Mostrando postagens com marcador Amazon Prime. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Amazon Prime. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 7 de abril de 2021

POR QUE JAMEL SHABBAZ É O FOTÓGRAFO MAIS IMPORTANTE NO HIP HOP DE NOVA IORQUE

Desde o início dos anos 1980, o Shabazz capturou a energia da vida nas ruas e da cultura hip-hop em Nova York, criando imagens indeléveis de alegria, estilo e comunidade.

Jamel Shabazz, Rude Boy, East Flatbush, Brooklyn, 1982

Nova York é uma cidade fantasma. A pandemia do COVID-19 paralisou a metrópole. Muitos têm medo até de sair de seus apartamentos para comprar mantimentos. O fotógrafo itinerante Jamel Shabazz está escondido em sua casa em Long Island, seu “santuário”. O mundo de Shabazz é abalado diariamente por mais um telefonema anunciando a morte de um ente querido. É um calendário de perdas com o qual ele está intimamente familiarizado. Ele sobreviveu à era do crack dos anos 1980 e à crise da AIDS, quando tantos amigos de seus bairros no Brooklyn - Red Hook e depois East Flatbush - não sobreviveram.

Todas as manhãs, enquanto vivia em quarentena, Shabazz entra em um dos vários armários de sua casa e pega uma caixa de arquivo pesada. Centenas de caixas idênticas se alinham em cada espaço disponível em sua casa. Eles são organizados cronologicamente e subdivididos por tipo: preto e branco, cores, formato médio e assim por diante. Uma caixa, assim como as outras, contém pedaços de tempo congelados em negativos, slides e impressões fotográficas. É um arquivo tão vasto (que contém até os negativos de seu pai, que também era fotógrafo) que, quando questionado sobre a quantidade, Shabazz responde: “Não dá para contar”. Ele carrega a caixa para o centro da área de trabalho. Esta é uma nova rotina que se tornou a única coisa consistente em tempos incertos. Shabazz vai passar as próximas oito horas vasculhando meticulosamente a caixa, redescobrindo rostos e paisagens da cidade que ele havia esquecido até de fotografar. Ele verifica alguns de seus favoritos. Em seguida, ele os posta em seu Instagram, às vezes com uma faixa de música que o acompanha, às vezes não. Em segundos, curtidas e comentários de seus mais de cem mil seguidores de todas as idades, de todo o mundo, começam a inundar. Esses fragmentos de tempo congelados, que ainda provocam o mesmo prazer, orgulho e admiração que fizeram nos anos 1980 e 1990. 

Jamel Shabazz, Rolling Partners, Downtown Brooklyn, 1982

Acho que sou um alquimista”, diz Shabazz. “Eu congelo o tempo e o movimento.” É como se esse apelido fosse uma nova revelação, o resultado de agora ter tempo e espaço para refletir sobre sua odisséia na fotografia profissional. Quando examinada como um todo, a marca de retratos de Shabazz não pode, e talvez não deva, ser caracterizada simplesmente como fotografia de rua ou fotografia de moda. Ele diz que é um alquimista. Eu acredito nele.

No início dos anos 1970, a casa dos Shabazz em Red Hook estava viva e vibrante com os sons funk de Marvin Gaye, Jacksons 5 e Earth, Wind & Fire. E livros. Havia toneladas de livros. Livros sobre política, fotografia e cultura eram organizados de maneira ordenada em uma enorme parede de estantes. “Meu pai tinha uma biblioteca realmente vasta de livros, e eu examinava cada livro que ele tinha em casa”, lembra ele. “National Geographic, Revista Life - todas essas publicações me informaram.” Shabazz, que desenvolveu um sério problema de fala quando era bem jovem, descobriu que enquanto lutava para se comunicar verbalmente, ele podia se perder no mundo dos livros e capas de álbuns de seu pai. Black In White America (1968) de Leonard Freed estava entre os favoritos de Shabazz. Ele o folheou com tanta frequência durante sua adolescência que o livro desmoronou quando Shabazz chegou ao colégio.

Jamel Shabazz, Harlem Week, Harlem, 1988

Para escapar do problema crescente que estava prendendo muitos meninos pretos no Brooklyn nos últimos anos do movimento Black Power, Shabazz tomou a decisão de se alistar no exército assim que pudesse. Em 1977, Jamel Shabazz, de dezessete anos, foi designado para um cargo nos arredores de Stuttgart, Alemanha. Ele seguiu o exemplo de um soldado negro mais velho que carregava sua câmera com ele aonde quer que fosse. “Para praticamente todo mundo que estava no exército, uma câmera era a melhor coisa a se ter. Porque para eles, eles estavam fugindo pela primeira vez. Então, é por meio dessa experiência que eles trouxeram as fotos para casa.” A Canon AE-1 de Shabazz se tornou sua companheira mais próxima. Ele tirou fotos de tudo o que viu e provou enquanto se movia pela Alemanha. Ele se tornou uma espécie de etnógrafo, traduzindo o espírito subversivo dos poetas pretos que estava descobrindo - Sonia Sanchez, Nikki Giovanni e Amiri Baraka - enquanto manipulava a abertura da câmera e as configurações do obturador.

Depois de uma temporada no exército, Shabazz voltou para casa, no Brooklyn, em 1980, um homem mudado. “Voltei para casa como um revolucionário”, lembra ele. Não mais seduzido pelas atrações da vida nas ruas, Shabazz queria criar uma mudança real em sua comunidade. A câmera 35 mm que ele aprendeu a usar no exército seria a chave para seu ministério das artes revolucionárias. Shabazz proclama: “Minha jornada nunca foi sobre querer ser fotógrafo. A visão principal era salvar nosso povo.” Sua missão era mobilizar aqueles que os Panteras Negras chamavam de “proletariado lúmpen” - bandidos, cafetões e trabalhadoras do sexo - que eram os mais vulneráveis ​​à exploração do trabalho, ao vício em drogas e à falta de moradia. Muitos dos amigos de infância de Shabazz criaram essa economia subterrânea. E agora, o homem que antes lutava para falar estava empenhado em usar sua câmera para iniciar conversas com esses velhos amigos, e até mesmo estranhos, no Brooklyn e em Manhattan.

