versão rotos, um pouco mais lenta de de ‘Herbman Hustling’ para Bullwackie em Nova York, mas Sly e Robbie recravaram a música com arranjos digitais super-carregados, e acabou por se tornar um sucesso espetacular. Seu ritmo sustentado e o baixo do teclado forneceu amplitude para o movimento dancehall que crescendo. Isso mostra que Sly Dunbar foi capaz de se adaptar aos tempos, e embora eles enfrentassem críticas em casa por gastar muito tempo em passeios no exterior, Sly e Robbie foram capazes de continuar a ser uma força de produção viável na era dancehall, apesar da produção digital ter causado mudanças drásticas na músida.


15. Mykal Roze - ‘One A We, Two A Wi’ (Taxi 7” 1999)

Em meados da década de 1980, Sly e Robbie produziram alguns grandes álbuns de fusão com o produtor baseado em Nova York Bill Laswell. 'Language Barrier' teve contribuições da África Bambaata, Herbie Hancock, Doug E. Fresh, e até mesmo Bob Dylan na gaita, todos fazendo a sua parte através de uma série de ritmos de condução, enquanto Rhythm Killers também foi multifacetada, com uma base dancehall, hip-hop, funk e electro multi efeito.

Sly and Robbie também alimentaram a carreira de Gwen Guthrie e contribuíram para o álbum 'Empire Burlesque' de Bob Dylan, uma das muitas colaborações no exterior de alto nível da época. Então, durante a década de 1990, eles começaram a passar períodos mais longos na Jamaica e retiraram à produção musical, gravando uma grande versão influenciada pelo bhangra de 'Mission Impossible' (na voz de Innocent Kru chamada de 'Impossible Train'), entre muitos outros.

Um dos registros mais notáveis ​​para a superfície deste período é ade Michael Rose 'One A We, Two A Wi', que monta um ritmo digital do selo Taxi, resistente e não-padrão, sobreposto por acordes de guitarra agitadas e teclados estranhos numa espécie de redemoinhos, sobre as quais Rose canta sobre o ciclo vicioso que leva perpetuamente maus rapazes da esquina e da rua à cadeia. Curiosamente, a produção não é creditada a Sly e Robbie, mas para o guitarrista enigmático Carl Harvey, um colega de longa data de Robbie com os Aggrovators. Note que a canção foi reeditada em forma de Remix várias vezes, com variados graus de sucesso; o 7" original pelo selo Taxi continua a ser o formato preferido.


16. Jimmy Riley & Tarrus Riley - ‘Pull Up Selector’ (Taxi 7,” 2007)

Se alguém tinha alguma dúvida sobre Sly e a relevância de Robbie em nossa época contemporânea, basta ouvir este grande dueto entre Jimmy Riley e seu filho Tarrus. Produzido por Sly e Orville ‘Rorey’ Baker no Baker’s One Pop Studio, o ritmo é baseado em uma riddim de (outro sucesso de Sly & Robbie e produção clássico de '84) 'Rub A Dub (aka Tune In)' de Sugar Minott. E Tarrus lidera o caminho neste hino ao fascínio do dancehall, auxiliado por tons rudes do pai de Jimmy em intervalos selecionados. Pura Classe!

COMPRAR SLY & ROBBIE @ FYASHOP


Various - Fat Eyes Dancehall Dee-Lite (LP, Comp)
Label:Heartbeat Records (2)
Cat#: HB 226
Media Condition: Mint (M)
Sleeve Condition: Mint (M)
 



Leroy Brown (2) - 70's Reggae Style (LP)
Label:Caturna
Cat#: CATLP003
Media Condition: Mint (M)
 



Pinchers, Firehouse Crew, Sly & Robbie - O Lord Remember Me (7")
Label:XTerminator
Cat#: none
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
 



Capleton - Prophecy (LP, Album)
Label:African Star Music, Rush Associated Labels
Cat#: 314 529 264-1
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Sleeve Condition: Very Good Plus (VG+)
 



Maxi Priest - Wild World (7")
Label:10 Records
Cat#: TEN 221
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Original press, some little noise, marks on surface and some marks and sticker on label, plays nice.
 



Sly & Robbie - Dance Hall (12")
Label:Island Records
Cat#: 0-96536
Media Condition: Very Good (VG)
Sleeve Condition: Good (G)
 



Judy Mowatt - Come see About Me (7")
Label:Taxi
Cat#: TXI-867123
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
 



Dennis Brown - Sitting & Watching / Revolution (7")
Label:Taxi
Cat#: none
Media Condition: Near Mint (NM or M-)
Have a sticker on label.
 



Sly & Robbie Presents Mykall Rose* - The Taxi Sessions (LP, Album, Promo)
Label:Taxi
Cat#: TAXI PROMO 1
Media Condition: Very Good Plus (VG+)
Sleeve Condition: Very Good Plus (VG+)
 




Por David Katz - Publicado Originalmente @ http://www.factmag.com/2016/06/01/sly-robbie-best-songs/


  Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br
DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI NO SITE

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!