Jamel Shabazz, Styling & Profiling, Flatbush, Brooklyn, 1980

Aqueles primeiros anos eram menos sobre seguir alguns padrões de artesanato da indústria e mais sobre como usar o relacionamento especial entre o fotógrafo e o assunto para estabelecer uma conexão espiritual mais profunda. Shabazz estava canalizando a capacidade de James VanDerZee de capturar pura emoção humana e a versatilidade de Gordon Parks, permitindo misturar diferentes gêneros de fotografia. Ele aprendeu rapidamente que não se podia abordar os negros americanos, principalmente as pessoas que viviam nas ruas que ele queria alcançar, vestidos como um desleixado. “Acho que alguns podem me ver como um tipo de pessoa elegante”, diz ele. “E as pessoas ficaram mais abertas para mim quando me viram.” Eles puderam ver imediatamente que Shabazz entendia a economia de estilo do bairro, que falava uma linguagem comum. Ele era um insider. Esse status de insider concedeu a Shabazz acesso ao seu eu interior - uma intimidade refletida nas posturas e poses corporais de seus modelos - e deu a chance de profetizar amorosamente possibilidades alternativas para o futuro deles.

A fotografia também salvou a vida de Shabazz, especialmente depois que ele foi contratado, em 1983, como agente penitenciário na infame prisão de Rikers Island. Longos turnos “testemunhando a desumanidade que os homens infligiriam a outros homens”, como ele descreve, eram uma parte diária desse trabalho. Shabazz diz sobre suas frequentes sessões de fotos após o trabalho: “Eu tive que sair para as ruas e ganhar meu equilíbrio explorando a alegria, alcançando a fraternidade e a união”. Ele fotografava em torno de East Flatbush, muitas vezes usando sua lente grande angular de 28 mm. Então, talvez ele fosse para o Lower East Side, onde mudaria para suas lentes de 50 mm enquanto conversava e fotografava trabalhadoras do sexo vestidas com seus estilos de aeromoças dos anos 1980: pulseiras de ouro e brincos de bambu, leggings e saltos altos. Outras vezes, ele poderia passar um domingo no Harlem, pegando os maçons, as estrelas do leste e os frequentadores da igreja em suas melhores roupas, antes de ir para o Central Park, para Midtown, depois para a Delancey Street. “Eu cobriria muitas áreas. Eu até entrava no trem e olhava para os bairros que eram interessantes, saía e ia fotografá-los.” Ele andava tanto que repetidamente apresentava buracos nas solas de seus sapatos de grife. Quanto mais fotografava, mais conseguia se distanciar dos horrores da prisão.

A mudança sutil da dance music para algo que soava e parecia muito mais corajoso poderia ter sido imperceptível se Shabazz não estivesse lá para registrar no filme (da máquina fotográfica). “Posso capturar seu legado?” A sugestão simples de Shabazz ofereceria aos espectadores posteriores de seu trabalho, uma janela para a cultura hip-hop florescente do início dos anos 1980. Viver no filme era uma promessa de imortalidade que a tumultuada vida nas ruas não podia garantir. Uma de suas fotos mais icônicas daquela época, Rude Boy (1982), é um símbolo desse ethos do estilo hip-hop inicial. “Kerral era um traficante”, diz Shabazz sobre o modelo da fotografia. “Ele era um cara muito gentil e afável que eu pensei que tinha muito potencial.” Enfeitado em seu terno risca de giz e toneladas de joias de ouro, Kerral astutamente posou para a câmera de Shabazz - ligeiramente curvado, com a mão no queixo. Kerral foi assassinado apenas alguns anos depois que aquela fotografia foi tirada. Mas seu legado vive no Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana e nas redes sociais. Essa imagem também representa a abordagem pioneira de Shabazz na fotografia de estilo de rua. Não se tratava de capturar furtivamente um retrato sincero de um assunto desconhecido; tratava-se de colaborar com a pessoa. Shabazz queria fotografar jovens negros e latinos de uma forma que lhes permitisse moldar como queriam ser vistos e compreendidos pela posteridade.

Jamel Shabazz, Too Fly, Downtown Brooklyn, 1982

No final dos anos 90, as fotos de Shabazz, que circulavam pelo bairro e nas prisões por quase duas décadas, começaram a chamar a atenção dos editores de revistas de hip-hop. Vibe, The Source e Trace estavam ajudando a traduzir a cultura hip-hop para um público global. Suas equipes de escritores, editores e diretores criativos - a maioria dos quais tinha menos de trinta anos estavam sempre procurando por algo que gritasse "fresh", "autêntico", "da cultura". Durante seus intervalos para o almoço, Shabazz - então com quase quarenta anos e trabalhando em Lower Manhattan - se dirigia aos escritórios próximos das revistas para mostrar aos editores seu portfólio. Até então, ele havia atualizado seu equipamento para uma Nikon N6006 SLR. Mas os editores adoraram especialmente as fotos tiradas nos anos 80, com seu antiga Canon. “Ele capturou a pureza, a essência da cultura hip-hop em sua forma mais crua e melhor. Um que não estava negociando sua relação com o mainstream ou o olhar branco”, diz Joan Morgan, diretora de programa do Centro de Cultura Visual Negra da Universidade de Nova York, redatora da equipe da Vibe em meados dos anos 90. A revista The Source publicou várias páginas da fotografia de Shabazz em sua edição de aniversário de 1998, apresentando os melhores momentos do hip-hop. “Isso me colocou no mapa e começou minha base de fãs”, lembra Shabazz.

Aparentemente da noite para o dia, Shabazz passou de funcionário municipal com um salário modesto a fotógrafo profissional reconhecido. “Comecei a fazer uma transição de trabalhar em uma atmosfera muito negativa e odiosa para agora fazer mostras de arte solo.” Antwaun Sargent, um crítico de arte e autor do livro The New Black Vanguard: Photography Between Art and Fashion (Aperture, 2019), acredita que as imagens de Shabazz conectam os espectadores a um conhecido vernáculo preto de maneiras que redefinem o retrato: a gíria de rua, as posturas corporais a política da indumentária, as fotos penduradas na parede da vovó. “A forma como pensamos sobre o retrato preto passa pelo vernáculo, pelo local. Isso vem através do fotógrafo da vizinhança”, diz Sargent. Algumas das maiores influências de Shabazz foram os álbuns de fotos de família em sua casa de infância, que foram transmitidos de geração em geração: "Aqueles álbuns de fotos íntimos e pessoais realmente me permitiram ver o poder da fotografia." Shabazz exibiu essa abordagem local do retrato preto em todos os lugares, do Studio Museum no Harlem ao J. Paul Getty Museum em Los Angeles, do Victoria and Albert Museum em Londres ao Addis Foto Fest em Addis Abeba, Etiópia. Três de seus livros publicados pela PowerHouse - Back in the Days (2001), The Last Sunday in June (2003) e A Time Before Crack (2005) - são considerados clássicos por sua articulação de um vernáculo visual preto.

Jamel Shabazz, The X Men, West Village, 1985

Apesar de agora ser proclamado como um rei da cultura (pop e hip hop) por pessoas que já sabem, Shabazz nunca recebeu a mesma aclamação que os fotógrafos elogiados que narraram a vibrante vida nas ruas de Nova York. “Não acho que tenha havido um ajuste de contas real com essas imagens”, diz Sargent, embora ele acredite que não teríamos Tyler Mitchell, Stephen Tayo, Tommy Ton ou Scott Schuman sem o trabalho pioneiro de Shabazz. A verdade é que Shabazz nunca gostou da fama e do reconhecimento institucional. Sempre foi sobre construir comunidade. “Você me vê através dos meus modelos. Através dos olhos dos meus modelos, você está me vendo”, diz Shabazz. Durante anos, ele não conseguiu explicar completamente por que procurou estabelecer um vínculo conectivo com as pessoas que fotografou. Mas agora, como fotógrafo veterano - um alquimista - ele é capaz de expressar de maneira poderosa, como pedaços de tempo congelados, que podem transformar uma comunidade.





quinta-feira, 4 de março de 2021

MISS PAT: MY REGGAE MUSIC JOURNEY

Miss Pat: My Reggae Music Journey Capa dura – 17 março 2021 - https://fyashop.com.br/Miss-Pat-Reggae-My-Music-Journey-Capa-Dura

A co-fundadora da VP Records e uma das matriarcas reinantes da música Reggae; Patricia "Miss Pat" Chin, continua a liderar a maior gravadora independente e distribuidora de música caribenha. Sua autobiografia enérgica e envolvente cobre sua história familiar, seu relacionamento com seu falecido marido Vincent Chin - e para a Jamaica em geral - sua chegada em Nova York no final dos anos 70 e, claro, seu papel crucial na fundação da VP Records. O livro está repleto de imagens de arquivos fantásticos que abrangem o surgimento da música jamaicana como uma força cultural na década de 1950 até hoje, trazendo memórias reveladoras de Miss Pat à vida. Perspectivas de empresários, políticos e músicos, incluindo Chris Blackwell (fundador da Island Records), Edward Seaga (ex-primeiro-ministro da Jamaica), cantora Marcia Griffiths e Lee "Scratch" Perry iluminam ainda mais a incrível história da vida de Miss Pat e experiências.


Sobre o Autor

Patricia "Miss Pat" Chin é a força dinâmica por trás da VP Records, a maior gravadora de reggae do mundo, uma pessoa de energia e entusiasmo incomparáveis. Ela é mãe de quatro, avó de 12 e bisavó de três. Nos últimos anos, ela concentrou suas paixões em "retribuir", colaborando com o ilustrador Michael Thompson na criação da exposição pop-up intitulada "A Reggae Music Journey", sobre a história do reggae, em cooperação com a VP Records. 


Miss Pat: My Reggae Music Journey Capa dura – 17 março 2021

Editora : Gingko Press (17 março 2021)
Idioma : Inglês
Capa dura : 212 páginas
ISBN-10 : 0578657252
ISBN-13 : 978-0578657257
Dimensões : 24.64 x 2.54 x 30.73 cm


Siga o Fyadub nas redes sociais: 

domingo, 28 de fevereiro de 2021

1976: MOVIMENTO BLACK RIO

1976: Movimento Black Rio, de Luiz Felipe de Lima; Peixoto
 e Zé Otávio Sabadelhe (Rio de Janeiro: José Olympio, 2016)
Lançado em 10 de novembro de 2016, o livro 1976: Movimento Black Rio, dos jornalistas Luiz Felipe de Lima Peixoto e Zé Otávio Sabadelhe, celebra os quarenta anos da manchete de Lena Frias, Black Rio: o orgulho (importado) de ser negro no Brasil, publicada em 17 de julho de 1976 no Caderno B do Jornal do Brasil. Em 28 reportagens, os autores recorrem a entrevistas e material previamente publicado para contar a história da cultura de bailes que, alimentados por soul, funk e disco afro-norte-americanos, espalharam-se pela Zona Norte carioca nos anos 1970, bem como a história do conjunto das apropriações desses gêneros por Tim Maia, Toni Tornado, Hyldon, Carlos Dafé, Cassiano, Gerson King Combo, Dom Salvador e Abolição, União Black, e Banda Black Rio. O livro tenciona constituir “uma contribuição à construção discursiva de uma memória social positiva da população negra brasileira” e oferece elementos para um trabalho necessário de revisão historiográfica que transcende o âmbito do tema tratado, apesar de erros fatuais que poderiam ter sido corrigidos por cruzamento de dados.


Escrito pelos jornalistas Luiz Felipe de Lima Peixoto e Zé Otávio Sabadelhe, coautor de Memória afetiva do botequim carioca (2015), o livro 1976: Movimento Black Rio foi lançado em 10 de novembro de 2016, aos quarenta anos da manchete de Lena Frias para o Jornal do Brasil. Segundo o Grupo Editorial Record (2016), do qual José Olympio é um selo, “a obra faz parte do projeto de mesmo nome organizado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, com patrocínio da Natura, que contará com uma série de ações de valorização do Movimento Black Rio”. Entende-se por Black Rio a cultura de bailes que, nos anos 1970, espalhou-se pela Zona Norte carioca, alimentados por soul, funk e disco afro-norte-americanos. O termo foi cunhado por Frias em 1976 para designar aquilo que alguns de seus entrevistados, entre os quais Oséas Moura dos Santos, o Mr. Funky Santos, nomeavam Soul Power.

O sucesso de coletâneas de música afro-norte-americana lançadas pelas equipes de som dos bailes — Soul Grand Prix, Dynamic Soul e Black Power — somou-se ao sucesso fonográfico de Tim Maia para abrir as portas da indústria a uma geração de músicos negros que, na esteira do samba-jazz, da bossa-nova, do twist e do iê-iê-iê, exploraram musicalidades afro-pan-americanas com referência ao soul, ao funk, à disco e ao jazz. Assim, a expressão Black Rio passou a encampar o conjunto das apropriações destes gêneros por Tim Maia, Toni Tornado, Hyldon, Carlos Dafé, Cassiano, Gerson King Combo, Dom Salvador e Abolição, União Black, e Banda Black Rio. Até mesmo Jorge Ben e Wilson Simonal, cujas carreiras fonográficas se iniciam na primeira metade dos anos 1960, bem como o João Donato de A Bad Donato (1970), o Gilberto Gil de Refavela (1977), o Caetano Veloso de Bicho Baile Show (1977–1978), dentre outros, seriam eventualmente associados ao Black Rio. A participação de artistas do soul-funk brasileiro nos bailes teve contudo caráter acessório. Estes se prolongariam pelos anos 1980 sob o nome bailes funk, fixados em gravações importadas, com repertórios sempre atualizados (electrofunk, electro, house, Miami bass, Latin freestyle), e terminariam por gerar uma música própria: o funk carioca.

Os bailes de subúrbio foram objeto dos trabalhos de Hermano Vianna (1988: 19–34), Michael Hanchard (1994: 111–119), Claudia Assef (2003: 35–51), Silvio Essinger (2005: 15–48), Sonia Giacomini (2006: 189–256) e Paulina Alberto (2009); a música soul brasileira, dos de Bryan McCann (2002), Zuza Homem de Mello (2003: 367–390), José Roberto Zan (2005), e Sean Marquand e Sérgio Babo (2006). Allen Thayer (2006) abordou ambos os temas. O uso anacrônico do termo soul para a produção musical dos anos 1970 no Brasil explica-se pelo fato de, em 1969, a revista Billboard ter mudado o nome da parada de música afro-norte-americana, de rhythm‘n’blues, para soul, designação mantida até 1982 (BRACKETT, 2009: 66). Por outro lado, a emergência do funk carioca no final dos anos 1980 e a necessidade de diferenciar entre “o verdadeiro funk” e o primeiro gênero brasileiro de música eletrônica dançante contribuíram para a manutenção da palavra soul enquanto designação da vertente não eletrônica do soul-funk brasileiro.

O livro de Sabadelhe e Peixoto é a primeira monografia publicada sobre o assunto. Além de uma apresentação por Peixoto e de uma introdução por Sabadelhe, ele consiste em 28 reportagens[1] seguidas por considerações finais de Carlos Alberto Medeiros, um posfácio de Ana Maria Bahiana, e bibliografia. Os autores entrevistaram Dom Filó, Toni Tornado, Roberto Menescal, Zeca Marques, Leandro Petersen, Zezé Motta, o DJ Paulão (da equipe Black Power), Carlos Alberto Medeiros, Macau, Nei Lopes, William Magalhães, Mamão, Alcione Pinto Magalhães, Jamil Joanes, André Midani, Hyldon, Tony Bizarro, Sandra de Sá, Ed Motta, Fernanda Abreu, Pee Wee Ellis e BNegão. Um conjunto de citações cuja fonte não é especificada possivelmente provém de depoimentos de Marcos Romão (62–63), do DJ Paulinho da equipe Black Power (67), de Sir Dema (68, 74–75), de Marcelo Gularte (72), de Paulo Cézar Caju (79–80), do DJ Jailson da equipe Jet Black (81–82), de Altay Veloso (148–149), de Jorjão Barreto (156), de Nasca (183–184), do DJ Corello (189) e do DJ Marlboro (195). Excertos do depoimento de Filó conduzem a narrativa, em alternância com outras falas, trechos da literatura e amostras do jornalismo da época.

Nas palavras dos autores, o livro descarrega “uma torrente de relatos” (219). Faltam-lhe porém verificação e cruzamento de dados. O Black Rio teria inspirado o samba-jazz (21), que lhe é anterior (LOPES, 2006). O discotecário Ademir Lemos teria citado “uma renda que um jogo de Flamengo e Vasco não atingia nos domingos do Maracanã” (24), quando efetivamente citou “uma renda que um jogo, se não tiver Vasco ou Flamengo, não atinge” (FRIAS, 1976: 1). A música Heartbeat, do grupo War (ESSINGER, 2005: 34), recebe o nome de Heartbreak (64). O livro de Hanchard (1994) é creditado a McCann (104), de cujo artigo (2002: 35) provém a citação (105) atribuída ao primeiro. A aliança entre o soul e o samba de raiz é dada por “jamais revelada” (116), embora Essinger a tenha exposto em 2005 (40–42). The Platters seria um grupo “da gravadora Motown” (126), pela qual jamais passaram[2]. Dois álbuns de Luiz Melodia, um de 1978, outro de 1980, seriam balões “de ensaio para a concepção da linha sonora que iria balizar o disco Maria fumaça” (169), de 1977. Gerson King Combo teria recebido um telegrama de James Brown (170), um engodo que Essinger (2005: 39) revelou há onze anos. A origem do soul da Filadélfia é localizada na “fundação [em 1971] da gravadora Philadelphia International Records” (186–187), ainda que Kenny Gamble e Leon Huff tenham iniciado seus trabalhos em 1965 (LAWRENCE, 2004: 117). The Sugarhill Gang seria um “grupo de Nova Iorque” (194), embora todos os seus integrantes e o selo que os gravava estivessem sediados em Englewood, no estado de New Jersey (KATZ, 2012: 77–78). O subgênero de funk carioca conhecido por putaria é rotulado de proibidão (194). Breaks seriam “trechos ritmados de determinada faixa, inserida em outra música, por meio de mixagens” (195), quando constituem elementos básicos de construção da música hip-hop (KATZ, 2012: 14. ROSE, 1994: 73–74). A criação da “estrutura musical do hip-hop” seria resultado de “beats eletrônicos da máquina de ritmos programável Roland TR-808” e do “advento dos samplers” (197), dois recursos que só se tornaram disponíveis em 1980, sete anos após a fundação da cultura hip-hop (KATZ, 2012: 17–19). Muita coisa poderia ter sido corrigida pela revisão: “latente” (27) por “patente”; “cujo os” (74) por “cujos”; “Blood, Sweet and Tears” (149) por “Blood, Sweat and Tears”; “flauta em baixo” (153) por “flauta baixo”; “o melô” (194) por “a melô”. Por fim, as expressões “base endiabrada” (120), “petardo disco-funk groovadíssimo” (177) e “outro petardo” (197) tomam o lugar de descrições musicalmente relevantes.

Peixoto afirma em sua apresentação que o livro “quer ser uma contribuição à construção discursiva de uma memória social positiva da população negra brasileira” (16). Os autores se perguntam: “quando ou como o Movimento Black Rio teria sucumbido ao espetáculo que se criou em torno dele?” (219). Ao apresentá-lo no papel de precursor das atuais políticas de identidade, sob os auspícios do mesmo Estado que hoje sujeita todas as atividades recreativas nas favelas cariocas ao arbítrio da polícia ou das Forças Armadas, eles não deixam de participar desse espetáculo. É lícito exclamar-se: “menos ‘política identitária’, menos ‘empoderamento’, menos ‘lugar de fala’ e mais luta de classes!”[3]

Por outro lado, ao inserir os bailes black, a música soul, os bailes funk e o funk carioca no âmbito transnacional das manifestações da diáspora africana, ambos prestam contribuição ao combate contra o racismo estrutural da historiografia musical brasileira, onde, por exemplo, Mr. Funky Santos ocupa posição ambígua. Ao mesmo tempo que se credita ao radialista e DJ (branco) Big Boy ter começado tudo em Botafogo, atribui-se a Moura dos Santos o início dos Bailes Black, no extinto Astória Futebol Clube4, no bairro do Catumbi (ESSINGER, 2005: 19). Organizador, desde 1972, das Noites do Shaft, no Renascença Clube, no Andaraí, Dom Filó afirma: 

Big Boy. Ele tocava eminentemente o rock! Botava lá um “James Brownzinho” no final do baile. Então ele não era o black da hora, só que tinha o material. Outra coisa. O primeiro baile não foi no Canecão. O primeiro baile foi na Zona Norte! O Big Boy só fazia no Canecão porque a sua clientela era eminentemente branca (OLIVEIRA FILHO; CARDOSO; MEDEIROS, 2009).

A ideia de que o Black Rio — e, por decorrência, o funk carioca — tenha origem em Botafogo parece derivar de um problema de interpretação da matéria de Frias, que afirma: “no começo era apenas a [equipe] de Big Boy” (1976: 4). E cita Moura dos Santos (grafado “Santos dos Santos” no texto): “O soul começou com Big Boy, Ademir, Monsieur Limá, por volta de 1969, 1970” (6). Vianna (1988: 24) infere: “os primeiros bailes foram realizados na Zona Sul, no Canecão”. Seja pelos depoimentos coletados, seja pela iconografia reunida, 1976: Movimento Black Rio fornece farto material para um trabalho necessário de revisão historiográfica que transcende o âmbito do tema tratado. 



sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

WINSTON DUKE INTERPRETARÁ MARCUS GARVEY EM 'MARKED MAN' DA AMAZON

Winston Duke interpretará Marcus Garvey em "Marked Man" da Amazon; Andrew Dosunmu Helming, Jesse Williams e DeWanda Wise In Talks, Mark Gordon e Matt Jackson Produzem

Winston Duke, Marcus Garvey

A Amazon Studios escolheu Winston Duke (Pantera Negra) para estrelar no papel de Marcus Garvey em "Marked Man" (Homem Marcado). Garvey foi um ativista político que foi uma figura chave do nacionalismo negro no século XX. Andrew Dosunmu dirigirá o drama, e Jesse Williams (Little Fires Everywhere) e DeWanda Wise (She’s Gotta Have It) estão em negociações para estrelar o longa.

Jesse Williams, DeWanda Wise, Andrew Dosumnu, Mark Gordon
Cortesia de Eric Ray; Emily Berl; AP

O filme é parcialmente inspirado na biografia de Colin Grant, Negro with a Hat: The Rise and Fall of Marcus Garvey. O roteiro é do aclamado dramaturgo Kwame Kwei-Armah, que Esther Douglas desenvolveu com o apoio do BFI Film Fund.

Mark Gordon (Ray Donovan), da Mark Gordon Pictures, está produzindo com Matt Jackson (The Trial of the Chicago 7), Glendon Palmer e Douglas, da Jackson Pictures. Robert Teitel, Kwei-Armah e Joanne Lee da Jackson Pictures serão os produtores executivos, junto com Kwei-Armah.

Situado na década de 1920, Marked Man segue um jovem negro que se junta ao Federal Bureau of Investigation de J. Edgar Hoover e, em seguida, se infiltra na organização UNIA de Garvey, testando sua lealdade tanto à raça quanto ao país à medida que se cansa das ações de ambos.

Depois de dirigir vídeos para nomes como Isaac Hayes, Common, Tracy Chapman e Wyclef Jean, Dosunmu fez sua estréia como diretor com Restless City e, mais recentemente, dirigiu o drama de Michelle Pfeiffer-Kiefer Sutherland, Where Is Kyra?. Em seguida, ele dirige Beauty para a Netflix Original Films e para a produtora Lena Waithe.

Entre as obras de Kwei-Armah como dramaturgo estão Elmina’s Kitchen, Let There Be Love, A Bitter Herb, Statement of Regret, Marley e Seize the Day. Ele escreveu recentemente o roteiro do próximo filme musical de Spike Lee sobre a descoberta da pílula azul da Pfizer, o Viagra. A Jackson Pictures está produzindo.

Todos os talentos e cineastas são representados pela CAA. Dosunmu também é representado por Andre Des Rochers; Williams pela Management 360 e Des Rochers; Wise por ColorCreative e advogada Nina Shaw; Kwei-Amah da Redfine Entertainment, United Agents e advogada Linda Lichter; e a Jackson Pictures, do advogado Neil Sacker.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

O REINO DE SATAN

Satan's Kingdom: Bristol and the Transatlantic Slave Trade
Encontrei muitos pretos e brancos, além de asiáticos e outras etnias de vampiros ao longo do caminho.

Eu tentei conscientizar (eles) sobre certos problemas ao longo dos anos.

Mas quando publiquei coisas como essa, tive cerca de uma "curtida" e as ervas daninhas deixaram acontecer.

Até que um anúncio para a próxima porra de uma festa 'dub' para ensinar as pessoas apareceu, e chamou toda a atenção para o cu lambido que acompanhava eles.

Agora é a coisa certa para o 'woke' [acordado], que está mais para 'joke' [piada], que por 5 minutos ligou os holofotes da virtude de sua equipe para provar que não são racistas e projetar que apoiam a luta, como se não soubessem nada sobre isso antes.

Ainda agora, chegou a hora de seu próprio tempo e acordo, de como deveria ser o destaque de certa consciência, e para aqueles que realmente não sabem ou se recusaram a reconhecer para ver.

Então não se pode lutar contra isso. Eu concordo que é um momento divino. Mesmo que eu não confie nas organizações que estão criando (esse momento).

Silêncio é violência meu cu.

Alguns certamente desejariam que eu não falasse para não começar a brilhar pelo fogo da tocha no poço da hipocrisia.

Afinal, um homem sábio deveria saber quando manter a língua quieta.

Mas se for forçado, por que não oferecer algumas palavras.

Bem, se é para ser revolução, quais planos e provisões você fez para o plano de backup (plano b). Não estou sentindo as vibrações estilo 'Mad Max'. Antes de se revoltar, espero que você tenha o plano de backup no lugar. Engajar o cérebro como se estivesse (lá).

Que soluções você está trazendo para a mesa? Não estou dizendo que tenho todas as respostas, mas a retórica revolucionária é muito divertida até brigarmos pelos últimos restos de comida.

Não estou afirmando saber todas as respostas.

Mas a coisa mais sensata que posso sugerir e trazer para a mesa agora, pelo menos, é caminhar em direção a soluções positivas, é começar o cultivo e dar pequenos passos, sempre que possível, em direção à auto-suficiência.

A revelação está apenas começando. E não pense que a merda do Covid vai desaparecer em algum lugar. Eles estão planejando um próximo plano que eles têm debaixo da manga como falamos, sem dúvida.

Não vou me curvar diante dos mágicos e feiticeiros das trevas e seus truques (e não estou falando sobre a cor da pele, no caminho que alguns morderam a isca da raça).

Tenha um bom dia.

E não se esqueça de dar um sinal de virtude aos seus mais de 1000 companheiros 'acordados' no facecrack.


Satan's Kingdom: Bristol and the Transatlantic Slave Trade (Inglês) Capa comum – 8 março 2007
Editora : Past & Present Press (8 março 2007)
Idioma : Inglês
Capa comum : 176 páginas
ISBN-10 : 0953208214
ISBN-13 : 978-0953208210


Siga o Fyadub nas redes sociais:


sábado, 13 de fevereiro de 2021

DIRETRIZES DE RASTAFARI SOBRE AUTO-DEFESA

1. "Assegure-se de que a agressão terá resistência onde e de qualquer forma que seja enfrentada." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 366)

2. "Antes de recorrermos a medidas como o uso da força, devemos exaurir todos os métodos pacíficos razoáveis." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 680)

3. "Mesmo quando confrontado com aqueles que não cedem, continue a demonstrar amor e consideração até ser obrigado a recorrer à autodefesa." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 208)

4. "Não gostamos da guerra. Mas na guerra não devemos deixar nosso inimigo passar sem nos defendermos ferozmente e sem forte resistência." (The Autobiography of Emperor Haile Sellassie I: King of All Kings and Lord of All Lords; My Life and Ethopia's Progress 1892-1937, Pag. 225)

5. "O inimigo deve ser estudado desde o início antes de ir até ele." (Important Utterances of H.I.M Emperor Haile Selassie I, Pag. 10)

6. "Portanto, é bastante evidente que aqueles que vivem nos tempos atuais, quando há bilhões de pessoas no mundo, precisam possuir o poder por meio do qual possam se defender." (Important Utterances of H.I.M Emperor Haile Selassie I, Pag. 9)

7. "Nós mesmos, se deixarmos de fazer os preparativos adequados para a nossa defesa, seremos considerados como tendo falhado tanto em nossa responsabilidade para conosco como em nosso dever de ajudar na preservação da paz mundial." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 56)

8. "A força pode ser inútil onde é necessária a habilidade." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 53)

9. "Não retribua o mal com o mal." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 338)

10. "Eduque-se para a guerra, mas você deve se esforçar para preservar a paz." (Selected Speeches of His Imperial Majesty Haile Selassie I, Pag. 607)

- SMI Haile Selassie I Ras Tafari


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

DUB POEMS AND QUOTES FROM THE MIND OF RAS ATIBA

Clique aqui para comprar
"Este é um apelo a todos que estão usando dreads e aqueles que não usam: Por favor, não se chamem de Rasta se você não estiver cumprindo seus princípios e valores verdadeiros. Você está fodendo uma coisa boa para os nossos filhos. Ponha de lado essa fama e o querer de foder tudo à sua vista. Essa crença não é Rasta, e tem  que parar porque muitos dos nossos jovens estão sendo enganados. Procure SMI JAH em todas as suas preocupações. A ordem antiga nunca envelhece. Prática, prática. Rastafari é amor e o amor não tem nada a ver com fraqueza. Mais força!"

"O que vai volta. Não se venda a descoberto. Hoje é para você, amanhã é para mim. Sua fundação é onde seu futuro se origina. Será sua prova de integridade nos próximos anos. Tudo está bem. Nós estamos no agora; amanhã você pagará pelas obras que você estabeleceu (hoje). Então faça o bem ao homem pobre."

"Antes do final dos anos, gostaria que algumas pessoas soubessem que vocês não podem fingir nas mídias sociais. É apenas uma questão de tempo até o verdadeiro você surgir. Seja você mesmo, pela história. Os dias de atuação terminaram. Abram caminho para um ano mais promissor."

Dub Poet, Ras Atiba nasceu Emile Ivy na Jamaica. Ele começou a escrever poesia no final dos anos 80. Como Dub Poet, ele se apresentou local e internacionalmente. Ras Atiba hoje mora em Brooklyn, Nova York, onde coordena um workshop regular de artes e cultura para pessoas de todas as idades.

Ele é o CEO da Ah Time Ras Productions e líder da Sarabita World Band. Ras Atiba frequentou a escola primária Mountain View e a Vauxhall High School. Suas habilidades poéticas o levaram a alguns filmes, ‘What Goes Around’, dirigido e produzido por Te-Hut Nine e ‘Fork In the Road’ produzido e dirigido por Te-Hut e Mykol Fox.

Dub Poems and Quotes from The Mind of Ras Atiba’ resumirá uma jornada de observações de um visionário.


Editora : Emile Ivy (8 julho 2017)
Idioma : Inglês
Capa comum : 182 páginas
ISBN-10 : 0692917225
ISBN-13 : 978-0692917220
Dimensões : 15.24 x 1.04 x 22.86 cm




domingo, 31 de janeiro de 2021

THE CREATIVE ECHO CHAMMBER: CONTEMPORARY MUSIC PRODUCTION IN KINGSTON, JAMAICA

Para comprar clique aqui 
O nome do livro - The Creative Echo Chamber - é bom porque o eco produz boas vibrações. Nos primeiros dias dos músicos como (King) Tubby, começamos a criar a música da câmara de eco criativa. Costumávamos pegar sons da TV como a música tema do filme Kojak e trabalhar com o ritmo. Foi daí que algumas das minhas músicas vieram, e chamamos de 'Lee Scratch Presents'. Era como fazer um filme, uma apresentação internacional da música. Mesmo assim, eu estava fazendo coisas de dancehall com Tubby. Era diferente do dancehall de agora.

A música da época era mais espiritual e não apenas para dançar ... ensinar, meditar, piedade, era como um mapa que as pessoas podiam seguir ... ver as crianças crescer e seguir, e geralmente incluía algo que envolvia Garvey, Rastafari e outras coisas como isso. Uma parte disso era ensinar a cultura do Rastafari. Nós, as pessoas, queríamos fugir do governo e realmente não queríamos nos misturar com eles ... era nossa filosofia que vivêssemos nossas vidas e eles vivessem as deles. Costumávamos falar sobre ganja, pois acreditávamos que o ganja deveria ser libertada há muito tempo antes.

As músicas desse período criativo incluem 'Jah Live', 'Man to Man' e 'Small Axe' - essas são as músicas que escrevi para Bob Marley quando ele me pediu para ajudá-lo. Era assim que costumávamos nos ajudar.

Foi assim que a música começou. Começamos a construir uma nação musical para representar a vibração espiritual na Jamaica. Reunimos tudo e construímos a Jamaica com um ritmo e uma bênção especial para tornar possível o impossível. É isso que estamos tentando fazer. Foi-nos dada essa energia e poder para liderar um certo número de pessoas na comunidade, para fortalecer a força da unidade. A combinação importante que temos aqui é a música - alguns podem tocá-lo e outros podem cantá-lo.
Temos a chave - uma chave mestra que deve ser do mestre que fez o bloqueio. O mestre que fez a chave nos trancou, nos fez uma chave mestra e nos mostrou como convocar o mestre para que pudéssemos fazer música representando Deus ... minha música deve estar representando Deus.

Em termos do lado comercial da música, eles (artistas) entram em seu estúdio, e você precisa se certificar de ter algum dinheiro, porque não viriam até você, a menos que você tivesse algum dinheiro.
A partir do momento em que esses artistas vêm encontrá-lo, você começa a pagá-los por causa dos problemas em casa, problemas no bolso. Então, todo esse dinheiro que você dá a eles é dinheiro grátis? E então você não deve voltar atrás ou tentar voltar atrás? Quando você tenta recuperá-lo, o que é dizem é deve ser tomado, ou arrancar deles.

O livro - The Creative Echo Chamber - é uma boa ideia. diga a verdade às pessoas, diga às pessoas o que você sabe. Não coloque no seu bolso ... você compartilha com outras pessoas, você não o coloca (seu conhecimento) no seu bolso e o esconde. Quando você compartilhar a verdade, ela alcançará todos os lugares, porque as pessoas ouvirão sobre ela e outra dirá; 'Você quer saber uma coisa, eu estava lendo um livro e sei exatamente como a música jamaicana começou e se desenvolveu'. E, finalmente, a palavra sai e o mundo sabe, e o livro saiu do escuro para dizer algo que nenhum outro livro diz.

A palavra final sobre o livro é que é uma ideia muito boa para você procurar no escuro e encontrar a verdade, e quando encontra a verdade no escuro, traz a verdade para a luz e a expõe às pessoas. Isso faz de você uma maravilha ou um gênio. História - você encontra a história real, o Black Ark Miracle (O Milagre da Arca Preta) - nem mesmo eu fiz algo sobre isso - e parece exatamente como isso. É por isso que a palavra vem assim - e isso - estava em algum lugar na sua cabeça.

Você esteve lá por muito tempo para ver a verdade, então agora você está aqui para escrever um livro sobre isso. É assim que a obra de Deus aparece e fala com as pessoas, e você ouve a palavra e diz 'É a verdade viva': é assim que Deus opera.


ASIN : B01MCXQO5C
Editora : Ian Randle Publishers (23 outubro 2016)
Idioma : Inglês
Tamanho do arquivo : 9787 KB
Leitura de texto : Habilitado
Configuração de fonte : Habilitado
X-Ray : Não habilitado
Dicas de vocabulário : Habilitado
Número de páginas : 244 páginas


segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

15 LIVROS QUE MALCOLM X LEU NA PRISÃO QUE DESENVOLVEU E EVOLUIU O CONHECIMENTO DE SI MESMO



“Eu soube ali mesmo na prisão que a leitura mudara para sempre o curso da minha vida. Como vejo hoje, a capacidade de ler despertou dentro de mim um desejo há muito adormecido de estar mentalmente vivo ... Minha educação caseira me deu, com cada livro adicional que li, um pouco mais de sensibilidade para a surdez, mudez e cegueira que estava afligindo a raça preta na América.” - Malcolm X


Quando um homem preto obtém conhecimento de si mesmo, ele adquire compreensão sobre sua situação suprema na terra e no universo.

A qualidade de estudar Malcolm X quando ele esteve na prisão, é o que o transformou de "apenas mais um homem preto preso no sistema", em uma demonstração verdadeira e viva da excelência preta e do poder preto.

Leitores são líderes, e quando Malcolm X internalizou essa ideia, tornou-se fanaticamente obcecado por ler constantemente algo que pudesse ajudá-lo a levantar a situação do homem e da mulher preta na América e em todo o mundo.

Trecho de “Aprendendo a Ler” da Autobiografia de Malcolm X:

Foi por causa de minhas cartas que por acaso tropecei, ao começar a adquirir algum tipo de educação autodidata.

Fiquei cada vez mais frustrado por não ser capaz de expressar o que queria transmitir nas cartas que escrevia, especialmente aquelas dirigidas o Sr. Elijah Muhammad. Na rua, eu era o traficante mais articulado que existia. Eu chamava a atenção quando dizia algo. Mas agora, tentando escrever um inglês simples, eu não apenas não era articulado, como nem mesmo era funcional. Como eu soaria escrevendo em gíria, a maneira como eu diria, algo como: “Olha, pai, deixa-me tirar seu casaco sobre um gato, Elijah Muhammad"

Muitos que hoje me ouvem em algum lugar pessoalmente, ou na televisão, ou aqueles que lêem algo que eu disse, pensarão que fui para a escola muito além da oitava série. Essa impressão se deve inteiramente aos meus estudos na prisão.

Realmente havia começado na prisão de Charlestown, quando Bimbi me fez sentir inveja de seu estoque de conhecimento. Bimbi sempre assumiu o comando de todas as conversas em que estava, e eu tentei imitá-lo. Mas cada livro que peguei tinha poucas frases que não continham de uma a quase todas as palavras que poderiam muito bem estar em chinês. Quando eu simplesmente pulei essas palavras, é claro, eu realmente acabei com uma pequena ideia do que o livro dizia. Então, eu vim para a Colônia da Prisão de Norfolk ainda passando apenas por movimentos de leitura de livros. Em breve, eu teria desistido até mesmo desses movimentos, a menos que tivesse recebido a motivação que recebi.

Percebi que a melhor coisa que eu poderia fazer era conseguir um dicionário - estudar, aprender algumas palavras. Tive a sorte de raciocinar também que deveria tentar melhorar minha caligrafia. Foi triste. Eu não conseguia nem escrever em linha reta. Foram as duas idéias juntas que me levaram a solicitar um dicionário junto com alguns cadernos e lápis da escola da Colônia da Prisão de Norfolk.

Passei dois dias folheando incerto as páginas do dicionário. Nunca tinha percebido que existiam tantas palavras! Eu não sabia quais palavras precisava aprender. Finalmente, apenas para iniciar algum tipo de ação, comecei a copiar.

Com minha caligrafia lenta, meticulosa e irregular, copiei para meu caderno tudo o que estava impresso na primeira página, até os sinais de pontuação.

Acredito que demorei um dia. Então, em voz alta, eu li para mim mesmo, tudo que escrevi no caderno. Repetidamente, em voz alta, para mim mesmo, li minha própria caligrafia.

Acordei na manhã seguinte, pensando sobre essas palavras - imensamente orgulhoso de perceber que não só tinha escrito tanto ao mesmo tempo, mas tinha escrito palavras que nunca soube que existiam no mundo. Além disso, com um pouco de esforço, também pude lembrar o que muitas dessas palavras significavam. Eu revisei as palavras cujos significados não lembrava. Engraçado, da primeira página do dicionário agora, que “aardvark” [porco-formigueiro ou porco-da-terra] vem à minha mente. O dicionário tinha uma imagem dele, um mamífero africano de cauda longa e orelhas compridas, que vive de cupins capturados por esticar a língua como um tamanduá faz com as formigas.

Fiquei tão fascinado que continuei - copiei a página seguinte do dicionário. E a mesma experiência veio quando estudei isso. A cada página seguinte, também aprendi sobre pessoas, lugares e eventos da história. Na verdade, o dicionário é como uma enciclopédia em miniatura. Finalmente, a seção A do dicionário encheu um caderno inteiro - e eu fui para a seção B. Foi assim que comecei a copiar o que acabou se tornando o dicionário inteiro. Ficou muito mais rápido depois de tanta prática que me ajudou a aumentar a velocidade da escrita à mão. Entre o que escrevi no meu caderno e escrever cartas, durante o resto do meu tempo na prisão, acho que escrevi um milhão de palavras.

Suponho que fosse inevitável que, à medida que minha base de palavras se ampliava, eu pudesse pela primeira vez pegar um livro e ler e agora começar a entender o que o livro dizia. Quem já leu muito pode imaginar o novo mundo que se abriu. Deixa eu te dizer uma coisa: a partir daí até eu sair daquela prisão, em cada momento livre que eu tinha, se eu não estava lendo na biblioteca, eu estava lendo no meu beliche. Você não poderia ter me tirado dos livros com uma cunha. Entre os ensinamentos do Sr. Muhammad, minha correspondência, meus visitantes - geralmente Ella e Reginald - e minha leitura de livros, meses se passaram sem que eu sequer pensasse em estar preso. Na verdade, até então, nunca tinha sido tão verdadeiramente livre em minha vida. - Autobiografia de Malcolm X

15 livros que Malcolm X leu na prisão 

"Senhor [Elijah] Muhammad, o ensinamento de sobre como o homem branco foi criado me levou a Findings In Genetics, de Gregor Mendel. (A seção G do dicionário foi onde eu aprendi o que significa "genética".) Eu realmente estudei este livro do monge austríaco. Li várias vezes, especialmente algumas seções, me ajudou a entender que, se você começou com um homem preto, um homem branco poderia ser produzido; mas começando com um homem branco, você nunca poderia produzir um homem preto - porque o cromossomo branco é recessivo. E uma vez que ninguém contesta que houve apenas um Homem Original, a conclusão é óbvia.” -Malcolm X

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

PREFEITO JOÃO DÓRIA COLOCA EM VIGOR IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE STREMING EM SP





Na semana passada, a gestão do prefeito João Doria (PSDB) enviou à Câmara Municipal de São Paulo um projeto de lei (630/2017) que inclui vários serviços na cobrança do ISS (Imposto Sobre Serviços), inclusive plataformas de streaming. Isso significa que, se a proposta for aprovada, serviços como Netflix e Spotify poderão ficar um pouco mais caros, pelo menos para quem mora na capital paulista.

A proposta tem como base a lei complementar nº 157 que, sancionada pelo presidente Michel Temer no final do ano passado, incluindo o de streaming. Caso a proposta seja aprovada pela Câmara neste ano, os serviços de streaming poderão ter que pagar ISS já no início de 2018.

É claro que a aprovação do ISS para serviços de streaming não significa que a cobrança será, obrigatoriamente, repassada para o usuário na forma de aumento da mensalidade. Mas as chances de isso acontecer são grandes. À CBN, o deputado Walter Ihoshi (PSD) reconheceu que o consumidor deve ser impactado, mas frisou que, mesmo assim, o preço final ficará mais baixo na comparação com serviços sujeitos ao ICMS, como TV por assinatura.

O vereador Aurélio Nomura (PSDB), líder do governo na Câmara, explicou que o projeto não tem data para ser votado, pois há outras propostas que são prioridade no Legislativo. De todo modo, a votação deverá ocorrer o “mais rápido possível”.

A prefeitura ressalta que o projeto serve para “adequar a legislação municipal” — a lei complementar determina que, no caso de plataformas de streaming, a cobrança de ISS seja executada no município em que o serviço é prestado.

Ao Estadão, o Spotify declarou que não irá comentar o assunto. A Netflix, por sua vez, não se manifestou.

Por Emerson Alecrim - Artigo original publicado @ https://tecnoblog.net/223953/iss-streaming-sao-paulo/

Siga o Fyadub nas redes sociais:

   Twitter   https://www.instagram.com/fyadub_fyashop/   http://www.youtube.com/fyadub  http://www.discogs.com/seller/fyashop/profile   http://fyadub.blogspot.com.br/p/fyashop-teste_22.html   fyadub@yahoo.com.br

DISQUS NO FYADUB | FYASHOP

O FYADUB | FYASHOP disponibiliza este espaço para comentários e discussões das publicações apresentadas neste espaço. Por favor respeite e siga o bom senso para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas... PS. DEUS ESTÁ VENDO!